Abrir menu principal

Wikipédia β

Seleção Brasileira de Voleibol Feminino

Seleção brasileira de voleibol feminino

Seleção brasileira de voleibol feminino é a seleção nacional feminina de voleibol do Brasil. É administrada pela Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e representa o Brasil nas competições internacionais de vôlei. Em 23 de agosto de 2008, nos Jogos Olímpicos de Pequim, conquistou sua primeira medalha de ouro olímpica[4] e nos Jogos de Londres em 2012 sagrou-se bicampeã olímpica.[5]

Seleção Brasileira de Voleibol Feminino

Flag of Brazil.svg

Associação Confederação Brasileira de Voleibol
Confederação Confederação Sul-Americana de Voleibol
Patrocinador Banco do Brasil
Material Esportivo ASICS[1]
Técnico José Roberto Guimarães
Capitã Natália Pereira[2]
Código FIVB BRA Ranking da FIVB

4º (estável)Baixa 230 pontos (em 22 de agosto de 2016)[3]

Seleção Brasileira de Voleibol Feminino
Informações pessoais

É o time mais bem-sucedido na história do Grand Prix da FIVB, sendo a seleção nacional que mais vezes conquistou o torneio com doze títulos (1994, 1996, 1998, 2004,[6] 2005,[7] 2006,[8] 2008,[9] 2009,[10] 2013,[11][12] 2014[13][14] 2016[15][16] e 2017). Atualmente está "estável" no ranking da Fivb e ocupa o quarto lugar deste. Nas categorias de base (Sub-18 e Sub-20 - Junior & Youth) ocupa o segundo lugar geral do ranking da FIVB (216 pontos em 5 de agosto de 2013).[17] A seleção brasileira é considerada uma das equipes mais fortes do mundo.[18][19]

Índice

HistóriaEditar

A seleção brasileira de voleibol feminino foi formada em 1951, onde estreou jogando o Campeonato Sul-Americano daquele ano ficando com a medalha de ouro. Mesmo com pouca tradição no voleibol feminino na década de 50, o Brasil conseguiu se manter entre os melhores times das Américas, conquistando inúmeros títulos Sul-Americanos e até dois títulos Pan-Americanos, conquistados em Chicago 1959 e outro mais tarde em São Paulo 1963. Nessa época o principal adversário da seleção brasileira era a seleção peruana. O time brasileiro só destacava-se mesmo nas competições continentais, já nas comepetições intercontinentais não obtinha o mesmo êxito. Sempre se revezava entre os 6° e 8° lugares em Campeonatos Mundiais e Jogos Olímpicos. Os melhores resultados em competições intercontinentais aconteceram no Campeonato Mundial de 1986 onde o Brasil ficou em 5° lugar e nos Jogos Olímpicos de Seul e Barcelona ficando nos 6° e 4° lugares, respectivamente.

O voleibol feminino do Brasil só começou a despontar mesmo no cenário internacional nos anos 90, especificamente em 1994 quando Bernardinho assumiu o comando da seleção. No mesmo ano, conquistou o vice-campeonato no mundial realizado no Brasil, a medalha de ouro no Grand Prix e em 1995, a medalha de prata na Copa do Mundo. Contando com novos talentos no voleibol nacional como Ana Moser, Fernanda Venturini, Ana Paula, Márcia Fu, Fofão, Virna Dias, Hilma Caldeira e Leila Barros, o voleibol brasileiro cresceu de tal forma que começou a incomodar a seleção de Cuba que foi considerada a melhor equipe do mundo nos anos 90. Frequentemente as semi finais e finais das principais competições internacionais dos anos 90 eram disputadas entre Brasil e Cuba. Eram grandes jogos com bastante volume de jogo nos dois times e sempre regados com bastante provocação por ambos os lados. Sob o comando de Bernardinho, Brasil e Cuba enfrentaram-se 27 vezes com 14 vitórias para Cuba e 13 para o Brasil. A própria semi final dos Jogos Olímpicos de Atlanta foi marcada pela rivalidade entre as equipes, na qual as cubanas levaram a melhor e venceram a partida apenas no tie-break. Depois do fim do jogo ocorreu um desentendimento entre as seleções, protagonizado por Regla Torres, Mireya Luis, Márcia Fú e Ana Moser. Tudo foi resolvido mais tarde pela polícia americana. Na ocasião a seleção brasileira disputou a medalha de bronze contra a Rússia, vencendo o jogo apenas no quinto set e conquistando s sua primeira medalha olímpica. A vingança contra Cuba viria depois dos Jogos, quando as brasileiras ganharam o Grand Prix de 1996, ocorrendo novamente no final do jogo uma briga.

