Samuel Sewall

Samuel Sewall (Hampshire, 28 de março de 1652 - Boston, 1 de janeiro de 1730) foi um juiz e comerciantes de Massachusetts, mais conhecido por seu envolvimento no julgamento das bruxas de Salém e por seu Diário, que dá informações sobre a vida dos puritanos da Nova Inglaterra. Frequentou a Universidade de Harvard (formado em 1671) e iniciou a carreira pública em 1679, quando se fez um "liberto" - proprietário fundiário com direito de participar no governo. Foi gestor da imprensa colonial (1681–1684), membro do conselho (1684–1725) e chefe de justiça da corte superior (1718–1728). Também foi comissário da Sociedade para a Propagação do Evangelho na Nova Inglaterra, superintendente da Universidade de Harvard e capitão da Antiga e Honorável Campanha de Artilharia. Em 1692, foi nomeado pelo governador William Phips como um dos comissários especiais nomeados para julgar em Salém, onde 19 pessoas foram condenadas à morte. Sewall foi o único a admitir o erro dessas decisões, permanecendo em silêncio na Igreja de Old South de Boston em 1697, enquanto sua confissão de erro e culpa era lida em voz alta.[1]

Samuel Sewall
Retrato de Samuel Sewall.
Nascimento 28 de março de 1652
Hampshire, Inglaterra
Morte 1 de janeiro de 1730
Boston, Massachusetts
Nacionalidade  Inglaterra
Ocupação magistrado
Principais trabalhos Julgamento das Bruxas de Salém

Referências

  1. «Samuel Sewall». Britânica Online