Abrir menu principal
Série 1300
BSicon exTRAIN3.svg
Locomotivas da Série 1300 parqueadas na Estação do Barreiro, em 1990.
Descrição
Propulsão Diesel-eléctrica
Fabricante Whitcomb Locomotive Company
Locomotivas fabricadas 12 (1301-1312)
Tipo de serviço Via
Características
Bitola Bitola Ibérica (1668 mm)
Performance
Velocidade máxima 132 km/h
Operação
Ano da entrada em serviço 1952
Ano da saída do serviço 1987
Situação Fora de serviço

A Série 1300 foi uma família de locomotivas diesel-eléctricas da Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses e da sua sucessora, a empresa Caminhos de Ferro Portugueses. Esteve ao serviço entre 1952[1] e 1987.[2]

Índice

CaracterizaçãoEditar

Esta série era composta por 12 locomotivas a tracção a gasóleo, numeradas de 1301 a 1312.[3]

Apresentavam cerca de 16 metros de comprimento, 96 toneladas de peso, e 1350 cavalos de potência, e podiam atingir até 132 quilómetros por hora.[4]

HistóriaEditar

 
1311
Museu Nacional Ferroviário
 
Locomotiva n.º 1311, preservada no Museu Nacional Ferroviário, no Entroncamento.

Em meados do Século XX, a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses iniciou um programa de modernização, de forma a melhorar os seus serviços; no âmbito deste projecto, encomendou doze locomotivas diesel-eléctricas, com o apoio do Fundo de Fomento Nacional, no âmbito do Plano Marshall.[4][1]

Foram construídas em 1952 pela empresa americana Whitcomb Locomotive Company.[3][5] As primeiras quatro unidades foram transportadas desde a América do Norte no vapor Dick Lykes, tendo sido desembarcadas, em Abril do mesmo ano, na Doca de Alcântara; previa-se, em Maio, que as locomotivas restantes iriam ser brevemente entregues, e que toda a série estaria ao serviço antes do Verão.[4]

No entanto, até Outubro desse ano, só chegaram mais duas locomotivas, tendo sido transportadas pelo navio Ribeira Grande, e descarregadas no entreposto de Santos; nesta altura, calculava-se que as seis restantes unidades chegariam até ao final do ano.[1] Nesse mês, chegaram mais duas unidades, trazidas pelo navio Ruth Lyes, e descarregadas na Estação Marítima de Alcântara.[6]

Foram introduzidas pela Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses na Linha do Norte até Gaia, para rebocar comboios de passageiros e mercadorias, e nas Linhas de Sintra e Oeste, onde fizeram tranvias.[3] A sua introdução nos serviços de Sintra revestiu-se de um especial interesse, uma vez que vieram substituir as locomotivas a vapor, cuja emissão de fumos no interior do Túnel do Rossio se apresentava bastante incómoda nas carruagens.[1] Circularam, igualmente, na Linha da Beira Baixa[3]; com efeito, um dos principais motivos para a sua compra foi a de complementar as locomotivas da Série 1500, que, devido ao seu elevado peso por eixo, estavam proibidas de circular por esta linha.[5] Asseguraram, igualmente, a tracção dos serviços Sud Expresso e Lusitânia Expresso.[3] Devido à progressiva electrificação das linhas, foram transferidas para o Barreiro, onde acabaram a sua vida útil[3], tendo sido todas abatidas ao serviço em 1987.[2] A locomotiva 1311 foi preservada no Museu Nacional Ferroviário, no Entroncamento[3][2]; devido ao estado em que se encontrava, esta unidade foi a mais difícil de remodelar, tendo sido a última a ser terminada entre o grupo de locomotivas que foram expostas numa exposição comemorativa dos 50 anos da tracção a gasóleo em Portugal.[2]

BrasilEditar

Nas ferrovias brasileiras, a Estrada de Ferro Sorocabana operou um modelo idêntico à Série 1300 da CP, denominada Série 3300. Entraram em operação em 1949 e foram desativadas do serviço ativo por volta de 1974, trabalhando apenas em serviços de manobras e pequenos comboios de mercadorias. As locomotivas se diferenciaram do modelo lusitano pela bitola, sendo a versão brasileira tendo bitola métrica.

Ficha técnicaEditar

  • Características de exploração
    • Início do serviço: 1952[1]
    • Fim do serviço: 1987[2]
  • Número de unidades: 12 (1301-1312)[3]
  • Dados gerais
  • Pesos
    • Peso total: 96 toneladas[1]
  • Dimensões
    • Comprimento: 16 metros[1]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d e f g h i j «Novo material para a C. P.». Lisboa. Gazeta dos Caminhos de Ferro. 65 (1555). 288 páginas. 1 de Outubro de 1952 
  2. a b c d e ERUSTE, Manuel Galán (1998). «Exposición ferroviaria: 50 Años de la Traccion Diesel en Portugal». Madrid: Revistas Profesionales. Maquetren (em espanhol). 6 (71). 20 páginas 
  3. a b c d e f g h i j REIS et al, p. 118
  4. a b c «Novas locomotivas «Diesel» eléctricas para a C. P.». Lisboa. Gazeta dos Caminhos de Ferro. 65 (1545). 84 páginas. 1 de Maio de 1952 
  5. a b c Martins et al, p. 98
  6. «Mais quatro novas locomotivas para a C. P.». Lisboa. Gazeta dos Caminhos de Ferro. 65 (1557). 327 páginas. 1 de Novembro de 1952 
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a Série 1300

BibliografiaEditar

  • REIS, Francisco Cardoso dos; GOMES, Rosa Maria; Gomes, Gilberto; et al. (2006). Os Caminhos de Ferro Portugueses 1856-2006. [S.l.]: CP-Comboios de Portugal e Público-Comunicação Social S. A. 238 páginas. ISBN 989-619-078-X 
  • MARTINS, João Paulo, BRION, Madalena, SOUSA, Miguel de, LEVY, Maurício, AMORIM, Óscar (1996). O Caminho de Ferro Revisitado. O Caminho de Ferro em Portugal de 1856 a 1996. [S.l.]: Caminhos de Ferro Portugueses. 446 páginas 

Ligações externasEditar