Sara Carinhas

actriz portuguesa

Sara Roriz Carinhas (Lisboa, 30 de junho de 1987) é uma actriz e encenadora portuguesa. É filha do encenador Nuno Carinhas e da bailarina e coreógrafa Olga Roriz.[1]

Sara Carinhas
Nascimento 30 de junho de 1987 (34 anos)
Lisboa, Portugal Portugal
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Ocupação Atriz Encenadora
Globos de Ouro
Melhor Actriz
Outros prémios
Globo de Ouro de Melhor Atriz de Teatro (2015)

CarreiraEditar

Nasceu em Lisboa, em 1987. Concluiu o curso de Música e Canto na Juventude Musical Portuguesa. Foi aluna de Ballet da Mestra Margarida de Abreu. Estuda com a Professora Polina Klimovitskaya, desde 2009, entre Lisboa, Nova Iorque e Paris. É mestranda em Estudos de Teatro pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Estreando-se como actriz em 2003 trabalhou em Teatro com Adriano Luz, Ana Tamen, Beatriz Batarda, Cristina Carvalhal, Fernanda Lapa, Isabel Medina, João Mota, Luís Castro, Marco Martins, Nuno Cardoso, Nuno M. Cardoso, Nuno Carinhas, Olga Roriz, Ricardo Aibéo, e Ricardo Pais.

Em 2015 é premiada pela Sociedade Portuguesa de Autores de melhor actriz de teatro, recebe a Menção Honrosa da Associação Portuguesa de Críticos de teatro e o Globo de Ouro de melhor actriz pela sua interpretação em A farsa de Luís Castro (2015).

Em cinema trabalhou com os realizados Alberto Seixas Santos, Manoel de Oliveira, Pedro Marques, Rui Simões, Tiago Guedes e Frederico Serra, Valeria Sarmiento, Manuel Mozos, Patrícia Sequeira, João Mário Grilo, entre outros. Foi responsável pela dramaturgia, direcção de casting e direcção de actores do filme Snu de Patrícia Sequeira.

Foi distinguida com o prémio Jovem Talento L’Oreal Paris, do Estoril Film Festival, pela sua interpretação no filme Coisa Ruim (2008).

Em televisão participou em séries como Mulheres Assim, Madre Paula e 3 Mulheres, tendo sido directora de actores, junto com Cristina Carvalhal, de Terapia, realizada por Patrícia Sequeira.

Trabalhou em direcção de cena com a Escola de Mulheres, participou numa criação colectiva a partir do romance Eurico o Presbítero, de Alexandre Herculano e foi assistente de encenação de Beatriz Batarda em Azul Longe Nas Colinas.

Como encenadora destaca "As Ondas" (2013) a partir da obra homónima de Virginia Woolf, autora a que regressa em "Orlando" (2015), uma co-criação com Victor Hugo Pontes. Em 2019 estreia "Limbo" com sua encenação, espectáculo ainda em digressão pelo país, tendo sido recentemente apresentado em Londres. Assina pela segunda vez o "Ciclo de Leituras Encenadas" no Jardim de Inverno do São Luiz Teatro Municipal.


Teatro - Encenadora

  • 2020/2021. Encenação de Um quarto que seja delas - Ciclo de leituras encenadas com textos de Ana Hatherly, Ana Luísa Amaral, Lídia Jorge, Patrícia Portela e Sónia Baptista. São Luiz Teatro Municipal - Sala Bernardo Sassetti. Lisboa
  • 2019. Dramaturgia do espectáculo Nós como futuro com criação de Daniel Gorjão para a Companhia Nacional de Bailado. Teatro Camões. Lisboa

. Assistência de encenação de O Dia do Juízo de Odon von Hórvath, encenação de Cristina Carvalhal. São Luiz Teatro Municipal. Lisboa.

. Direção artística e Encenação de Limbo - Produção Causas Comuns. (Digressão: Voz do Operário - Lisboa, Rivoli Teatro Municipal - Porto, Festival Vault - Londres e Teatro de Vila Real)

  • 2018. Encenação de "Meninas Exemplares” - leitura encenada de textos de Maria Velho da Costa. Teatro Nacional São João. Porto (digressão: Guarda, Igreja de São Mamede - Lisboa)
  • 2016. Encenação de Ciclo de Leituras Encenadas – textos de José Tolentino Mendonça, Maria Velho da Costas, Luisa Costa Gomes, Herberto Hélder e Matilde Campilho. São Luiz Teatro Municipal e Teatro Nacional D. Maria II. Lisboa.
  • 2015. Co-criadora e intérprete em Baile, em parceria com Carla Maciel. Teatro Municipal S. Luiz - Lisboa e Rivoli Teatro Municipal – Porto.

. Encenação de A Fada Oriana – integrado no projecto Companhia Nacional de Bailado nas Escolas -, em criação com Annabelle Barnes, Catarina Lourenço, Mário Franco e Paulina Santos. Digressão pelas escolas de Lisboa, Alfragide e Montemor-o-Novo).

