Seleção Salvadorenha de Futebol

El Salvador
FESFUT logo.svg.png
Alcunhas?  La Selecta
La Selecta Cuscatleca
Cuscatlecos
La Azul y Blanco
Associação Federação Salvadorenha de Futebol
Confederação CONCACAF
Material desportivo?  Inglaterra Umbro
Treinador México Carlos de los Cobos
Capitão Henry Hernández
Mais participações Alfredo Pacheco (88)
Melhor artilheiro Raúl Díaz Arce (39)
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
titular
Cores do Time Cores do Time Cores do Time
Cores do Time
Cores do Time
Uniforme
alternativo

A Seleção Salvadorenha de Futebol (Selección Salvadoreña de Fútbol em espanhol) representa El Salvador no futebol internacional e é sancionada pela Federación Salvadoreña de Fútbol (FESFUT). Em 1899, Santa Ana e San Salvador reuniram-se para o primeiro jogo de futebol em El Salvador. O primeiro jogo da seleção de El Salvador foi em setembro de 1921, quando foram convidados para participar de um torneio para comemorar os 100 anos da Independência da América Central.

El Salvador disputou duas Copas do Mundo da FIFA: a primeira em 1970 e depois em 1982, mas nunca foi além da primeira fase do torneio. Eles foram os campeões da CCCF de 1943, e terminaram em segundo lugar em 1941 e 1961. Eles competiram nos torneios regionais da CONCACAF por treze vezes, terminando como vice-campeões em 1963 e 1981. La Selecta também compete na bienal Copa das Nações UNCAF, nos Jogos Pan-Americanos, Jogos Olímpicos e conseguiram duas medalhas de ouro nos Jogos Centro-Americanos e do Caribe.

O Estádio Cuscatlán, também conhecido como "El Coloso de Montserrat" e "La Catedral del Espectaculo", é o estádio oficial da seleção. Desde 2008, a equipe nacional tem um contrato de patrocínio com a inglesa Mitre. Em março de 2012, Raúl Díaz Arce tornou-se o artilheiro da seleção com 39 gols, enquanto Alfredo Pacheco (falecido em 2015) é o jogador com mais aparições na equipe (86 jogos). A seleção de El Salvador é atualmente treinada pelo mexicano Carlos de los Cobos, que disputou a Copa de 1986 pela seleção de seu país.

Na Copa do Mundo de 1982, El Salvador sofreu a maior goleada da história das Copas, um 10 a 1 a favor dos magiares.

HistóriaEditar

O começo da seleçãoEditar

O futebol salvadorenho nasceu na cidade de Santa Ana em um campo chamado Campo de Marte. Foi a primeira vez que o futebol foi jogado em El Salvador. Aquele primeiro jogo deu-se no dia 26 de julho de 1899, com jogadores de Santa Ana e de San Salvador. Ambas as equipes tinham jogadores estrangeiros da Inglaterra, que é creditada como a responsável pela entrada do futebol em El Salvador. A equipe local venceu por 2-0.

Apesar de El Salvador ter jogado poucos jogos no início do século XX, eles não se tornaram uma seleção completa até 1921, quando jogadores, como José Pablo Huezo, Carlos Escobar Leiva e Santiago Barrachina, revolucionaram o futebol no país. Em setembro de 1921, El Salvador foi convidado a ir para a Guatemala para fazer parte dos Jogos do Centenário da Independência, para celebrar os 100 anos da Independência da América Central. O torneio estava comprometido, já que apenas Guatemala, Honduras, Costa Rica e El Salvador estavam aptas a participar. Pelo fato, guatemaltecos e costarriquenhos tinham mais experiência com futebol do que os salvadorenhos e os hondurenhos. Foi um torneio eliminatório, ou formato de rodízio, com a Guatemala jogando contra Honduras e El Salvador, contra a Costa Rica. El Salvador, que estava vestindo shorts brancos e camisas pretas, experimentou o clássico esquema táctico 2-3-5 com Carlos Escobar Levya; Santiago Barrachina, José Pablo Huezo; Benjamín Sandoval, Emilio Dawson e o francês Emilio Detruit; Víctor Recinos, os irmãos Guillermo e José Alcaine, Guillermo Sandoval e Enrique Lindo. Pelo primeiro tempo, a Costa Rica já vencia por 3-0, e ao final dos 80 minutos (40 minutos para cada tempo), a seleção costarriquenha acabou vencendo por 7-0. Apesar da derrota, este torneio é visto por muitos como o estopim da seleção de El Salvador.

