Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rory Gallagher
Rory Gallagher em 1987
Informação geral
Nome completo William Rory Gallagher
Nascimento 2 de março de 1948 Ballyshannon, Condado de Donegal, Irlanda
Morte 14 de junho de 1995 (47 anos) Londres, Inglaterra
Gênero(s) Blues, Rock, Blues-rock, Electric blues
Instrumento(s) Guitarra, bandolim, saxofone, harmónica
Período em atividade 1963 - 1995
Gravadora(s) Polydor, Chrysalis
Afiliação(ões) Taste
Página oficial rorygallagher.com

William Rory Gallagher (2 de março de 194814 de junho de 1995)[1][2] foi um multi-instrumentista, compositor e produtor de rock e blues irlandês. Nascido em Ballyshannon, County Donegal[3] e criado em Cork, Gallagher gravou álbuns solo nos anos 70 e 80, depois de formar a banda Taste no final dos anos 60. Seus álbuns venderam mais de 30 milhões de cópias em todo o mundo.[4][5]

Gallagher recebeu um transplante de fígado em 1995, mas morreu de complicações no final daquele ano em Londres, aos 47 anos de idade.[6]

BiografiaEditar

É irlandês de nascimento e iniciou o seu sucesso como guitarrista, após formar o power trio Taste em 1965. O Taste foi uma banda irlandesa de blues pesado e com elementos de jazz e rock, que alcançou fama no final dos anos 1960. Após participar do Festival da Ilha de Wight em 1970, famoso festival do qual também participaram Jimi Hendrix, The Who, Emerson, Lake & Palmer, Miles Davis e muitos outros, ele encerrou a banda, formou um power trio com Gerry McAvoy, baixista que o acompanhou por quase toda a sua carreira e Wilgar Campbell na bateria e partiu para uma vitoriosa carreira solo.

Lançou seu primeiro álbum, chamado apenas Rory Gallagher e a partir daí, sua carreira começou a decolar e no mesmo ano de 1971 lançou seu segundo álbum, chamado Deuce onde o objetivo principal era gravar as músicas como um show ao vivo e o resultado foi um álbum com pouca produção e totalmente elétrico. Palavras do próprio Rory: "Eu amo tocar para o povo. O público significa muito para mim. Não é uma coisa vazia. Eu amo gravar também, mas preciso de um contato regular e frequente com o público, porque ele me dá energia!!!" Daí é possível entender o porquê da gravação de Deuce ao vivo no estúdio e sem overdubs. É desse disco a canção Crest of a Wave que tem uma melodia fantástica, um vocal poderoso, forte e um solo de "slide" onde Rory mostra um pouco de sua técnica com sua Fender Stratocaster, sem pedais, que o acompanhou por toda carreira desde os 15 anos de idade e também In Your Town, que se tornou um clássico de seu repertório.

Sentindo e sabendo que o seu potencial ao vivo era fantástico, Rory gravou vários shows de sua turnê de 1972 e lançou o álbum Live! in Europe. Esse disco ficou entre os tops na Inglaterra e levou a Rory ser eleito músico do ano pelo jornal Melody Maker e também foi eleito o melhor guitarrista deste mesmo ano. Esse disco foi o primeiro dele lançado no Brasil. O disco é uma pedrada e abre com uma faixa (Messin' With The Kid) cujo trabalho de guitarra, poderia tranquilamente ser classificado como uma aula. Em 1974, agora com Rod de'Ath na bateria e Lou Martin nos teclados, lançou um de seus discos mais conhecidos; o duplo e também ao vivo, Irish Tour que também virou um filme. Neste Rory está mais visceral e mais largado como ele gostava de ser. Rory era um guitarrista de poucos efeitos e conhecia como poucos, timbragens de um instrumento e um bom amplificador. Tanto que seus amplificadores principais, um Vox AC30 e um Fender Bassman, viraram febre muitos anos depois.

A trajetória de Rory Gallagher seguiu com mais 14 trabalhos, entre eles o disco Calling Card, de 1976, seu 8º álbum, que foi gravado em Munique, na Alemanha e produzido por Roger Glover, baixista do Deep Purple. Certa vez, Roger Glover lembrando as gravações com Rory disse: "…uma vez, tarde da noite, Rory estava ao microfone, no estúdio, fazendo uma espécie de sermão, como um pastor, chamando a todos para repetir suas palavras e chamando a Deus. Isto durou toda a noite sempre com muita bebida e risadas. É isto que fez dele um grande astro, um grande performer ou seja, a sua habilidade em divertir o público, independente da ocasião."

Em 1978, Rory voltou ao formato de power trio e recrutou Ted McKenna, ex-baterista da Alex Harvey Band. Gravaram o álbum Photo Finish, com um trabalho maravilhoso de slide guitar. Com esta formação, Rory ainda gravou mais dois discos e depois deu uma parada, vindo a lançar mais tres álbuns, sendo o último Fresh Evidence em 1990.

Infelizmente, depois de 16 álbuns gravados, muitos shows e grande reconhecimento dentro da comunidade musical, Rory Gallagher faleceu em 14 de junho de 1995, depois de contrair uma infecção hospitalar, quando se recuperava de uma cirurgia de transplante de fígado. Bono Vox (U2) na época falou: “Rory foi um dos grandes guitarristas de todos os tempos e um grande cavalheiro, uma pessoa muito simples.” Em seu enterro, pelas ruas de Cork, cidade irlandesa, Rory foi reverenciado por uma multidão. Rory Gallagher pôs a Irlanda no mapa da música rock mundial, foi um dos grandes guitarristas do rock e do blues e merecia muito mais que apenas a lembrança de seus fãs.

DiscografiaEditar

Álbuns de Estudio

Referências

  1. «Rory Gallagher's birth certificate». Flickr. Consultado em 24 de fevereiro de 2019 
  2. «Rory Gallagher». Allmusic. Consultado em 24 de fevereiro de 2019 
  3. Grossman, Stefan (março de 1978). «Rory Gallagher: Irish Guitar Star With Roots in American Blues and Rock». Magazine. Guitar Player magazine. Consultado em 24 de fevereiro de 2019 
  4. «Extract from Riding Shotgun biography – Prologue: Can't Believe It's True». Ridingshotgun.co.uk. Consultado em 24 de fevereiro de 2019 
  5. «The A-Z of Irish Music: G — Rory Gallagher Biography». Irish Connections. Consultado em 24 de fevereiro de 2019. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2019 
  6. Stanton, Scott. (2003). The Tombstone Tourist: Musicians. [S.l.]: Simon & Schuster. p. 319. ISBN 0-7434-6330-7 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre guitarristas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.