Até o final dos anos 90, a seleção brasileira conquistou vários títulos Sul-Americanos e no Grand Prix. O último título foi o ouro em Winnipeg 1999, no qual o Brasil com um elenco jovem e renovado com Érika, Elisângela, Walewska, Carolina Albuquerque, Janina, Ricarda Negrão, Leila e Virna, enfrentou novamente a equipe cubana. A mesma base foi mantida para os Jogos de Sydney, no qual o Brasil conquistou a segunda medalha de bronze derrotando a seleção americana. Com a saída de Bernardinho do comando da equipe feminina para a masculina, o conjunto foi liderado temporariamente por Marco Aurélio Motta. Muitas jogadoras não concordavam com a metodologia de Motta e resolveram deixar o time. Nesse período, o Brasil não conquistou nenhum título importante. A seleção só voltou a brilhar em 2003 com entrada de José Roberto Guimarães, que promoveu uma renovação no grupo com novos talentos como Mari, Sheilla, Paula Pequeno, Sassá, Carol Gattaz, Fabi, Fabiana Claudino, Arlene, Valeskinha, Jaqueline e manteve algumas jogadoras veteranas como Fernanda Venturini, Virna e Elisângela. Foram conquistados vários títulos, mas támbem alguns fracassos como a semifinal de Atenas em que o Brasil foi surpreendido pela Rússia. Depois dos Jogos de Atenas foi promovida mais uma renovação no time com a volta de Fofão, Walewska e a entrada de Thaísa. Em 2005, a seleção conquistou a Copa dos Campeões de forma invicta, acumulando cinco vitórias em cinco jogos. Durante todo o torneio, a seleção brasileira perdeu apenas dois sets, no jogo de estreia, contra a China, quando venceu por 3 a 2. Com este título, até então inédito, a seleção fechou um ano quase perfeito, em que conquistou todos os torneios que disputou. Além da Copa dos Campeões, a equipe brasileira venceu os seguintes campeonatos: Torneio de Courmayeur (Itália), Montreux Volley Masters (Suíça), Grand Prix,[7] torneio classificatório para o Mundial 2006 e o Sul-Americano.[20]

A seleção seguiu conquistando mais títulos e acumulando outros fracassos como as derrotas no mundial de 2006 para a Rússia[21] e nos Jogos Pan-Americanos em 2007 para Cuba.[22] Em 2008, a seleção superou os traumas do passado e conquistou o heptacampeonato do Grand Prix[9] e sua primeira medalha de ouro olímpica em Pequim, consagrando o voleibol feminino brasileiro.[4] Na data em que completou um ano da conquista da medalha de ouro nas Olimpíadas de Pequim, o Brasil tornou-se octacampeão invicto do Grand Prix.[10][23] José Roberto Guimarães levou a seleção brasileira ao título do Grand Prix pela quinta vez.[24] Assim como em 2006, Sheilla foi eleita a melhor jogadora do campeonato.[25] O outro prêmio entregue as brasileiras foi o de melhor bloqueadora para a central Fabiana.[26] Ainda em 2009, a equipe conquistou a medalha de prata na Copa dos Campeões, o único vice após seis títulos consecutivos no ano. Com isso, a seleção brasileira encerrou um ano quase perfeito, com apenas duas derrotas: uma na Copa Pan-Americana para a República Dominicana e outra para a Itália na Copa dos Campeões.[27][28][29]

 
A seleção feminina desfila pelas ruas de São Paulo após a conquista do bicampeonato olímpico em Londres 2012.