Depois do torneio da Guatemala de 1921, El Salvador só jogou outros 3 amistosos internacionais, contra a Costa Rica e contra Honduras. El Salvador perdeu a primeira partida de 3-0 contra a Costa Rica, enquanto as segunda e terceira partidas perdeu de 1-0 e empatou sem gols contra Honduras. Em 7 de dezembro de 1928, El Salvador registrou sua primeira vitória: um 5-0 sobre Honduras, a equipe que se tornaria tempos mais tarde sua principal rival. A partida foi jogada em Campo Marte, San Salvador, e não foi só a primeira vitória de El Salvador, mas foi a primeira vez que a seleção marcou pelo menos 1 gol em uma partida internacional. No dia, Gustavo "Taviche" Marroquin tornou-se o primeiro jogador salvadorenho a marcar 5 gols em uma única partida pela seleção de El Salvador, uma façanha mais tarde igualada por Miguel Cruz e Rudis Corrales.

Anos 1930Editar

No início dos anos 1930, El Salvador designou seu primeiro técnico oficial, o estadunidense Mark Scott Thompson, em preparação para os Jogos Centro-Americanos de 1930 em Havana, Cuba. El Salvador terminou em quarto lugar. A Federación Salvadoreña de Fútbol, a organização oficial de futebol de El Salvador, foi fundada em 1935. Nessa, El Salvador eram treinada pelo espanhol Pablo Ferre Elías. Os Jogos Centro-Americanos de 1935, hospedados por El Salvador, teve lugar no novo estádio financiado pelo governo, o Estádio Flor Blanca: na época, o maior estádio do país. A seleção salvadorenha consistia de Edmundo Majano como goleiro; Tobias Rivera e Raúl Castro na defesa; Américo Gonzalez e Napolean Cañas como meio-campistas; e Alex Morales, Rogelio Aviles, Fidel Quintanilla, Miguel "Americano" Cruz e Andres Hernandez como atacantes. Anteriormente, a seleção usava camisas listradas em preto e branco, e esta foi a primeira vez que eles apareceram com uma nova faixa azul. A equipe melhorou seu desempenho ao longo dos jogos anteriores, terminando em terceiro lugar como vencedores da medalha de bronze.

Em 1938, a Federación Salvadoreña de Fútbol tornou-se afiliada à FIFA. Mais uma vez, a seleção de El Salvador participou dos Jogos Centro-Americanos de 1938, no Panamá, que foi vencido pelo México, com a Costa Rica em segundo lugar. El Salvador venceu dois jogos e perdeu três de cinco jogados. A disputa do terceiro lugar entre Colômbia e El Salvador foi agendada, mas foi cancelada devido ao mau estado físico dos jogadores. El Salvador terminou em quarto lugar pelo saldo de gols.

Anos 1940-1950Editar

Em 26 de abril de 1940, a primeira federação nacional de futebol foi aprovada, com o Dr. Luis Rivas Palacios como presidente. Em 1941, a primeira competição internacional na CONCACAF, o corpo governante do futebol continental na América do Norte, América Central e Caribe, a Campeonato Centro-Americano e Caribenho (CCCF) teve lugar na Costa Rica. El Salvador participou pela primeira vez ao lado de equipes como Costa Rica, Curaçao, Panamá e Nicarágua. El Salvador foi vice-campeão, tendo duas vitórias, um empate e uma derrota.

