Abrir menu principal
Saad Hariri
Saad Hariri
Primeiro-Ministro do Líbano
Período 18 de dezembro de 2016 - 29 de outubro de 2019
Antecessor Tammam Salam
Período 9 de novembro de 2009 – 13 de junho de 2011
Antecessor Fouad Siniora
Sucessor Najib Mikati
Dados pessoais
Nascimento 18 de maio de 1970 (49 anos)
Riad, Arábia Saudita
Alma mater Universidade de Georgetown
Cônjuge Lara Bashir Al Azem (1998–presente)
Filhos 3 (Houssam, Loulwa e Abdulaziz)
Partido Movimento do Futuro
Religião Islão Sunita

Saad El-Din Rafik Al-Hariri[1] (em árabe: سعد الدين رفيق الحريري; Riade, 18 de abril de 1970) é um político libanês nascido na Arábia Saudita. Foi primeiro-ministro do Líbano em duas ocasiões (de 2009 a 2011 e de 2016 a 2019).

É filho do também ex-primeiro-ministro Rafik Hariri, assassinado em 2005. Hariri também tem sido líder do partido Movimento do Futuro desde a morte do pai. Ele tem sido visto como uma das "figuras fortes" do Movimento 14 de Março.[2]

Hariri nasceu em uma família rica, com ligações políticas, filho de um empresário libanês com uma iraquiana. Ele estudou negócios financeiros nos Estados Unidos, depois trabalhou em uma empresa de comunicações na Arábia Saudita. Antes de entrar para a política, ele foi presidente do comitê executivo da Oger Telecom, que investiu em telecomunicações no Oriente Médio e na África, entre 1994 e 2005.[3] Além disso, foi presidente da Omnia Holdings e membro do conselho da Oger International Entreprise de Travaux Internationaux, Saudi Investiment Ban, e do Grupo de Pesquisa e Marketing Saudita,canal de televisão libanês Future TV.[4]

Após a morte de Rafik Hariri, em 2005, ele assumiu a liderança do Movimento do Futuro e, entre 2009 e 2011, serviu como primeiro-ministro do Líbano pela primeira vez. Tensões com outros movimentos políticos forçaram ele a renunciar, mas Hariri não saiu da vida política.[5]

Após viver três anos no exterior, ele retornou para o Líbano em agosto de 2014[6][7][8] e foi nomeado primeiro-ministro novamente em novembro de 2016. Hariri foi forçado a renunciar novamente, em novembro de 2017, citando problemas políticos e a crescente influência do Irã e do Hezbollah como motivos, além do medo de ser assassinado.[9] Ao fim de novembro, contudo, ele anunciou que iria adiar a decisão de renunciar. Em 5 de dezembro do mesmo ano, ele retirou sua demissão e retomou o cargo de primeiro ministro.[10]

Após série de protestos no Líbano, renunciou ao cargo de primeiro-ministro em 29 de outubro de 2019.[11]

Referências

  1. سعد الدين الحريري… رئيس شركة سعودي اوجيه المحدودة. Armsal.com (em árabe). Consultado em 4 de novembro de 2017 
  2. «Lebanon and Syria: Peering into the abyss». The Economist. 27 de outubro de 2012. Consultado em 5 de janeiro de 2013 
  3. «سعد الحريري.. بين ألغام الداخل وصراعات الإقليم». www.aljazeera.net. Consultado em 30 de outubro de 2019 
  4. Salihovic, Elnur (5 de outubro de 2015). Major Players in the Muslim Business World (em inglês). [S.l.]: Universal-Publishers. ISBN 9781627340526 
  5. Presse, France (12 de janeiro de 2011). «Saad Hariri, um empresário que entrou na política com o assassinato do pai». Mundo. Consultado em 30 de outubro de 2019 
  6. «Hariri Back in Lebanon for First Time in 3 Years His nephew's name is Sultan Al Shaikh». Lebanon News.Net. Consultado em 8 de agosto de 2014 
  7. «News article». Al Hadath. Al Arabiya. 8 de agosto de 2014 
  8. News presenter (8 de agosto de 2014). Prime Time News - 08/08/2014 (Video). MTVLebanonNews via YouTube. Consultado em 25 de fevereiro de 2016 
  9. «Primeiro-ministro libanês Saad Hariri renuncia ao cargo». G1. Consultado em 5 de novembro de 2017 
  10. «Saad Hariri anuncia adiamento de sua renúncia como premiê do Líbano». G1. Consultado em 22 de novembro de 2017 
  11. «Em meio a protestos, premier do Líbano renuncia ao cargo». Terra. 29 de outubro de 2019. Consultado em 29 de outubro de 2019 
  Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.