Nas Olimpíadas de Londres, em 11 de agosto de 2012, a seleção brasileira consagrou-se como a terceira na história a conquistar a medalha de ouro no torneio olímpico consecutivamente.[30] Em 2013, o Brasil ganhou o nono título no Grand Prix sem perder sets nas cinco partidas da fase final, fato inédito na história do campeonato.[31] Ainda neste ano, a equipe brasileira tornou-se a primeira a vencer a Copa dos Campeões duas vezes.[32][33] Após conquistar o décimo título do Grand Prix em 2014,[13][14] o time brasileiro conquistou a medalha de bronze no Campeonato Mundial, perdendo apenas um dos treze jogos disputados, a melhor campanha da competição.[34][35][36] Com o triunfo na disputa pelo bronze, a seleção brasileira chegou a oitenta e oito vitórias em Campeonatos Mundiais, número superado apenas pelos históricos da extinta União Soviética e da Rússia unificados.[34] Em novembro de 2014, a seleção brasileira foi eleita a melhor equipe feminina dos Jogos Olímpicos de Londres pela Associação de Comitês Olímpicos Nacionais.[37][38]

Em 2015, algumas das principais atletas da seleção foram poupadas ou pediram dispensa, fazendo com que Zé Roberto pudesse testar outras jogadoras.[39][40][41] Como o Pan-Americano e o Grand Prix foram disputados durante o mesmo período, houve uma divisão do grupo convocado com a intenção de montar duas equipes competitivas, sem priorizar um campeonato.[39] No Pan, o Brasil conquistou a medalha de prata,[42] enquanto no Grand Prix ganhou o bronze.[43] Após vencer a seleção americana por 3 sets a 2 na final do Grand Prix de 2016, conquistando o décimo primeiro título,[15][16] a equipe brasileira chegou como uma das favoritas nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.[44] Sem perder sets na primeira fase,[45] o time brasileiro foi derrotado em cinco sets pela China nas quartas de final.[44]

TítulosEditar

A seleção brasileira já conquistou os principais campeonatos de voleibol, com exceção apenas do Campeonato Mundial e da Copa do Mundo, nos quais o Brasil acabou levando a medalha de prata em três oportunidades em cada competição.[21][46][47][48][49] Nos Jogos Olímpicos, o Brasil possui quatro medalhas: duas de ouro conquistadas em Pequim (2008)[4] e Londres (2012)[5] e duas de bronze conquistadas em Atlanta (1996) e Sydney (2000). Nos Jogos Olímpicos de Pequim, o Brasil realizou oito jogos vencendo todos e perdendo apenas um set na final contra as americanas.[4] Na final dos Jogos Olímpicos de Londres, venceu novamente a equipe americana pelo mesmo placar da final de 2008.[5] Já em Atlanta e Sydney foi barrado nas semi finais por Cuba, porém, conquistou o bronze enfrentando respectivamente a Rússia e os Estados Unidos. Já nos Jogos Pan-Americanos, o Brasil possui quatro medalhas de ouro (1959, 1963, 1999 e 2011[50][51]), três de prata (1991, 2007[22] e 2015[42]) e duas de bronze (1955 e 1979).

Nos Jogos Pan-Americanos de 2007, disputados no Rio de Janeiro, o Brasil tentou conquistar sua quarta medalha de ouro, porém foi derrotado por Cuba depois de ter tido seis chances de liquidar o jogo.[22] Quatro anos após, na final dos Jogos de Guadalajara, a seleção deu o troco vencendo as cubanas na final.[50][51] Em 2011, a seleção brasileira conquistou o primeiro título nos Jogos Mundiais Militares, realizados no Rio de Janeiro, derrotando a equipe chinesa na final.[52] Nos Jogos Mundiais Militares de 2015, o conjunto brasileiro tornou-se bicampeão ao ganhar do time chinês na final novamente.[53] Nas categorias de base, o Brasil também ostenta bastante tradição,[17][54][55][56] sendo o maior vencedor do Campeonato Mundial Sub-20 e o segundo maior vencedor do Campeonato Mundial Sub-18. Em 1 de agosto de 2010, a seleção brasileira juvenil conquistou a Copa Presidente de la República de forma invicta. Na decisão, o Brasil derrotou o Peru por 3 sets a 0, no ginásio Miguel Grau, em Lima.[57][58] Na segunda edição do Campeonato Mundial Sub-23, realizada em Âncara, a equipe brasileira ganhou o seu primeiro título na categoria ao vencer as anfitriãs turcas na final, invictas até aquele momento, diante de quase oito mil espectadores.[59][60] Com isso, pode-se dizer que a seleção brasileira é uma das mais tradicionais e vencedoras da história do voleibol mundial.

