Pampulha

(Redirecionado de São Luís (Belo Horizonte))
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Pampulha (desambiguação).
Pampulha
  Bairro do Brasil  
Vista parcial da Lagoa da Pampulha com o Mineirinho e o Mineirão ao fundo
Vista parcial da Lagoa da Pampulha com o Mineirinho e o Mineirão ao fundo
Localização
Pampulha.svg
História
Criado em 1943 (77 anos)
Características geográficas
Área total 47,13
População total 145,262 hab.
Densidade 3.082,2 hab./km²
 • IDH 0,870
 • Índice de Gini 0,56
 • Expectativa de vida ao nascer (anos) 73,70
Outras informações
Domicílios 40.619
Rendimento médio mensal 680,15
Energia elétrica (%) 99,93
Água encanada (%) 98,92
Coleta de lixo (%) 98,74
Fonte: PNUD/2000[1]

Pampulha é uma região administrativa no município brasileiro de Belo Horizonte, no estado de Minas Gerais, é administrada pela Administração Regional de Pampulha, sendo a lagoa artificial de mesmo nome uma das principais atrações turísticas. Nela localizam-se os estádios Governador Magalhães Pinto (Mineirão) e Jornalista Felipe Drummond (Mineirinho). Anualmente é disputada a Volta Internacional da Pampulha, na Avenida Otacílio Negrão de Lima, que contorna a lagoa. Também na virada do ano acontece o maior show de fogos do Estado, reunindo cerca de 300 mil pessoas no entorno.

A região também é sede do campus da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e do Aeroporto da Pampulha, que, recentemente, tem-se tornado causa de preocupação, dado sua proximidade da região urbana da capital e com isso foram transferidos vários de seus vôos para o Aeroporto Internacional de Confins. Também há um centro gastronômico, com vários restaurantes de comidas típicas e regionais.

Conjunto ArquitetônicoEditar

 Ver artigo principal: Conjunto Arquitetônico da Pampulha

A lagoa artificial foi construída na década de 1940, quando o prefeito era Juscelino Kubitschek. Para compor o seu entorno Oscar Niemeyer projetou um conjunto arquitetônico que se tornou referência e influenciou toda a Arquitetura Moderna Brasileira. Fazem parte do conjunto a igreja de São Francisco de Assis, o Museu de Arte, a Casa do Baile e o Iate Tênis Clube. Os jardins de Burle Marx, a pintura de Portinari e as esculturas de Ceschiatti, Zamoiski e José Pedrosa completam e valorizam o projeto concebido para a lagoa. A orla da Pampulha concentra várias opções de lazer, como o ginásio do Mineirinho, o Jardim Zoológico, o Centro de Preparação Equestre da Lagoa e pistas para ciclismo e caminhada. É lá também que está o Estádio Governador Magalhães Pinto, mais conhecido como "Mineirão".

Em 2013, a Prefeitura Municipal de Belo Horizonte expressou interesse em candidatar o Conjunto Arquitetônico da Pampulha a patrimônio da UNESCO.[2] Uma representante da UNESCO visitou a região em 2015, ano em que a Pampulha era única candidata,[3] e para garantir melhores condições do patrimônio, o MAP recebeu uma grande reforma.[4]

No dia 17 de julho de 2016, o Conjunto foi nomeado Patrimônio Cultural da Humanidade.[5]

Igreja de São Francisco de AssisEditar

A Igreja de São Francisco de Assis, com suas linhas arredondadas, denunciam a ousadia de Oscar Niemeyer e são um marco da arquitetura moderna brasileira. As curvas são um contraponto ao ângulo reto. No interior existem 14 painéis que retratam a Via Sacra, considerados a obra-prima de Portinari. Na parte externa destacam-se os jardins elaborados por Burle Marx e mosaicos nas fachadas laterais.

Recordes meteorológicosEditar

Segundo dados da estação meteorológica automática do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), em operação desde outubro de 2006 nas dependências da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a menor temperatura registrada na Pampulha foi de 7,3 °C em 7 de julho de 2019 e a maior atingiu 38,4 °C em 7 de outubro de 2020.[6][7] Este valor é maior que os 36,9 °C[8] registrados no mesmo dia na estação meteorológica oficial de Belo Horizonte, localizada no encontro das avenidas do Contorno e Raja Gabáglia, no bairro Santo Agostinho.

O maior acumulado de precipitação em 24 horas chegou a 168,2 milímetros (mm) em 15 de dezembro de 2011, seguido por 159,2 mm em 24 de janeiro de 2020 e 150 mm em 31 de janeiro de 2008. Os recordes mensais de precipitação são de 798 mm em dezembro de 2011 e 739,8 mm em janeiro de 2020. A maior rajada de vento alcançou 25 m/s (90 km/h) em 12 de fevereiro de 2016. O menor índice de umidade relativa do ar (URA) foi de 10% nas tardes dos dias 28 de agosto de 2013 e 19 de setembro de 2015.[6][7]

Dados climatológicos para Pampulha
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima recorde (°C) 35,1 34,1 32,9 31,6 30,2 30,7 31 33,4 37,3 38,4 35,9 33,5 38,4
Temperatura mínima recorde (°C) 15,4 15,8 14 10,7 8,1 7,4 7,3 8,4 9 11,5 12,1 13,8 7,3
Fonte: Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) (recordes de temperatura: 10/10/2006-presente)[6][7]

Ver tambémEditar

Referências

  1. PNUD. «Atlas de Desenvolvimento Humano da Região Metropolitana de Belo Horizonte». Consultado em 23 de janeiro de 2008 
  2. «Pampulha pode virar patrimônio mundial». Consultado em 18 de julho de 2016. Arquivado do original em 14 de agosto de 2016 
  3. Anexo do Iate Clube ameaça título de patrimônio cultural da Pampulha
  4. Museu de Arte da Pampulha vai ser fechado para reforma
  5. «Conjunto da Pampulha ganha título de Patrimônio Mundial da Unesco». Minas Gerais. 17 de julho de 2016 
  6. a b c Instituto Nacional de Meteorologia (INMET). «Estação: PAMPULHA (A521)». Consultado em 22 de julho de 2020 
  7. a b c INMET. «Gráficos». Consultado em 22 de julho de 2020 
  8. INMET. «Estação: BELO HORIZONTE (83587)». Consultado em 22 de julho de 2020 

  Media relacionados com Pampulha no Wikimedia Commons


Regiões Administrativas de Belo Horizonte  
Barreiro | Central | Centro-Sul | Leste | Nordeste | Noroeste | Norte | Oeste | Pampulha | Venda Nova
  A região Pampulha inclui o sítio "Conjunto Arquitetônico da Pampulha", Património Mundial da UNESCO.