A saúde global é a saúde das populações no contexto mundial;[1] foi definida como "a área de estudo, investigação e prática que prioriza a melhoria da saúde e a equidade de saúde para todas as pessoas em todo o mundo".[2] Problemas que transcendem as fronteiras nacionais ou têm um impacto político e económico global são frequentemente enfatizados.[3] Assim, a saúde global diz respeito à melhoria da saúde mundial (incluindo a saúde mental), redução de disparidades e proteção contra ameaças globais que desconsideram as fronteiras nacionais.[4][5] A saúde global não deve ser confundida com a saúde internacional, que é definida como o ramo da saúde pública que se concentra nos países em desenvolvimento e nos esforços de ajuda externa dos países industrializados.[6] A saúde global pode ser medida em função de várias doenças globais e da sua prevalência no mundo e ameaça de diminuir a expectativa de vida no presente. Estimativas sugerem que num mundo pré-moderno e pobre, a expectativa de vida era de cerca de 30 anos em todas as regiões do mundo.[7]

Sede da Organização Mundial da Saúde em Genebra, Suíça.

A agência predominante associada à saúde global (e à saúde internacional) é a Organização Mundial da Saúde (OMS). Outras agências importantes que impactam a saúde global incluem a UNICEF e o Programa Alimentar Mundial (PAM). O sistema das Nações Unidas também tem desempenhado um papel com ações intersetoriais para abordar a saúde global e os seus determinantes socioeconómicos subjacentes com a declaração dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio[8] e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável mais recentes.

Definição

editar
 
Open Global Health na OpenCon 2015

A saúde global emprega várias perspetivas que se concentram nos determinantes e na distribuição da saúde em contextos internacionais.

Tanto os indivíduos como as organizações que trabalham no domínio da saúde global enfrentam muitas vezes muitas questões relacionadas com os direitos éticos e humanos. O exame crítico das diversas causas e justificativas das iniquidades em saúde é necessário para o sucesso das soluções propostas. Tais questões são discutidas nas Cúpulas Globais bianuais dos Conselhos Nacionais de Ética/Bioética.

História

editar
 
Esperança de vida por região do mundo, de 1770 a 2018

Foram dados passos importantes para a cooperação global em saúde com a formação da Organização das Nações Unidas (ONU) e do Grupo Banco Mundial em 1945, após a Segunda Guerra Mundial. Em 1948, os estados membros da recém-formada Organização das Nações Unidas reuniram-se para criar a Organização Mundial da Saúde. Uma epidemia de cólera que ceifou 20.000 vidas no Egito em 1947 e 1948 ajudou a estimular a comunidade internacional a agir.[14] A OMS publicou a sua Lista de Medicamentos Essenciais, e a declaração de Alma Ata de 1978 sublinhou a importância dos cuidados de saúde primários.[15]

Numa cimeira das Nações Unidas em 2000, os países membros declararam oito Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM),[16] que refletiam os principais desafios enfrentados pelo desenvolvimento humano globalmente, a serem alcançados até 2015.[17] A declaração foi acompanhada por um investimento global sem precedentes por parte dos países doadores e recetores. De acordo com a ONU, esses ODM forneceram uma estrutura importante para o desenvolvimento e progressos significativos foram feitos em várias áreas.[18] No entanto, o progresso tem sido desigual e alguns dos ODM não foram totalmente realizados, incluindo a saúde materna, neonatal e infantil, e a saúde reprodutiva.[18] Com base nos ODM, uma nova Agenda de Desenvolvimento Sustentável com 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) foi estabelecida para os anos de 2016-2030.[18] O primeiro objetivo é uma promessa ambiciosa e histórica de acabar com a pobreza.[19] Em 25 de setembro de 2015, os 193 países da Assembleia Geral da ONU adotaram a Agenda de Desenvolvimento 2030 intitulada Transformando o nosso mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável.[19]

Várias iniciativas importantes começaram nos anos 2000, incluindo a aliança de vacinas GAVI em 2000, o Fundo Global de Combate contra a SIDA, Tuberculose e Malária em 2002, Plano de Emergência do Presidente dos EUA para o Alívio da SIDA em 2003, a Iniciativa do Presidente dos EUA contra a Malária em 2005. Nesta década e como parte do Consenso de Monterrey, uma ênfase crescente foi colocada na medição da melhoria nos resultados de saúde, em vez de apenas na quantidade de dinheiro gasto.[20]

Em 2015 foi publicado um livro intitulado "To Save Humanity", com cerca de 100 ensaios sobre as questões de saúde global mais urgentes da atualidade.[21] Os ensaios foram de autoria de figuras globais da política, ciência e ativismo, desde Bill Clinton a Peter Piot, e abordaram uma ampla gama de questões, incluindo vacinas, resistência antimicrobiana, cobertura de saúde, uso de tabaco, metodologia de pesquisa, mudança climática, equidade, acesso à medicina, e cobertura dos média de investigação em saúde.

Medidas

editar

Anos de vida ajustados por incapacidade

editar
 
Anos de vida ajustados por incapacidade por 100.000 pessoas em 2004.
  Sem dados
  Menos de 9.250
  9.250–16.000
  16,000–22,750
  22,750–29,500
  29,500–36,250
  36.250–43.000
  43.000–49.750
  49.750–56.500
  56.500–63.250
  63.250–70.000
  70.000–80.000
  Mais de 80000

O DALY é uma medida resumida que combina o impacto da doença, incapacidade e mortalidade medindo o tempo vivido com incapacidade e o tempo perdido por mortalidade prematura. Um DALY pode ser considerado como um ano perdido de vida "saudável". O DALY para uma doença é a soma dos anos de vida perdidos por mortalidade prematura e os anos perdidos por incapacidade para os casos incidentes da condição de saúde.

Anos de vida ajustados pela qualidade

editar

Os QALY combinam a sobrevivência esperada com a qualidade de vida esperada num único número: se um ano adicional de vida saudável vale o valor de um (ano), então um ano de vida menos saudável vale menos que um (ano). Os cálculos do QALY são baseados em medidas do valor que os indivíduos atribuem aos anos esperados de sobrevivência. As medições podem ser feitas de várias formas: por técnicas que replicam apostas sobre preferências por estados alternativos de saúde, com pesquisas ou análises que inferem a disposição de pagar por estados alternativos de saúde, ou por meio de instrumentos baseados na troca de algumas ou todas as probabilidades de tempo de sobrevivência que uma intervenção médica pode proporcionar para ganhar menos tempo de sobrevivência de maior qualidade.[22]

Mortalidades infantis

editar

A mortalidade infantil antes de um ano de vida e a mortalidade infantial de crianças menores de 5 anos são mais específicas do que os DALY ou QALY na representação da saúde nas camadas mais pobres de uma população e, portanto, são especialmente úteis quando se concentra na equidade em saúde.[23]

Morbilidade

editar

As medidas de morbilidade incluem taxa de incidência, prevalência e incidência cumulativa, com taxa de incidência referente ao risco de desenvolver uma nova condição de saúde dentro de um período de tempo especificado. Embora, às vezes, expresso simplesmente como o número de novos casos durante um período de tempo, a morbilidade é melhor expressa como uma proporção ou taxa.

