Abrir menu principal

Wikipédia β

Saint-Pierre e Miquelon

(Redirecionado de Saint Pierre et Miquelon)
Saint-Pierre et Miquelon
São Pedro e Miquelão
Bandeira
Brasão de armas
Bandeira Brasão de armas
Gentílico: de São Pedro e Miquelão

Localização

Localização de São Pedro e Miquelão
Capital São Pedro
Cidade mais populosa São Pedro
Língua oficial Francês
Governo Departamentos de ultramar da França
 - Presidente da França Emmanuel Macron
 - Prefeito Patrice Latron
 - Presidente do Gabinete Territorial Stéphane Artano
Área  
 - Total 242 km² 
População  
  6 500 hab. 
 - Censo 2011 6 080[1] hab. 
Moeda Euro € (EUR)
Cód. ISO +508
Cód. Internet .pm

São Pedro e Miquelão,[2][3] São Pedro e Miquelon[4][5][6] ou Saint-Pierre e Miquelon, (em francês: Saint-Pierre-et-Miquelon), oficialmente Coletividade de Ultramar de São Pedro e Miquelão (em francês: Collectivité d'Outre-mer de Saint-Pierre-et-Miquelon), é uma coletividade de ultramar da França situado no noroeste do Oceano Atlântico, perto da província canadense de Terra Nova e Labrador, a mais de 1 800 km a Leste de Montreal. É a única parte da Nova França que permanece sob controle francês,[7] com uma área de 242 km² e uma população de 6.080 habitantes no censo de janeiro de 2011.[1]

As ilhas estão situadas na entrada da Baía da Fortuna, que se estende para a costa sudoeste de Terra Nova, perto dos Grandes Bancos.[8] a 3.819 quilômetros de Brest, o ponto mais próximo da França Metropolitana,[9] mas apenas 25 quilômetros da península de Burin em Terra Nova.[10]

Índice

HistóriaEditar

As ilhas foram descobertas em 1520 pelo navegador português João Álvares Fagundes que as batizou como "ilhas das Onze Mil Virgens". No entanto, o rei designa-as por "ilhas Verdes". São Pedro e Miquelão tornou-se uma possessão francesa em 1536, quando foram reclamadas por Jacques Cartier em nome do rei da França.[11] Embora já tenham sido frequentadas pelos povos Micmac[12] e por pescadores bascos e bretões,[11] as ilhas não foram permanentemente habitadas até o final do século XVII: quatro habitantes permanentes foram contados em 1670 e 22 em 1691.[11]

Em 1670, durante o mandato de Jean Talon como intendente da Nova França, um oficial francês anexou as ilhas quando encontrou uma dúzia de pescadores franceses acampados lá. A Marinha Real Britânica logo começou a assediar os franceses, saqueando seus acampamentos e navios.[12] No início dos anos 1700, as ilhas foram novamente desabitadas e foram cedidas aos britânicos pelo Tratado de Utrecht, que encerrou a Guerra da Sucessão Espanhola em 1713.[12]

Nos termos do Tratado de Paris de 1763, que pôs fim à Guerra dos Sete Anos, a França cedeu todas as suas possessões situadas na América do Norte, mas São Pedro e Miquelão foram devolvidos à França. A França também manteve direitos de pesca nas costas de Terra Nova.[13]

 
São Pedro, Le Quai La Roncière, 1887

Com a França aliada aos estadunidenses durante a Guerra de Independência dos Estados Unidos, o Reino Unido invadiu e arrasou a colônia em 1778, enviando toda a população de 2.000 pessoas para a França.[14] Em 1793, os britânicos desembarcaram em São Pedro e, no ano seguinte, expulsaram a população francesa e tentaram instalar colonos britânicos.[12] A colônia britânica foi, por sua vez, saqueada pelas tropas francesas em 1796. O Tratado de Amiens de 1802 devolveu as ilhas à França, mas o Reino Unido reocupou-as quando as hostilidades recomeçaram no ano seguinte.[12]

O Tratado de Paris de 1814, devolveu o território à França, embora a Grã-Bretanha os ocupasse novamente durante a Guerra dos Cem Dias. A França então reivindicou as ilhas que na época estavam desabitadas e com todas as estruturas e edifícios destruídos ou em condições precárias.[12] As ilhas foram reassentadas em 1816. Os colonos eram principalmente bascos, bretões, normandos, que se juntaram com vários outros elementos, particularmente da ilha vizinha de Terra Nova.[11] Somente em meados do século, o aumento da pesca trouxe uma certa prosperidade para a pequena colônia.[12]

