Abrir menu principal
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes está sujeito a remoção.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Saoshyant é o salvador do mundo no Zoroastrismo, que aparecerá no último dia (Frasho-kereti). Saoshyant é uma palavra em avestano que significa "aquele que trará benefício".

Algumas passagens do Gathas, os hinos atribuídos Zaratustra (o fundador do Zoroastrismo), que constituem a parte mais antiga do Avesta, sugerem que este acreditava no fim do mundo e que considerava ter recebido de Ahura Mazda (o deus supremo) a missão de convocar a humanidade para a batalha final contra o mal. Contudo, Zaratustra terá tido consciência de que não veria esse fim durante a sua vida, pelo que ensinou que no futuro um homem viria para salvar o mundo.

Durante o período aqueménida esta ideia ampliou-se no sentido da crença em três Saoshyants. Cada um deles nascerá de uma semente do profeta Zaratustra deposta no lago Kasaoya. Uma virgem chamada Eredat-fedhri tomará banho neste lago, ficará grávida e dará à luz o salvador. Cada um dos Saoshyants surge num período em que as pessoas começaram a esquecer a mensagem de Zaratustra (a "Boa Religião"). O primeiro, chamado Ukhshyat-ereta, surgirá mil anos após Zaratustra, sendo responsável pela renovação da mensagem do profeta; mil anos depois aparecerá o seu irmão, Ukhshyat-nemah, e por último o mais importante de todos, Astvat-erat, que dará início ao fim do mundo.

Apesar da sua concepção miraculosa, o salvador é completamente humano, o que se enquadra nas concepções religiosas do Zoroastrismo, segundo as quais o homem desempenha um importante papel no combate ao mal.

Alguns afirmam que é possível que o conceito de Saoshyant tenha sido influenciado pela ideia do Messias no Judaísmo. Alega-se que esta influência possa ter sido recebida durante o período do cativeiro dos judeus na Babilônia, já que é comumente aceito por especialistas o fato de a Torá ter sido escrita no século XV a.C.

BibliografiaEditar

  • BOYCE, Mary - Zoroastrians: Their Religious Beliefs and Practices. New York: Routledge, 2002.