Temas de saúde

editar

Doenças infecciosas

editar

Infeções do trato respiratório

editar

As infeções do trato respiratório e do ouvido médio são as principais causas de morbilidade e mortalidade em todo o mundo.[24] Algumas infeções respiratórias de importância global incluem tuberculose, sarampo, gripe, coronavírus e pneumonias causadas por Mycobacterium tuberculosis, Morbillivirus, Haemophilus influenzae e Pneumococci, respetivamente. A disseminação de infeções respiratórias é exacerbada por condições de superlotação, e a pobreza está associada a um aumento de mais de 20 vezes na carga relativa de infeções pulmonares.[25]

Doenças diarreicas

editar
 Ver artigo principal: Diarreia

A diarreia é a segunda causa mais comum de mortalidade infantil em todo o mundo, responsável por 17% das mortes de crianças menores de 5 anos.[26] A falta de saneamento pode aumentar a transmissão de bactérias e vírus através da água, alimentos, utensílios, mãos e moscas. A desidratação devido à diarreia pode ser tratada de forma eficaz através da terapia de reidratação oral com reduções dramáticas na mortalidade.[27][28] Medidas nutricionais importantes incluem a promoção da amamentação materna e a suplementação de zinco. Embora as medidas higiénicas por si só possam ser insuficientes para a prevenção da diarreia por rotavírus,[29] ela pode ser prevenida por uma vacina segura e potencialmente económica.[30]

HIV/SIDA

editar

A epidemia de HIV/SIDA destacou a natureza global da saúde e bem-estar humano e a globalização deu origem a uma tendência de encontrar soluções comuns para os desafios globais de saúde. Numerosos fundos internacionais foram criados nos últimos tempos para enfrentar os desafios globais de saúde, como o HIV.[31] Desde o início da epidemia, mais de 70 milhões de pessoas foram infetadas com o vírus HIV e cerca de 35 milhões de pessoas morreram de HIV. Globalmente, 36,9 milhões [31,1–43,9 milhões] de pessoas viviam com HIV no final de 2017. Estima-se que 0,8% [0,6–0,9%] dos adultos de 15 a 49 anos em todo o mundo vivem com HIV, embora a carga da epidemia continue a variar consideravelmente entre países e regiões. A região africana da OMS continua a ser a mais severamente afetada, com quase 1 em cada 25 adultos (4,1%) a viver com HIV e representando quase dois terços das pessoas a viver com HIV em todo o mundo.[32] O vírus da imunodeficiência humana (HIV) é transmitido através de sexo desprotegido, agulhas sujas, transfusões de sangue e de mãe para filho durante o parto ou lactação. Globalmente, o HIV é transmitido principalmente por meio de relações sexuais. O risco por exposição com sexo vaginal em países de baixo rendimento de mulher para homem é de 0,38% e de homem para mulher é de 0,3%.[33] A infeção danifica o sistema imunológico, levando à síndrome da imunodeficiência adquirida (SIDA) e, eventualmente, à morte. Os medicamentos antirretrovirais prolongam a vida e retardam o aparecimento da SIDA, minimizando a quantidade de HIV no corpo.

Malária

editar
 Ver artigo principal: Malária

A malária é uma doença infecciosa transmitida por mosquitos causada por parasitas do género Plasmodium. Os sintomas podem incluir febre, dores de cabeça, calafrios, dores musculares e náuseas. A cada ano, há aproximadamente 500 milhões de casos de malária em todo o mundo, mais comumente entre crianças e mulheres grávidas em países em desenvolvimento.[34] A Região Africana da OMS tem uma parte desproporcionalmente elevada do fardo global da malária. Em 2016, a região abrigava 90% dos casos de malária e 91% das mortes por malária.[35] O uso de mosquiteiros tratados com inseticida é uma maneira econômica de reduzir as mortes por malária, assim como a terapia combinada à base de artemisinina, apoiada por terapia preventiva intermitente na gravidez. Os viajantes internacionais para zonas endêmicas são aconselhados a quimioprofilaxia com medicamentos antimaláricos como Atovaquona-proguanil, doxiciclina ou mefloquina.[36] O consumo global e o comércio internacional de commodities associadas ao desmatamento também podem influenciar indiretamente o risco de malária. Muitas commodities primárias causam desmatamento e o desmatamento pode aumentar a transmissão da malária. O consumo de tais commodities em países desenvolvidos pode aumentar o risco de malária em países em desenvolvimento.[37]

Doenças tropicais negligenciadas

editar

Mais de mil milhões de pessoas foram tratadas por pelo menos uma doença tropical negligenciada em 2015.[38] As doenças tropicais negligenciadas são um grupo diversificado de doenças infecciosas que são endémicas em regiões tropicais e subtropicais de 149 países, afetando principalmente populações de baixa e média renda na África, Ásia e América Latina. Eles são causados por bactérias (tracoma, hanseníase), vírus (dengue,[39] raiva), protozoários (tripanossomíase humana africana, chagas) e helmintos (esquistossomose, oncocercose, helmintos transmitidos pelo solo).[40] O Global Burden of Disease Study concluiu que as doenças tropicais negligenciadas contribuíram de forma abrangente para aproximadamente 26,06 milhões de anos de vida ajustados por incapacidade em 2010, bem como significativos efeitos económicos deletérios.[41] Em 2011, a Organização Mundial da Saúde lançou um Roteiro 2020 para doenças tropicais negligenciadas, visando o controlo ou eliminação de 10 doenças comuns.[42] A Declaração de Londres de 2012 baseia-se nessa iniciativa e chamou os países endémicos e a comunidade internacional a melhorar o acesso à água potável e ao saneamento básico, melhores condições de vida, controlo de vetores e educação para a saúde, para alcançar as metas de 2020.[43] Em 2017, um relatório da OMS citou 'progresso sem precedentes' contra doenças tropicais negligenciadas desde 2007, especialmente devido à administração em massa de medicamentos doados por empresas farmacêuticas.[44]

Saúde materna

editar
 Ver artigos principais: Saúde materna e Saúde reprodutiva

As complicações da gravidez e do parto são as principais causas de morte entre as mulheres em idade reprodutiva. Em muitos países em desenvolvimento, uma mulher morre de complicações do parto aproximadamente a cada minuto.[45] De acordo com o Relatório Mundial de Saúde de 2005 da Organização Mundial da Saúde, as más condições maternas são a quarta principal causa de morte de mulheres em todo o mundo, depois do HIV/SIDA, malária e tuberculose.[46] A maioria das mortes e lesões maternas pode ser evitada, e essas mortes foram amplamente erradicadas no mundo desenvolvido.[47] As metas para melhorar a saúde materna incluem o aumento e a assistência ao número de partos acompanhados por parteiras qualificadas.[48] Estima-se que 68 países de baixo rendimento monitorizados pela colaboração liderada pela OMS e UNICEF Countdown to 2015 são responsáveis por 97% das mortes maternas e infantis em todo o mundo.[49]

