Selêucia do Tigre

Selêucia do Tigre
Σελεύκεια επι τω Τιγρητι
Localização atual
Selêucia do Tigre está localizado em: Iraque
Selêucia do Tigre
Localização de Selêucia do Tigre no Iraque
Coordenadas 33° 05' N 44° 31' E
País Iraque
Província Bagdá

Selêucia ou Seleuceia do Tigre (em grego clássico: Σελεύκεια επι τω Τιγρητι; transl.: Seleúceia epi to Tigreti; em latim: Seleucia ad Tigridem),[1][2][3] chamada Selique, Selica ou Selicos (em hebraico: Selik(a) ou Selikos) no Talmude hebraico e Saluaquia (Salwaḳia ou Salwaḳya) no Targum aramaico,[4] foi a primeira capital do Império Selêucida, fundada pelo basileu Seleuco I Nicátor.

HistóriaEditar

Selêucia foi fundada pelo diádoco Seleuco I Nicátor, em 312,[5] ou 307/305 a.C.,[6] dependendo da datação do início de seu reinado, como sede do Império Selêucida. Está situada às margens do rio Tigre, a 32 quilômetros da moderna Bagdá,[7] junto ao lago natural onde o canal Narmalca do Eufrates se juntava ao Tigre. Perto dela estava Ópis. Seu distrito era muito fértil e, no início, a sua malha urbana se assemelhava a uma águia com as asas abertas. Foi erigida usando materiais trazidos da cidade da Babilônia. [8] Logo se consagrou como centro da cultura grega no Oriente Próximo, substituindo a Babilônia como entreposto comercial entre o Oriente e o Ocidente. Por sua posição, também serviu de porto ao comércio fluvial. A população era mista, com muitos gregos e semitas e havia ainda uma expressiva colônia de judeus. Em seu tempo, Plínio, o Velho estimou que a população fosse de 600 mil pessoas.[5] Flávio Josefo alegou que os judeus chegaram nela fugidos da Babilônia dada a enorme pressão dos gentis, e por volta de 41 a.C., mais de 5 mil deles foram mortos pelos locais motivados por seu ódio comum.[4]

Mesmo quando o centro de poder do Império Selêucida mudou à Síria no século III a.C., ela manteve seu caráter grego.[5] No tempo do basileu Antíoco III (r. 222–187 a.C.), o general Molão da Média se rebelou e a tomou, que se tornou sua capital. Antíoco marchou contra ela, cuja população foi torturada e foi pesadamente taxada, e sua magistratura, nomeada por Políbio como Adeiganas, foi exilada.[8] Em ca. 140 a.C., o Mitrídates I (r. 171–138 a.C.) tomou a Babilônia. As cidades gregas se recusaram a se submeter ao xá e receberam o selêucida Antíoco VII (r. 138–129 a.C.), quando em 130 a.C. tentou restaurar seu poder. Estas cidades foram severamente punidas pelo xá Fraates II (r. 132–127 a.C.) e o prefeito Hímero, que inclusive devastou a cidade da Babilônia, mas Selêucia reteve sua auto-gestão; ao que parece, seu governo consistia numa espécie de senado com 300 membros. Também se manteve como o maior centro comercial do Oriente, tanto que Estrabão alegou ser maior do que Antioquia do Orontes, que em seu tempo, salvo Alexandria, era o maior centro comercial no Oriente.[8] Escavações demonstram que a cidade gradualmente se orientalizou.[5]

Sob os arsácidas, a administração e tropas foram instaladas em Ctesifonte, no lado oposto do rio. Todavia, se tornou sede de facções violentas e disputas dinásticas.[5] Dião Cássio alegou que o general romano Crasso, em sua guerra contra Orodes II (r. 57–38 a.C.), a alcançado, mas não é certo que isso tenha ocorrido.[9] Seja como for, os seleucenses constantemente apoiaram os poderes ocidentais contra a dominação parta, inclusive encabeçando uma rebelião aberta entre 35 e 42, que terminou com os locais sendo severamente punidos. Sob Vologases I (r. 51–78), foi fundada a cidade de Vologesocerta para rivalizar com Selêucia, ou mais especificamente como dito por Plínio, drenar sua população.[10] No tempo da invasão do imperador Trajano (r. 98–117), foi tomada pelos generais Erúcio Claro e Júlio Alexandre e parcialmente incendiada. Seria reconstruída ao estilo parta, porém. Na guerra seguinte, agora contra Vologases IV (r. 147–191), as tropas de Lúcio Vero (r. 161–169), lideradas pelo general Caio Avídio Cássio, a destruíram totalmente em 164. A data marca o fim do helenismo na Babilônia.[5][11] Sua população à época era de 300 mil pessoas e foi dito que a praga que se espalhou no Império Romano nos anos seguintes se originou ali.[10] Sétimo Severo (r. 193–211), na campanha contra Vologases V (r. 180–208), viu as ruínas de Selêucia e Babilônia, enquanto que Juliano (r. 361–363), na guerra contra o Sapor II (r. 309–379) do Império Sassânida, encontrou o território de Selêucia tomado por um pântano cheio de animais selvagens que foram caçados por seus soldados.[11]

Referências

  1. Lagopoulos 2004, p. 220.
  2. Vaux 1870, p. 954.
  3. Floro 1972, p. 238.
  4. a b Jacobs 1906.
  5. a b c d e f Drower 2012, p. 971.
  6. Grainger 1997, p. 54.
  7. Editores 1998.
  8. a b c Vaux 1870, p. 954.
  9. Vaux 1870, p. 954-955.
  10. a b Meyer 1911.
  11. a b Vaux 1870, p. 955.

BibliografiaEditar

  • Drower, Margaret Stephana (2012). Hornblower, Simon; Spawforth, Antony; Eidinow, Esther, ed. Oxford Classical Dictionary. Oxônia: Imprensa da Universidade de Oxônia 
  • Floro, Lúcio Aneu (2012). L. Annaei Flori Quae Exstant. Roma: Oficinal Poligráfica 
  • Grainger, John D. (1997). A Seleukid Prosopography and Gazetteer. Leida e Nova Iorque: Brill. ISBN 978-90-04-10799-1 
  • Jacobs, Joseph; Ochser, Schulim (1906). «Seleucia». Enciclopédia Judaica. Nova Iorque: Funk & Wagnalls 
  • Lagopoulos, Alexandros Ph (2004). Η Ιστορία της ελληνικής πόλης. Atenas: Ερμής 
  • Meyer, Eduard (1911). «Seleucia». Enciclopédia Britânica Vol. XXIV. Chicago: Encyclopædia Britannica, Inc. 
  • Vaux, W. S. W. (1870). «Seleuceia or Seleucia». In: Smith, William. Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology Vol. 2. Boston: Little, brown and Company