São Francisco de Paula (Rio Grande do Sul)

Disambig grey.svg Nota: Se procura outros termos de São Francisco, veja São Francisco.
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com São Francisco de Paula (Minas Gerais).
São Francisco de Paula
  Município do Brasil  
Lago São Bernardo, um dos cartões postais do município.
Lago São Bernardo, um dos cartões postais do município.
Símbolos
Brasão de armas de São Francisco de Paula
Brasão de armas
Hino
Apelido(s) "SFP"
"São Chico"
Gentílico serrano [1]
Localização
Localização de São Francisco de Paula no Rio Grande do Sul
Localização de São Francisco de Paula no Rio Grande do Sul
Mapa de São Francisco de Paula
Coordenadas 29° 26' 52" S 50° 35' 02" O
País Brasil
Unidade federativa Rio Grande do Sul
Municípios limítrofes Monte Alegre dos Campos, Bom Jesus, Jaquirana, Cambará do Sul, Praia Grande, Três Forquilhas, Itati, Maquiné, Riozinho, Rolante, Taquara, Três Coroas, Canela e Caxias do Sul
Distância até a capital 113 km
História
Fundação 21 de maio de 1878
Emancipação 7 de janeiro de 1903
Administração
Prefeito(a) Marcos André Aguzzolli (PP, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [2] 3 273,498 km²
População total (est. IBGE/2019[3]) 21 710 hab.
Densidade 6,6 hab./km²
Clima subtropical (Cfb)
Altitude 889 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
CEP 95400-000
Indicadores
IDH (PNUD/2000 [4]) 0,757 alto
PIB (IBGE/2017[5]) R$ 602 431,24 mil
PIB per capita (IBGE/2017[5]) R$ 27 788,70

São Francisco de Paula é um município brasileiro do estado do Rio Grande do Sul.

HistóriaEditar

A área onde hoje é o município de São Francisco de Paula foi habitada por índios caáguas, da tribo dos coroados. Com a extinção destes, a região passou a ser caminho dos tropeiros, que iam do Rio Grande do Sul a São Paulo.

O povoamento da cidade começou quando Pedro da Silva Chaves, capitão de ordenanças da região de cima da serra, doou uma área de terra para a fundação do povoado, que virou patrimônio de uma igreja construída no local. A esta igreja, o capitão batizaria de São Francisco de Paula, santo de sua devoção. O primeiro pároco foi o seu filho, o Pe. José da Silva Leal Leme, em 1762.

Em 1809, o povoado de Cima da Serra passou a pertencer ao município de Santo Antônio da Patrulha. Em 1852, o povoado foi elevado a freguesia de Cima da Serra, que virou município (São Francisco de Paula de Cima da Serra) em 1878.

A denominação viria a perder a alcunha Cima da Serra por volta de 1930, ficando apenas São Francisco de Paula. Entretanto, em 1889 o município foi extinto e anexado a Taquara do Mundo Novo (atual Taquara). No mesmo ano, o município foi reconstituído, sendo extinto novamente em 1892, e reanexado a Taquara. Finalmente, em 1903, mais uma emancipação, desta vez definitiva.

Até a década de 1940, o município de São Marcos e as localidades de Fazenda Souza, Vila Seca, Criúva e Vila Oliva pertenciam a São Francisco de Paula. A partir daí, passaram a pertencer a Caxias do Sul. Cambará do Sul, emancipada em 1963, e Jaquirana, emancipada em 1987, também pertenceram a São Chico, como é carinhosamente chamado o município de São Francisco de Paula.

GeografiaEditar

É o município mais meridional da região da Serra do Nordeste ou Serra Geral, com latitude sul de 29º 26' 52". Se encontra nos arredores do extremo sul da escarpa do Planalto Meridional, formado pela Serra Geral.

Tem 889 metros de altitude na sede da prefeitura. Ocupa uma área de 3.273,498 km². Sua população estimada em 2019 foi de 21.710 habitantes.

Tem clima subtropical Cfb, segundo a classificação do clima de köppen, onde os verões são brandos e úmidos e os invernos relativamente úmidos e frios.

A distância até a capital do estado, Porto Alegre, é de 113 km.

O município é o maior produtor de batata do Brasil, além de produzir maçã e hortaliças. Tem ainda grande área com plantio de pinus e eucaliptos além da tradicional criação de gado vacum.

VegetaçãoEditar

São Francisco de Paula abrange parte de três regiões fitoecológicas. Há predominância da Estepe, que se desenvolve no topo do planalto, a Floresta ombrófila mista ocorre em área de relevo aplainado como dissecado, de modo especial nas bordas do planalto e na parte alta dos vales fluviais e ocupando menor área, aparece a Floresta ombrófila densa, desenvolvida sobre o relevo dissecado das encostas e escarpas da Serra Geral.

