Várias culturas e tradições populares atribuem um significado simbólico à rosa, embora raramente sejam compreendidos em profundidade. Exemplos de significados mais profundos encontram-se na linguagem das flores e em como uma rosa pode ter um significado diferente nos arranjos. Há significados comumente associados a rosas de diferentes cores, como a vermelha para o amor. Sua presença simbólica é vista também em brasões na heráldica.

Hans Simon Holtzbecker: Rosa gallica, guache, c. 1650 (Statens Museum for Kunst, Copenhagen). A semi-dupla Rosa gallica, de vermelho-vivo, foi "a ancestral de todas as rosas da Europa medieval".[1]

Na religião editar

Religião greco-romana editar

 
Venus Verticórdia (1868) de Dante Gabriel Rossetti, mostrando a deusa Afrodite rodeada de rosas vermelhas

Na Grécia antiga, a rosa estava intimamente associada à deusa Afrodite.[2][3] Na Ilíada, Afrodite protege o corpo de Heitor usando o "óleo imortal da rosa"[4][2] e o poeta lírico grego arcaico Íbico elogia um belo jovem dizendo que Afrodite cuidou dele "entre flores de rosa".[5] O escritor de viagens grego do século II, Pausânias, associa a rosa com a história de Adônis.[6] O Livro Onze do antigo romance romano O Asno de Ouro por Apuleio contém uma cena em que a deusa Ísis, que é identificada com Vênus, instrui o principal personagem, Lúcio, que foi transformado em um burro, para comer pétalas de uma coroa de rosas usada por um padre como parte de uma procissão religiosa a fim de recuperar sua humanidade.[3]

Cristandade editar

Após a cristianização do Império Romano, a rosa foi identificada com a Virgem Maria.[7][8] O símbolo da rosa acabou levando à criação do rosário e outras orações devocionais no Cristianismo.[9][8] Desde 1400, os franciscanos têm um Rosário da Coroa das Sete Alegrias da Bem-Aventurada Virgem Maria.[8] Nos anos 1400 e 1500, os cartuxos promoveram a ideia de mistérios sagrados associados ao símbolo da rosa e aos jardins de rosas.[8] A pintura de Albrecht Dürer A Festa do Rosário (1506) retrata a Virgem Maria distribuindo guirlandas de rosas para seus adoradores.[8]

Devido à sua simetria axial, a rosa se torna uma mandala (uma palavra de origem sânscrita que significa círculo) e pode ser considerada um símbolo do centro de existência que irradia a criação; coletando dessa forma alguns dos significados simbólicos da roda, mas adicionando a ela as conotações de vida e beleza. Da fusão desses dois símbolos: Rosa e Roda, derivam, por exemplo, as rosáceas das igrejas românicas e góticas, que simbolizam a entrada da influência divina na criação (o antigo oculus dos templos romanos que também pode ser visto no primeiras igrejas românicas) como a irradiação a partir do centro imóvel (Deus) das várias ordens da criação.[10][11]

 
A Divina Comédia. Paraíso, Canto XXXI. Gravura de Gustave Doré

Na Divina Comédia de Dante, pela mão de Beatriz, Dante finalmente chega ao Paraíso diante de uma enorme rosa branca, A Rosa Cândida, expressão do amor divino, onde as pétalas são as almas entronizadas dos fiéis e no centro da qual está a Virgem Maria, com o simbolismo a ela associado da Rosa Mística. Nas dimensões alegóricas de Dante, a figura da rosa une o amor terreno e mortal ao celeste e imortal, e a rosa divina, recebendo a luz de seu paralelo, o divino sol, representa o mistério da salvação e manifestação do amor divino no universo.[12]

Em forma, então, de cândida rosa

a mim se mostrava a milícia santa,

que em seu sangue Cristo fez esposa;

mas a outra, que voando vê e canta

a glória daquele que a enamora

e a bondade que a fez tanto,

como a esquadra de abelhas às flores

chega, e uma vêm e outra retorna

lá, onde seu labor se saboreia,

na grande flor descendia, que se adorna

de tantas folhas, e então ressaía

lá, aonde seu amor sempre se aloja[13]

 
A Divina Comédia. Paraíso, Canto XXXI. Gravura de Gustave Doré

Finalmente, por intercessão de Maria, Dante, na companhia de Beatriz, pode contemplar diretamente Deus que se mostra a ele como a Rosa Celestial; no Empíreo, uma luz rodeada por círculos concêntricos de anjos.

