Abrir menu principal

São Sebastião (Setúbal)

freguesia de Setúbal, Portugal
Portugal Portugal São Sebastião 
  Freguesia  
Brasão de armas de São Sebastião
Brasão de armas
Localização no concelho de Setúbal
Localização no concelho de Setúbal
São Sebastião está localizado em: Portugal Continental
São Sebastião
Localização de São Sebastião em Portugal
Coordenadas 38° 31' 47" N 8° 52' 08" O
País Portugal Portugal
Concelho STB.png Setúbal
Administração
- Tipo Junta de freguesia
- Presidente Nuno Miguel Rodrigues Costa (PCP-PEV)
Área
- Total 19,64 km²
População (2011)
 - Total 52 542
    • Densidade 2 675,3 hab./km²
Website http://www.jfss.pt/

São Sebastião é uma freguesia portuguesa do concelho de Setúbal, com 19,64 km² de área, é uma das mais populosas do país com 52 542 habitantes (2011) e tem a densidade populacional de: 2 675,3 hab/km².Fica na cidade de Setúbal e engloba os bairros de S. Domingos, Bairro Conceição, Bairro Santos Nicolau, Bairro Humberto Delgado, Terroa, Bairro do Peixe Frito, Manteigadas, Bairro Fonte do Lavra, Monte Belo Norte e Sul, Azeda e Nova Azeda, Tebaida, Baptista, Pinheirinhos, Camarinha, Dias, Fontaínhas, Monarquina, Vale de Cerejeiras, Aranguês, Tetra e Bela Vista.

PopulaçãoEditar

População da freguesia de Setúbal (São Sebastião) [1]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
3 482 4 833 5 669 6 577 9 611 14 222 18 398 18 424 23 832 24 664 31 539 48 912 47 058 52 814 52 542
Distribuição da População por Grupos Etários
Ano 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos
2001 9 212 8 053 29 216 6 333 17,4% 15,2% 55,3% 12,0%
2011 9 134 5 752 29 600 8 056 17,4% 10,9% 56,3% 15,3%

Média do País no censo de 2001: 0/14 Anos-16,0%; 15/24 Anos-14,3%; 25/64 Anos-53,4%; 65 e mais Anos-16,4%

Média do País no censo de 2011: 0/14 Anos-14,9%; 15/24 Anos-10,9%; 25/64 Anos-55,2%; 65 e mais Anos-19,0%

HistóriaEditar

A história da freguesia de S. Sebastião começa a 14 de Março de 1553 por uma «Carta de Desmembração e Separação e Nova Criação de Igrejas Matrizes», que foi dada pelo Arcebispo de Lisboa, D. Fernando, sendo composta por trezentos e sessenta e um fogos disseminados pelos lugares de Palhais, Fontainhas, Fumeiros e Hortas e por diversas ruas situadas no recinto amuralhado medievo, entre o postigo do Ouvidor e a Porta da Vila.

A divisão então realizada com a paróquia de Santa Maria passava mais a ocidente do que a linha divisória actual.

A criação desta freguesia constitui a consagração do crescimento de Setúbal para Este da linha de muralhas e é subsequente à ordem real de abertura da Porta de S. Sebastião, de modo a que melhor se servisse a população.

O nome de Porta de S. Sebastião provém da Ermida de S. Sebastião, que existia defronte à nova porta, e que tinha sido fundada em 1490, no centro do actual Largo do Miradouro.

Neste templo ficou instituída a paróquia que aí esteve até 1821, data em que foi mudada para a Igreja dos Grilos e em 1835 transitou para a Igreja do Convento de S. Domingos, entretanto extinto, onde ainda se encontra na actualidade.

A primitiva Ermida de S. Sebastião que havia tido grandes remodelações no século XVII e remodelada no século XVIII, ficou muito abalada com o terramoto de 1755, não conseguindo, após esse fatídico acontecimento e apesar das obras feitas, escapar à ruína, vindo a ser demolida entre 1849 e 1857, por ordem da Câmara Municipal.

Entre a segunda metade do século XVI e finais do século XVIII, a freguesia recebeu instituições religiosas de grande importância. O primeiro foi o Convento de S. Domingos, fundado em 1563, de que se mantém a igreja de estrutura quinhentista, reconstituída após 1755 e algumas das estruturas conventuais.

O Colégio dos Jesuítas, que foi criado em 1655 e ampliado em 1703, e que se encostou ao lado exterior da muralha, levando ao entaipamento da Porta dos Apóstolos. Foi ocupado, depois da expulsão da Ordem dos Jesuítas, por Freiras Bernardas e adaptado a palácio burguês no século XIX.

Do século XVIII data o Convento de Santa Teresa, da Ordem de Santo Agostinho, edifício que depois da extinção das ordens religiosas foi ocupado pelo primeiro liceu municipal do País e onde se encontra, actualmente, o tribunal.

Foi numa casa da Rua de S. Domingos, desta freguesia, que nasceu em 1765 o genial poeta Manuel Maria Barbosa du Bocage.

No final do século XIX foi construído o Bairro Baptista, que beneficiou da inauguração da via ferroviária que ligava Setúbal ao Barreiro.

O século XX trouxe à Cidade de Setúbal, mas muito marcadamente à freguesia de S. Sebastião, um enorme crescimento populacional a acompanhar o desenvolvimento da indústria conserveira que, nos anos vinte, surgem nos bairros da Monarquina e de S. Nicolau, que consolidam o crescimento para a zona ribeirinha.

A freguesia continua a crescer com a criação dos bairros da Conceição e Carmona, criados nos anos quarenta.

A freguesia de S. Sebastião possui um importante património naval histórico, ressaltando os galeões, que vieram para o Sado cerca de 1890, desde Huelva no sul de Espanha. A razão da sua vinda relaciona-se, directamente, com a indústria conserveira que gerava a necessidade de grandes quantidades de pescado.

FigurasEditar

PatrimónioEditar

Referências

  1. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes