Rua do Ouvidor (Rio de Janeiro)

rua no Rio de Janeiro

A Rua do Ouvidor é um logradouro localizado no Centro do Rio de Janeiro, no Brasil. Liga o Largo de São Francisco à Orla Conde.

Rua do Ouvidor
Rio de Janeiro, Brasil
Rua do Ouvidor (Rio de Janeiro)
Rua do Ouvidor, próximo à Igreja de Nossa Senhora da Lapa dos Mercadores.
Nomes anteriores Rua Desvio do Mar
Rua do Gadelha
Rua de Aleixo Manuel Albernaz
Rua do Barbalho
Rua da Santa Cruz
Rua da Quitanda
Rua de Pedro da Costa
Rua da Sé Nova
Tipo rua
Início Largo de São Francisco
Cruzamentos Rua Uruguaiana
Avenida Rio Branco
Rua Primeiro de Março
Estado Rio de Janeiro
Cidade Rio de Janeiro
Bairro(s) Centro
Fim Orla Conde
Lugares que atravessa
Coordenadas 22° 54' 13.6" S 43° 10' 44.1" O

História

editar

Originou-se de um caminho que dava acesso aos armazéns ou trapiches, como eram conhecidos à época, do antigo porto do Rio, aproximadamente onde hoje se localiza o Centro Cultural dos Correios. Teve vários nomes, tais como Rua Desvio do Mar, Rua do Gadelha, de Aleixo Manuel Albernaz, do Barbalho, da Santa Cruz, da Quitanda, de Pedro da Costa, da Sé Nova, entre outros.

O nome Rua do Ouvidor foi efetivado, em 1780, por influência popular, devido ao fato de, nela, residir o ouvidor-mor da cidade, Francisco Berquó da Silveira.[1][2]

 
Rua do Ouvidor, Rio de Janeiro. Imagem do álbum de gravuras O Rio de Janeiro Pitoresco, de Louis-Auguste Moreaux e Abraham-Louis Buvelot.

Era considerada a rua mais importante da cidade do Rio: era onde se localizava a maioria dos jornais cariocas e lugar para o qual se dirigia grande parcela da população à busca de notícias. Isso até 1900, quando houve a inauguração da Avenida Rio Branco e esta lhe tirou este posto.[3] Já, em 1824, escreveu o viajante germano-báltico Ernst Ebel: "Ao entrarmos, porém, na rua do Ouvidor, acreditamo-nos transportados para Paris, porque nela se estabeleceram os franceses e, na verdade, com aquela elegância que lhes é peculiar."[4] Machado de Assis, em seus textos, como a crônica do Livreiro da Rua do Ouvidor, já festejava a suntuosidade que era esta rua no final do século XIX. Os cafés, as livrarias, tudo que vinha de novidades do Velho Mundo, antes passava pela Rua do Ouvidor. Após a construção da antiga Avenida Central (atual Avenida Rio Branco) e, posteriormente, a Avenida Presidente Vargas, a Rua do Ouvidor caiu em decadência, servindo de base de pequenas lojas em grande quantidade.

Na atualidade, é uma rua comercial muito movimentada, embora seja estreita em largura. Possui dezenas de lojas (principalmente de roupas e calçados), agências bancárias, galerias comerciais, livrarias, botequins e restaurantes, prédios de escritórios e outros estabelecimentos.

Referências

  1. «Memórias da Rua do Ouvidor». Domínio Público. Consultado em 30 de maio de 2024 
  2. Guimarães, Alexandre (10 de outubro de 2005). «As memórias da mais tradicional rua carioca». Jornal do Senado. Consultado em 30 de maio de 2024 
  3. Decourt, André (5 de janeiro de 2011). «Rua do Ouvidor». Foi um Rio que passou. Consultado em 30 de maio de 2024 
  4. Ebel, Ernst (1972). O Rio de Janeiro e seus arredores em 1824. São Paulo: Editora Nacional 

Ligações externas

editar
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre Rua do Ouvidor:
  Categoria no Commons
  Base de dados no Wikidata
  Este artigo sobre geografia do estado do Rio de Janeiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.