Mas não eram suficientes as próprias asas:

se não que a minha mente era percutida

de um fulgor que em sua vontade tem.

A alta fantasia aqui faltou força;

mas eu já volvia o meu desejo e o querer,

assim como roda, que igualmente é movida,

o amor que move o Sol e as estrelas.[13]

Segundo Peter Dronke, a rosa sintetiza a multiplicidade na unidade. Assim o fez o poeta latino Luxório em um epigrama "em louvor à rosa de cem pétalas": "Mesmo se a rosa cípria for vestida em cem pétalas, a Vênus toda nela fluiu, com todo seu sangue". A partir do século XII, começaram a ser tornar comuns no vernáculo religioso os termos rosa rosarum e "flor das flores", como em hinos e nas Cantigas de Afonso: "Rosa das rosas et fror das frores, Dona das donas, sennor das sennores". Também um século antes de Dante, o cardeal Pedro de Cápua fez um pequeno tratado simbólico chamado De Rosa.[14][15]

Paracelso, em seu Livro sobre a Ressureição e Glorificação dos Corpos, sustenta que a rosa é o símbolo da transfiguração ou espiritualização do corpo humano; ela representa tanto o sangue de Cristo quanto a Pedra Filosofal em seu estado rúbeo aperfeiçoado, como agente da transmutação alquímica. Essa é uma possível fonte que pode ter influenciado a concepção do simbolismo no rosacrucianismo.[16]

Islã e sufismo editar

O cultivo de jardins geométricos, nos quais a rosa sempre ocupou um lugar de destaque, tem uma longa história no Irã e nas terras vizinhas.[17][18] No gazel lírico, é a beleza da rosa que provoca o canto saudoso do rouxinol[19]―imagem que se destaca, por exemplo, nos poemas de Hafez.[20]

Por sua vez, a imagética de amante e amada tornou-se um tipo da busca do místico sufi pelo amor divino, de modo que Ibn Arabi, por exemplo, alinha a rosa com a bochecha ruborizada da amada por um lado e, por outro, com os nomes e atributos divinos.[21]

Outros exemplos bem conhecidos de simbolismo de rosa no sufismo incluem:

Por países editar

Espanha editar

Os catalães do nordeste da Espanha tradicionalmente celebram o Dia de São Jorge (23 de abril)―que comemora São Jorge (Sant Jordi), o santo padroeiro da região da Catalunha―como o dia dels enamorats ("dia dos namorados"), em que os amantes trocam rosas vermelho-sangue.[22]

Inglaterra editar

 
A rosa de Tudor, no padrão de dupla rosa dobrada. A representação comum em brasões europeus é da rosa silvestre (R. canina) de cinco pétalas.[23]

A rosa é a flor nacional da Inglaterra, um uso que remonta às guerras civis inglesas do século XV (mais tarde chamada de Guerras das Rosas), em que uma rosa vermelha representava a Casa de Lancaster, e uma rosa branca representava a Casa de York.[24] A dinastia Tudor criou a rosa de Tudor, que unia as rosas brancas e vermelhas, um simbolismo dramatizado por Shakespeare em sua peça Ricardo III.[25][26] A balada tradicional The Rose of England narra a tomada da coroa pelo conde de Richmond (que se tornou Henrique VII da Inglaterra, o fundador da dinastia Tudor), usando a "rosa vermelha" como alegoria para Henrique.[27]

Estados Unidos editar

Em 1986, a rosa foi adotada como o emblema floral nacional dos Estados Unidos.[28][29]

México editar

A cidade mexicana de Guadalajara, capital de Jalisco, é apelidada de "Cidade das Rosas" (Ciudad de las Rosas).[30][31]

Socialismo e social-democracia editar

 
Emblema do Partido dos Trabalhadores Franceses (Parti Ouvrier Francais) com sol nascente em um fundo de roseta vermelha, 1893
 
Emblema para "The World Order of Socialists" com uma rosa vermelha, substituindo o escudo de armas, contendo um aperto de mão estendendo em um globo planejado racionalmente sob um sol nascente, desenhado por Walter Crane, c. 1915

