Abrir menu principal
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
O Royal Pavilion

O Royal Pavilion ("Pavilhão Real") é uma antiga residência real localizada em Brighton, Inglaterra. Foi construída em estilo indo-sarraceno (estilo predominante na Índia no século XIX) como refúgo à beira-mar para o então Príncipe Regente, futuro Jorge IV do Reino Unido, sendo muitas vezes referida como Brighton Pavilion.

Índice

HistóriaEditar

O Príncipe Regente, que mais tarde se tornaria o rei Jorge IV, visitou Brighton pela primeira vez no ano de 1783, pois o seu médico recomendava a água do mar para o tratamento de sua gota. Em 1786 areendou uma casa de lavoura na zona de Old Steine, Brighton.

Estando longe da Corte Real, em Londres, o Pavilion também era um local discreto para o Principe gozar a ligação com o sua companheira de longo tempo, Mrs. Maria Anne Fitzherbert. O Principe desejara desposá-la, e poderá tê-lo feito secretamente; de qualquer forma isso era ilegal devido à sua Religião Católica.

 
O ricamente decorado Salão dos Banquetes no Royal Pavilion. Views of the Royal Pavilion (1826) de John Nash.

Henry Holland foi rapidamente encarregado de ampliar o edificio. O Príncipe também comprou terrenos em volta da propriedade, nos quais foram construídos, em 1803, uma grande escola de equitação e estábulos em estilo indiano, desenhados por William Porden.

Entre 1815 e 1822, John Nash redesenhou o palácio, sendo o resultado dos seus trabalhos o que se pode ver na actualidade. O palácio destaca-se particularmente na região de Brighton, tendo uma aparência muito indiana no seu exterior. De qualquer forma, o fantástico desenho interior, primeiramente da forma de Frederick Crace e Robert Jones, é pesadamente influenciado pelas modas chinesa e indiana (com elementos arquitectónicos mogóis e islâmicos). Foi um primeiro exemplo de exotismo, que era uma alternativa ao gosto mais clássico do estilo regência.

 
Jardins do Pavillion

Compra pela cidade de BrightonEditar

Depois da morte do Jorge  em 1830, o seu sucessor Guilherme IV também permaneceu no Pavilion durante as suas visitas a Brighton. de qualquer forma, depois da última visita da Rainha Vitória a Brighton, em 1845, o governo planeou vender o palácio e os terrenos. O Brighton Commissioners e o Brighton Vestry peticionaram com sucesso o governo a vender o Pavilion à cidade por 53 000 libras, em 1849.

 
Royal Pavillion visto da entrada

Uso actualEditar

Durante a Primeira Guerra Mundial, o Pavilion foi usado como hospital para os feridos da Índia e das Índias Ocidentais.

O Royal Pavilion encontra-se actualmente aberto ao público e também está disponível para fins educacionais, banquetes e casamentos. As taxas de admissão são reduzidas para os residentes locais durante o inverno.

Ligações externasEditar