Hall da Fama do VoleibolEditar

Personalidades que entraram para o Hall da Fama do Voleibol

Most Valuable PlayerEditar

O Jogador Mais Valioso (em inglês: Most Valuable Player), também conhecido pela sigla MVP, é um prêmio geralmente conferido ao atleta ou atletas de melhor desempenho num torneio. No voleibol o prêmio támbem é válido para designar um(a) jogador(a) como melhor do mundo no momento. Ao longo dos anos atletas da Seleção Brasileira de Voleibol Feminino receberam tal honraria. Abaixo alguns nomes:

Ana Beatriz Franklin
Ana Carolina da Silva
Ana Moser
Beatriz Carvalho
Drussyla Costa
Fabi
Fabiana Claudino
Fernanda Garay
Fernanda Venturini
Fofão
Gabriela Guimarães
Joycinha
Juma da Silva
Leila Barros
Lorrayna Marys
Marianne Steinbrecher
Natália Pereira
Paula Pequeno
Sheilla Castro
Tainara Santos
Tandara Caixeta
Thaísa Menezes
Virna Dias

Elenco AtualEditar

Última convocação realizada em 4 de maio de 2015 para a temporada 2015.[97][98]

Camisa Nome Posição Idade Altura Peso Clube atual Naturalidade
1 Ana Tiemi Levantadora 27 1,89 74   CSM Bucuresti   MT
2 Dani Lins Levantadora 30 1,83 68   Osasco VC   PE
3 Josefa Fabíola de Souza Levantadora 32 1,84 70   Osasco VC   DF
4 Juma da Silva Levantadora 22 1,81 68   São Caetano EC   PA
5 Macris Carneiro Levantadora 26 1,78 59   EC Pinheiros   SP
6 Roberta Ratzke Levantadora 25 1,85 68   Rio de Janeiro VC   PR
7 Ana Paula da Cruz Oposto 21 1,87 76   São Caetano EC   SP
8 Ivna Marra Oposto 25 1,85 82   EC Pinheiros   MG
9 Jéssica Silva Oposto 28 1,91 76   IAV Brasília   SP
10 Joyce Silva Oposto 30 1,91 70   Daejeon KGC   SP
11 Monique Pavão Oposto 28 1,78 79   Rio de Janeiro VC   RJ
12 Adenízia da Silva Central 28 1,87 70   Pallavolo Scandicci   MG
13 Ana Carolina da Silva Central 24 1,83 73   Nilüfer Belediye Bursa   MG
14 Angélica Malinverno Central 25 1,90 83   IAV Brasília   RS
15 Bárbara Bruch Central 27 1,88 78   Sesi-SP   SC
16 Francynne Jacintho Central 22 1,88 75   EC Pinheiros   PR
17 Juciely Barreto Central 34 1,84 72   Rio de Janeiro VC   MG
18 Letícia Hage Central 24 1,89 83   Praia Clube   SP
19 Mayhara da Silva Central 26 1,84 73   Rio de Janeiro VC   SP
20 Mara Leão Central 23 1,92 81   Minas Tênis Clube   MG
21 Thaísa Menezes Central 27 1,96 77   Eczacıbaşı   RJ
22 Ellen Braga Ponta 23 1,79 74   EC Pinheiros   PE
23 Fernanda Garay Ponta 28 1,79 74   Praia Clube   RS
24 Gabriela Guimarães Ponta 21 1,80 60   Rio de Janeiro VC   MG
25 Jaqueline Carvalho Ponta 31 1,86 70   Minas TC   PE
26 Mari Paraíba Ponta 28 1,80 67   Osasco VC   PB
27 Michelle Pavão Ponta 28 1,78 68   IAV Brasília   RJ
28 Natália Pereira Ponta 26 1,84 82   Vakifbank   PR
29 Rosamaria Montibeller Ponta 21 1,84 74   Minas Tênis Clube   SC
30 Suelle Oliveira Ponta 28 1,86 71   Sesi-SP   PR
31 Camila Brait Líbero 26 1,70 59   Osasco VC   MG
32 Léia Silva Líbero 30 1,69 58   Minas Tênis Clube   SP
33 Wélissa Gonzaga Líbero 32 1,80 85   Praia Clube   MG
1 Fabiana Claudino Central 32 1,93 76   Praia Clube  
José Roberto Guimarães Treinador

