Abrir menu principal
SMS Scharnhorst
SMS Scharnhorst by Arthur Renard.jpg
Carreira  Alemanha
Operador Marinha Imperial Alemã
Fabricante Blohm & Voss, Hamburgo
Homônimo Gerhard von Scharnhorst
Batimento de quilha 22 de março de 1905
Lançamento 23 de março de 1906
Comissionamento 24 de outubro de 1907
Estado Naufragado
Fatalidade Afundado na Batalha das Malvinas
em 8 de dezembro de 1914
Características gerais
Tipo de navio Cruzador blindado
Classe Scharnhorst
Deslocamento 12 985 t
Maquinário 3 motores de tripla expansão
18 caldeiras
Comprimento 144,6 m
Boca 21,6 m
Calado 8,37 m
Propulsão 3 hélices
- 25 645 hp (19 100 kW)
Velocidade 22,5 nós (41,7 km/h)
Armamento 8 canhões de 210 mm
6 canhões de 150 mm
18 canhões de 88 mm
4 tubos de torpedo de 450 mm
Blindagem Cinturão: 150 mm
Torres de artilharia: 180 mm
Convés: 35 a 60 mm
Tripulação 840

O SMS Scharnhorst foi um cruzador blindado alemão construído em Hamburgo em 1906 e comissionado em 1907, tinha como navio-irmão o SMS Gneisenau. Foi batizado em homenagem ao general Gerhard von Scharnhorst. Integrou o Esquadrão Alemão da Ásia Oriental, baseado em Tsingtao, comandado pelo Vice-Almirante Maximilian von Spee.

Índice

Primeira Guerra MundialEditar

Quando a Primeira Guerra Mundial começou, o Vice-Almirante von Spee chamou todos os navios do Esquadrão Asiático constituído, além do Scharnhorst, pelo SMS Gneisenau, e os cruzadores leves SMS Emden, SMS Leipzig, SMS Dresden, SMS Nürnberg. A frota partiu para as Ilhas Marianas. Em seguida, a frota partiu para o Pacífico central, mas em 13 de agosto, o capitão Karl von Müller, aconselhou von Spee, que o SMS Emden deveria ir para o Índico para cortar as linhas de suprimento inimigas. Spee concordou e von Müller, comandando o SMS Emden, partiu para o Índico, separando-se da frota.

Em 8 de setembro, o Nürnberg, após retornar de Honolulu, trouxe a notícia da conquista britânica da colônia alemã de Samoa. Spee, então decidiu atacar a Polinésia Francesa, que estava praticamente indefesa, o ataque foi bem-sucedido, de lá partiu para a Ilha de Páscoa.

Batalha de CoronelEditar

Os britânicos reuniram sua frota para destruir a frota de Spee. o Almirante Christopher Cradock assumiu o comando, entretanto Cradock sabia que não teria chances contra a frota de Spee, pois os seus navios eram velhos, lentos e sua tripulação era inexperiente, totalmente o oposto da poderosa frota alemã. O HMS Glasgow estava reabastecendo em Coronel, quando interceptou mensagens de rádio de um navio alemão, que também estava reabastecendo em Coronel, o Glasgow soube que o navio alemão havia avisado à frota de Spee, então o Glasgow enviou uma mensagem à frota de Cradock sobre a chegada dos alemães em Coronel. Quando Spee chegou em Coronel percebeu que os britânicos já o esperava, ele preferiu não atacar ainda, já o Almirante Cradock tentou atacá-lo enquanto o Sol ainda brilhava. Ao anoitecer, Spee contra-atacou, o Scharnhorst bombardeou o navio de Cradock, o HMS Good Hope, junto com o Gneisenau. Às 19hs57mins, o Good Hope afundou matando todos os tripulantes, inclusive Cradock. Às 21hs18mins, o HMS Monmouth também afundou, já o Scharnhorst recebeu apenas 2 balas que nem explodiram, a vitória alemã foi comemorada intensamente.

Batalha das Ilhas MalvinasEditar

 
O SMS Scharnhorst afundando enquanto o SMS Gneisenau continua a luta ao fundo

Os britânicos decidiram enviar uma poderosa frota para as Malvinas e esperar a frota de Spee chegar para afundá-la. Em 7 de dezembro de 1914, a frota de Spee chegou nas Malvinas com o propósito de destruiu o transmissor sem fio da ilha, mas os britânicos iniciaram a perseguição à frota de Spee que tentou fugir rumando para o Sudeste, o Gneisenau estava na frente, seguido pelo Nürnberg, depois o Scharnhorst e atrás estava o Dresden e o Leipzig. Às 13hs20mins a frota britânico alcançou o Scharnhorst iniciando o bombardeio ao navio alemão. Spee sabia que não conseguiria escapar dos britânicos, então ordenou que os cruzadores leves tentassem fugir, enquanto o Scharnhorst e o Gneisenau davam cobertura. O Almirante Sturdee, enviou seus cruzadores rápidos para perseguirem os cruzadores leves, o HMS Invincible atacou o Scharnhorst enquanto o HMS Inflexible atacou o Gneisenau. Spee desviou para o Sul, quando os britânicos se aproximaram os tiros do Scharnhorst e do Gneisenau obrigaram os britânicos à recuarem. ÀS 15hs30mins, o Scharnhorst estava seriamente danificado, muita água entrava, sua terceira chaminé havia sido destruída, enquanto o incêndio consumia o navio. Às 16hs17mins, o Scharnhorst afundou, todos os tripulantes faleceram, inclusive o Vice-Almirante von Spee, os outros navios também foram afundados, ao todo 2.200 marinheiros alemães faleceram, incluindo 2 filhos de von Spee

BibliografiaEditar

  • Bennett, Geoffrey (2005). Naval Battles of the First World War. London: Pen & Sword Military Classics. ISBN 1-84415-300-2 
  • Gardiner, Robert; Gray, Randal, eds. (1984). Conway's All the World's Fighting Ships: 1906–1922. Annapolis: Naval Institute Press. ISBN 0-87021-907-3 
  • Gröner, Erich (1990). German Warships: 1815–1945. Annapolis: Naval Institute Press. ISBN 0-87021-790-9. OCLC 22101769 
  • Halpern, Paul G. (1995). A Naval History of World War I. Annapolis: Naval Institute Press. ISBN 1-55750-352-4 
  • Hawkins, Nigel (2002). Starvation Blockade: The Naval Blockades of WWI. Annapolis: Naval Institute Press. ISBN 0-85052-908-5 
  • Herwig, Holger (1980). "Luxury" Fleet: The Imperial German Navy 1888–1918. Amherst, New York: Humanity Books. ISBN 978-1-57392-286-9 
  • Hough, Richard (1980). Falklands 1914: The Pursuit of Admiral Von Spee. [S.l.]: Periscope Publishing Ltd. ISBN 978-1-904381-12-9 
  • Strachan, Hew (2001). The First World War: Volume 1: To Arms. Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-926191-1 

Ligações externasEditar