Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com a Série 9300 da Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses, que circulava em via estreita.
Série 0300
BSicon exTRAIN3.svg
Automotora 0304, preservada no Museu Nacional Ferroviário, no Entroncamento.
Descrição
Propulsão Diesel-eléctrica
Fabricante Allan
Locomotivas fabricadas 25
Tipo de serviço Via
Características
Bitola Bitola Ibérica (1668 mm)
Performance
Velocidade máxima 100 km/h
Operação
Ano da entrada em serviço 1954-1955
Ano da saída do serviço 1999-2003
Situação Abatidas ao serviço

A Série 0300, mais conhecida por Allan ou Holandesa, é um tipo de automotora diesel-Eléctrica que foi utilizada pela Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses e pela sua sucessora, os Caminhos de Ferro Portugueses, nos Ramais da Lousã e da Figueira da Foz, e nas Linhas do Oeste, Beira Baixa e Beira Alta, em Portugal.

HistóriaEditar

 
Reboque de uma automotora da Série 0300, na Estação do Entroncamento, em 2003.

Antecedentes e aquisiçãoEditar

Após o final da Segunda Guerra Mundial, continuou a ser muito difícil a importação de carvão para Portugal, o que estava a criar problemas à Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses, cuja frota era composta por locomotivas a vapor.[1] De forma a minimizar este problema, foi criado, com o apoio do Estado, o Plano de Reequipamento, que tinha como propósito utilizar parte dos fundos do Plano Marshall para adquirir material motor que utilizasse combustíveis alternativos ao carvão.[1] No âmbito desta iniciativa, foram encomendadas várias locomotivas e automotoras, incluindo as da futura Série 0300[1], que foram construídas nos Países Baixos pela empresa Allan & Co´s Koninklijke Nederlandsche Fabrieken van Meubelen en Spoorwegmaterieel N.V..[2]

Entrada ao serviço e modernizaçãoEditar

Estes veículos entraram ao serviço em Portugal entre 1954 e 1955.[2][3]

Entre 1981 e 1982, os grupos de tracção originais das automotoras, da marca AEC, foram substituídos por novos equipamentos da casa Poyaud, por já se encontravam gastos após várias décadas de serviço intensivo. [4] Nesta operação, não foram substituídos os motores de tracção nem a transmissão.[4]

Das 25 unidades originais, apenas 22 restavam ao serviço em 1992, tendo uma sido transformada na Automotora VIP, um veículo especial para as deslocações do conselho de gerência da companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses.[2] A automotora 0304 foi preservada no Museu Nacional Ferroviário, enquanto que, entre 1999 e 2003, as restantes unidades foram sendo progressivamente retiradas ao serviço e modernizadas no Grupo Oficinal do Porto, dando origem à Série 0350[4], que entrou ao serviço em 2000.[5] Os reboques foram, entretanto, abatidos ao serviço[4], sendo pelo menos 2 convertidos para uso pela composição de socorro.

CaracterizaçãoEditar

ServiçosEditar

Cumpriram serviço principalmente no Ramal da Lousã, onde normalmente circulavam em dupla devido ao elevado movimento de passageiros, e na Linha do Oeste, onde circulavam em composição dupla ou simples, e por vezes traccionavam um ou dois reboques, sendo ocasionalmente o segundo reboque substituído por uma carruagem Schindler. Também passaram pela Linha da Beira Baixa, onde asseguravam os serviços Regionais em composições duplas com um reboque no centro, excepto no troço entre a Covilhã e Guarda, devido à reduzida procura, e rebocavam comboios InterCidades quando estes avariavam. Asseguraram igualmente o serviço Giraldo, que ligava Évora a Campolide, embora não tenham permanecido muito tempo nesta função, devido à sua tendência para sobreaquecer.[4][6]

Caracterização técnicaEditar

Esta série era composta por 25 automotoras diesel-eléctricas, de bitola ibérica.[7] A transmissão era eléctrica[4], e a velocidade máxima era de 100 km/h.[7]

As composições possíveis, com esta Série, eram Motora, Motora+Motora, Motora+Reboque+Motora, e Motora+Reboque+Reboque+Motora.[4]

Cada automotora contava com 2 motores a gasóleo, do tipo C6150T, e de 4 motores eléctricos, do tipo GT30/27.[4] A potência do grupo gerador era de 440 CV, enquanto que a potência do grupo de tracção era de 341 CV.[4]

A lotação, na primeira classe, era de 24 lugares sentados, enquanto que, na segunda classe, era de 50 lugares sentados.[7] Existiam igualmente 34 lugares em pé por veículo.[2]

Ficha técnicaEditar

 
Dois reboques das automotoras da Série 0300, modificados para fazer parte da composição de socorro.
  • Características de exploração
    • Ano de entrada ao serviço:1954 - 1955[2][3]
    • Ano de saída ao serviço: 1999 - 2003[4]
    • Número de unidades construídas: 25[7]
  • Dados gerais
    • Construtor: NV Allan[2]
    • Bitola: 1668 mm[2]
    • Tipos de composição: M, M+M, M+R+M, M+R+R+M[4]
    • Tipo de tracção: Diesel-eléctrica[7]
    • Comprimento total (motora/reboques): 23,63 metros[4]
  • Transmissão
    • Tipo: Eléctrica[4]
  • Motores de tracção
    • Motor diesel
    • Motor eléctrico
      • Número: 4[4]
      • Construtor: Smit[4]
      • Tipo: GT30/27[4]
      • Potência do grupo gerador: 440 cavalos[4]
      • Potência do grupo de tracção: 341 cavalos[4]
  • Características de funcionamento
    • Velocidade máxima: 100 km/h[7]
  • Lotação
    • Primeira classe: 24[7]
    • Segunda classe: 50[7]
    • Em pé: 34[2]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c ERUSTE, Manuel Galán (1998). «Exposición ferroviaria: 50 Años de la Traccion Diesel en Portugal». Maquetren (em espanhol). 6 (71). Madrid: Revistas Profesionales. p. 18-21. ISSN 1132-2063 
  2. a b c d e f g h BRAZÃO, Carlos (1992). «CP Automotor». Maquetren (em espanhol). 2 (8). Madrid: Resistor, S. A. p. 29 
  3. a b AMARO, Jaime (2005). «Automotoras Allan de Via Estreita - meio século de existência». Foguete. 4 (13). Entroncamento: Associação de Amigos do Museu Nacional Ferroviário. p. 8. ISSN 124550 Verifique |issn= (ajuda) 
  4. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u NUNES, Rui (23 de Outubro de 2008). «Automotoras». Transportes XXI. Consultado em 14 de Novembro de 2010 
  5. «Série: 0300 (0351-0371)». Comboios de Portugal. Consultado em 19 de Dezembro de 2014 
  6. «Beira alta, Beira baja y los Ramales de Cáceres y Badajoz (II)». Maquetren (em espanhol). 3 (30). 1994. p. 7 
  7. a b c d e f g h «CP withdrawn classes» (em inglês). Railfaneurope. 16 de Julho de 2010. Consultado em 14 de Novembro de 2010 
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre as automotoras da Série 0300

Ligações externasEditar