Ver tambémEditar

Referências

  1. «CBV anuncia parceria com a Asics». CBV. 16 de janeiro de 2017. Consultado em 21 de janeiro de 2017. Cópia arquivada em 21 de janeiro de 2017 
  2. Gabriel Rodrigues, João (27 de maio de 2017). «Com moral, Natália vira capitã da seleção: "Vou tentar dar o melhor exemplo"». globoesporte.com. Grupo Globo. Consultado em 4 de junho de 2017. Cópia arquivada em 4 de junho de 2017 
  3. «FIVB Senior World Ranking - Women». FIVB (em inglês). 22 de agosto de 2016. Consultado em 14 de setembro de 2016 
  4. a b c d Sormani, Fábio (23 de agosto de 2008). «Brasil é campeão olímpico pela primeira vez no vôlei feminino». IG. Consultado em 24 de agosto de 2013. Arquivado do original em 20 de maio de 2009 
  5. a b c Alves, Rodrigo; Danielle Rocha (11 de agosto de 2012). «Brasil renasce após o primeiro set, domina as americanas e é bi no vôlei». GloboEsporte.com. Organizações Globo. Consultado em 24 de agosto de 2013 
  6. «Seleção feminina do Brasil é tetra do Grand Prix de vôlei». UOL. 1 de agosto de 2004. Consultado em 24 de agosto de 2013 
  7. a b «Brasil é penta no Grand Prix de Vôlei». Paraná Online. Agência Estado. Consultado em 24 de agosto de 2009 
  8. Martins, Aretha (13 de setembro de 2006). «Invicto, Brasil é hexa no Grand Prix». Mundo do Vôlei. IG. Consultado em 24 de agosto de 2013 
  9. a b «Heptacampeão, Brasil bate Japão e fecha fase final invicto». UOL Esporte. 13 de julho de 2008. Consultado em 24 de agosto de 2013 
  10. a b «No dia em que o ouro olímpico completa 1 ano, Brasil conquista o octa do Grand Prix». GloboEsporte.com. Organizações Globo. 23 de agosto de 2009. Consultado em 24 de agosto de 2013 
  11. a b «Brazil clinch ninth World Grand Prix title with perfect record». FIVB (em inglês). 1 de setembro de 2013. Consultado em 2 de setembro de 2013 
  12. «Brasil embolsa a China, acaba com jejum e é eneacampeão do Grand Prix». GloboEsporte.com. Organizações Globo. 1 de setembro de 2013. Consultado em 2 de setembro de 2013 
  13. a b «Brazil sweep Japan to land record 10th World Grand Prix title». FIVB (em inglês). 24 de agosto de 2014. Consultado em 25 de agosto de 2014 
  14. a b «Com paciência oriental, Brasil vence Japão e conquista deca do Grand Prix». GloboEsporte.com. Organizações Globo. 24 de agosto de 2014. Consultado em 25 de agosto de 2014 
  15. a b c «Brazil win record 11th title in World Grand Prix». FIVB (em inglês). 10 de julho de 2016. Consultado em 13 de julho de 2016. Cópia arquivada em 13 de julho de 2016 
  16. a b Gabriel Rodrigues, João (10 de julho de 2016). «No caminho para o Rio, Brasil renasce, bate EUA e leva 11º título do Grand Prix». globoesporte.com. Grupo Globo. Consultado em 13 de julho de 2016. Cópia arquivada em 13 de julho de 2016 
  17. a b «FIVB Junior & Youth World Ranking - Women». FIVB (em inglês). 5 de agosto de 2013. Consultado em 3 de setembro de 2013 
  18. «SELEÇÃO BRASILEIRA ADULTA FEMININA: Técnico Zé Roberto afirma que Brasil é o time a ser batido». Federação Mineira de Voleibol. Consultado em 31 de julho de 2009 
  19. Histórico no ranking da Federação Internacional de Voleibol:
  20. Neves, Felipe (20 de novembro de 2005). «Brasil conquista a Copa dos Campeões de vôlei feminino». Folha de S. Paulo. Folha Online. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  21. a b «Brasil é vice no Mundial feminino de vôlei». UOL. 16 de novembro de 2006. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  22. a b c Lopes, Lello (19 de julho de 2007). «Brasil volta a falhar em momentos decisivos e fica com a prata». UOL Esporte. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  23. «Aniversariante, Mari ganha festa: 'Deus sabia o dia em que eu tinha de nascer'». GloboEsporte.com. Organizações Globo. 24 de agosto de 2009. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  24. «Zé Roberto diz que a seleção brasileira chegou à final do Grand Prix 'no limite'». GloboEsporte.com. Organizações Globo. 23 de agosto de 2009. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  25. a b «Sheilla é eleita a melhor do Grand Prix e prega cautela: 'Não somos imbatíveis'». GloboEsporte.com. Organizações Globo. 23 de agosto de 2009. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  26. a b «Sheilla é eleita a melhor jogadora do GP; Fabiana também fatura prêmio». UOL Esporte. 23 de agosto de 2009. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  27. Aerts, Gabriela. «Copa dos Campeões: Brasil vence último jogo do ano e garante a medalha de prata». Final Sports. Consultado em 18 de novembro de 2009 
