Roy Keane

ex-treinador, comentarista esportivo e ex-futebolista irlandês

Roy Maurice Keane (Cork, 10 de agosto de 1971) é um ex-treinador, comentarista esportivo e ex-futebolista irlandês que atuava como meio-campista. Atualmente é comentarista esportivo da Sky Sports.

Roy Keane
Roy Keane
Keane em 2014.
Informações pessoais
Nome completo Roy Maurice Keane
Data de nasc. 10 de agosto de 1971 (52 anos)
Local de nasc. Cork, Irlanda
Nacionalidade irlandês
Altura 1,80 m
Informações profissionais
Clube atual aposentado
Posição ex-meio-campista
Função ex-treinador
Clubes de juventude
1979-1989 Rockmount A.F.C.
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1989–1990
1990–1993
1993–2005
2005–2006
Cobh Ramblers
Nottingham Forest
Manchester United
Celtic
0029 0000(2)
0154 000(32)
0480 000(51)
0013 0000(1)
Seleção nacional
1991–2005 Irlanda 0067 0000(9)
Times/clubes que treinou
2006–2008
2009–2011
2013–2018
2014
2019
Sunderland
Ipswich Town Irlanda (auxiliar técnico)
Aston Villa (auxiliar técnico)
Nottingham Forest (auxiliar técnico)

Ele é o jogador de futebol irlandês de maior sucesso de todos os tempos, tendo conquistado 19 troféus importantes em sua carreira no clube, 17 dos quais durante sua passagem pelo clube inglês Manchester United.[1] Considerado um dos melhores meio-campistas de sua geração, Keane foi nomeado por Pelé na lista FIFA 100 dos maiores jogadores vivos do mundo em 2004.[2] Notável por seu comportamento difícil e impetuoso, ele foi classificado em 11º lugar na 'lista dos 50 jogadores de futebol "mais difíceis" da história em 2007' do jornal britânico The Times. Keane foi introduzido no Hall da Fama da Premier League em 2021.

Biografia

editar

Roy Maurice Keane nasceu em uma família da classe trabalhadora na área de Ballinderry Park, no subúrbio de Mayfield, em Cork, em 10 de agosto de 1971. Seu pai, Maurice, trabalhava onde quer que encontrasse; isso incluiu empregos em uma empresa local de malhas e na cervejaria Murphy's Irish Stout, entre outros. Sua família gostava de esportes, especialmente futebol, e muitos de seus parentes haviam jogado em clubes juniores de Cork, como o Rockmount. Keane começou a lutar boxe aos nove anos e treinou por vários anos, vencendo todas as suas quatro lutas na liga novata. Durante este período, ele se desenvolveu como um jogador de futebol muito mais promissor na Rockmount, e seu potencial foi destacado quando foi eleito o "Jogador do Ano" em sua primeira temporada. Muitos de seus companheiros de equipe tiveram a oportunidade de fazer testes no exterior com times de futebol ingleses, mas Keane não. Ele apoiou o Celtic e o Tottenham Hotspur quando criança, citando Liam Brady e Glenn Hoddle como seus jogadores favoritos, mas o jogador do Manchester United , Bryan Robson, mais tarde se tornou o jogador de futebol que ele mais admirava.

Carreira em clubes

editar

Keane começou no futebol nas categorias de base do Rockmount AFC. Iniciou profissionalmente no Cobh Ramblers, em 1989, e se transferiu para o Nottingham Forest, na temporada seguinte.[3] O meio-campista chegou aos Foresters sem muita badalação, mas disputou 154 jogos e marcou 32 gols em 3 temporadas como jogador do clube.

Após o rebaixamento do clube na temporada 1992-93, Keane acabou contratado pelo Manchester United de Sir Alex Ferguson por 3,75 milhões de libras, um recorde de transferências entre equipes inglesas naquela época.[4] Em sua primeira temporada pelos Red Devils, atuou por 53 vezes e marcou 8 gols.

Foi capitão do clube entre 1997 e 2005 e é um dos jogadores que ganhou mais títulos na história no futebol inglês. Foi dele o gol do primeiro título mundial do Manchester, na Taça Intercontinental de 1999, contra o Palmeiras.[5]

Keane era um meio-campista box-to-box habilidoso e que chegava muito ao ataque, apesar de ter se destacado mais como um cão de guarda à frente do sistema defensivo das equipes por onde passou; após ter contribuído inclusive com quatro gols em dez jogos na surpreendente classificação irlandesa em desfavor dos favoritos neerlandeses à Copa do Mundo FIFA de 2002, foi descrito pela revista brasileira Placar como "um Dunga mais habilidoso".[6]

Todavia, era considerado por vezes violento. Em 2001, no clássico do United contra o Manchester City, realizou uma das jogadas mais sujas já vistas no futebol inglês, ao entrar violentamente no capitão da equipe rival, o norueguês Alf-Inge Håland, pai do atual atacante do City, Erling Haaland, que teve de encerrar a carreira devido às consequências da lesão. Roy Keane afirmou depois que não estava arrependido, justificando-se como a sua vingança por se ter lesionado num choque com o mesmo Håland na temporada 1997/98.[7] Naquela ocasião, este jogava no Leeds United e a lesão de Keane, recém-promovido a capitão do Manchester, fê-lo perder o resto da temporada - e os Red Devils perderiam o título da Liga Premier para o Arsenal FC.. Já em 2001 o United não só terminou campeão como o City, adiante, viria a ser rebaixado.