Desde a década de 1880, a rosa vermelha é um símbolo do socialismo.[32][33] A origem da rosa como símbolo do socialismo está relacionada à sua associação com a cor vermelha. Desde pelo menos 1848, o vermelho foi associado ao socialismo.[34] Após a Revolução Francesa de 1848, os socialistas pressionaram para que a bandeira vermelha da revolução fosse designada como bandeira nacional.[35] Os republicanos, porém, prevaleceram e a bandeira tricolor francesa continuou sendo a bandeira nacional. O governo provisório como compromisso decretou que: "Em sinal de mobilização e em memória de reconhecimento ao último ato da revolução popular, os membros do governo provisório e outras autoridades usarão a roseta vermelha, que também será colocada no mastro."[36]

Durante a Comuna de Paris em 1871, a bandeira vermelha solidificou seu vínculo com o socialismo quando foi hasteada como a bandeira do governo de curta duração dos communards.[37] Após o colapso da Comuna de Paris, o chanceler alemão Bismarck, temendo a força crescente dos socialistas na Alemanha, fez o parlamento aprovar as leis anti-socialistas para suprimir as atividades do Partido Social-Democrata. Como parte das leis anti-socialistas de 1878, a exibição de emblemas do Partido Social Democrata foi proibida. Para contornar a lei, os social-democratas usavam pedaços de fitas vermelhas em suas casas. Essas ações, no entanto, resultaram em sentenças de prisão e prisão. Posteriormente, foram substituídos por botões de rosa vermelhos pelos social-democratas. Essas ações também resultaram em detenções e sentenças de prisão. O judiciário decidiu que, em geral, todos tinham o direito de usar qualquer flor de acordo com seu gosto, mas que quando os socialistas, como um grupo, usam botões de rosa vermelhos, isso se tornaria um emblema do partido.[32]

Devido às leis anti-socialistas, que proibiam as atividades social-democratas, centenas de socialistas foram multados, presos ou exilados da Alemanha.[38] Posteriormente, os exilados alemães espalharam o símbolo da rosa vermelha do socialismo pela Europa e pelos Estados Unidos. O socialista Johann Most foi um desses exilados socialistas alemães, que primeiro foi para a Inglaterra e depois foi para os Estados Unidos e carregou consigo o símbolo do botão de rosa vermelho. O botão de rosa vermelho foi usado na lapela em 1887 durante os discursos que fez em apoio aos oito indivíduos condenados no Caso Haymarket em um sinal de solidariedade socialista.[33] Da mesma forma, o uso de uma flor vermelha, como um cravo vermelho ou rosa vermelha, tornou-se comum durante as cerimônias de comemoração na França no Muro dos Communards, que lembrava as vítimas do colapso da Comuna de Paris.[39] Na década de 1910, a rosa vermelha era universalmente identificada como um símbolo do movimento socialista.[40][41]

 
Emblema do Partido Democrático Trabalhista brasileiro

A Biblioteca Tamiment e Arquivos Robert F. Wagner da Universidade de Nova York afirmam que a rosa "sempre foi um símbolo importante com associações anti-autoritárias".[42] A rosa é usada para mostrar o fim após os meios, significando "colocar uma rosa na sepultura". O símbolo da rosa tornou-se popular como um logotipo político entre os partidos políticos socialistas e social-democratas na Europa Ocidental pós-Segunda Guerra Mundial,[42] como os Social-Democratas da Suécia. O Partido Socialista Francês (PS) foi o primeiro partido a adotar a variante do símbolo da rosa em um punho em 1971.[43][44] Depois, a rosa em punho foi usada pela Internacional Socialista "e por muitos de seus partidos membros".[45] O Partido Trabalhista britânico usa uma rosa vermelha como símbolo desde o final dos anos 1980; a rosa substituiu o símbolo anterior do partido, a bandeira vermelha.[46][47]

Alegoria na literatura editar

A rosa em sentido alegórico aparece muitas vezes na literatura. No poema de William Blake The Sick Rose, a rosa é um símbolo do amor ou da paixão, é carmesim e escura, mas ora doente, o verme a infectou. A rosa no popular poema francês do século XIII Romance da Rosa é uma personificação da mulher, o objeto das atenções do amante, e o ato de arrancar a rosa representa sua conquista dela. No título do conto de William Faulkner A Rose for Emily, a rosa tem vários significados possíveis: como a amante de Emily agora seca e preservada, ou um segredo como por sub rosa. Em um pós-escrito ao O Nome da Rosa, Umberto Eco discute o motivo do título de seu romance de 1983: "porque a rosa é uma figura simbólica tão rica em significados que agora quase não tem sentido".[carece de fontes?]