  28. Oliveira, Carol (15 de novembro de 2009). «Japão se esforça, mas Itália leva a Copa dos Campeões e deixa o Brasil com o vice». GloboEsporte.com. Organizações Globo. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  29. Oliveira, Carol (16 de novembro de 2009). «Após vice na Copa dos Campeões, Zé Roberto avalia o ano: 'Estou satisfeito'». GloboEsporte.com. Organizações Globo. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  30. «Once more... it is Brazil to celebrate Olympic gold!». FIVB (em inglês). 11 de agosto de 2012. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  31. «Brazil stay perfect to clinch gold in World Grand Prix Finals». FIVB (em inglês). 1 de setembro de 2013. Consultado em 2 de setembro de 2013 
  32. «Brazil clinch second title in Grand Champions Cup». FIVB (em inglês). 17 de novembro de 2013. Consultado em 18 de novembro de 2013 
  33. «Brasil segura a pressão, bate Japão e conquista o bi da Copa dos Campeões». GloboEsporte.com. Organizações Globo. 17 de novembro de 2013. Consultado em 18 de novembro de 2013 
  34. a b «World No. 1 Brazil clinch bronze in epic five-set battle». FIVB (em inglês). 12 de outubro de 2014. Consultado em 12 de outubro de 2014 
  35. Gismondi, Lydia (12 de outubro de 2014). «Brasil esquece tristeza, impede virada italiana e fatura o bronze no tie-break». GloboEsporte.com. Organizações Globo. Consultado em 12 de outubro de 2014 
  36. «Líderes, Sheilla e Fabiana valorizam bronze». Saque Viagem. 12 de outubro de 2014. Consultado em 23 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 18 de outubro de 2014 
  37. «Vôlei brasileiro leva prêmio de melhor equipe feminina em Londres 2012». GloboEsporte.com. Organizações Globo. 7 de novembro de 2014. Consultado em 13 de novembro de 2014 
  38. «Seleção feminina de vôlei do Brasil eleita a melhor equipe de Londres-2012». UOL Esporte. 7 de novembro de 2014. Consultado em 13 de novembro de 2014 
  39. a b Geraldo Azevedo, José (4 de maio de 2015). «De olho no futuro, Zé Roberto convoca seleção e poupa Sheilla e Fabiana». GloboEsporte.com. Organizações Globo. Consultado em 27 de julho de 2015 
  40. «Depois de Bia e Suelen dizerem não, Fabíola pede dispensa da seleção». GloboEsporte.com. Organizações Globo. 5 de maio de 2015. Consultado em 27 de julho de 2015 
  41. «Thaísa anuncia cirurgia e pode ficar quatro meses longe das quadras». GloboEsporte.com. Organizações Globo. 27 de maio de 2015. Consultado em 27 de julho de 2015 
  42. a b «Seleção Feminina fica com a prata nos Jogos Pan-Americanos de Toronto». Melhor do Vôlei. 26 de julho de 2015. Consultado em 26 de julho de 2015 
  43. Abramvezt, David (26 de julho de 2015). «Brasil bate Itália em saideira e vai ao pódio em terceiro lugar no Grand Prix». GloboEsporte.com. Organizações Globo. Consultado em 27 de julho de 2015 
  44. a b «Dream turns to nightmare as Brazil crash out of Rio 2016». FIVB (em inglês). 16 de agosto de 2016. Consultado em 14 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2016 
  45. «Hosts Brazil grab top place in women's Pool A». FIVB (em inglês). 14 de agosto de 2016. Consultado em 14 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2016 
  46. Kneipp, Mariana (14 de novembro de 2010). «Brasil cai diante da Rússia e vê sonho do Mundial bater na trave outra vez». GloboEsporte.com. Organizações Globo. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  47. «Passaporte carimbado». UOL Esporte. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  48. «Brasil fecha participação com vitória e vice na Copa do Mundo no Japão». IG. 16 de novembro de 2007. Consultado em 29 de agosto de 2013. Arquivado do original em 2 de janeiro de 2008 