Nutrição

editar

Em 2010, cerca de 104 milhões de crianças estavam tinham baixo peso, e a subnutrição contribui para cerca de um terço das mortes infantis em todo o mundo.[50] (A subnutrição não deve ser confundida com a desnutrição, que se refere à má proporção da ingestão de alimentos e pode, portanto, referir-se à obesidade.)[51] A subnutrição prejudica o sistema imunológico, aumentando a frequência, gravidade e duração das infeções (incluindo sarampo, pneumonia e diarreia). A infeção pode contribuir ainda mais para a desnutrição.[52] As deficiências de micronutrientes, como vitamina A, ferro, iodo e zinco, são comuns em todo o mundo e podem comprometer o potencial intelectual, o crescimento, o desenvolvimento e a produtividade adulta.[53][54][55][56][57][58] As intervenções para prevenir a desnutrição incluem suplementação de micronutrientes, fortificação de alimentos básicos de mercearia, diversificação da dieta, medidas higiénicas para reduzir a propagação de infeções e promoção da amamentação.

Doenças não transmissíveis

editar

Aproximadamente 80% das mortes relacionadas com doenças não transmissíveis ocorrem em países em desenvolvimento.[59] Por exemplo, a urbanização e o envelhecimento levaram ao aumento das más condições de saúde relacionadas com doenças não transmissíveis na Índia. As causas de carga de doença que mais cresceram nos últimos 26 anos foram diabetes (aumento da taxa em 80%) e doença cardíaca isquémica (aumento de 34%). Mais de 60% das mortes, cerca de 6,1 milhões, em 2016 foram devidas a DNT, acima dos cerca de 38% em 1990.[60] O aumento da urbanização de refugiados, levou a um número crescente de pessoas diagnosticadas com doenças crónicas não transmissíveis.[61]

Em setembro de 2011, as Nações Unidas sediaram a sua primeira cimeira Especial da Assembleia Geral sobre a questão das doenças não transmissíveis.[62] Observando que as doenças não transmissíveis são a causa de cerca de 35 milhões de mortes a cada ano, a comunidade internacional está a ser cada vez mais chamada a tomar medidas para a prevenção e controlo das doenças crónicas e a mitigar os seus impactos na população mundial, especialmente nas mulheres, que são geralmente os cuidadores primários.

Por exemplo, a taxa de diabetes tipo 2, associada à obesidade, tem aumentado em países anteriormente afetados pela fome. Em países de baixo rendimento, espera-se que o número de indivíduos com diabetes aumente de 84 milhões para 228 milhões até 2030.[63] A obesidade, uma condição evitável, está associada a inúmeras doenças crónicas, incluindo doenças cardiovasculares, acidente vascular cerebral, certos tipos de cancro e doenças respiratórias. Cerca de 16% da carga global de doenças, medida como DALY, foi atribuída à obesidade.[63]

Violência contra a mulher

editar
 Ver artigo principal: Violência doméstica

A violência contra a mulher foi definida como: “violência física, sexual e psicológica que ocorre na família e na comunidade em geral, incluindo espancamento, abuso sexual, violência relacionada com o dote, violação, mutilação genital feminina e outras práticas tradicionais prejudiciais às mulheres, violência não-conjugal e violência relacionada com a exploração, assédio sexual e intimidação no trabalho, em instituições educacionais e em outros lugares, tráfico de mulheres, prostituição forçada e violência perpetrada ou tolerada pelo Estado."[64] Além de causar lesões, a violência pode aumentar “o risco de longo prazo das mulheres de vários outros problemas de saúde, incluindo dor crónica, deficiência física, abuso de drogas e álcool e depressão”.[65] O Relatório da OMS sobre estimativas globais e regionais sobre violência contra as mulheres descobriu que o abuso do parceiro faz com que as mulheres tenham 16% mais chances de sofrer abortos espontâneos, 41% mais ocorrências de bebês prematuros e duas vezes mais chances de abortar e de adquirir HIV ou outras DST.[66]

Embora as estatísticas possam ser difíceis de obter, pois muitos casos não são reportados, estima-se que uma em cada cinco mulheres enfrenta alguma forma de violência durante a sua vida, em alguns casos levando a ferimentos graves ou mesmo à morte.[67] Os fatores de risco para ser um infrator incluem baixa escolaridade, exposição passada a maus-tratos infantis ou testemunho de violência entre os pais, uso nocivo de álcool, atitudes de aceitação da violência e desigualdade de género.[68] A igualdade das mulheres foi abordada nas metas de desenvolvimento do Milénio. Agora, a Igualdade de Género é o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 5. A prevenção da violência contra as mulheres deve constituir uma parte essencial das reformas da saúde pública na forma de advocacia e recolha de provas. A prevenção primária na forma de aumentar as facilidades de empoderamento económico das mulheres, microfinanças e projetos sociais de treinamento de habilidades relacionadas com a igualdade de género deve ser conduzida.

Devem ser organizadas atividades que promovam habilidades de relacionamento e comunicação entre casais, reduzindo o acesso ao álcool e alterando ideologias sociais. Intervenções na infância, educação comunitária e escolar, consciencialização orientada para os média e outras abordagens devem ser realizadas para desafiar as normas sociais e os processos de pensamento estereotipados para promover mudanças comportamentais entre os homens e aumentar a igualdade de género. Profissionais de saúde treinados desempenhariam um papel vital na prevenção secundária e terciária do abuso, realizando a identificação precoce de mulheres que sofrem violência e contribuindo para o atendimento das suas necessidades de saúde e psicológicas. Eles podem ser muito importantes na prevenção da recorrência da violência e na mitigação dos seus efeitos sobre a saúde das mulheres abusadas e dos seus filhos.[69] Os Estados Membros da Assembleia Mundial da Saúde endossaram um plano em 2016 para reforçar o papel do sistema de saúde na abordagem do fenómeno global da violência contra mulheres e meninas e trabalhar para sua saúde e proteção.[70]

Cirurgia global

editar

Halfdan T. Mahler, 3º Diretor-Geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), chamou a atenção pela primeira vez para as disparidades entre cirurgia e cuidados cirúrgicos quando afirmou: "'a grande maioria da população mundial não tem qualquer tipo de acesso a cuidados cirúrgicos profissionais e pouco está a ser feito para encontrar uma solução", no seu discurso no Congresso Mundial do Colégio Internacional de Cirurgiões em 1980.[71]