Outros editar

 
Monumento à "Weiße Rose".

A Rosa Branca (alemão die Weiße Rose) foi um grupo de resistência intelectual não violento da Segunda Guerra Mundial no Terceiro Reich liderado por um grupo de estudantes e um professor da Universidade de Munique. O grupo conduziu um folheto anônimo e uma campanha de grafite que clamava à oposição ativa ao regime do partido nazista. Suas atividades começaram em Munique em 27 de junho de 1942 e terminaram com a prisão do grupo central pela Gestapo em 18 de fevereiro de 1943. Sob interrogatório da Gestapo, Hans Scholl deu várias explicações para a origem do nome "A Rosa Branca" e sugeriu que ele pode tê-lo escolhido enquanto estava sob a influência emocional de um poema do século XIX com o mesmo nome do poeta alemão Clemens Brentano. Também foi especulado que o nome poderia ter sido tirado ou de um verso do poeta cubano Jose Marti, "Cultivo una rosa blanca", ou de um romance alemão Die Weiße Rose, escrito por B. Traven. Hans Scholl e Alex Schmorell haviam lido esse romance. Eles também escreveram que o símbolo da rosa branca pretendia representar a pureza e a inocência em face do mal.[48]

Ver também editar

Referências

  1. Teresa McLean: Medieval English Gardens. Dover Publications, Mineola, NY 1980, p. 165.
  2. a b Cyrino, Monica S. (2010). Aphrodite. Col: Gods and Heroes of the Ancient World. New York City, New York and London, England: Routledge. pp. 63, 96. ISBN 978-0-415-77523-6 
  3. a b Clark, Nora (2015). Aphrodite and Venus in Myth and Mimesis. Cambridge, England: Cambridge Scholars Publishing. pp. 209–210. ISBN 978-1-4438-7127-3 
  4. Iliad 23.185–187.
  5. Ibycus, fragment 288.4.
  6. Pausanias, Description of Greece 6.24.7.
  7. Cucciniello, Lisa (2008). Rose to Rosary: The Flower of Venus in Catholicism. [S.l.]: Lexington Books. pp. 64–65 
  8. a b c d e Clark, Nora (2015). Aphrodite and Venus in Myth and Mimesis. Cambridge, England: Cambridge Scholars Publishing. pp. 209–210. ISBN 978-1-4438-7127-3 
  9. Cucciniello, Rose Lore, pp. 65 ff.
  10. Cirlot, Juan Eduardo (1997). Diccionario de Símbolos. Siruela. ISBN 84-7844-352-5.
  11. Davy, Marie-Madelaine (1996). Iniciación a la simbología románica. Akal. ISBN 84-460-0594-8.
  12. Seward, Barbara (1955). «Dante's Mystic Rose». Studies in Philology (4): 515–523. ISSN 0039-3738. Consultado em 4 de julho de 2021 
  13. a b Alighieri, Dante. A Divina Comédia, Canto XXXI
  14. Dronke, Peter (2003). «Symbolism and Structure in Paradiso 30». In: Lansing, Richard H. Dante: The Critical Complex (em inglês). 7. Dante and Interpretation. [S.l.]: Taylor & Francis 
  15. Dronke, Peter (1965). Medieval Latin and the Rise Of European Love-Lyric. 1. Oxford: Oxford University Press 
  16. Tilton, Hereward (2016). «Rosicrucianism». In: Magee, Glenn Alexander. The Cambridge Handbook of Western Mysticism and Esotericism. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 175
  17. Shirvani, Hamid (1985). «The Philosophy of Persian Garden Design: The Sufi Tradition». Landscape Journal. 4: 23–30. doi:10.3368/lj.4.1.23 
  18. Marinus Zwemer, Samuel (1941). «The Rose and Islam». The Muslim World. 31: 360–370. doi:10.1111/j.1478-1913.1941.tb00950.x 
  19. Diba, Layla S. (2001). «Gol o bolbol». In: Yarshater. Encyclopædia Iranica. 11. London and New York: Routledge. pp. 52–57 
  20. Julian Baldick in History of Persian Literature - Google Books;
  21. Ibn Arabi, The Tarjuman al-Ashwaq, trans. R. A. Nicholson, Theosophical Publishing House 1911 and 1978, pp. 130, 145.
  22. Matthew Tree, "St George's Day with a Catalan twist", The Guardian (April 23, 2011).