Estepe

A estepe na região é constituída por duas formações, a Estepe Parque e a Estepe Gramíneo-Lenhosa com floresta de galeria.

A subformação Estepe Parque caracteriza-se por apresentar um estrato herbáceo constituído basicamente por gramíneas cespitosas (em touceiras) e, em menor escala, rizomáticas (com caule rastejante sobre a superfície do solo), sobre o qual estão distribuídas, de forma isolada ou pouco agrupadas, espécies arbóreas e grupo de arvoretas, sob a forma de parque, juntamente com floresta de galeria, ao longo dos cursos d’água. Em meio ao estrato gramíneo, acham-se distribuídos exemplares de Araucaria angustifolia, isolados ou agrupados, de forma esparsa, juntamente com capões de mata de galeria.

A subformação Gramíneo-Lenhosa com floresta de galeria acha-se amplamente distribuída por áreas com altitudes acima de 800 metros, constituída por gramíneas cespitosas, acompanhadas por espécies das famílias compostas, ciperáceas, leguminosas, entre outras.

Nos locais mais úmidos e ao longo dos banhados, a composição muda, ocorrendo turfeiras, onde predominam espécies de musgos e samambaiais, geralmente recobertas por densa vegetação de gramíneas e ciperáceas.

A vegetação arbórea é constituída por exemplares de Araucaria angustifólia, isolados ou em agrupamentos puros, formando capões e mata de galeria, os quais são compostos por exemplares típicos de Floresta ombrófila mista.

Na Estepe, a ação antrópica esta presente principalmente através da pecuária, que utiliza a vegetação gramínea como pastagem para o gado, onde o fogo é utilizado anualmente na eliminação da folhagem herbácea seca, com vistas a rebrota antecipada das gramíneas, que, juntamente com o pastoreio do gado, constituem fatores de modificação do estrato herbáceo.

Floresta ombrófila mista

A Floresta ombrófila mista, geralmente situa-se em altitudes superiores a 800 metros, podendo ocorrer esporadicamente em locais mais baixos. A fisionomia dessa floresta é dada pela Araucaria angustifolia, que em alguns locais formam dossel superior a 30 metros.

Entre as espécies que compõem esta associação florística, cita-se a Araucaria angustifolia (pinheiro-brasileiro), Matayba elaeagnoides (camboatá-branco), Nectandra megapotamica (canela-preta), Lithraea brasiliensis (bugre), Cryptocarya aschersoniana (canela-fogo), Ilex brevicuspis (caúna), Campomanesia xanthocarpa (guabiroba), Myrcianthes gigantea (araçá-do-mato), Mimosa scabrella (bracatinga), Ilex paraguariensis (erva-mate) e espécies de valor ornamental, como Dicksonia sellowiana (xaxim) e algumas orquidáceas e bromeliáceas.

É essa mesma subformação que penetra nas áreas de Estepe, sob a forma de floresta de galeria ou sob a forma de capões.

Fragmentos da Floresta ombrófila mista, desenvolvidas em altitudes superiores a 1.000 metros, ocorrem no extremo leste do município, na borda do planalto. É uma vegetação arbórea, raquítica, constituída por indivíduos tortuosos, com copas densas e folhagem verde-reluzentes, em cujos galhos se desenvolvem musgos e líquens em face de constante ocorrência de nevoeiros na região.

Floresta ombrófila densa

A Floresta ombrófila densa ocorre nas áreas de encosta, mais dissecadas, desde a altitude de 600 metros até aproximadamente 900 metros, junto à borda do planalto, onde o solo é bem drenado, geralmente raso e algumas vezes rochoso, onde a serrapilheira (camada de folhas, flores, frutos, galhos e raízes caídos no solo) se instala, havendo uma rápida decomposição e ciclagem de nutrientes, em um ambiente úmido e de temperatura amena, o que leva a floresta a desenvolver-se de forma exuberante, constituída por árvores vigorosas, com largas copas perenifólias, resultando em uma cobertura fechada, de aspecto denso. Essa floresta tem sido chamada de Mata Atlântica e também apresenta, além das espécies arbustivas, como um grande número de mirtáceas e lauráceas, epífitos e lianas.

HidrografiaEditar

O município é formado por cinco bacias hidrográficas, que dessem do Planalto recortando as encostas, fazendo parte da Região Hidrográfica do Guaíba e da Região Hidrográfica do Litoral.

