Nota: Para outros resultados, veja SS Nomadic (1891).

O SS Nomadic é um barco a vapor da White Star Line, lançado no dia 25 de abril de 1911, em Belfast, que foi construído como um barco auxiliar para o RMS Olympic e o RMS Titanic.

SS Nomadic
 França
Operador White Star Line (1911–1927)
Compagnie Cherbourgeoise
de Transbordement (1927–1934)
Société Cherbourgeoise de Sauvetage et de Remorquage (1934-1968)
Fabricante Harland and Wolff, Belfast
Batimento de quilha 22 de dezembro de 1910
Lançamento 25 de abril de 1911
Viagem inaugural 14 de junho de 1911
Descomissionamento 1968
Porto de registro Cherbourg, França
Número do casco 422
Estado Navio museu
Características gerais
Tipo de navio Navio auxiliar
Tonelagem 1.273 t
Maquinário 2 motores de dupla expansão
2 caldeiras a vapor
Comprimento 67 m
Boca 11 m
Calado 2,4 m
Propulsão 2 hélices triplas
Velocidade 12 nós (22 km/h)
Tripulação 14
Passageiros 1000

No ano 1927, a White Star Line vendeu-o à Société Cherbourgeoise de Transbordement, que o utilizou com o mesmo nome. Em 1934 foi vendido de novo, esta vez à Société Cherbourgeoise de Remorquage et de Sauvetage, que o renomeou Ingénieur Minard. O barco esteve em serviço durante 57 anos, sobrevivendo às duas guerras mundiais.

O Nomadic foi transformado em navio-museu e é o único barco da White Star Line preservado.

Construção e características

editar

Nomadic e seu irmão, o SS Traffic, foram encomendados pela White Star Line em 1910, para servir como barcos auxiliares de seus novos transatlânticos RMS Olympic e RMS Titanic, que eram muito grandes aportarem em Cherbourg. A construção dos barcos ficou a cargo dos estaleiros Harland and Wolff de Belfast; o Nomadic foi iniciado em 22 de dezembro de 1910 (com o número de construção 422),[1] e foi lançado em 25 de abril de 1911.[1] Realizou seus testes de mar em 16 de maio do mesmo ano e, onze dias depois, foi entregue à White Star Line.[2]

A embarcação era utilizada para o transporte de passageiros, bagagens, correio e suprimentos para os navios que ficavam ancorados ao largo da costa. Nomadic era utilizado no transporte dos passageiros da primeira e segunda classe, enquanto seu irmão, o Traffic, era usado para transportar passageiros de terceira classe.

O barco tem 67 m de comprimento total e 11,3 m de boca, com uma arqueação bruta de 1 273 toneladas. Era operado por duas caldeiras alimentadas a carvão e dois motores a vapor composto, cada um movimentando uma hélice de 2,13 m de diâmetro, o que permitia uma velocidade máxima de 12 nós (22 km/h).[3]

Nomadic foi construído com estruturas, vigas e anteparas em aço, e casco chapeado rebitado. Com quatro conveses de trabalho e espaços de espera abaixo. Podia transportar até 1 000 passageiros, quando totalmente carregado.[3][4]

História

editar

Anos de serviço (1911-1968)

editar

O Nomadic começou seu serviço para a White Star Line por ocasião da viagem inaugural do Olympic, em 14 de junho de 1911, durante a escala do transatlântico em Cherbourg.[5]

No dia 10 de abril de 1912, o Nomadic transportou 142 passageiros de primeira classe e 30 de segunda classe ao Titanic em sua viagem inaugural;[6] entre eles estavam milionários famosos como John Jacob Astor e Benjamin Guggenheim, assim como Margaret Brown.

Durante a Primeira Guerra Mundial, o navio foi requisitado pelo governo francês e ele serviu como um caça-minas auxiliar e navio patrulha, também transportou tropas norte-americanas para o porto de Brest, na França. Depois da guerra, voltou a operar como barco auxiliar. Em 1927 foi vendido para a Société Cherbourgeoise de Transbordement, que o utilizou com o mesmo nome.