Embora progressos significativos tenham sido feitos em campos da saúde global, como doenças infecciosas, saúde materno-infantil e até mesmo noutras doenças não transmissíveis nas últimas décadas, a oferta de cirurgia e cuidados cirúrgicos em ambientes com recursos limitados permaneceu em grande parte insatisfeita. com cerca de 5 mil milhões de pessoas sem acesso a cuidados cirúrgicos e anestésicos seguros e acessíveis.[72] Isto é especialmente verdadeiro nos países mais pobres, que representam mais de um terço da população, mas apenas 3,5% de todas as cirurgias que ocorrem em todo o mundo.[73] De facto, estima-se que até 30% da carga global total de doenças (GBD) pode ser atribuída a condições cirúrgicas, que incluem uma mistura de lesões, malignidades, anomalias congénitas e complicações da gravidez.[74][75] Como resultado, a cirurgia global tornou-se um campo emergente dentro da saúde global como 'o empreendimento multidisciplinar de fornecer cuidados cirúrgicos melhorados e equitativos à população mundial, com a sua crença central nas questões de necessidade, acesso e qualidade' e tem sido frequentemente descrita como o 'enteado negligenciado da saúde global', um termo cunhado pelo Dr. Paul Farmer para destacar a necessidade urgente de mais trabalho nesta área.[76][77] Além disso, Jim Young Kim, ex-presidente do Banco Mundial, proclamou em 2014 que “a cirurgia é uma parte indivisível e indispensável dos cuidados de saúde e do progresso em direção à cobertura universal de saúde”.[78]

Em 2015, a Lancet Commission on Global Surgery (LCoGS) publicou o relatório de referência intitulado "Cirurgia Global 2030: evidências e soluções para alcançar saúde, bem-estar e desenvolvimento económico", descrevendo a grande carga preexistente de doenças cirúrgicas em pacientes de países de baixo e médio rendimento (LMICs) e direções futuras para aumentar o acesso universal à cirurgia segura até ao ano de 2030.[72] A Comissão destacou que 143 milhões de procedimentos adicionais são necessários todos os anos para evitar mais morbilidade e mortalidade por condições cirúrgicas tratáveis, bem como uma perda de 12,3 biliões de dólares (US$) em produtividade económica até ao ano de 2030.[72] Enfatizou a necessidade de melhorar significativamente a capacidade para procedimentos de Bellwether – laparotomia, cesariana, cuidados de fratura exposta – que são considerados um nível mínimo de atendimento que os hospitais de primeiro nível devem ser capazes de fornecer para captar os cuidados cirúrgicos de emergência mais básicos.[72][79] Para enfrentar esses desafios e acompanhar o progresso, a Comissão definiu os seguintes indicadores principais para avaliar o acesso a cuidados cirúrgicos e anestésicos seguros e acessíveis:[72]

Indicadores principais Definição Alvo
Acesso a cirurgias essenciais oportunas A proporção da população que pode aceder, em 2 horas, a uma instalação que pode fazer cesariana, laparotomia e tratamento de fratura exposta (os Procedimentos de Bellwether) Cobertura mínima de 80% de serviços essenciais de cirurgia e anestesia por país até 2030
Densidade da força de trabalho cirúrgica especializada O número de médicos especialistas em cirurgia, anestesia e obstetrícia que estão a trabalhar, por 100.000 habitantes 100% dos países com pelo menos 20 médicos cirúrgicos, anestésicos e obstétricos por 100.000 habitantes até 2030
Volume cirúrgico O número de procedimentos realizados em uma sala de cirurgia, por 100.000 habitantes por ano 80% dos países até 2020 e 100% dos países até 2030 rastreando o volume cirúrgico; um mínimo de 5.000 procedimentos por 100.000 habitantes até 2030
Mortalidade perioperatória Taxa de mortalidade por todas as causas antes da alta em pacientes submetidos a procedimento em centro cirúrgico, dividida pelo número total de procedimentos, apresentada em porcentagem 80% dos países até 2020 e 100% dos países até 2030 a rastrar a mortalidade perioperatória; em 2020, avaliar dados globais e definir metas nacionais para 2030
Proteção contra gastos empobrecidos A proporção de famílias protegidas contra o empobrecimento de pagamentos diretos do próprio bolso para cuidados cirúrgicos e anestésicos 100% de proteção contra o empobrecimento de pagamentos diretos para cuidados cirúrgicos e anestésicos até 2030
Proteção contra despesas catastróficas A proporção de famílias protegidas contra despesas catastróficas de pagamentos diretos do próprio bolso para cuidados cirúrgicos e anestésicos 100% de proteção contra despesas catastróficas de pagamentos diretos para cuidados cirúrgicos e anestésicos até 2030

Atingir estas metas até ao ano de 2030 exigiria aumentos de anestesistas, obstetras, cirurgiões, enfermeiros e instalações com salas de cirurgia, bem como de capacidades de atendimento pré e pós-cirúrgico.

Dados da OMS e do Banco Mundial indicam que ampliar a infraestrutura para permitir o acesso à assistência cirúrgica em regiões onde atualmente é limitada ou inexistente é uma medida de baixo custo em relação à significativa morbimortalidade causada pela falta de tratamento cirúrgico.[74] De facto, uma revisão sistemática descobriu que a relação custo-benefício – dólares gastos por DALY evitados – para intervenções cirúrgicas está no mesmo nível ou supera as das principais intervenções de saúde pública, como terapia de reidratação oral, promoção do aleitamento materno e até terapia antirretroviral para HIV/SIDA.[80] Esta descoberta desafiou o equívoco comum de que o cuidado cirúrgico é um empreendimento financeiramente proibitivo e que não vale a pena perseguir em LMIC.

Em termos de impacto financeiro sobre os pacientes, a falta de cuidados cirúrgicos e anestésicos adequados resultou em 33 milhões de indivíduos todos os anos a enfrentar gastos catastróficos com saúde – o custo de saúde desembolsado superior a 40% do rendimento de uma determinada família.[72][81]

Em alinhamento com o apelo à ação do LCoGS, a Assembleia Mundial da Saúde adotou a resolução WHA68.15 em 2015, que declarou: "Fortalecer os cuidados cirúrgicos de emergência e essenciais e a anestesia como um componente da cobertura universal de saúde".[82] Isto não apenas exigiu que a OMS priorizasse o fortalecimento dos cuidados cirúrgicos e anestésicos globalmente, mas também levou os governos dos estados membros a reconhecer a necessidade urgente de aumentar a capacidade em cirurgia e anestesia. Além disso, a terceira edição de Prioridades de Controlo de Doenças (DCP3), publicada em 2015 pelo Banco Mundial, declarou a cirurgia como essencial e apresentou um volume inteiro dedicado à capacitação cirúrgica.[83]

Uma estrutura política chave que surgiu desse compromisso global renovado com o cuidado cirúrgico em todo o mundo é o Plano Nacional de Obstetrícia e Anestesia Cirúrgica (NSOAP, na sigla em inglês).[84] O NSOAP concentra-se na capacitação da política para a ação para cuidados cirúrgicos com etapas tangíveis como segue: (1) análise de indicadores de linha de base, (2) parceria com paladinos locais, (3) amplo envolvimento das partes interessadas, (4) construção de consenso e síntese de ideias, (5) refinamento da linguagem, (6) custeio, (7) disseminação e (8) implementação. Esta abordagem tem sido amplamente adotada e tem servido como princípios orientadores entre colaboradores internacionais e instituições e governos locais. Implementações bem-sucedidas permitiram a sustentabilidade em termos de monitorização de longo prazo, melhoria da qualidade e apoio político e financeiro contínuo.[84]

