Abrir menu principal

Síndrome da Guerra do Golfo

Representação da ofensiva Operação Tempestade no Deserto, entre 24 e 28 de fevereiro de 1991, por nacionalidade (clique para ampliar)

Síndrome da Guerra do Golfo é uma doença que atinge veteranos da Guerra do Golfo de 1991, bem como civis que estiveram perto das áreas de conflito ou das demolições de depósitos de armas químicas. Caracteriza-se por uma vasta gama de sintomas crônicos e agudos, notadamente danos ao sistema imune e malformações congênitas. Nem sempre foi claro se os sintomas estavam relacionados com os serviços prestados na guerra ou se a ocorrência de determinadas doenças é comparável à de populações comuns.

A síndrome é causada pela exposição a substâncias químicas tóxicas. Várias delas foram investigadas, incluindo o brometo de piridostigmina (um antídoto contra gases nervosos), pesticidas organofosforados, armas químicas e urânio empobrecido. Foram descartados como possíveis causas da síndrome o stress pós-traumático, a vacina contra Antrax, que continha o adjuvante esqualeno[1] e a fumaça proveniente dos incêndios nos campos de petróleo do Kuwait. O uso das pílulas do antídoto, ministradas para proteger as tropas de agentes nervosos, e de repelente de insetos parecem ser as causas mais prováveis.

Desde o final da Guerra do Golfo, o United States Veteran Administration e British Ministry of Defense têm realizado inúmeros estudos sobre os veteranos de guerra. Os últimos estudos têm determinado que, enquanto a saúde física dos veteranos enviados à Guerra do Golfo é semelhante ao de veteranos não-enviados, há um aumento de quatro das 12 condições médicas relatadas sobre a guerra (fibromialgia, síndrome de fadiga crónica, eczema, e dispepsia).[2] Também concluiu que, embora a mortalidade tenha sido significativamente maior em veteranos implantados, a maior parte do aumento deveu-se a acidentes automobilísticos.

SintomasEditar

Os sintomas atribuídos a esta síndrome, incluem: fadiga crónica, perda de controle muscular, dores de cabeça, tonturas e perda de equilíbrio, problemas de memória, dores nas articulações e músculos, indigestão, problemas de pele, falta de ar, e até mesmo da resistência à insulina. Mortes por câncer cerebral, esclerose lateral amiotrófica (vulgarmente conhecida como doença de Lou Gehrig) e fibromialgia são agora reconhecidos pela Defesa dos Assuntos de Veteranos como potencialmente ligados ao serviço durante a Guerra do Golfo.[3]

Cerca de 30 por cento dos 700 mil militares estadunidenses e mulheres presentes na guerra têm registro no banco de dados da Guerra do Golfo, criado pela American Legion. Alguns continuam sofrendo uma desconcertante variedade de sintomas.[4] As tabelas abaixo se aplicam somente a coligação forças envolvidas na guerra. Uma vez que cada nação e seus soldados geralmente servia em diferentes regiões geográficas, epidemiologistas estão utilizando estas estatísticas para correlacionar efeitos da exposição a diferentes causas suspeitas.

Estados Unidos e Reino Unido, com as maiores taxas da doença, se distinguem de outras nações com as maiores taxas de utilização de pesticidas, uso de vacinas contra antraz, e um pouco mais elevadas taxas de exposição ao fumo.[5] A França, possivelmente com as mais baixas taxas de doença, tinham menores taxas de utilização de pesticidas, e não havia uso de vacinas contra antraz.[6]

Excesso de prevalência de sintomas gerais

Sintomas:[7]

Sintoma Estados Unidos Reino Unido Austrália Dinamarca
Fadiga 23% 23% 10% 16%
Cefaleias 17% 18% 7% 13%
Problemas de memória 32% 28% 12% 23%
Dor muscular 18% 17% 5% <2%
Diarreia 16% 9% 13%
Dispepsia/indigestão 12% 5% 9%
Problemas de pele 16% 8% 12%
Falta de ar 13% 9% 11%

Condições:[8]

Condição Estados Unidos Reino Unido Canadá Austrália
Condições de pele 20-21% 21% 4-7% 4%
Problemas nas articulações 6-11% 10% (-1)-3% 2%
Problemas Gastro-Intestinais 15% 5-7% 1%
Problemas respiratórios 4-7% 2% 2-5% 1%
Fadiga crónica 1-4% 3% 0%
Stress pós-traumático 2-6% 9% 6% 3%
Multisintomas crónicos 13-25% 26%

Referências

  1. «Gulf War Illness and Health of Gulf War Veterans» (PDF). Consultado em 21 de maio de 2010. Arquivado do original (PDF) em 24 de maio de 2010 
  2. Annals of Internal Medicine. Gulf War Veterans' Health: Medical Evaluation of a U.S. Cohort. June 7, 2005
  3. First Gulf War still claims lives. Seattle Post-Intelligencer. 28 de maio de 2008
  4. (Associated Press, August 12, 2006, free archived copy at: http://www.commondreams.org/headlines06/0812-06.htm Arquivado em 3 de julho de 2014, no Wayback Machine. Acessado em 28 de maio de 2008)
  5. Research Advisory Committee on Gulf War Veterans’ Illnesses Arquivado em 10 de maio de 2009, no Wayback Machine. December 12-13, 2005 Committee Meeting Minutes (page 78)
  6. Research Advisory Committee on Gulf War Veterans’ Illnesses Arquivado em 10 de maio de 2009, no Wayback Machine. December 12-13, 2005 Committee Meeting Minutes (page 68)
  7. Research Advisory Committee on Gulf War Veterans’ Illnesses Arquivado em 10 de maio de 2009, no Wayback Machine. December 12-13, 2005 Committee Meeting Minutes (page 70)
  8. Research Advisory Committee on Gulf War Veterans’ Illnesses Arquivado em 10 de maio de 2009, no Wayback Machine. December 12-13, 2005 Committee Meeting Minutes (page 71)