Após a fusão em 1934 da White Star Line com a Cunard Line, ele foi vendido para a "Société Cherbourgeoise de Sauvetage et de Remorquage" e recebeu o nome de Ingenieur Minard,[7][3][8] para homenagear o engenheiro que criou o porto moderno de Cherbourg.[9]

Durante a Segunda Guerra Mundial o barco voltou a ser requisitado. Participou da evacuação de tropas de Cherbourg e posteriormente foi utilizado pela Marinha Real Britânica como barco para transporte de tropas, navio de patrulha costeira e navio caça-minas.

Durante a guerra, o porto de Cherbourg foi fortemente danificado, por isso, grandes transatlânticos já não podiam ancorar lá. O Ingenieur Minard foi recuperado e retornou novamente ao serviço. Ele serviu grandes transatlânticos da época como o RMS Queen Mary e o RMS Queen Elizabeth, e finalmente parou de operar em 4 de novembro de 1968.[3] No mesmo ano, o barco foi vendido para a empresa de desmantelamento Somairec em Le Havre,[7] mas o desmantelamento nunca foi iniciado.

Uso como restaurante e anos de inatividade

editar
 
O SS Nomadic em 2000, atracado em Paris.

Em 1974, o navio foi adquirido por um comprador particular, Yvon Vincent, que o converteu em um restaurante no rio Sena em Paris (França) e restaurou seu nome original.[1] O restaurante funcionou desde 1977 até 1999,[8] e teve três nomes diferentes durante sua carreira de 22 anos: Le Shogun, Le Colonial e Le Transbordeur du Titanic.[10]

Depois que o restaurante fechou e anos de abandono em Paris e Le Havre, as campanhas pela conservação do barco ganharam apoio político e governamental e, em 26 de janeiro de 2006, o Departamento de Desenvolvimento Social do governo da Irlanda do Norte comprou o navio em leilão[11] por € 250.001 (o preço de reserva era de € 250.000). O navio permaneceu em Le Havre até julho de 2006, quando foi levado a Belfast para sua restauração.

Conservação e restauração

editar
 
SS Nomadic em março de 2012, em Belfast na Irlanda do Norte, após a primeira fase de restauração.

O Nomadic deixou Le Havre para retornar a Belfast em 12 de julho de 2006, chegando à cidade onde foi construído seis dias depois.

Em 2007, o Nomadic foi considerado como navio histórico nacional e inserido no Registro Nacional de Navios Históricos do Reino Unido (National Historic Ships).[12]

No final de 2009 o NCS tinha fundos suficientes para iniciar grandes obras de conservação e restauro. Em fevereiro de 2010, as principais obras começou com jateamento externo e priming do casco de aço, impedindo uma maior deterioração da estrutura metálica.

Em fevereiro de 2011, Harland and Wolff foram nomeados pelo NCS para realizar restauração de estruturas de aço e reparação, reacendendo um link de 100 anos com os construtores originais do navio. O valor do contrato foi de £ 2 milhões[13] e incluiu re-criação da superestrutura e da ponte de comando, reparos e pintura do casco do navio em sua origem libré White Star Line.

Em dezembro de 2011 foi colocada a nova chaminé do navio. A fase final de obras de restauração inclui conservação e restauro do interior luxuoso, com painéis de gesso e ornamentado marcenaria. Os painéis originais do Nomadic foram comprados de um museu francês. Os painéis já foram doados para a NCS para a restauração e reintegração de volta a bordo do navio. Esta fase de obras inclui também obras de restauração do histórico Hamilton Graving Dock e pumphouse, convertendo a área do cais e do navio em uma atração turística. Essas obras foram concluídas em novembro de 2012.