  49. «COPA DO MUNDO FEMININA DE VÔLEI - Brasil iguala melhores marcas já obtidas : é vice-campeão ao derrotar as japonesas». CBV. 16 de novembro de 2007. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  50. a b Lomba, Gabriele (21 de outubro de 2011). «Fantasma assusta, mas Brasil passa pelas cubanas e leva o ouro no vôlei». GloboEsporte.com. Organizações Globo. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  51. a b Canossa, Carolina; Leonardo Siegl (21 de outubro de 2011). «Brasil se vinga e bate Cuba na final do vôlei feminino». R7. Central Record de Comunicação. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  52. Rebello, Helena (23 de julho de 2011). «Após começo ruim, seleção feminina reage e Brasil conquista ouro no vôlei». GloboEsporte.com. Organizações Globo. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  53. «Dia 9 dos JMM: futebol e vôlei faturam três ouros; no boxe, prata e sangue». GloboEsporte.com. Organizações Globo. 10 de outubro de 2015. Consultado em 11 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2015 
  54. «FIVB Junior & Youth World Ranking - Women». FIVB (em inglês). 15 de janeiro de 2010. Consultado em 29 de agosto de 2013. Arquivado do original em 9 de junho de 2010 
  55. «FIVB Junior & Youth World Ranking - Women». FIVB (em inglês). 22 de agosto de 2011. Consultado em 29 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 24 de julho de 2012 
  56. «FIVB Junior & Youth World Ranking - Women». FIVB (em inglês). 10 de abril de 2013. Consultado em 3 de setembro de 2013 
  57. «SELEÇÃO JUVENIL FEMININA: Meninas do Brasil vencem o Peru em Trujillo». CBV. 29 de julho de 2010. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  58. «SELEÇÃO JUVENIL FEMININA: Brasil vence a Copa Glória». CBV. 2 de agosto de 2010. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  59. «Brazil are 2015 Women's U23 World Champions». FIVB (em inglês). 19 de agosto de 2015. Consultado em 20 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2015 
  60. «Na casa das rivais, meninas do Brasil batem Turquia e levam Mundial sub-23». GloboEsporte.com. Organizações Globo. 19 de agosto de 2015. Consultado em 20 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2015 
  61. «Bernard Rajzman». Hall da Fama do Voleibol (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 29 de outubro de 2013 
  62. «Jackie Silva». Hall da Fama do Voleibol (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2013 
  63. «Carlos Nuzman». Hall da Fama do Voleibol (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2013 
  64. a b c «Ana Moser». Hall da Fama do Voleibol (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 5 de outubro de 2013 
  65. a b «Shelda Bede & Adriana Behar (Team)». Hall da Fama do Voleibol (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada (PDF) em 5 de outubro de 2013 
  66. «Maurício Lima». Hall da Fama do Voleibol (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 5 de outubro de 2013 
  67. «Nalbert Bitencourt». Hall da Fama do Voleibol (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2015 
  68. «Sandra Pires». Hall da Fama do Voleibol (em inglês). Consultado em 23 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2015 
  69. «Bebeto de Freitas». Hall da Fama do Voleibol (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2016 
  70. «Hélia Souza Pinto (Fofão)». Hall da Fama do Voleibol (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2016 
  71. «Renan Dal Zotto». Hall da Fama do Voleibol (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2016 
  72. «Emanuel Rego». Hall da Fama do Voleibol (em inglês). Consultado em 2 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2016 
  73. «SUDAMERICANO INFANTIL: Brasil, Argentina y Perú se consagraron los mejores del Continente». CSV (em espanhol). 16 de novembro de 2013. Consultado em 18 de novembro de 2013 
  74. «Brasil domina Alemanha e começa novo ciclo olímpico com título no Torneio de Montreux». globoesporte.com. Grupo Globo. 11 de junho de 2017. Consultado em 12 de junho de 2017. Cópia arquivada em 12 de junho de 2017 
  75. «Brazil reign supreme at Montreux Masters for seventh time». FIVB (em inglês). 11 de junho de 2017. Consultado em 12 de junho de 2017. Cópia arquivada em 12 de junho de 2017 