 
São Pedro em 1921

Durante o início da década de 1910, a colônia sofreu severamente com o resultado de pescas não lucrativas, e um grande número de pessoas emigraram para Nova Escócia e Quebec.[15] O projeto imposto a todos os habitantes do sexo masculino com idade de recrutamento após o início da Primeira Guerra Mundial prejudicou as pescas, que não podiam ser processadas pelas pessoas mais velhas e pelas mulheres e crianças.[15] Cerca de 400 homens da colônia serviram no exército francês durante a Primeira Guerra Mundial, dos quais 25% morreram.[16] O aumento da adoção de arrastões a vapor nas pescarias também contribuiu para a redução das oportunidades de emprego.[15]

O contrabando sempre foi uma atividade econômica importante nas ilhas, mas tornou-se especialmente proeminente na década de 1920 com a instituição da Lei seca nos Estados Unidos.[16] Em 1931, o arquipélago teria importado 6.871.550 litros de uísque do Canadá em 12 meses, a maior parte para ser contrabandeada para os Estados Unidos.[17] O fim da proibição em 1933 mergulhou as ilhas na depressão econômica.[18]

Durante a Segunda Guerra Mundial, apesar da oposição do Canadá, da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos, Charles de Gaulle tomou o arquipélago da França de Vichy, ao qual o governo local havia prometeu sua fidelidade. Em um referendo no dia seguinte, a população aprovou a mudança de controle para a França Livre.[19]

O arquipélago tornou-se um território de ultramar em 1946. Após o referendo constitucional francês de 1958, as ilhas tiveram a opção de se integrar plenamente à França, tornar-se um estado autônomo na Comunidade Francesa ou preservar o estatuto de território ultramarino; decidiram permanecer como um território.[20] Em 1976, as ilhas se transformaram em um departamento de ultramar, antes de se tornar uma coletividade territorial em 1985, com um estatuto especial. Desde março de 2003, São Pedro e Miquelão são uma coletividade de ultramar.[21]

GeografiaEditar

 
Imagem 3D do arquipélago de São Pedro e Miquelão.

Localizado no extremo oeste da península de Burin em Terra Nova, o arquipélago de São Pedro e Miquelão é composto por oito ilhas, com um total de 242 quilômetros quadrados, dos quais apenas dois são habitados.[22]

As ilhas são geologicamente parte do extremo nordeste das Montanhas Apalaches, juntamente com a ilha de Terra Nova.

A ilha de São Pedro, onde está localizada a comuna (município) e capital homônima, cuja área é menor, 26 quilômetros quadrados, é a mais populosa e o centro comercial e administrativo do arquipélago. Um novo aeroporto, o Aeroporto de São Pedro, está em operação desde 1999 e é capaz de acomodar voos de longa distância da França.[21]

A ilha de Miquelão, a maior, é, de fato, composta por três ilhas geológicas: Grande Miquelão, Langlade e Le Cap, conectadas por um tômbolo (dunas de areia). Abriga a segunda e maior comuna do território, Miquelão-Langlade, porém é pouca habitada. A ilha também hospeda o segundo aeroporto do território, o Aeroporto de Miquelão, que oferece voos à ilha de São Pedro e, também, para Montreal.

Uma terceira ilha, anteriormente habitada, a Ilha dos Marinheiros (Isle-aux-Marins), conhecida como Île-aux-Chiens até 1931 e localizada a pouca distância do porto de São Pedro, tornou-se desabitada desde 1963.[21] Até 1945, ela abrigava a terceira comuna de São Pedro e Miquelão. A comuna da Ilha dos Marinheiros foi anexada pela comuna de São Pedro em 1945.[11]

DemografiaEditar

A população total de São Pedro e Miquelão no censo de janeiro de 2011 era de 6.080 habitantes,[1] das quais 5.456 moravam em São Pedro e 624 em Miquelão-Langlade.[23] No censo de 1999, 76% da população havia nascido no arquipélago, enquanto 16,1% nasceram na França metropolitana, um aumento acentuado em relação aos 10,2% em 1990. No mesmo recenseamento, menos de 1% da população relatou ser cidadão estrangeiro.[11]

A população de São Pedro e Miquelão são na sua maioria descendentes de bascos, normandos e bretões (nacionalidades cujos estandartes figuram na própria bandeira oficiosa do território).

