Schwerer Gustav

Schwerer Gustav
GeschützDora2.JPG
Modelo do "Dora"
Tipo Canhão ferroviário
Local de origem  Alemanha
História operacional
Em serviço 1941–45
Utilizadores  Alemanha
Guerras Segunda Guerra Mundial
Histórico de produção
Fabricante Krupp AG
Quantidade
produzida
2
Especificações
Peso 1 370 toneladas
Comprimento 47,3 m
Largura 7,1 m
Altura 11,6 m
Tripulação 250 para montagem (54h); 2 500 para preparação de terreno e construção da ferrovia; 2 batalhões de defesa antiaérea
Calibre 80 cm
Elevação 48º max
Cadência de tiro 1 disparo /30 ou 45 minutos ou por norma 16 /dia
Velocidade de saída 820 m/s (Munição detonante); 720 m/s (munição penetrante)
Alcance efetivo 39 000 m
Alcance máximo 47 000 m (munição detonante); 38 000 m (munição penetrante)

Schwerer Gustav e Dora são os nomes pelos quais ficou conhecido o canhão ferroviário 80 cm K (E) alemão. O canhão foi desenvolvido no final dos anos 30 pela Krupp, com o objetivo de destruir alvos fortificados. Pesava cerca de 1344 toneladas, e podia disparar projéteis de até 7 toneladas a uma distância superior a 37 km. Preparado para a Segunda Guerra, tinha-se por objetivo usá-lo contra a Linha Maginot durante a Batalha de França. Foi usado na Rússia, no cerco a Sebastopol durante a Operação Barbarossa, sendo destruído ao final da guerra com o objetivo de evitar a sua captura.

Schwerer Gustav foi a arma de estriamento de maior calibre já usada em combate e, em termos de peso total, a peça de artilharia móvel mais pesada já construída em toda a história.[1][2]

DesenvolvimentoEditar

Em 1934 o Alto Comando Alemão (OKW, Oberkommando Der Wehrmacht )na sigla em alemão) encomendou da fábrica Krupp em Essen a criação de uma arma capaz de destruir as fortificações francesas na Linha Maginot, que estava próxima de ser completada. A arma deveria ser capaz de perfurar até 7 metros de concreto reforçado e uma placa blindada de 1 metro, estando fora do alcance da artilharia inimiga. O engenheiro da Krupp, Dr. Erich Müller calculou que seria necessário um canhão com calibre de cerca de 80 cm, disparar um projétil de 7 toneladas de um cano de 30 metros. Tal arma teria um peso de mais de 1 000 toneladas. O tamanho e o peso significariam que para se movimentar seria necessário um suporte de dois pares de trilhos idênticos. A fábrica Krupp apresentou planos para os calibres de 70, 80, 85 e 100 cm.[2][1][3]

Nada mais aconteceu até março de 1936, quando Hitler visitou Essen, para discutir a viabilidade da gigante arma de artilharia e subseqüentemente o projeto inicia-se com o modelo de calibre 80 cm. Os planos estariam completos e aprovados em 1937 e durante o verão do mesmo ano tem início o fabrico do primeiro canhão. Entretanto, produzir uma arma tão grande mostrou-se difícil e tornou-se evidente que o prazo original de conclusão, primavera de 1940, não seria atingido. A Krupp construiu um protótipo em 1939 e o enviou ao campo de testes de Hillersleben. Atirando quase verticalmente, a arma atingiu as especificações e mostrou-se capaz de penetrar o concreto e a placa blindada.[1]

 
Schwerer Gustav em uma visita de Adolf Hitler (segundo a partir da direita em primeiro plano) e Albert Speer (direita) em 1943

Em 1941 Alfred Krupp recebeu Hitler e Albert Speer no campo de testes de Rügenwald durante o início das avaliações formais do canhão "Gustav". Como resultado, foram encomendados dois canhões. Nos testes seguintes, ainda usando algumas peças provisórias, o "Schwerer Gustav" disparou projéteis de 7 100 kg a uma distância de 37 210 metros.[1]

Em combate, o canhão era montado num chassis especial, apoiado por dois vagões-plataforma em dois pares de trilhos pesando no total 1 350 toneladas e era movido por duas locomotivas a diesel DB Baureihe V 188. Podia arremessar dois tipos de projéctil: uma granada de alto explosivo de 4,8 toneladas que viajava a 820 m/s e com um alcance de 48 Km e uma granada anticoncreto de 7 toneladas que podia atingir um alvo a 38 Km de distância em menos de um minuto.[2][1]

Histórico operacionalEditar

 
Modelo do canhão Dora
 
Projétil do canhão Dora no Museu da Guerra em Varsóvia, Polônia
 
Projétil do canhão Gustav
 
Schwerer Gustav (preto) comparado com um lançador de mísseis OTR-21 Tochka (vermelho) e uma figura humana

Schwerer GustavEditar

Em fevereiro de 1942 o canhão Gustav iniciou sua viagem com destino à Crimeia, sendo transportado por um trem com 25 vagões totalizando um comprimento de 1.6 km. O canhão chegou ao istmo de Perekop em março de 1942, onde ficou até abril. Trilhos especiais foram construídos para a via férrea de Simferopol-Sebastopol, 16 km a norte do alvo. O cerco a Sebastopol seria o primeiro teste em combate do canhão; em maio iniciou-se o posicionamento e em 5 de junho ele estava pronto para disparar. Os alvos foram:[4][5]

  • 5 de junho
    • Artilharias costeiras a uma distância de 25 000 m. Oito projéteis disparados.
    • Forte Stalin. Seis projéteis disparados.
  • 6 de junho
    • Forte Molotov. Sete projéteis disparados.
    • Nove projéteis disparados contra um depósito de munição na baía de Severnaya.
  • 7 de junho
    • Disparos pra apoiar um ataque da infantaria. Sete projéteis disparados.
  • 11 de junho
    • Forte Sibéria. Cinco projéteis disparados.
  • 17 de junho