  23. McIntyre, Jim (1970). The Story of the Rose (em inglês). [S.l.]: Ward Lock 
  24. Peter Childs, "Places and Peoples: Region and Nation", in British Cultural Identities, eds. Mike Storry & Peter Childs (4th ed., Routledge, 2013), p. 43.
  25. George Goodwin, Fatal Rivalry: Flodden, 1513: Henry VIII and James IV and the Decisive Battle for Renaissance Britain (W. W. Norton, 2013), p. 11.
  26. Jon Robinson, Court Politics, Culture and Literature in Scotland and England, 1500-1540 (Ashgate, 2008), p. 44.
  27. Natascha Würzbach & Simone M. Salz, Motif Index of the Child Corpus (Walter de Gruyter, 1995), pp. 175 f.
  28. 36 U.S.C. § 303 ("The flower commonly known as the rose is the national floral emblem.").
  29. Stephen Buchmann, The Reason for Flowers: Their History, Culture, Biology, and How They Change Our Lives (Simon & Schuster, 2016), p. 218.
  30. "The Mexican 'City Of Roses' Where Americans Feel At Home", Philadelphia Inquirer wire services (October 11, 1987).
  31. Bob Brooke, The Everything Family Guide To Mexico: From Pesos to Parasailing (Adams Media), p. 236.
  32. a b «Metropolitan. v.38 1913.». HathiTrust (em inglês). p. 63. Consultado em 2 de março de 2019 
  33. a b «Most's Meeting». Indianapolis Indiana State Sentinel. 21 de setembro de 1887. p. 1 Column 1 
  34. Leighton, John (1871). Paris Under the Commune (em inglês). [S.l.]: Bradbury, Evans. pp. iv 
  35. Agoult, Marie d' (1862). Histoire de la révolution de 1848 (em francês). [S.l.]: Charpentier. 363 páginas 
  36. Agoult, Marie d' (1862). Histoire de la révolution de 1848 (em francês). [S.l.]: Charpentier. 360 páginas. M. Louis Blanc, en rédigeant le décret qui déclarait que le drapeau national était le drapeau tricolore, obtint d’y ajouter la phrase suivante : «Comme signe de ralliement et comme souvenir de reconnaissance pour le dernier acte de la révolution populaire, les membres du gouvernement provisoire et les autres autorités porteront la rosette rouge, laquelle sera placée aussi à la hampe du drapeau.» 
  37. Leighton, John (1871). Paris Under the Commune (em inglês). [S.l.]: Bradbury, Evans. pp. 118. red flag. 
  38. Hayes, Carlton J. H. (outubro de 1917). «The History of German Socialism Reconsidered». The American Historical Review. 23: 77. JSTOR 1837686. doi:10.2307/1837686 
  39. Russell, Phillips (agosto de 1914). «In Memory of Commune -- A Working Class Demonstration in Paris». The International Socialist Review. 15: 70 
  40. «Small Army Guarding Rockefeller Estate». Boston Sunday Post. 14 de junho de 1914. p. 9 Column 3 
  41. The Woman Voter, Woman Suffrage Party of New York (1915). What does the red rose really mean? (em inglês). [S.l.]: Allied Printing Trades Union Council, New York City. pp. 10 
  42. a b «About Our Logo». Tamiment Library and Robert F. Wagner Archives. New York University. Cópia arquivada em 2 de julho de 2017 
  43. Einaudi, Luca (agosto de 2017). «Coins of the Month -- The symbols of the French socialists from the nineteenth century to today». www.histecon.magd.cam.ac.uk. Joint Centre for History and Economics, University of Cambridge. Consultado em 26 de maio de 2019 
  44. Cépède, Frédéric. "Le poing et la rose", un symbole devenu encombrant? Retour sur la saga d'un logo (1970-2017) (PDF). [S.l.]: 2017 
  45. Historical Dictionary of Socialism (Rowman & Littlefield, 2015), p. 167.
  46. The rise and fall of New Labour, BBC News (August 3, 2010).
  47. Thomas William Heyck, A History of the Peoples of the British Isles (Vol. 3: Psychology Press, 2002), p. 312.
  48. Dumbach, Annette & Newborn, Jud Sophie Scholl & The White Rose, p. 58. 2006 One world Publications. ISBN 978-1851685363