Intervenções de saúde

editar

As intervenções globais para melhorar a saúde e a sobrevivência da criança incluem a promoção do aleitamento materno, suplementação de zinco, fortificação de vitamina A, iodização do sal, intervenções de higiene, como lavagem das mãos, vacinação e tratamentos de desnutrição aguda grave.[48][85][86] O Conselho de Saúde Global sugere uma lista de 32 tratamentos e intervenções de saúde que poderiam salvar vários milhões de vidas a cada ano.[87]

Muitas populações enfrentam uma "lacuna de resultados", que se refere à lacuna entre os membros de uma população que têm acesso a tratamento médico versus aqueles que não têm. Os países que enfrentam lacunas de resultados carecem de infraestrutura sustentável.[88] Na Guatemala, um subconjunto do setor público, o Programa de Accessibilidad a los Medicamentos, teve a menor disponibilidade média (25%) em comparação com o setor privado (35%). No setor privado, os medicamentos de maior e menor preço foram 22,7 e 10,7 vezes mais caros do que os preços de referência internacionais, respectivamente. Os tratamentos eram geralmente inacessíveis, custando até 15 dias de salário para um curso do antibiótico ceftriaxona.[89] O setor público no Paquistão, embora tenha acesso a medicamentos a preços mais baixos do que os preços de referência internacionais, tem uma escassez crónica e falta de acesso a medicamentos básicos.[90]

A jornalista Laurie Garrett argumenta que o campo da saúde global não é atormentado pela falta de fundos, mas que mais fundos nem sempre se traduzem em resultados positivos. O problema está na forma como esses fundos são alocados, pois muitas vezes são alocados de forma desproporcional para aliviar uma única doença.[91]

No seu Relatório Mundial de Saúde de 2006, a OMS estimou uma escassez de quase 4,3 milhões de médicos, parteiras, enfermeiras e trabalhadores de apoio em todo o mundo, especialmente na África Subsaariana.[92]

Segurança sanitária mundial

editar

A pandemia de COVID-19 destacou como a segurança sanitária global depende de todos os países do mundo, incluindo países de baixo e médio rendimento, com sistemas de saúde fortes e pelo menos um mínimo de capacidades de investigação em saúde. Num artigo de 2020 nos Annals of Global Health,[93] o grupo ESSENCE delineou um mecanismo para revisão do investimento em capacitação em investigação em saúde em países de baixo e médio rendimento. O mecanismo de revisão dará aos financiadores da investigação em saúde as informações para identificar as lacunas de capacidade existentes em países de baixo e médio rendimento e a oportunidade de trabalhar em conjunto para resolver essas disparidades. O objetivo geral é aumentar o apoio coordenado à investigação sobre prioridades nacionais de saúde, bem como melhorar a preparação para pandemias nos países de baixo e médio rendimento e, eventualmente, menos países com capacidade de investigação em saúde muito limitada.

Organização

editar

Organizações governamentais ou intergovernamentais focadas na saúde global incluem:

As organizações não governamentais focadas na saúde global incluem:

Agenda Global de Segurança da Saúde

editar

A Agenda Global de Segurança da Saúde (GHSA, na sigla em inglês) é “um esforço multilateral e multissetorial que inclui 60 países participantes e várias organizações internacionais públicas e privadas focadas na construção de capacidades mundiais de segurança da saúde para enfrentar ameaças” como a disseminação de doenças infecciosas. De 26 a 28 de março de 2018, o GHSA realizou uma reunião de alto nível em Tbilisi, Geórgia, sobre biovigilância de ameaças de doenças infecciosas, "que incluem exemplos modernos como HIV/SIDA, síndrome respiratória aguda grave (SARS), H1N1 influenza, tuberculose multirresistente – qualquer doença emergente ou reemergente que ameace a saúde humana e a estabilidade económica global”.[94] Este evento reuniu países parceiros da GHSA, países contribuintes do Pacote de Ação de Vigilância em Tempo Real e organizações parceiras internacionais que apoiam o fortalecimento das capacidades para detetar ameaças de doenças infecciosas dentro do Pacote de Ação de Vigilância em Tempo Real e outros pacotes transversais. A Geórgia é o país líder do Pacote de Ação de Vigilância em Tempo Real.[95]

A GHSA funciona por meio de quatro mecanismos principais de ação dos membros, pacotes de ação, grupos de trabalho e cooperação internacional. Em 2015, o Grupo Diretor da GHSA concordou com a implementação dos seus compromissos por meio de 11 Pacotes de Ação. Os Pacotes de Ação são um compromisso dos países membros e dos seus parceiros de trabalhar em colaboração para o desenvolvimento e implementação do Regulamento Sanitário Internacional (RSI).[96] Os pacotes de ação são baseados no objetivo da GHSA de fortalecer a capacidade nacional e internacional de prevenir, detectar e responder a ameaças de doenças infecciosas. Cada pacote de ação consiste em metas de cinco anos, medidas de progresso, impactos desejados, compromissos dos países e lista de avaliações de linha de base.[97] O processo de Avaliação Externa Conjunta, derivado como parte da Estrutura de Monitorização e Avaliação do RSI, é uma avaliação da capacidade de um país para responder a ameaças à saúde pública.[96] Até agora, os parceiros do G7 e a UE assumiram um compromisso coletivo de ajudar 76 países, enquanto que os EUA comprometeram-se a ajudar 32 países a atingir as metas da GHSA para a implementação do RSI. Em setembro de 2014, foi desenvolvida uma ferramenta piloto para medir o progresso dos Pacotes de Ação e aplicada em países (Geórgia, Peru, Uganda, Portugal, Reino Unido e Ucrânia) que se ofereceram para participar numa avaliação externa.[98]