Keane também costumava ser duro com os próprios companheiros, quando os julgava pouco empenhados. Em 2005, não se inibiu, em entrevista à própria emissora oficial do Manchester United, em criticar publicamente Rio Ferdinand, com essas palavras: "tem gente que pensa que é estrela só porque recebe 180 mil dólares por semana e joga bem 20 minutos contra o Tottenham. Existe uma inversão de valores na equipe. Parece que nesse time você tem que jogar mal para ser recompensado. Talvez é o que eu deva fazer. Jogar mal". A entrevista acabou jamais transmitida, embora o conteúdo se disseminasse e gerasse mal estar.[8][9][10]

Keane e o clube viriam naquele mesmo ano a extinguir o contrato do irlandês, no início da temporada 2005-06. O clube vinha de um ano sem títulos, e a pressão era grande por parte dos adeptos. No início da época, Keane já havia criticado o treinador Alex Ferguson ao abrir a concentração da equipe, em Algarve, para familiares.[11] Após o episódio de críticas públicas de Keane na própria emissora do United, Ferguson tirou a faixa de capitão do jogador e não ofereceu-lhe um novo contrato,[12] ainda que isso significasse uma saída a custo zero. Keane veio então a firmar contrato com o Celtic.[13]Após apenas seis meses, ele encerrou sua carreira profissional, após seguidas lesões na reta final de sua trajetória - sobretudo nos quadris.[14]

Seleção

editar

Foi capitão da Seleção Irlandesa, pela qual foi convocado para duas Copas do Mundo: o de 1994 e o de 2002. No mundial da Coreia e Japão, entretanto, pediu dispensa da equipe antes da competição,[15] após ser acusado pelo técnico Mick McCarthy de simular uma lesão às vésperas do mundial. O caso ficou conhecido como Incidente de Saipan, e o Keane que comandou a Irlanda foi outro - Robbie Keane, que, ao contrário do que se possa imaginar, não tem parentesco com Roy. Roy Keane só voltou a jogar uma partida pela seleção irlandesa em 2004, após a demissão de McCarthy.[16]

No total, Roy Keane jogou 67 partidas pela Irlanda e marcou 9 tentos, até seu último jogo em 2005.[17]

Títulos

editar
Nottingham Forest
Manchester United
Celtic

Treinador

editar

Sunderland

Individual

Referências

  1. soccer-ireland.com (3 de janeiro de 2023). «Most Decorated Fottballers : Ireland : Honours : Trophies». Irish Football (em inglês). Consultado em 18 de agosto de 2023 
  2. «Pele's list of the greatest» (em inglês). 4 de março de 2004. Consultado em 18 de agosto de 2023 
  3. Ball, Off The. «Roy Keane: Remarkable story behind Irish midfielder's Forest debut». OffTheBall (em inglês). Consultado em 13 de julho de 2023 
  4. «On this day: Roy Keane signs new Manchester United contract». Sports Mole (em inglês). Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  5. «Ex-United que atacou danças do Brasil foi carrasco do Palmeiras no Mundial». www.uol.com.br. Consultado em 13 de julho de 2023 
  6. Santa chatice, Keane! (maio 2002). Placar n. 1220 - "Guia da Copa". São Paulo: Editora Abril, pp. 96-99
  7. FREITAS, Carlos Eduardo & LEAL, Ubiratan (março 2008). Reflexão pós-trauma. Trivela n. 25, março de 2008. São Paulo: Trivela Comunicações, pp. 30-35
  8. "Você tem que jogar mal para ser recompensado" (março de 2008). FourFourTwo n. 5. Editora Cadiz, p. 37
  9. GLOBOESPORTE.COMLondres, Por. «Roy Keane rebate críticas de Alex Ferguson: 'Desconhece lealdade'». globoesporte.com. Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  10. 161385360554578 (6 de setembro de 2019). «Roy Keane reignites Sir Alex Ferguson feud: 'I'll never forgive him'». talkSPORT (em inglês). Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  11. «Ferguson admite discussão com Roy Keane no Manchester». Pioneiro. Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  12. «Capitão Roy Keane deixa o Manchester United - 18/11/2005 - UOL Últimas Notícias». noticias.uol.com.br. Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  13. «Keane completes switch to Celtic» (em inglês). 15 de dezembro de 2005 
  14. «Legend Keane announces retirement» (em inglês). 12 de junho de 2006. Consultado em 13 de julho de 2023 
  15. «Irlandês Keane é dispensado por criticar preparação | BBC Brasil | BBC World Service». www.bbc.com. Consultado em 13 de dezembro de 2019 
  16. «Roy Keane é reintegrado à seleção da Irlanda - 14/05/2004 - UOL Esporte - Futebol». www.uol.com.br. Consultado em 13 de julho de 2023 
  17. «On This Day in 2005: Roy Keane retires from international football». Independent.ie (em inglês). 14 de outubro de 2022. Consultado em 13 de julho de 2023 
  18. «League Managers Association – Roy Keane». leaguemanagers.com. Consultado em 20 de dezembro de 2020 

Ligações externas

editar