Abrir menu principal
Sétimo Antíoco
Usurpador do Império Romano
Reinado 273
Antecessor(a) Aureliano
Sucessor(a) Aureliano
 
Morte Após 273
Pai Odenato
Mãe Zenóbia
Religião Paganismo palmireno

Sétimo (pt-BR) ou Septímio (pt) Antíoco (em latim: Septimius Antiochus) foi um nobre palmireno e usurpador contra o imperador Aureliano (r. 270–275) em 273. Era filho do rei de reis Odenato (r. 252–267) e da augusta Zenóbia (r. 267–272). Em 273, os rebeldes que apoiaram Sétimo Apseu decidiram proclamá-lo imperador, e ele aparentemente aceitou, mas a usurpação durou pouco tempo. Quando informado do ocorrido, Aureliano marchou com suas tropas contra Palmira, punindo severamente a cidade, mas aparentemente poupou Antíoco. Nada de sabe de seu destino depois disso.

Índice

FamíliaEditar

Era filho de Odenato e sua segunda esposa Zenóbia, neto de Heranes, bisneto de Vabalato e tataraneto de Nasor.[1] Era meio-irmão de Heranes I, fruto da relação de Odenato com esposa anterior, e irmão de duas moças, cujos nomes não são conhecidos mas se sabe que se casaram, respectivamente, com o imperador Aureliano (r. 270–275) e um senador romano, e também Vabalato e Heranes II.[2] A História Augusta (HA) menciona outros dois filhos de Zenóbia, Hereniano e Timolau, cuja existência é questionada; alguns pensam que o primeiro era variante do nome de Heranes II, ao passo que o segundo pode ser uma figura fabricada,[3][4] um indivíduo de fato (cujo nome, aqui registrado na forma latinizada, tem a variante palmirena Taimallat), ou mesmo uma corrupção do nome de Vabalato.[5]

VidaEditar

Em 272, Aureliano conquistou o Império de Palmira e Zenóbia e Vabalato foram levados consigo como cativos. Em 273, após o fim da revolta de Sétimo Apseu, os rebeldes aproximaram-se de Marcelino, governador designado de Aureliano, e tentaram fazê-lo aceitar a púrpura. Marcelino fingiu concordar e enviou secretamente uma carta a Aureliano informando a situação;[6] enquanto esperavam sua decisão, os rebeldes elevaram Sétimo Antíoco como imperador. Ao receber os informes, Aureliano reagiu rapidamente e na primavera alcançou a cidade, que foi punida severamente. Apesar disso, Antíoco foi alegadamente poupado.[7][8] Nada se sabe sobre o destino do mesmo depois de a revolta ser debelada.[a]

Foi proposto que Antíoco poderia ser identificado com o Aquileu citado na História Augusta no mesmo contexto.[9] De acordo com a obra, após subjugar Palmira, Aureliano deixou Sandário com guarnição de 600 arqueiros. Ao matar Sandário, os locais proclamaram Aquileu, aqui designado como parente de Zenóbia, como novo governante. Ao saber disso, Aureliano retornou da Europa e devastou a cidade. [10] Outros estudiosos, no entanto, associam Aquileu a Sétimo Apseu.[11]

NotasEditar

[a] ^ A narrativa da revolta foi preservada em Zósimo, que explicitamente diz que Apseu rebelou-se antes dos eventos ligados a Antíoco. Pat Southern, no entanto, acredita que foi o próprio Apseu que esteve por trás de todos os eventos.[11]

Referências

  1. Sartre 2005, p. 512.
  2. Southern 2008, p. 9-10.
  3. Southern 2008, p. 10.
  4. Watson 2004, p. 58.
  5. Southern 2008, p. 10, nota 33; 174.
  6. Watson 2004, p. 80.
  7. Southern 2008, p. 173.
  8. Dodgeon 2002, p. 89.
  9. Martindale 1971, p. 71.
  10. Dodgeon 2002, p. 88.
  11. a b Southern 2008, p. 152.

BibliografiaEditar

  • Dodgeon, Michael H.; Lieu, Samuel N. C. (2002). The Roman Eastern Frontier and the Persian Wars (Part I, 226–363 AD). Londres: Routledge. ISBN 0-415-00342-3 
  • Martindale, J. R.; A. H. M. Jones (1971). «Septimius Herodianus 3». The Prosopography of the Later Roman Empire, Vol. I AD 260-395. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press 
  • Sartre, Maurice (2005). «The Arabs and the desert peoples». In: Bowman, Alan K.; Garnsey, Peter; Cameron, Averil. The Cambridge Ancient History XII - The Crisis of Empire AD 193-337. Cambrígia: Cambridge University Press 
  • Southern, Pat (2008). Empress Zenobia Palmyra’s Rebel Queen. Londres e Nova Iorque: Continuum 
  • Watson, Alaric (2004). Aurelian and the Third Century. Londres e Nova Iorque: Routledge. ISBN 978-1-134-90815-8