Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2017). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ilustração do tapa de Colonna ao Papa Bonifácio VIII por Alphonse-Marie-Adolphe de Neuville

Sciarra Colonna (nome original é Giacomo, Sciarra, na linguagem popular da época significava duro) (1270-1329), foi um militar italiano e um poderoso membro da família Colonna, sendo um forte inimigo do Papa Bonifácio VIII. Durante o episódio conhecido como atentado de Anagni, em setembro de 1303, Sciarra supostamente deu uma chapada na cara do papa. [1]

A família Colonna foi, portanto, arruinada durante o pontificado do Papa Bonifácio VIII que prendeu apoiantes do antigo Papa Celestino V, que tinha sido preso por Bonifácio após sua abdicação, o tio de Sciarra, Giacomo Colonna, e o irmão Pietro foram depostos de seus cargos no Colégio Sagrado e despojados de seus benefícios e paramentos. Juntamente com o resto da família Colonna, eles foram excomungados e suas propriedades, Palestrina, não muito longe de Anagni, foi invadida por forças papais.

Colonna é lembrado, sobretudo, porque em setembro de 1303, com Guilherme de Nogaret, chanceler do rei da França, Filipe, o Belo, marchou sobre Roma com trezentos cavaleiros na tentativa de prender o Papa Bonifácio VIII e trazê-lo à França para ser julgado, por ordem do monarca francês. No entanto, o Papa Bonifácio VIII (pertencente à família Caetani, inimigos jurados dos Colonna, que estavam em litígio com o monarca francês) não estava lá, mas em Anagni, para onde se encaminharam. Perante a passividade das pessoas, arrasaram a cidade e fizeram o papa prisioneiro. Durante o cativeiro, Sciarra acertou-o, num evento que é conhecido como "ultraje de Anagni" (Oltraggio di Anagni). O Papa Bonifácio VIII morreu 3 semanas mais tarde, na Itália.

Todos os envolvidos nesses eventos foram excomungados e notificados para comparecer perante o tribunal papal. A solução de compromisso foi: com uma bula foi mostrada a inocência do rei francês, e Sciarra Colonna e os habitantes de Anagni foram absolvidos, exceto os responsáveis pelos saques do tesouro papal.

O 2º Senhor de Mortágua Dom Martim Afonso de Sousa, bisavô do explorador e nobre português Martim Afonso de Sousa, 1º donatário Capitania de São Vicente, teve filhos com a abadessa Aldonça Rodrigues de Sá, filha de Rodrigo Anes de Sá e de Cæcilia Iulia Sciarra Colonna, filha de Jacopo Sciarra-Colonna e bisneta de Sciarra Colonna[2][3]. Também ele era irmão de Stefano Colonna, o Velho.

Referências

  1. «Colónna, Sciarra (propr. Giacomo Colonna)». Enciclopedia Treccani 
  2. [1], Buratto, Sousas do Prado
  3. D. António Caetano de Sousa, História Genealógica da Casa Real Portuguesa

Ver tambémEditar