Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para a santa, veja Maria Madalena. Para a igreja homônima em Veneza, veja Santa Maria Maddalena (Veneza).
Igreja de Santa Maria Madalena
Santa Maria Maddalena
Fachada
Estilo dominante Barroco; Rococó
Arquiteto Carlo Quadri, Carlo Fontana, Giovanni Antonio de' Rossi, Giuseppe Sardi e Manuel Rodriguez dos Santos
Início da construção século XVII
Fim da construção 1699
Religião Igreja Católica
Diocese Diocese de Roma
Ano de consagração 1699
Geografia
País Itália
Região Roma
Local Rione Campo Marzio
Coordenadas 41° 54' 0.26" N 12° 28' 36.2" E

Santa Maria Maddalena ou Igreja de Santa Maria Madalena, conhecida como La Maddalena, é uma igreja de Roma, Itália, dedicada a Maria Madalena e localizada na Via della Maddalena, uma das ruas que partem da Piazza della Rotonda no rione Campo Marzio.

Índice

HistóriaEditar

A Ordem dos Clérigos Regulares Ministros dos Enfermos de São Camilo de Lellis ("camilianos") já possuía uma igreja no local desde 1586 e, na primeira metade do século XVII, iniciou a construção do edifício atual em estilo barroco, terminando apenas em 1699.

ExteriorEditar

Nos setenta anos de trabalho, diversos arquitetos se envolveram, incluindo Carlo Quadri, Carlo Fontana (a quem se atribui a construção da cúpula) e Giovanni Antonio de' Rossi. Não se sabe quem projetou a fachada principal convexa, que só foi terminada em 1735 e é rococó, um estilo pouco comum nas fachadas de igrejas de Roma, mas, pelos motivos decorativos, é reminiscente da obra de Borromini. Guias mais antigos de Roma a atribuem a Giuseppe Sardi, mas, entre 1732 e 1734, como arquiteto dos camilianos, o arquiteto português Manuel Rodrigues dos Santos foi quem dirigiu o final das obras na igreja. A historiadora Alessandra Marino acredita que foi ele e não Sardi o autor do atípico projeto. Se foi ele mesmo, o treinamento anterior de Santos como marceneiro de gabinetes foi essencial, pois a decoração acrescentada à estrutura do edifício é típica deste tipo de trabalho na Itália na época, em madeira e, no caso de igrejas, em cantaria, como Santa Maria della Quercia, em Viterbo, e a homônima Santa Maria Maddalena de Veneza[1]. A historiadora da arquitetura Nina Mallory também defende que é pouco provável que o projeto seja de Sardi[2].

À esquerda da igreja está o mosteiro, construído por volta de 1678 pelo palermitano Paolo Amato e completado por C.F. Bizzacheri no início da década de 1680[3].

InteriorEditar

O interior é arquiteturalmente complexo, com uma nave octogonal alongada no estilo de Borromini, com duas capelas de cada lado. À direita está a capela principal, dedicada a São Camilo e onde estão abrigadas as suas relíquias. A abóbada desta capela está decorada por um afresco de Sebastiano Conca (1744). Na igreja está ainda um "Cristo, a Virgem e São Nicolau de Bari", de Baciccia, e um "São Lourenço Giustiniani com o Menino Jesus", de Luca Giordano. A sacristia rococó é ricamente pintada, decorada com estuques e mármores multicoloridos.

GaleriaEditar

Referências

  1. Alessandra Marino, 'La decorazione settecentesca della facciata di S. Maria Maddalena: un'occasione per alcune precisazioni sul rococò romano', Quaderni dell'istituto di storia dell'architettura, 15 – 20, 1990 – 2, pp. 789 – 98.
  2. Mallory, N. A. Rococo Architecture from Clement XI to Benedict XIV, New York & London, 1977
  3. Blunt, Anthony. Guide to Baroque Rome, Granada, 1982, p.89

BibliografiaEditar

  • George Sullivan, 2006, Not Built in a Day: Exploring the Architecture of Rome, Carroll & Graf, ISBN 0-7867-1749-1 (em inglês)