LínguasEditar

Os habitantes de São Pedro e Miquelão falam o francês, a língua oficial; seus costumes e tradições são semelhantes aos encontrados na França metropolitana.[24] O francês falado no arquipélago está mais próximo do francês metropolitano do que do francês canadense, mas mantém uma série de características únicas.[25] A língua basca, anteriormente falado em ambientes privados por pessoas de origem basca, desapareceu da ilha no final da década de 1950.[26]

GaleriaEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c INSEE, Government of France. «Populations légales 2011 pour les départements et les collectivités d'outre-mer» (em francês). Consultado em 12 de setembro de 2017 
  2. Porto Editora. «São Pedro e Miquelão». Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa da Infopédia – Enciclopédia e Dicionários Porto Editora. Consultado em 27 de novembro de 2012 
  3. Serviço das Publicações da União Europeia. «Anexo A5: Lista dos Estados, territórios e moedas». Código de Redacção Interinstitucional. Consultado em 18 de janeiro de 2012 
  4. «Vocabulário Ortográfico da CPLP» 
  5. «Index Múndi - São Pedro e Miquelon» 
  6. «Câmara dos Deputados do Brasil» 
  7. Saint Pierre and Miquelon no The World Factbook
  8. Premio Real (22 de fevereiro de 2005). «Les iles Saint-Pierre et Miquelon – Notes de la conférence donnée à l'Institut Canadien, devant la Société Géographique de Québec, le 29 avril 1880, par Son Excellence le comte de Premio-Real, consul-général d'Espagne». Ia600302.us.archive.org. Consultado em 14 de setembro de 2017 
  9. «Flight distance from Brest, France to Saint Pierre and Miquelon». Travelmath.com. Consultado em 14 de setembro de 2017 
  10. «St. Pierre et Miquelon». Newfoundland and Labrador Heritage. Consultado em 14 de setembro de 2017 
  11. a b c d e f «Le recensement de la population à Saint-Pierre-et-Miquelon» (PDF). INSEE. Agosto de 2000. Consultado em 12 de setembro de 2017 
  12. a b c d e f g France's Overseas Frontier: Départements Et Territoires D'outre-mer, p. 33, no Google Livros By Robert Aldrich, John Connell
  13. Atlantic Canada, p. 15, no Google Livros By Benoit Prieur
  14. The French Atlantic: travels in culture and history, p. 97, no Google Livros By Bill Marshall
  15. a b c   Vários autores (1911). «[[s:en:1911 Encyclopædia Britannica/|]]». In: Chisholm, Hugh. Encyclopædia Britannica. A Dictionary of Arts, Sciences, Literature, and General information (em inglês) 11.ª ed. Encyclopædia Britannica, Inc. (atualmente em domínio público) 
  16. a b The Fog of War: Censorship of Canada's Media in World War II, p. 59, no Google Livros By Mark Bourrie
  17. «St. Pierre And Miquelon Imported 1,815,271 Gallons From Canada in Twelve Months». The New York Times. 25 outubro de 1931. Consultado em 14 de setembro de 2017 
  18. «St Pierre and Miquelon». BBC News. 2 de novembro de 2011. Consultado em 14 de setembro de 2017 
  19. War, cooperation, and conflict: the European possessions in the Caribbean ..., p. 179, no Google Livros By Fitzroy André Baptiste
  20. «St Pierre Stays French». The Calgary Herald. 18 de dezembro de 1958. Consultado em 14 de setembro de 2017 
  21. a b c «Le recensement de la population à Saint-Pierre-et-Miquelon en 2006». Insee. Consultado em 14 de setembro de 2017 
  22. «Rapport annuel 2010 IEDOM Saint-Pierre-et-Miquelon» (PDF). p. 16. Consultado em 14 de setembro de 2017 
  23. INSEE, Government of France. «Populations légales 2011 pour les communes de Saint-Pierre-et-Miquelon» (em francês). Consultado em 12 de setembro de 2017 
  24. Este artigo incorpora texto da Encyclopædia Britannica (11ª edição), publicação em domínio público.
  25. «Le français parlé aux îles Saint-Pierre et Miquelon». Le GrandColombier.com. 29 de abril de 2010. Consultado em 12 de setembro de 2017. Arquivado do original em 5 de abril de 2012 
  26. Marc Cormier. «The Basque colony of Saint-Pierre et Miquelon». Consultado em 12 de setembro de 2017. Cópia arquivada em 2 de junho de 2012 

Ligações externasEditar