Rudolf Serkin

Rudolf Serkin (28 de março de 1903 - 8 de maio de 1991) foi um pianista, concertista, e professor austríaco, considerado como um dos maiores especialistas na obra pianística de Beethoven.[1]

Rudolf Serkin
Nascimento 28 de março de 1903
Cheb
Morte 8 de maio de 1991 (88 anos)
Guilford
Sepultamento Vermont
Cidadania Áustria
Filho(s) Peter Serkin
Ocupação pianista, músico, professor de música
Prêmios
Empregador Curtis Institute of Music
Causa da morte câncer

BiografiaEditar

Rudolf Serkin nasceu em Eger, no Reino da Boémia, então Império Austro-Húngaro (atual República Checa). Como desde cedo demonstrou muito talento, foi considerado como criança prodígio[2] e mandado para Viena aos nove anos, onde estudou piano com Richard Robert e composição com Joseph Marx, fazendo sua estreia pública com a Orquestra Filarmônica de Viena aos doze anos de idade. De 1918 até 1920 estudou composição com Arnold Schoenberg e participou ativamente da sociedade criada por Schoenberg para apresentações privadas de música. Começou a sua carreira em concertos em 1920, vivendo em Berlim com o violinista alemão Adolf Busch e sua família, que incluía a filha do casal de três anos de idade, Irene, com quem Serkin casou quinze anos mais tarde.

Na década de 1920 e no início da década de 1930 Serkin apresentou-se na Europa como solista com o Quarteto Busch. Com o crescimento da popularidade de Hitler na Alemanha, em 1933 Serkin e os Busch (a família não era judia mas estava radicalmente contra o regime nazista) saíram de Berlim para Basileia, na Suiça.

Em 1933 Serkin fez a sua estreia nos Estados Unidos, no Festival Coolidge em Vienna, na Virgínia, onde se apresentou com Adolf Busch. Em 1936 ele começou sua carreira como solista com a Orquestra Filarmônica de Nova Iorque, sob direção de Arturo Toscanini. Os críticos receberam-no com entusiasmo, chamando o pianista de "um artista de talento impressionante, fora do comum quem possui uma técnica cristalina, bastante força e pureza tonal". Em 1937, tocou seu primeiro recital em Nova Iorque no Carnegie Hall.

Logo depois do inicio da Segunda Guerra Mundial, em 1939, os Serkin e os Busch emigraram para os Estados Unidos onde Serkin foi professor de varias gerações de pianistas no Instituto Curtis de Música em Filadélfia. Serviu com diretor do instituto de 1968 a 1976, morando com sua família primeiro em Nova York e depois em Filadélfia, alem de viver numa fazenda de gado leiteiro em Guilford, no Vermont.

Em 1951, Serkin e Adolf Busch fundaram a Escola de Música Marlboro, no Estado de Vermont e o Festival, perto de Brattleboro para estimular interesse na apresentação de música de câmara nos Estados Unidos. Entre as décadas de 1940 e 1980 ele fez muitas gravações, principalmente para o selo Columbia, incluindo uma para RCA Victor do Concerto n.º 4 para Piano e Orquestra de Beethoven com a Orquestra Sinfónica da NBC dirigida por Arturo Toscanini. Serkin foi admirador da música de Max Reger, compositor que descobriu enquanto trabalhava com Adolf Busch. Em 1959, Serkin foi o primeiro pianista nos Estados Unidos de gravar o Concerto para Piano, Op.114 de Reger, com Eugene Ormandy e a Orquestra de Filadélfia.

Serkin foi condecorado com a Medalha Presidencial da Liberdade em 1963, e em março de 1972 marcou a sua centésima apresentação com a Orquestra Filarmónica de Nova Iorque tocando o Concerto para piano em ré menor, Op.15 de Brahms. Os membros da orquestra e a direção o declarou Membro Honorário da Sociedade Sinfónica de Nova Iorque, uma homenagem recebida por Aaron Copland, Ígor Stravinsky e Paul Hindemith.

Reconhecidamente entre os principais interpretes de Beethoven no século XX, foi um "músico dos músicos", uma figura paterna para inúmeros jovens músicos que frequentaram a Escola e Festival de Marlboro e um pianista de extraordinária integridade. Continuou a viajar pelo mundo, a tocar e a gravar, até 1989. Morreu de câncer com 88 anos, em 8 de maio de 1991, na sua fazenda em Guilford, Vermont.

Ele e Irene tiveram sete filhos (um morreu na infância), incluindo o pianista Peter Serkin e a violoncelista Judith Serkin.[3] Eles também tiveram quinze netos. Irene Busch morreu em 1998.

Prémios e distinçõesEditar

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Rudolf Serkin


Referências

  1. «The 25 Essential Beethoven Recordings: Rudolf Serkin Plays Sonatas». WQXR. New York Public Radio. Consultado em 4 de junho de 2017 
  2. Folkart, Burt A. (10 de maio de 1991). «Piano Genius Rudolf Serkin Is Dead at 88». Los Angeles Times. Consultado em 4 de junho de 2017 
  3. Stephen Lehmann; Marion Faber (2002). Rudolf Serkin: A Life. [S.l.]: Oxford University Press. p. 262. ISBN 978-0-19-535144-6