Ao fim do ataque, Sebastopol estava em ruínas após a onda de 30 mil toneladas de explosivos. "Gustav" disparou 48 projéteis e desgastou seu cano original, que já havia realizado cerca de 250 disparos durante a fase de desenvolvimento e testes. Foi adaptado um cano reserva e o original foi enviado à fábrica Krupp em Essen.[6]

O canhão foi desmontado e levado para o norte da frente de batalha do leste, onde foram planejados ataques a Leningrado. O canhão foi posicionado a cerca de 30 km da cidade, entretanto, o ataque foi cancelado. Posteriormente ele foi reconduzido à Alemanha para reparos na fábrica Krupp.[7]

Em abril de 1945 os alemães destruíram o canhão para evitar sua captura e os destroços foram encontrados numa floresta a 15 km a norte de Auerbach.[1][2]

DoraEditar

Dora foi o segundo canhão produzido. Foi posicionado para atacar Stalingrado, mas foi obrigado a recuar devido ao avanço do exército soviético. O canhão "Dora" quebrou antes do final da guerra e foi descoberto pelos americanos algum tempo depois de encontrarem o "Schwerer Gustav".[8]

Langer GustavEditar

Seria um grande canhão de 210 mm com capacidade de disparar um projétil a 140 quilômetros de distância, porém nunca fora concluído.[9]

Landkreuzer P. 1500 "Monster"Editar

 Ver artigo principal: Landkreuzer P. 1500 Monster

O P. 1500 seria um veículo autopropulsionado de aproximadamente 2 500 toneladas para transportar um canhão de calibre 80 cm. O projeto foi considerado impraticável e cancelado por Albert Speer em 1943.[10]

Características geraisEditar

Fontes:[1][11]

  • Calibre: 800 mm
  • Peso total: 1 350 Toneladas
  • Comprimento total: 47,3 m
  • Comprimento do cano: 32,48 m
  • Altura: 11,6 m
  • Largura: 7,1 m
  • Propulsão: 2 locomotivas
  • Elevação máxima: 48° a 65°
  • Peso da granada: 7,1 ton. (anticoncreto) e 4,8 ton. (HE)
  • Cadência de disparo: 1 disparo a cada 30 a 45 minutos

MuniçãoEditar

Fontes:[1][11]

Alto-explosivo (HE)Editar

  • Peso do projétil: 4,8 toneladas
  • Velocidade: 820 m/s
  • Alcance máximo: 48 km
  • Massa de explosivos: 700 kg

Projétil anticoncretoEditar

  • Comprimento: 3,6 m
  • Peso: 7,1 toneladas
  • Velocidade: 721 m/s
  • Alcance máximo: 38 km
  • Massa de explosivo: 280 kg
  • Penetração: 7 m de concreto em sua elevação máxima.

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c d e f g h McFadden, Christopher. «Schwerer Gustav: Largest Gun Mankind Has Ever Built». Interesting Engineering (em inglês). Consultado em 20 de Abril de 2020 
  2. a b c d Luciana Rincon, Maria. «Gustav Gun: conheça a maior arma já construída pelo homem». Mega Curioso. Consultado em 20 de Abril de 2020 
  3. Hahn, Fritz (1986). Waffen und Geheimwaffen des deutschen Heeres 1933-1945. [S.l.]: Bernard & Graefe. ISBN 3763758313 
  4. Ley, Willy (1961). «Dragons and Hot-Air Balloons». . "Dragons and Hot-Air Balloons. Consultado em 21 de Abril de 2020 
  5. «LE CASSEUR DE FORTIFICATION». Frre.fr (em francês). Consultado em 21 de Abril de 2020 
  6. Taube, Gerhard (1979). Eisenbahngeschütz Dora : d. grösste Geschütz aller Zeiten (em alemão). [S.l.]: Motorbuch-Verlag. 92 páginas. ISBN 3879436487. Consultado em 21 de Abril de 2020 
  7. Taube, Gerhard (1979). Eisenbahngeschütz Dora : d. grösste Geschütz aller Zeiten (em alemão) 1. Aufl ed. [S.l.]: Motorbuch-Verlag. pp. 99–100, 107. ISBN 3879436487. Consultado em 21 de Abril de 2020 
  8. Popa, Ovidiu (6 de maio de 2015). «Schwerer Gustav - Hitler's giant gun - How it worked and why it turned out to be a disaster» (em inglês) 
  9. Army, Association of the United States (1964). Army. Col: 1. 15. [S.l.]: Association of the United States Army. p. 62 
  10. Parsons, Zack (1 de outubro de 2006). My Tank Is Fight! (em inglês). [S.l.]: Citadel Press 
  11. a b «80 cm Gustav Railway Gun». World War II Database (em inglês). Consultado em 21 de Abril de 2020 

BibliografiaEditar

  • Roger Ford: Die deutschen Geheimwaffen des Zweiten Weltkrieges, Karl-Müller-Verlag, Erlangen
  • Gerhard Taube: Deutsche Eisenbahngeschütze, Rohr-Artillerie auf Schienen, Motorbuch-Verlag, ISBN 3-613-01352-5
  • Gerhard Taube: Eisenbahngeschütz DORA. Das größte Geschütz aller Zeiten, Motorbuch-Verlag, ISBN 3-87943-648-7
  • Deutsche und alliierte Heereswaffen 1939 - 1945, Podzun Pallas Verlag, ISBN 3-7909-0469-4
  • Coleção Armas de Guerra- Artilharia, Abril Coleções, 2011, ISBN 978-85-7971-149-7

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Schwerer Gustav