Santo Estêvão do Penso

localidade e antiga freguesia de Braga, Portugal

Santo Estêvão do Penso foi uma freguesia portuguesa do município de Braga, com 2,24 km² de área e 435 habitantes (2011)[1]. Densidade: 194,2 hab/km².

Portugal Santo Estêvão do Penso 
  Freguesia portuguesa extinta  
Igreja de Santo Estêvão do Penso
Igreja de Santo Estêvão do Penso
Símbolos
Bandeira de Santo Estêvão do Penso
Bandeira
Brasão de armas de Santo Estêvão do Penso
Brasão de armas
Localização
Santo Estêvão do Penso-loc.png
Santo Estêvão do Penso está localizado em: Portugal Continental
Santo Estêvão do Penso
Localização de Santo Estêvão do Penso em Portugal Continental
Mapa de Santo Estêvão do Penso
Coordenadas 41° 29' 20" N 8° 25' 34" O
município primitivo Braga
município (s) atual (is) Braga
Freguesia (s) atual (is) Escudeiros e Penso (Santo Estêvão e São Vicente)
História
Extinção 28 de janeiro de 2013
Características geográficas
Área total 2,16 km²
População total (2011) 435 hab.
Densidade 201,4 hab./km²

Foi extinta em 2013, no âmbito de uma reforma administrativa nacional, tendo sido agregada às freguesias de Escudeiros e São Vicente do Penso, para formar uma nova freguesia denominada União das Freguesias de Escudeiros e Penso (Santo Estêvão e São Vicente) com a sede em Escudeiros.[2]

PopulaçãoEditar

População da freguesia de Penso (Santo Estêvão) (1864 – 2011) [3]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
332 258 275 280 282 265 272 299 328 325 357 389 386 400 435

HistóriaEditar

A primeira referência à localidade data de 1081 quando se refere à Villa de Penso 'inter Katavo e Ave'. Em 1101, Gomes Mides doa à Sé de Braga e aos arcebispo S. Geraldo parte de várias propriedades que possui em Penso.

Em 1220, surge como paróquia a quem foi doada pelo arcebispo D. Frei Agostinho de Castro, uma relíquia de St.º Estevão.

PatrimónioEditar

Em termos patrimoniais, destaque para a igreja paroquial, construída em 1629, dizem os mais antigos, por dois irmãos solteiros.

Cada um pagou a sua nave e assim temos um templo 'sui generis', raro entre as igrejas rurais.

A torre sineira deve ter sido construída mais tarde, talvez pela Confraria cuja sede foi construída ao lado. Uma palmeira domina o adro.

Referências

  1. «População residente, segundo a dimensão dos lugares, população isolada, embarcada, corpo diplomático e sexo, por idade (ano a ano)». Informação no separador "Q601_Norte". Instituto Nacional de Estatística. Consultado em 6 de Março de 2014. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2013 
  2. Diário da República, 1.ª Série, n.º 19, Lei n.º 11-A/2013 de 28 de janeiro (Reorganização administrativa do território das freguesias). Acedido a 2 de fevereiro de 2013.
  3. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
  Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.