Abrir menu principal
SMS Gneisenau
SMS Gneisenau.jpg
Carreira  Alemanha
Operador Marinha Imperial Alemã
Fabricante AG Weser, Bremen
Custo 19,243 milhões
Homônimo August Neidhardt von Gneisenau
Batimento de quilha 1904
Lançamento 14 de junho de 1906
Comissionamento 6 de março de 1908
Estado Naufragado
Fatalidade Deliberadamente afundado na
Batalha das Malvinas em 8 de
dezembro de 1914
Características gerais
Tipo de navio Cruzador blindado
Classe Scharnhorst
Deslocamento 12 985 t
Maquinário 3 motores de tripla expansão
18 caldeiras
Comprimento 144,6 m
Boca 21,6 m
Calado 8,37 m
Propulsão 3 hélices
- 27 760 hp (20 700 kW)
Velocidade 23,6 nós (44 km/h)
Autonomia 5 000 milhas náuticas a 10 nós
(9 300 km a 19 km/h)
Armamento 8 canhões de 210 mm
6 canhões de 150 mm
18 canhões de 88 mm
4 tubos de torpedo de 450 mm
Blindagem Cinturão: 150 mm
Torres de artilharia: 180 mm
Convés: 38 a 64 mm
Tripulação 764

O SMS Gneisenau foi um cruzador blindado da Marinha Imperial Alemã, que foi batizado em homenagem à August Neidhardt von Gneisenau, um general prussiano durante as Guerras Napoleônicas, foi lançado ao mar pelo estaleiro alemão AG Weser, em Bremen, em 14 de junho de 1906, e foi comissionado em 6 de março de 1908, inicialmente integraria a Frota de Alto Mar, mas como foi considerado fraco, foi então enviado para integrar o Esquadra da Ásia Oriental que era comandado pelo Vice-Almirante Maximilian von Spee, baseado na colônia alemã de Tsingtao, China.

Durante a Primeira Guerra Mundial, o Gneisenau empenhou bom resultados junto com a frota alemã, conseguiu bombardear Papeete, na Polinésia Francesa e em seguida ajudou na Batalha de Coronel quando as frotas alemãs e britânicas se enfrentaram, resultando numa vitória alemã. O Gneisenau, partiu com a frota para destruir o transmissor sem fio das Malvinas, foi lá que os britânicos concentraram sua poderosa frota que atacou os alemães. O HMS Invencible atacou o SMS Scharnhorst enquanto o Inflexible atacou o Gneisenau, o Vice-Almirante Maximilian von Spee virou o seu navio, SMS Scharnhorst, para o Sul, onde conseguiu uma certa vantagem, mas o navio estava bastante danificado e às 16hs17mins, o Scharnhorst afundou matando todos os tripulantes, inclusive Spee, já o Gneisenau continuou lutando até que às 17hs30mins, o Gneisenau estava bastante danificado. Às 17hs50mins, os britânicos pararam o ataque, e o capitão do Gneisenau ordenou que a tripulação afundasse o navio, pois a munição havia acabado. 200 tripulantes, sobreviveram, mas muitos morreram devido à água fria. Os outros navios alemães também foram afundados.

BibliografiaEditar

  • Bennett, Geoffrey (2005). Naval Battles of the First World War. London: Pen & Sword Military Classics. ISBN 1-84415-300-2 
  • Gröner, Erich (1990). German Warships: 1815–1945. Annapolis: Naval Institute Press. ISBN 0-87021-790-9. OCLC 22101769 
  • Halpern, Paul G. (1995). A Naval History of World War I. Annapolis: Naval Institute Press. ISBN 1-55750-352-4 
  • Hawkins, Nigel (2002). Starvation Blockade: The Naval Blockades of WWI. Annapolis: Naval Institute Press. ISBN 0-85052-908-5 
  • Herwig, Holger (1980). "Luxury" Fleet: The Imperial German Navy 1888–1918. Amherst, New York: Humanity Books. ISBN 978-1-57392-286-9 
  • Hildebrand, Hans H.; Röhr, Albert; Steinmetz, Hans-Otto (1993). Die Deutschen Kriegsschiffe (Volume 3). Ratingen: Mundus Verlag. ISBN 3-8364-9743-3 
  • Hough, Richard (1980). Falklands 1914: The Pursuit of Admiral Von Spee. [S.l.]: Periscope Publishing Ltd. ISBN 978-1-904381-12-9 
  • Lyon, Hugh (1979). «Germany». In: Gardiner, Robert; Chesneau, Roger; Kolesnik, Eugene M. Conway's All the World's Fighting Ships: 1860–1905. London: Conway Maritime Press. pp. 240–265. ISBN 0-85177-133-5 
  • Philbin, Tobias R., III (1982). Admiral von Hipper: The Inconvenient Hero. Amsterdam: B. R. Grüner Publishing Co. ISBN 90-6032-200-2 
  • Potter, Elmer; Fredland, Roger; Adams, Henry (1981). Sea Power: A Naval History. Annapolis: Naval Institute Press. ISBN 0-87021-607-4 
  • Strachan, Hew (2001). The First World War: Volume 1: To Arms. Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-926191-1