. Co-criadora e intérprete em Orlando baseado na obra homónima de Virgínia Woolf, em parceria com Victor Hugo Pontes. Espaço do Tempo – Montemor-o-Novo; Rivoli Teatro Municipal – Porto (digressão: Centro Cultural de Belém (Black Box); Plataforma das Artes – Guimarães).

  • 2013. Encenação de As Ondas, baseado na obra homónima de Virginia Woolf. No Espaço Ribeira do grupo teatral Primeiros Sintomas - Lisboa. (digressão 2013-2015: Teatro de Vila Real; Teatro Virgínia – Torres Novas; Festival Santiago a Mil – Santiago do Chile; Teatro Municipal S. Luiz; Teatro de la ciudad – Monterrey, México). 2011. Intérprete e criadora em A Paixão Segundo Eurico, criação colectiva de Ana Vaz, Cristina Carvalhal, Graça Corrêa, Inês Rosado e Pedro Marques, baseado em “Eurico, o Presbítero” de Alexandre Herculano. Teatro Nacional D. Maria II - Lisboa.


Teatro - Actriz

  • 2021. Intérprete em Top Girls de Caryl Churchill, encenação de Cristina Carvalhal. Teatro Nacional D. Maria II. Lisboa
  • 2020. Intérprete em Comédia de Bastidores de Alan Ayckbourn, encenação de Nuno Carinhas. Teatro Nacional São João. Porto
  • 2016. Intérprete em As Criadas (Clara), de Jean Genet, encenação Marco Martins. Teatro Nacional D.Maria II. - Lisboa.
  • 2015. Intérprete e co-criadora em Baile, em parceria com Carla Maciel. Teatro Municipal S.Luiz - Lisboa (digressão: Rivoli Teatro Municipal – Porto).

        . Intérprete e co-criadora em Orlando baseado na obra homónima de Virgínia Woolf, em parceria com Victor Hugo Pontes. Espaço do Tempo – Montemor-o-Novo; Rivoli Teatro Municipal – Porto (digressão: Centro Cultural de Belém (Black Box); Plataforma das Artes – Guimarães).

        . Intérprete em Cyrano (Roxana) de Edmond Rostand, encenação de João Mota. Teatro Nacional D. Maria II - Lisboa.

  • 2014. Intérprete no monólogo A Farsa baseada na obra homónima de Raúl Brandão, encenação de Luís Castro. Teatro Nacional D. Maria II - Lisboa.

        . Intérprete em O olhar inabitado das manhãs de Cátia Terrinca, baseado na obra de Sophia de Mello Breyner, encenação de Daniel Gorjão. Jardim botânico - Lisboa.

  • 2013. Intérprete em Como Queiram (Célia) de William Shakespeare, encenação de Beatriz Batarda. Teatro Municipal S. Luiz – Lisboa. (digressão: Teatro Viriato – Viseu; Teatro Carlos Alberto – Porto; Centro Cultural Vila Flor – Guimarães; Theatro-Circo – Braga).

        . Intérprete em I.B.S.E.N. de Miguel Castro Caldas, encenação de Cristina Carvalhal. Teatro da Trindade - Lisboa.

  • 2012. Intérprete em O Mercador de Veneza (Pórcia) de William Shakespeare, encenação de Ricardo Pais. Teatro Nacional S. João - Porto.

        . Intérprete em Medida por Medida (Isabella), de William Shakespeare, encenação de Nuno Cardoso. Centro Cultural Vila Flor – Guimarães. (digressão: Teatro Nacional S.João – Porto; Teatro Municipal S. Luiz – Lisboa).

  • 2011. Intérprete e criadora em A Paixão Segundo Eurico, criação colectiva de Ana Vaz, Cristina Carvalhal, Graça Corrêa, Inês Rosado e Pedro Marques, baseado em “Eurico, o Presbítero” de Alexandre Herculano. Teatro Nacional D. Maria II - Lisboa.

        . Intérprete em Humusarte de Luis Castro, com textos de Raul Brandão, baseado no espectáculo “Húmus”. Galeria Monumental - Lisboa.

        . Intérprete em A Pedra de Marius von Myenburg, encenação de Cristina Carvalhal. Estúdio Zero - Porto.

        . Intérprete em As Três Irmãs (Irina) de Anton Chèckov, encenação de Nuno Cardoso. Teatro Nacional D.Maria II - Lisboa.

  • 2010. Intérprete em Húmus baseado em textos de Raul Brandão, encenação de Luís Castro. Galerias Monumental - Lisboa.

        . Assistente em Antes de ser, criação e interpretação de Beatriz Batarda, com textos de William Shakespeare. BES ARTE e FINANÇAS - Lisboa.

  • 2009. Intérprete em Tambores na Noite (Anna Balicka) de Berthold Brecht, encenação de Nuno Carinhas. Teatro Nacional S. João - Porto.

        . Intérprete na leitura encenada de Baal de Berthold Brecht, encenação de Nuno M. Cardoso. Teatro Nacional S. João - Porto.

  • 2008. Intérprete em O Mercador de Veneza (Jessica) de William Shakespeare, encenação de Ricardo Pais. Teatro Nacional S. João - Porto.