  76. «SUDAMERICANO MENORES: Argentina, Brazil y Perú alcanzan el podio y clasifican al Mundial de Menores 2015». CSV (em espanhol). 7 de julho de 2014. Consultado em 16 de julho de 2014 
  77. «SUL-AMERICANO INFANTIL FEMININO: Brasil é campeão». CBV. 26 de novembro de 2011. Consultado em 5 de outubro de 2014 
  78. «SUDAMERICANO JUVENIL: Brasil campeón y clasificado al Mundial». CSV (em espanhol). 5 de outubro de 2014. Consultado em 5 de outubro de 2014 
  79. «Sem perder sets, seleção feminina de vôlei fatura seu 16º Sul-Americano». UOL Esporte. 4 de outubro de 2009. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  80. «Após ouro, líbero Fabi é eleita a melhor jogadora do Sul-Americano de vôlei». UOL Esporte. 4 de outubro de 2009. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  81. «Claudino gives credit to teammates for MVP award». FIVB (em inglês). 17 de novembro de 2013. Consultado em 18 de novembro de 2013 
  82. «Fabiana é eleita MVP da Copa dos Campeões e credita prêmio ao time». GloboEsporte.com. Organizações Globo. 17 de novembro de 2013. Consultado em 18 de novembro de 2013 
  83. «Após título, Fernanda Garay é eleita a MVP em Montreux: 'Prêmio de todas'». GloboEsporte.com. Organizações Globo. 3 de junho de 2013. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  84. a b «Oposto Joycinha comemora primeiro prêmio individual pela seleção». Esportesite.com.br. 15 de setembro de 2009. Consultado em 18 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 31 de dezembro de 2012 
  85. Leme, Fabio (4 de outubro de 2015). «MVP, Gabi se diz surpresa com prêmio e acha cedo pensar nas Olimpíadas». GloboEsporte.com. Organizações Globo. Consultado em 6 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 6 de outubro de 2015 
  86. «Silva Juma honoured with U23 World Championship MVP award». FIVB (em inglês). 19 de agosto de 2015. Consultado em 20 de agosto de 2015. Cópia arquivada em 20 de agosto de 2015 
  87. «BRASIL ORO, ARGENTINA PLATA Y PERÚ BRONCE EN EL SUDAMERICANO U20 DE UBERABA». CSV (em espanhol). 30 de outubro de 2016. Consultado em 2 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 2 de novembro de 2016 
  88. Gabriel Rodrigues, João (10 de julho de 2016). «Natália é eleita a melhor do Grand Prix; Thaísa e Sheilla entram na seleção». globoesporte.com. Grupo Globo. Consultado em 13 de julho de 2016. Cópia arquivada em 13 de julho de 2016 
  89. Almeida, Nathália (6 de Agosto de 2017). «Líder, capitã, MVP: a importância de Natália para a conquista do Grand Prix 2017». Vavel. Consultado em 12 de Agosto de 2017 
  90. a b «Paula Pequeno é eleita a melhor jogador das Olimpíadas». Paulapequeno.com.br. Consultado em 18 de fevereiro de 2016. Arquivado do original em 29 de agosto de 2013 
  91. «Campeonato Sudamericano Femenino de Adultos: Brasil conquista su 15º título Sudamericano». CSV (em espanhol). 30 de setembro de 2007. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  92. «Yellow and green shine at the Rainbow». FIVB (em inglês). 20 de novembro de 2005. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  93. «Brazilian Sheilla Castro the MVP of the Pan Am Cup». NORCECA (em inglês). 9 de julho de 2011. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  94. «Brasil leva quatro prêmios individuais, e Sheilla é MVP do Sul-Americano». GloboEsporte.com. Organizações Globo. 3 de outubro de 2011. Consultado em 29 de agosto de 2013 
  95. «Brasil es oro en el XX Sudamericano U18, Perú plata y Argentina bronce». CSV (em espanhol). 29 de agosto de 2016. Consultado em 14 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2016 
  96. «Thaísa recebe o MVP do Grand Prix 2013 e Fabi também está entre as melhores». Melhor do Vôlei. 1 de setembro de 2013. Consultado em 23 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 26 de julho de 2014 
  97. «José Roberto Guimarães anuncia lista de 33 jogadoras para a temporada». CBV. 4 de maio de 2015. Consultado em 9 de maio de 2015 
  98. «Superliga Feminina/Equipes». CBV. Clique na sigla do clube da respectiva atleta para conferir o peso e a naturalidade dela. Consultado em 9 de maio de 2015 

Ligações externasEditar