Ver também

editar

Referências

  1. Brown TM, Cueto M, Fee E (janeiro de 2006). «The World Health Organization and the transition from "international" to "global" public health». Am J Public Health. 96 (1): 62–72. PMC 1470434 . PMID 16322464. doi:10.2105/AJPH.2004.050831 
  2. Koplan JP, Bond TC, Merson MH, et al. (junho de 2009). «Towards a common definition of global health». Lancet. 373 (9679): 1993–5. CiteSeerX 10.1.1.610.7968 . PMID 19493564. doi:10.1016/S0140-6736(09)60332-9 
  3. Global Health Initiative (2008). Why Global Health Matters. Washington, DC: FamiliesUSA. Consultado em 10 de junho de 2008. Cópia arquivada em 8 de março de 2011 
  4. Macfarlane SB, Jacobs M, Kaaya EE (dezembro de 2008). «In the name of global health: trends in academic institutions». J Public Health Policy. 29 (4): 383–401. PMID 19079297. doi:10.1057/jphp.2008.25 
  5. Fischer SE, Patil P, Zielinski C, Baxter L, Bonilla-Escobar FJ, Hussain S, Lai C, Walpole SC, Ohanyidolood D, Singh A. Is it about the ‘where’or the ‘how’? Comment on Defining global health as public health somewhere else. BMJ Glob Health . 2020;5(5):e002567. doi: 10.1136/bmjgh-2020-002567
  6. Maxcy-Rosenau-Last, ed. (2008). «International and Global Health». Public Health and Preventive Medicine 15th ed. [S.l.]: McGraw Hill. pp. 1252–8. ISBN 9780071441988 
  7. Roser, Max; Ortiz-Ospina, Esteban; Ritchie, Hannah (23 de maio de 2013). «Life Expectancy». Our World in Data 
  8. «Millennium Development Goals». United Nations. Consultado em 15 de março de 2013 
  9. Weatherall D. J.; Clegg J. B. (2001). «Inherited haemoglobin disorders: an increasing global health problem». Bulletin of the World Health Organization. 79 (8): 704–712. PMC 2566499 . PMID 11545326 
  10. Fried L. P.; Bentley M. E.; Buekens P.; Burke D. S.; Frenk J. J.; Klag M. J.; Spencer H. C. (2010). «Global health is public health». The Lancet. 375 (9714): 535–537. PMID 20159277. doi:10.1016/s0140-6736(10)60203-6 
  11. Ahern M.; Kovats R. S.; Wilkinson P.; Few R.; Matthies F. (2005). «Global health impacts of floods: epidemiologic evidence». Epidemiologic Reviews. 27 (1): 36–46. PMID 15958425. doi:10.1093/epirev/mxi004  
  12. Verano, J. W., & Ubelaker, D. H. (1992). Disease and Demography in the Americas.
  13. Bloom, D., Cafiero, E., Jané-Llopis, E., Abrahams-Gessel, S., Bloom, L., Fathima, S., ... & O’Farrell, D. (2012). The global economic burden of noncommunicable diseases. Program on the Global Demography of Aging.
  14. World Health Organization. «History of WHO». Cópia arquivada em 7 de dezembro de 2006 
  15. Primary Health Care: Report of the International Conference on Primary Health Care (PDF) (Relatório). Geneva: World Health Organization. 1978. Arquivado do original (PDF) em 29 de agosto de 2017 
  16. Kumar, Sanjiv (Janeiro–Março de 2016). «Millennium development goals (MDGS) to sustainable development goals (SDGS): Addressing unfinished agenda and strengthening sustainable development and partnership». Indian Journal of Community Medicine. 41 (1): 1–4. PMC 4746946 . PMID 26917865. doi:10.4103/0970-0218.170955 
  17. «Resolution adopted by the General Assembly, 55/2» (PDF). United Nations. 18 de setembro de 2000 
  18. a b c «Transforming our world: the 2030 Agenda for Sustainable Development .:. Sustainable Development Knowledge Platform». sustainabledevelopment.un.org. Consultado em 26 de fevereiro de 2016 
  19. a b «Sustainable Development Goals». UNDP. Consultado em 26 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 4 de março de 2016 
  20. How HIV, SARS, and Ebola Put Global Health on the Agenda
  21. Hoffman S.J. (2011). «Ending Medical Complicity in State-Sponsored Torture». The Lancet. 378 (9802): 1535–1537. PMID 21944647. doi:10.1016/S0140-6736(11)60816-7 
  22. Etches V, Frank J, Di Ruggiero E, Manuel D (2006). «Measuring population health: a review of indicators». Annu Rev Public Health. 27: 29–55. PMID 16533108. doi:10.1146/annurev.publhealth.27.021405.102141  
  23. Mulholland E, Smith L, Carneiro I, Becher H, Lehmann D (maio de 2008). «Equity and child-survival strategies». Bulletin of the World Health Organization. 86 (5): 399–407. PMC 2647438 . PMID 18545743. doi:10.2471/BLT.07.044545 
  24. Lopez AD, Mathers CD, Ezzati M, Jamison DT, Murray CJ (maio de 2006). «Global and regional burden of disease and risk factors, 2001: systematic analysis of population health data». Lancet. 367 (9524): 1747–57. PMID 16731270. doi:10.1016/S0140-6736(06)68770-9 
  25. Mizgerd JP (2006). «Lung Infection—A Public Health Priority». PLOS Med. 3 (2): e76. PMC 1326257 . PMID 16401173. doi:10.1371/journal.pmed.0030076 
  26. «Statistics by Area – Diarrhoeal disease – The challenge». UNICEF. Consultado em 12 de janeiro de 2013 
  27. Taylor CE, Greenough WB (1989). «Control of diarrheal diseases». Annu Rev Public Health. 10: 221–44. PMID 2655632. doi:10.1146/annurev.pu.10.050189.001253  
  28. Victora CG, Bryce J, Fontaine O, Monasch R (2000). «Reducing deaths from diarrhoea through oral rehydration therapy». Bulletin of the World Health Organization. 78 (10): 1246–55. PMC 2560623 . PMID 11100619 
  29. «Rotavirus Vaccine Access and Delivery – PATH» (PDF). Rotavirusvaccine.org. 7 de dezembro de 2011. Consultado em 12 de janeiro de 2013. Arquivado do original (PDF) em 22 de dezembro de 2009 
  30. Valencia-Mendoza A, Bertozzi SM, Gutierrez JP, Itzler R (2008). «Cost-effectiveness of introducing a rotavirus vaccine in developing countries: the case of Mexico». BMC Infectious Diseases. 8: 103. PMC 2527317 . PMID 18664280. doi:10.1186/1471-2334-8-103 
  31. Coovadia, Hoosen M.; Hadingham, Jacqui (2005). «HIV/AIDS: global trends, global funds and delivery bottlenecks». Globalization and Health. 1. 13 páginas. PMC 1199613 . PMID 16060961. doi:10.1186/1744-8603-1-13 
  32. «HIV/AIDS». World Health Organization (em inglês). Consultado em 1 de novembro de 2018 
  33. «Estimated HIV transmission risk per exposure for specific activities and events» 
  34. Birn, A.; Pillay, Y.; Holtz, T. (2009). Textbook of International Health 3rd ed. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 9780199719853  Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda)
  35. «Malaria key facts» 
  36. Prevention, CDC – Centers for Disease Control and (26 de janeiro de 2018). «CDC – Malaria – Travelers – Malaria Information and Prophylaxis, by Country». www.cdc.gov (em inglês). Consultado em 1 de novembro de 2018 