Em 2013, a nova superestrutura e a restauração do interior foram concluídas. O único dos botes salva-vidas originais do Nomadic também foi restaurado. O mastro e os novos turcos para os botes, entre outros detalhes, ainda precisam ser instalados. O Nomadic, convertido em um navio-museu, abriu suas portas ao público em 1 de junho de 2013.[14]

Nomadic Charitable Trust

editar

O Departamento de Desenvolvimento Social da Irlanda do Norte criou um fundo voluntário de caridade, o Nomadic Charitable Trust (NCT)[15] em dezembro de 2006, para assumir a propriedade do navio e supervisionar sua conservação e restauração. O objetivo declarado do NCT é; "Para restaurar o SS Nomadic e torná-lo acessível ao público, para garantir que ele possa desempenhar um papel fundamental na celebração contínua do Titanic, garantir um legado duradouro para celebrar nosso patrimônio marítimo e industrial e como um catalisador para o turismo, desenvolvimento social e econômico".

O NCT transferiu a propriedade do Nomadic para a Titanic Foundation em abril de 2015. O navio agora é administrado pelo Titanic Belfast Nomadic Limited e incorporado à atração turística do Titanic Belfast.[16]

Nomadic Preservation Society

editar

A Nomadic Preservation Society (NPS) também foi fundada em 2006.[17] Seus objetivos declarados incluem a colaboração com o NCT e todas as outras partes envolvidas na preservação do Nomadic, incluindo a captação e doação de fundos, a realização de pesquisas históricas e a divulgação do Nomadic como atração turística.[17]

Referências

  1. a b c «Nomadic» of the White Star Line. Arquivado em 16 de julho de 2011, no Wayback Machine. Titanic-Titanic.com.
  2. The Early Years. Arquivado em 12 de setembro de 2013, no Wayback Machine. Nomadic Preservation Society. Consultado em 19-4-2021.
  3. a b c d Delaunoy (2019).
  4. «15 Things You Didn't Know About SS Nomadic!». www.nomadicbelfast.com. Consultado em 17 de abril de 2021 .
  5. Mark Chirnside 2004, Tempus, p. 47.
  6. Nomadic. Encyclopedia Titanica. Consultado em 18 de abril de 2021.
  7. a b Mark Chirnside 2004, Tempus, p. 306.
  8. a b «SS Nomadic Belfast». Nomadicbelfast.com. Consultado em 27 de outubro de 2020 .
  9. The World Wars. Arquivado em 14 de setembro de 2013, no Wayback Machine. Nomadic Preservation Society.
  10. Le «Nomadic» et le «Traffic» (em francês). Le Site du Titanic.
  11. McGuigan, Jenny. «Bidding for the Nomadic». Department for Social Development of Northern Ireland. Consultado em 27 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 27 de outubro de 2020 .
  12. SS Nomadic. Arquivado em 14 de fevereiro de 2012, no Wayback Machine.. Nationalhistoricships.org.uk. Consultado em 18-4-2021.
  13. Harland and Wolff wins Nomadic refurbishment contract. www.bbc.co.uk.
  14. Seven years and €8m later, Titanic's little sister SS Nomadic is ready for visitors. Independent.ie. Consultado em 19 de abril de 2021.
  15. «Nomadic Charitable Trust». Department for Social Development. Consultado em 27 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 22 de abril de 2012 
  16. «Record numbers for SS Nomadic – 106 years after launch». The Irish News. Consultado em 27 de outubro de 2020 .
  17. a b «Mission Statement». Nomadic Preservation Society. Consultado em 27 de outubro de 2020. Cópia arquivada em 29 de julho de 2012 

Bibliografia

editar
  • Delaunoy, Philippe (2019). SS Nomadic – Titanic's Little Sister. Belfast: History Press. ISBN 978-0-7509-8807-0 
  • Pritchard, Mervyn (2008). The Belfast Child: S.S. Nomadic, Exploring the World's Last Great Link to R.M.S. Titanic. Belfast: Queen's Island Press. ISBN 0955931401.
  • Vanhoutte, Fabrice and Melia, Philippe (2004). Le S/S Nomadic: Petit frère du Titanic. Cherbourg: Editions Isoète. ISBN 2-913-920-39-X.
  • Mark Chirnside, The Olympic-class ships: «Olympic», «Titanic», «Britannic» (2004). Tempus, 349 p. ISBN 0-7524-2868-3.
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre SS Nomadic (1911)