        . Intérprete em Leôncio e Lena de Georg Büchner (Rosetta e Lena), encenação de Ricardo Aibéo. Teatro da Cornucópia - Lisboa.

        . Intérprete em A Noite Árabe de Roland Schimmelpfennig (Francisca Manta), encenação de Paulo Felipe Monteiro. Teatro da Politécnica - Lisboa.

  • 2007. Intérprete em Paraíso de Olga Roriz. Teatro Camões - Lisboa (digressão: Teatro José Lúcio da Silva - Leiria; Teatro S. Carlos – Lisboa).

        . Intérprete em Fedra, de Jean Racine (Arícia), encenação de Ana Tamen. Teatro Maria Matos - Lisboa.

  • 2006. Assistente de encenação do monólogo Ódio de Jorge Humberto Pereira, encenação de Francisco Camacho, com Fernanda Lapa. Galeria Graça Brandão - Lisboa.

        . Intérprete em Medeia, de Eurípides, encenação de Fernanda Lapa. Teatro Nacional D. Maria II - Lisboa.

  • 2005. Contra-regra em As Marcas de Sangue de Judy Upton, encenação de Isabel Medina. Teatro da Comuna - Lisboa.

        . Intérprete no musical Cabeças no ar de Carlos Tê, encenação de Adriano Luz. S. Luiz Teatro Municipal - Lisboa.


FilmografiaEditar

  • 2020 - Bem Bom (filme de Patrícia Sequeira)
  • 2018 - 3 Mulheres (TV)
  • - Ramiro (filme de Manuel Mozos)
  • Intérprete em Snu de Cláudia Clemente e Patrícia Sequeira, realizado por Patrícia Sequeira. Skydreams.
  • Direcção de Casting e de Elenco de Snu de Cláudia Clemente e Patrícia Sequeira, realizado por Patrícia Sequeira. Skydreams.2016 - Mulheres Assim (TV)
  • 2013 - Bem-Vindos a Beirais (TV)
  • 2012 - As Linhas de Torres Vedras (TV)
  • 2011 - Efeitos Secundários (filme de Paulo Rebelo)
  • - Quadrado de Amor Bizarro (curta)
  • . Intérprete no filme/série As Linhas de Torres de Raul Ruiz, realizado por Valeria Sarmiento. (Mariana de Ourém). Paulo Branco.2010 - O Estranho Caso de Angélica (filme de Manoel de Oliveira)
  • 2009. Intérprete no filme E o tempo passa (Marisa) de Alberto Seixas Santos. TAKE 2000, José Mazeda.
  • 2008 - Eu, Luto (curta)
  • - Alpha (curta)
  • 2007. Intérprete no filme Efeitos Secundários (Cláudia) de Paulo Rebelo. C.R.I.M..         . Intérprete na curta-metragem O senso dos desatinados, realização de Paulo Guilherme.         . Intérprete na curta-metragem Eu, Luto de Pedro Marques.
  • 2004. Intérprete em Coisa Ruim (Sofia) de Rodrigo Guedes de Carvalho, realizado por Tiago Guedes e Frederico Serra. Clapfilmes.
  • 2003 - Intérprete na curta-metragem Os meus espelhos (Júlia) de Rui Simões. Produção de Real Ficção.


Televisão

  • 2018. Intérprete na série Três Mulheres, realização de Fernando Vendrell. RTP
  • 2017. Intérprete na série Sara de Marco Martins. RTP.
  •         . Intérprete na séria Madre Paula (Mariana Sousa), realização de Rita Nunes e Tiago Marques. RTP.
  • 2016. Intérprete na série Mulheres Assim (Lucinda) de Filipa Leal e Cláudia Lucas Chéu, realizaçãoo de José António Loureiro – RTP.
  • 2013. Intérprete na série Beirais - Produzida pela SP Televisão para a RTP.
  • 2011. Intérprete na série As Linhas de Torres (Mariana de Ourém) de Raúl Ruiz, realizado por Valeria Sarmiento.  


Música

  • 2017. Canta com Rita Redhoes e Jorge Benvinda no 25º aniversário do Festival  Noites Ritual. Jardins do Palácio de Cristal – Porto.

        . Canta com António Zambujo nos concertos do albúm Até pensei que fosse minha no Teatro das Figuras - Faro e no Auditório de Galícia - Santiago de Compostela.

  • 2016. Interpreta a música de genérico final da série Os Boys realizada por Tiago Guedes e Stjepan Klein com arranjos de Hélder Gonçalves (Clã) a partir da música “Boys, boys, boys” de Sabrina Salerno.

PrêmiosEditar

Em 2015, Sara venceu o Globo de Ouro de Melhor Atriz de Teatro pelo desempenho na peça A Farsa.[2].

Em 2015 recebe o Prémio Sociedade Portuguesa de Autores de melhor actriz de teatro e a Menção Honrosa da Associação Portuguesa de Críticos de Teatro pela peça A Farsa.

Em 2008 é distinguida com o Prémio de Jovem Talento L'Oreal Paris, do Estoril Film Festival pela sua interpretação no filme Coisa Ruim.

Referências