Sante Orsola e Caterina

(Redirecionado de San Nicola dei Funari)

Sante Orsola e Caterina, conhecida também como San Nicola dei Funari[1] ou San Nicola in Vincis[2], era uma igreja de Roma que ficava localizada na Via di Tor de' Specchi, a moderna Via del Teatro di Marcello, no rione Campitelli, perto da encosta oeste do monte Capitolino. Era dedicada inicialmente a São Nicolau

Foto da igreja antes da demolição.

HistóriaEditar

Uma inscrição de 1180, atualmente no pátio do Palazzo Venezia, menciona a consagração do altar desta igreja[3]. Ela é mencionada no Catalogo di Cencio Camerario, uma lista compilada por Cencio Savelli (1192), com o nome de Sco. Nicolao Funariorum[4]. Dedicada a São Nicolau, o epíteto "dei Funari" é uma referência aos fabricantes de cordas que viviam na região[3]. Numa lista de igreja compilada em 1492, é chamada de S. Nicolai in sinistra scalae Arae Caeli[1].

Em 1599, a Confraternita delle Sante Orsola e Caterina foi fundada na igreja de Santa Maria della Pietà, na Piazza Colonna. Depois de deixar esta igreja para se estabelecerem num oratório na Piazza del Popolo, os membros da confraternidade receberam do papa Alexandre VII, em 1662, a igreja de San Nicola, cuja dedicação foi alterada para homenagear Santa Úrsula e Santa Catarina, um evento lembrando numa inscrição acima do portal de entrada[3][5][6]:


ALEXANDRO VII PONT [IFEX]. OPT [Imus]. MAX [Imus].
QUOD
ECCLESIA OLIM PAROCHIALIS S [ANCTI]. NICOLAI DE FUNARIIS
BASILICAE S [ANCTI]. MARCI SUA MUNIFICENTIA UNITA
UT ARCHIFRATERNIATI S [ANCTE]. URSULAE ET CATHARINAE
IN USUM PERPETUUM CONCEDERETUR
AD BENEFICIA PROPENSIOR ANNUERIT
ILL [USTRISSI] MUS REV [ERENDISSI] MUS D [OMI] NUS ORATIUS MATTEIUS PRIMICERIUS

Em 1674, o papa Clemente X elevou a confraternidade ao status de arquiconfraternidade e concedeu indulgências e privilégios à igreja deles. Pouco mais de um século depois, em 1783, a arquiconfraternidade foi abolida e a igreja foi entregue à Compagnia dei Preti Secolari Sussudio Ecclesiastico. A igreja passou por uma restauração comandada por Carlo de Dominicis[3][7][8].

Na década de 1920, o governo fascista patrocinou uma grande obra para liberar o monte Capitolino de suas construções medievais e praticamente todas as construções entre Santa Maria in Aracoeli e o Teatro de Marcelo, sagradas e seculares, foram demolidas. A igreja de Santi Orsola e Caterina especificamente foi demolida em 1929[3].

DescriçãoEditar

A fachada da igreja estava incorporada por um edifício residencial. O piso inferior tinha três portas de entrada, com as duas laterais coroadas por janelas gradeadas. Ele era dominado pelo portal principal com suas colunas dóricas em bases altas. Sobre o portal, que era coroado por um frontão quebrado, estava a inscrição de Alexandre VII e, acima dela, um afresco representando Santa Úrsula reverenciando a Virgem com o Menino. Esta imagem substituiu um afresco de Giovanni dei Vecchis da Virgem e o Menino com São Nicolau do final do século XVII[3].

No interior, o altar-mor abrigava um ícone de São Nicolau e os laterais eram dedicados a Santa Úrsula e Santa Catarina. O presbitério era coberto por uma cúpula elíptica decorada por caixotões com rosas. No século XVIII, um extensivo trabalho em estuque foi realizado no interior da igreja[9]. A nave era coberta por uma abóbada assentada sobre pilastras jônicas.

Referências

  1. a b Hülsen 1927 , p. 399
  2. «S. Nicola de' Funari» (em italiano). Internet Archaeology 
  3. a b c d e f Lombardi 1998
  4. Hülsen, Christian. Le chiese di Roma nel medio evo. Il Catalogo di Cencio Camerario (1192) (em italiano). [S.l.: s.n.] 
  5. Armellini 1982 , p. 552
  6. Moroni Lumbroso & Martini 1963 , 66
  7. Venuti 1767 , p. 826
  8. Melchiorri 1840
  9. Cederna 2006 , p. 131

BibliografiaEditar

  • Armellini, Mariano (1982) [1891]. Le chiese di Roma dal secolo IV al XIX (em italiano). Roma: Edizioni del Pasquino. OCLC 73221620 
  • Cederna, Antonio (2006). Mussolini urbanista: lo sventramento di Roma negli anni del consenso (em italiano). Venezia: Corte del Fontego. ISBN 88-95124-01-4. OCLC 78202810 
  • Hülsen, Christian (1927). Le chiese di Roma nel medio evo (em italiano). Firenze: Leo S. Olschki. OCLC 3696954 
  • Lombardi, Ferruccio (1998). Roma: le chiese scomparse: la memoria storica della città (em italiano) 2 ed. Roma: Fratelli Palombi Editori. ISBN 88-7621-069-5. OCLC 41949329 
  • Melchiorri, Giuseppe (1840). Guida metodica di Roma e suoi contorni (em italiano). Roma: Tipografia Puccinelli. OCLC 602658635 
  • Moroni Lumbroso, Matizia; Martini, Antonio (1963). Le confraternite romane nelle loro chiese (em italiano). Roma: Fondazione Marco Besso. OCLC 2699367 
  • Venuti, Ridolfino (1767). Accurata, e succinta descrizione topografica e istorica di Roma moderna (em italiano). Roma: Carlo Barbiellini al Corso. OCLC 8825495 

Ligações externasEditar