Bacia Principais contribuintes
Rio das Antas Rio Tainhas, Rio Lajeado Grande e Rio Tomé
Rio Caí Rio Santa Cruz (Caí), Rio do Pinto e Arroio Caraá
Rio dos Sinos Rio Rolante, Arroio Rolantinho da Areia e Rio Padilha
Rio Tramandaí Rio Três Forquilhas e Rio Maquiné
Rio Mampituba Arroio Josafá e Rio Mampituba

ClimaEditar

São Francisco de Paula possui um clima Temperado Marítimo Cfb ou Subtropical tipo Cfb, com verões úmidos e mornos ou frescos e invernos relativamente frios, com a ocorrência de neve todos os anos, principalmente entre julho e agosto, porém em poucos dias da estação. É o município mais chuvoso do Rio Grande do Sul com precipitações anuais acima de 2 000 mm de chuva por ano. Segundo dados do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), referentes ao período de 1931 a 1960, a menor temperatura registrada em São Francisco de Paula foi de -6,5 °C em 20 de julho de 1953 e a maior atingiu 34 °C em 31 de dezembro de 2 de janeiro de 1949. O maior acumulado de precipitação em 24 horas chegou a 136,5 mm em 6 de janeiro de 1956.[6]

Dados climatológicos para São Francisco de Paula
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 34 33,5 32,4 29,7 27,4 26 28 30 30,7 32 32,8 34 34
Temperatura máxima média (°C) 24,9 24,2 23 19,9 17,6 16,3 16,3 17,3 18,1 20 22 23,3 20,2
Temperatura média (°C) 19,8 19,4 18,2 15,2 12,9 11,7 11,3 12,3 13,4 15 16,8 18 15,3
Temperatura mínima média (°C) 14,8 14,7 13,5 10,5 8,3 7,1 6,4 7,4 8,7 10,1 11,6 12,7 10,5
Temperatura mínima recorde (°C) 4,5 5 4 -2,5 -4 -5,5 -6,5 -5 -3,5 -1 -0,5 2,5 -6,5
Precipitação (mm) 187 182 182 169 165 191 170 170 201 188 139 166 2 110
Fonte: Climate-data.org[7] e Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (recordes de temperatura: 1931-1960)[6]

Política e administraçãoEditar

Poder LegislativoEditar

O Poder Legislativo é constituído pela Câmara, composta por 9 vereadores eleitos para mandatos de 4 anos (em observância ao disposto no artigo 29 da Constituição). Cabe à casa elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao Executivo. Está atualmente composta da seguinte forma:[8]

Legislatura 2017/2020
  • Agustinho André Arnhold - (André da Funerária Paraíso) - PTB
  • Celso Marino Silva Santos (Celso da Saúde) - PDT
  • Claudio Alves Ponte (Caduco) - PP (SUPLENTE)
  • José Luis Ferreira De Souza - (Caiamba) - PSC
  • Marcelo Boff Veiga (Sapinho) - REDE
  • Mateus Barcelos (Professor Mateus) - PT
  • Moacir Castello Branco de Albuquerque - PMDB
  • Renato Medeiros Marques - PP (SUPLENTE)
  • Sadi Reis da Silva - PSB (SUPLENTE)

Distritos[9]Editar

TurismoEditar

Principais pontos turísticos:

  • Lago São Bernardo
  • Paradouro Rota das Barragens
  • Cascata da Ronda
  • Livraria Miragem
  • Parque das 8 Cachoeiras
  • Hotel Cavalinho Branco
  • Parador Hampel
  • Parque das Cascatas (Lajeado Grande)
  • Parque da Cachoeira (Passo do Inferno)
  • Parque Estadual do Tainhas

Principais acessosEditar

GaleriaEditar

Lago São Bernardo. 
Lago São Bernardo. 
Hotel Cavalinho Branco. 
Centro da cidade. 
proximidade do lago 
Orla do Lago da Cidade 

Referências

  1. [[1]]
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  3. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (28 de agosto de 2019). «Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referência em 1º de julho de 2019». Consultado em 28 de agosto de 2019 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rs/sao-francisco-de-paula/pesquisa/38/46996  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  6. a b Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (1979). «Normais Climatológicas do Brasil (1931-1960)». Rio de Janeiro 
  7. «Clima: São Francisco de Paula». Consultado em 13 de outubro de 2014 
  8. Câmara de Vereadores de São Francisco de Paula/RS
  9. http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/dtbs/riograndedosul/saofranciscodepaula.pdf São Francisco de Paula - Biblioteca do IBGE

Ligações externasEditar

Ver tambémEditar