  37. Chaves, L.S.M., Fry, J., Malik, A. et al. Global consumption and international trade in deforestation-associated commodities could influence malaria risk. Nat Commun 11, 1258 (2020). https://doi.org/10.1038/s41467-020-14954-1
  38. «Unprecedented progress against neglected tropical diseases, WHO reports». World Health Organization (em inglês). 2017. Consultado em 11 de maio de 2017 
  39. Horstick, Olaf; Tozan, Yesim; Wilder-Smith, Annelies (30 de abril de 2015). «Reviewing Dengue: Still a Neglected Tropical Disease?». PLOS Neglected Tropical Diseases. 9 (4): e0003632. ISSN 1935-2735. PMC 4415787 . PMID 25928673. doi:10.1371/journal.pntd.0003632 
  40. «CDC – Neglected Tropical Diseases – Diseases». www.cdc.gov (em inglês). Consultado em 11 de maio de 2017 
  41. Hotez, Peter J.; Alvarado, Miriam; Basáñez, María-Gloria; Bolliger, Ian; Bourne, Rupert; Boussinesq, Michel; Brooker, Simon J.; Brown, Ami Shah; Buckle, Geoffrey (24 de julho de 2014). «The Global Burden of Disease Study 2010: Interpretation and Implications for the Neglected Tropical Diseases». PLOS Neglected Tropical Diseases. 8 (7): e2865. ISSN 1935-2735. PMC 4109880 . PMID 25058013. doi:10.1371/journal.pntd.0002865 
  42. World Health Organization (2013). Sustaining the drive to overcome the global impact of neglected tropical diseases: second WHO report on neglected tropical diseases; summary (PDF). [S.l.: s.n.] 
  43. London Declaration on Neglected Tropical Diseases (PDF). [S.l.: s.n.] 2012 
  44. World Health Organization (2017). Integrating Neglected Tropical Diseases into Global Health and Development (PDF). [S.l.: s.n.] 
  45. «Improve Maternal Health». UNICEF 
  46. «World Health Report 2005: make every mother and child count». Geneva: World Health Organization. 2005. Arquivado do original em 9 de abril de 2005 
  47. «Most Maternal Deaths in Sub-Saharan Africa Could Be Avoided». Science Daily. 2 de março de 2010. Consultado em 3 de março de 2011 
  48. a b Bhutta ZA, Ahmed T, Black RE, et al. (fevereiro de 2008). «What works? Interventions for maternal and child undernutrition and survival». Lancet. 371 (9610): 417–40. PMID 18206226. doi:10.1016/S0140-6736(07)61693-6 
  49. «Progress reports». Countdown to 2015 
  50. «Challenges». Nutrition. World Health Organization. Arquivado do original em 21 de março de 2006 
  51. Shetty, Prakash (2003). «Malnutrition and Undernutrition». Medicine. Nutrition. 31 (4): 18–22. ISSN 1357-3039. doi:10.1383/medc.31.4.18.27958 
  52. Schaible UE, Kaufmann SH (maio de 2007). «Malnutrition and infection: complex mechanisms and global impacts». PLOS Medicine. 4 (5): e115. PMC 1858706 . PMID 17472433. doi:10.1371/journal.pmed.0040115 
  53. «Vitamin A supplementation». World Health Organization. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2013 
  54. Lynch S, Stoltzfus R, Rawat R (dezembro de 2007). «Critical review of strategies to prevent and control iron deficiency in children». Food Nutr Bull. 28 (4 Suppl): S610–20. PMID 18297898. doi:10.1177/15648265070284S413  
  55. Walker SP, Wachs TD, Gardner JM, et al. (janeiro de 2007). «Child development: risk factors for adverse outcomes in developing countries». Lancet. 369 (9556): 145–57. PMID 17223478. doi:10.1016/S0140-6736(07)60076-2 
  56. Lazzerini M (outubro de 2007). «Effect of zinc supplementation on child mortality». Lancet. 370 (9594): 1194–5. PMID 17920908. doi:10.1016/S0140-6736(07)61524-4 
  57. Fischer Walker CL, Ezzati M, Black RE (maio de 2009). «Global and regional child mortality and burden of disease attributable to zinc deficiency». Eur J Clin Nutr. 63 (5): 591–7. PMID 18270521. doi:10.1038/ejcn.2008.9  
  58. Lazzerini, Marzia; Wanzira, Humphrey (20 de dezembro de 2016). «Oral zinc for treating diarrhoea in children». The Cochrane Database of Systematic Reviews. 12 (4): CD005436. ISSN 1469-493X. PMC 5450879 . PMID 27996088. doi:10.1002/14651858.CD005436.pub5 
  59. «WHO: Global Status Report on Noncommunicable Diseases 2010». 2011. Arquivado do original em 30 de abril de 2011 
  60. «Comprehensive health study in India finds rise of non-communicable diseases». 13 de novembro de 2017 
  61. Amara, Ahmed Hassan; Aljunid, Syed Mohamed (2014). «Noncommunicable diseases among urban refugees and asylum-seekers in developing countries: a neglected health care need». Globalization and Health. 10. 24 páginas. ISSN 1744-8603. PMC 3978000 . PMID 24708876. doi:10.1186/1744-8603-10-24 
  62. «Press Conference on General Assembly Decision to Convene Summit in September 2011 on Non-Communicable Diseases». New York: United Nations. 13 de maio de 2010 
  63. a b Hossain P, Kawar B, El Nahas M (janeiro de 2007). «Obesity and diabetes in the developing world—a growing challenge». New England Journal of Medicine. 356 (3): 213–5. PMID 17229948. doi:10.1056/NEJMp068177 
  64. «Violence Against Women Fact Sheet». The United Nations Population Fund. 2005 
  65. Ellsberg M, and Heise L. Researching Violence Against Women: A Practical Guide for Researchers and Activists. Washington DC, United States: World Health Organization, PATH; 2005. Accessed September 19, 2012.
  66. Global and regional estimates of violence against women: prevalence and health effects of intimate partner violence and non-partner sexual violence. [S.l.]: WHO. 2013. ISBN 9789241564625 
  67. World Health Organization. Addressing violence against women and achieving the Millennium Development Goals. Geneva, Switzerland: World Health Organization; 2005. Retrieved from http://www.who.int/gender/documents/MDGs&VAWSept05.pdf
  68. «Violence against women: Intimate partner and sexual violence against women fact sheet». World Health Organization. 2011 
  69. Quah, Cockerham, S.R., W.C (2017). International encyclopedia of public health Second. [S.l.]: Elsevier/AP 
  70. WHO. «The World Health Assembly endorses the global plan of action on violence against women and girls, and also against children». WHO.int. Consultado em 1 de dezembro de 2019 
  71. https://www.who.int/surgery/strategies/Mahler1980speech.pdf
  72. a b c d e f Meara JG, Leather AJ, Hagander L, Alkire BC, Alonso N, Ameh EA, et al. (agosto de 2015). «Global Surgery 2030: evidence and solutions for achieving health, welfare, and economic development». Lancet. 386 (9993): 569–624. PMID 25924834. doi:10.1016/S0140-6736(15)60160-X 
