Abrir menu principal

Santópolis do Aguapeí

município do estado de São Paulo, no Brasil

Santópolis do Aguapeí é um município localizado na região noroeste do estado de São Paulo, no Brasil.

Município de Santópolis do Aguapeí
Bandeira indisponível
Brasão de Santópolis do Aguapeí
Bandeira indisponível Brasão
Hino
Fundação 3 de maio de 1941 (78 anos)
Gentílico santopolense
Prefeito(a) Haroldo Alves Pio (PV)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Santópolis do Aguapeí
Localização de Santópolis do Aguapeí em São Paulo
Santópolis do Aguapeí está localizado em: Brasil
Santópolis do Aguapeí
Localização de Santópolis do Aguapeí no Brasil
21° 38' 16" S 50° 30' 00" O21° 38' 16" S 50° 30' 00" O
Unidade federativa São Paulo
Mesorregião Araçatuba IBGE/2008[1]
Microrregião Birigui IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Rinópolis, Luiziânia, Clementina, Piacatu, Iacri, Gabriel Monteiro
Distância até a capital Não disponível
Características geográficas
Área 127,545 km² [2]
População 4 281 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 33,56 hab./km²
Altitude 429 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,774 alto PNUD/2000[4]
PIB R$ 37 416,622 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 8 910,84 IBGE/2008[5]

Índice

TopônimoEditar

"Aguapeí" é uma referência ao Rio Aguapeí que corta a cidade. "Aguapeí" é um termo de origem tupi que significa "rio dos aguapés", através da junção dos termos agûapé (aguapé) e 'y (rio)[6].

HistóriaEditar

  • Fundação: 3 de maio de 1941 (78 anos)
  • Tudo começou em uma área de 2600 alqueires, adquirido em fins de 1940, pelo Sr. Antônio Francisco dos Santos Júnior, dos senhores Toledo Pizza e Rosa Galvão. Colonos japoneses se instalaram por volta de 1938 na cidade, a região era coberta de exuberante mata, onde havia as mais diversas madeiras. Não havia índios na área do município, mas animais em profusão. Em meados de 1940 começaram a ser construídas as primeiras casas da povoação que deram origem a vila, então chamada Mil Alqueires, não havia estradas, e o único meio de comunicação era uma picada (estrada rudimentar) através da mata, comunicando-se com Clementina de um lado e chegando do outro as margens do Rio Aguapeí. A terra, apesar de muito arenosa, era fértil e dadivosa, tudo que se plantava colhia. A mata foi sendo derrubada, lavouras foram surgindo, novas famílias de origem japonesa, nortistas e nordestinos, principalmente, foram aqui se estabelecendo. O nome do vilarejo foi mudado para Santópolis em homenagem ao Antônio Francisco dos Santos Júnior, considerando seu fundador, recebendo sua denominação atual, Santópolis do Aguapeí, ao ser elevado à condição de Distrito de Paz. Em 30 de dezembro de 1959, Santópolis do Aguapeí, foi elevado á categoria de município, nesta época o senhor Fernando Siriani constrói a primeira casa de alvenaria na cidade, o município eminentemente agrícola prosperava consideravelmente, mas a partir de 1963 começou a entrar em decadência devido a queda da produção agrícola. Em virtude da erosão do solo e da falta de incentivos por parte do governo e de uma política que priorizasse a agricultura, os fazendeiros foram transformando as lavouras em pastagens e houve grande êxodo rural. Tanto a população rural quanto a urbana diminuíram sensivelmente, pois o município não conseguiu absorver essa população por falta de infra estrutura e por não existir nenhuma indústria que empregasse os trabalhadores. Hoje, como em toda região, as terras santópolenses, além das pastagens tem grandes áreas onde se planta cana de açúcar para sustentar as usinas de álcool e açúcar.

GeografiaEditar

Localiza-se a uma latitude 21º38'15" sul e a uma longitude 50º30'01" oeste, estando a uma altitude de 429 metros. Sua população estimada em 2010 era de 4.129 habitantes.

Possui uma área de 127,545 km².

RodoviasEditar

ComunicaçõesEditar

A cidade foi atendida pela Companhia de Telecomunicações do Estado de São Paulo (COTESP) até 1975, quando passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP)[7], que construiu em 1982 a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica, sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo para suas operações de telefonia fixa[8][9][10].

AdministraçãoEditar

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  6. NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. 3ª edição. São Paulo. Global. 2005 p. 42.
  7. «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada) 
  8. «Telesp vai servir mais 86 cidades do estado». Acervo Folha de São Paulo 
  9. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  10. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 

Ligações externasEditar