Abrir menu principal

Schistosoma japonicum

Como ler uma infocaixa de taxonomiaSchistosoma japonicum
[[Imagem:
S japonicum egg BAM1.jpg
Ovo de S. japonicum
|250px|]]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Platyhelminthes
Classe: Trematoda
Subclasse: Digenea
Ordem: Strigeiformes
Família: Schistosomatidae
Género: Schistosoma
Espécie: S. japonicum
Nome binomial
Schistosoma japonicum
( , )

Schistosoma japonicum é um verme achatado parasita, pertencente do filo Platyhelminthes, classe Trematoda. É um importante parasita e um dos principais agente causadores de esquistossomose. Este parasita tem um largo espectro de hospedeiros, infectado pelo menos 31 espécies de mamíferos selvagens, incluindo 9 carnívoros, 16 roedores, um primata, dois insectívoros e três artiodáctilos. Pode ser considerada uma zoonose.

MorfologiaEditar

Os indivíduos são de cor amarela ou amarelo acastanhado. Os machos desta espécie têm dimensões maiores em comparação com outras espécies do género a que pertencem. Medem aproximadamente 0.5 mm a 1,2 cm. As fêmeas medem 0,4 mm a 2 cm.

Observados através de microscopia electrónica, não se observam protuberâncias ou espinhos na superfície dorsal do macho. Esta superfície tem uma aparência esponjosa. Muitos espinhos cobrem a superfície da ventosa oral do macho, estendendo-se até à abertura da faringe. A ventosa oral apresenta um rebordo com espinhos de tamanho variável. A ventosa ventral possui muitos espinhos, que são menores do que os da ventosa oral.

O alinhamento do canal ginecóforo é envolto por espinhos pequenos. O sistema integumentário da fêmea é estriado e possui menos espinhos do que na ventosa oral e ventral.

Ciclo de vidaEditar

O ciclo de vida de S. japonicum e S. mansoni são muito semelhantes.

Em resumo, os ovos do parasita são libertados nas fezes e se entram em contacto com água, eles dão origem a larvas de vida livre. A larva tem que infectar o caracol da espécie Oncomelaria hupensis num período de um ou dois dias. Dentro do caracol, a larva passa por reprodução assexuada, através de vários estágios. Depois deste período de reprodução, o caracol terá que infectar um hospedeiro vertebrado com as características mais apropriadas. Assim que a larva cercária penetra a pele do hospedeiro, ela perde a sua cauda e começa a migrar pelo sistema circulatório até às veias mesentéricas, lugar onde se reproduze e efectua a postura dos ovos. Cada par deposita entre 1500 e 3500 ovos por dia nos vasos da parede intestinal. os ovos infiltram-se através dos tecidos e acabam novamente nas fezes.

Ligações externasEditar