  73. Weiser, Thomas G.; Regenbogen, Scott E.; Thompson, Katherine D.; Haynes, Alex B.; Lipsitz, Stuart R.; Berry, William R.; Gawande, Atul A. (12 de julho de 2008). «An estimation of the global volume of surgery: a modelling strategy based on available data». The Lancet (em English). 372 (9633): 139–144. ISSN 0140-6736. PMID 18582931. doi:10.1016/S0140-6736(08)60878-8 
  74. a b McQueen, K (27 de agosto de 2013). «Essential surgery: Integral to the right to health». Health and Human Rights. 12 (1): 137–52. PMID 20930260 
  75. Shrime, Mark G.; Bickler, Stephen W.; Alkire, Blake C.; Mock, Charlie (27 de abril de 2015). «Global burden of surgical disease: an estimation from the provider perspective». The Lancet Global Health (em English). 3: S8–S9. ISSN 2214-109X. PMID 25926322. doi:10.1016/S2214-109X(14)70384-5 
  76. Bath M, Bashford T, Fitzgerald JE (2019). «What is 'global surgery'? Defining the multidisciplinary interface between surgery, anaesthesia and public health». BMJ Global Health. 4 (5): e001808. PMC 6830053 . PMID 31749997. doi:10.1136/bmjgh-2019-001808 
  77. Farmer, Paul E.; Kim, Jim Y. (abril de 2008). «Surgery and global health: a view from beyond the OR». World Journal of Surgery. 32 (4): 533–536. ISSN 0364-2313. PMC 2267857 . PMID 18311574. doi:10.1007/s00268-008-9525-9 
  78. Dare, Anna J; Grimes, Caris E; Gillies, Rowan; Greenberg, Sarah L M; Hagander, Lars; Meara, John G; Leather, Andrew J M (dezembro de 2014). «Global surgery: defining an emerging global health field». The Lancet (em inglês). 384 (9961): 2245–2247. PMID 24853601. doi:10.1016/S0140-6736(14)60237-3 
  79. O’Neill, Kathleen M.; Greenberg, Sarah L. M.; Cherian, Meena; Gillies, Rowan D.; Daniels, Kimberly M.; Roy, Nobhojit; Raykar, Nakul P.; Riesel, Johanna N.; Spiegel, David (28 de junho de 2016). «Bellwether Procedures for Monitoring and Planning Essential Surgical Care in Low- and Middle-Income Countries: Caesarean Delivery, Laparotomy, and Treatment of Open Fractures». Springer Science and Business Media LLC. World Journal of Surgery. 40 (11): 2611–2619. ISSN 0364-2313. PMID 27351714. doi:10.1007/s00268-016-3614-y 
  80. Chao, Tiffany E.; Sharma, Ketan; Mandigo, Morgan; Hagander, Lars; Resch, Stephen C.; Weiser, Thomas G.; Meara, John G. (1 de junho de 2014). «Cost-effectiveness of surgery and its policy implications for global health: a systematic review and analysis». The Lancet Global Health (em English). 2 (6): e334–e345. ISSN 2214-109X. PMID 25103302. doi:10.1016/S2214-109X(14)70213-X 
  81. Xu, Ke; Evans, David B; Kawabata, Kei; Zeramdini, Riadh; Klavus, Jan; Murray, Christopher JL (julho de 2003). «Household catastrophic health expenditure: a multicountry analysis». The Lancet (em inglês). 362 (9378): 111–117. PMID 12867110. doi:10.1016/S0140-6736(03)13861-5 
  82. Price, Raymond; Makasa, Emmanuel; Hollands, Michael (setembro de 2015). «World Health Assembly Resolution WHA68.15: "Strengthening Emergency and Essential Surgical Care and Anesthesia as a Component of Universal Health Coverage"—Addressing the Public Health Gaps Arising from Lack of Safe, Affordable and Accessible Surgical and Anesthetic Services». World Journal of Surgery. 39 (9): 2115–2125. ISSN 1432-2323. PMID 26239773. doi:10.1007/s00268-015-3153-y 
  83. Debas, Haile T.; Donkor, Peter; Gawande, Atul; Jamison, Dean T.; Kruk, Margaret E.; Mock (24 de março de 2015). Disease Control Priorities, Third Edition : Volume 1. Essential Surgery (em inglês). [S.l.: s.n.] 
  84. a b Truché, Paul; Shoman, Haitham; Reddy, Ché L.; Jumbam, Desmond T.; Ashby, Joanna; Mazhiqi, Adelina; Wurdeman, Taylor; Ameh, Emmanuel A.; Smith, Martin (2 de janeiro de 2020). «Globalization of national surgical, obstetric and anesthesia plans: the critical link between health policy and action in global surgery». Globalization and Health. 16 (1). 1 páginas. ISSN 1744-8603. PMC 6941290 . PMID 31898532. doi:10.1186/s12992-019-0531-5 
  85. Laxminarayan R, Mills AJ, Breman JG, et al. (abril de 2006). «Advancement of global health: key messages from the Disease Control Priorities Project». Lancet. 367 (9517): 1193–208. PMID 16616562. doi:10.1016/S0140-6736(06)68440-7 
  86. Bryce J, Black RE, Walker N, Bhutta ZA, Lawn JE, Steketee RW (2005). «Can the world afford to save the lives of 6 million children each year?». Lancet. 365 (9478): 2193–200. PMID 15978927. doi:10.1016/S0140-6736(05)66777-3 
  87. «Interventions in Health». Global Health Council. Cópia arquivada em 6 de janeiro de 2011 
  88. Farmer P (julho de 2001). «The major infectious diseases in the world—to treat or not to treat?». New England Journal of Medicine. 345 (3): 208–10. PMID 11463018. doi:10.1056/NEJM200107193450310 
  89. Anson, Angela (2012). «Availability, prices affordability of the World Health Organization's essential medicines for children in Guatemala». Globalization and Health. 8. 22 páginas. PMC 3503802 . PMID 22747646. doi:10.1186/1744-8603-8-22 
  90. «Prices, availability and affordability of medicines in Pakistan» (PDF). Consultado em 7 de abril de 2014 
  91. Garrett, Laurie (2007). «The Challenge of Global Health». Foreign Affairs 
  92. «The world health report 2006: working together for health». Geneva: World Health Organization. Arquivado do original em 2 de dezembro de 2006 
  93. Kilmarx PH, Maitin T, Adam T, Akuffo H, Aslanyan G, Cheetham M, Corrêa-Oliveira R, Kay S, Khelef N, Kunaratnam Y, Siddharth M, Kupfer L, Olesen OF. A Mechanism for Reviewing Investments in Health Research Capacity Strengthening in Low- and Middle-Income Countries. Annals of Global Health. 2020; 86(1): 92, 1–4. DOI: https://doi.org/10.5334/aogh.2941
  94. Riley, Kim (21 de março de 2018). «U.S. at critical juncture with Global Health Security Agenda». Homeland Preparedness News (em inglês). Consultado em 23 de março de 2018 
  95. «Accelerating progress in the Real-Time Biosurveillance Action Package of GHSA» (PDF) 
  96. a b McPhee, E., Gronvall, G. K. & Sell, T. K. 2019. Analysis of sectoral participation in the development of Joint External Evaluations. BMC public health, 19, 631–631.
  97. CDC. 2016. Global Health Security Agenda: Action Packages Accessed 18 Nov 2019.
  98. Wolicki, S. B., Nuzoo, J. B., Blazes, D. L., Pitts, D. L., Iskander, J. K. & Tappero, J. W. 2016. Public Health Surveillance: At the Core of the Global Health Security Agenda. Health Secur, 14, 185–8.

Leitura adicional

editar

Ligações externas

editar