O CCCF de 1943 teve lugar em San Salvador com a participação de Guatemala, Nicarágua e Costa Rica. A seleção salvadorenha foi treinada pelo ex-jogador Américo González. No final do torneio, El Salvador e Guatemala terminaram com o mesmo número de pontos e por isso tiveram de jogar um desempate. Em 21 de dezembro, Guatemala não apareceu para o jogo, resultando em El Salvador declarando-se vencedor do Campeonato por saldo de gols. Este foi o primeiro título internacional da seleção. A vitória de El Salvador de 10-1 sobre a Nicarágua atingiu o recorde da equipe como maior número de gols marcados em um só jogo. Foi também a segunda vez que um jogador de El Salvador (Miguel "Americano" Cruz) marcou cinco gols em uma única partida. El Salvador participou do CCCF de 1946, hospedado na Costa Rica, ao lado de seis outros participantes. A seleção terminou em segundo lugar, vencendo três partidas e perdendo duas. Em 1948, a seleção de El Salvador participou de seu quarto CCCF, desta vez na Guatemala, junto às equipes de cinco outros países. Pela terceira vez, a Costa Rica venceu o campeonato, e El Salvador terminou em quinto.

El Salvador foi convidado pelo Brasil, mas recusou um convite para jogar a Copa do Mundo FIFA de 1950, e não participou das eliminatórias para as Copas do Mundo seguintes, em 1954, 1958, 1962 e 1966. As razões para essas recusas seriam possivelmente devido a problemas econômicos, já que naquela época, eles nunca tinham jogado tão longe de casa. Naquela época, tinha-se um bom quadro de jogadores como o goleiro Manuel "Tamalon" Garay, Rafael "Chapuda" Reyes, Conrado Miranda, Miguel "Americano" Cruz, Rafael Corado, Mando Rivas, entre outros.

Desempenho em Copas do MundoEditar

Desempenho na Copa OuroEditar

  • 1991 a 1993: Não se classificou
  • 1996: Primeira Fase
  • 1998: Primeira Fase
  • 2000: Não se classificou
  • 2002: Quartas de final
  • 2003: Quartas de final
  • 2005: Não se classificou
  • 2007: Primeira Fase
  • 2009: Primeira Fase
  • 2011: Quartas de final
  • 2013: Quartas de final
  • 2015: Primeira Fase
  • 2017: Quartas de final
  • 2019: Primeira Fase

Elenco atualEditar

Os 23 jogadores a seguir foram selecionados para o amistoso contra   Islândia no dia 19 de janeiro de 2019.

Atualizado até 01 de abril

Nome Posição Clube
Hernández Goleiro   Malacateco
Carabantes Goleiro   Municipal Limeño
Pleitez Goleiro   Isidro Metapán
Barahona Defesa   Sacramento Republic
Domínguez Defesa   Bolívar
Mancia Defesa   Alianza
Méndoza Defesa   Santa Tecla
Marroquín Defesa   Alianza
Jiménez Defesa   Alianza
Tamacas Defesa   Santa Tecla
Orellana Médio   Alianza
Darwin Cerén Médio   Houston Dynamo
Óscar Cerén Médio   Alianza
Portillo Médio   Alianza
Monterrosa Médio   Alianza
Punyed Médio   Reykjavikur
Pineda Médio   Estoril
Granitto Médio   Miami
Flores Médio   Portland Timbers
Rivas Médio   Saint Louis
Rivera Avançado   Aurora
Gil Avançado   Gent
Zelaya Avançado   Celaya
Carlos de los Cobos Treinador

RecordesEditar

TreinadoresEditar

Nome Período na Seleção
  Mark Scott Thompson 1930–1935
  Pablo Ferré Elías 1935–1938
 /  Máximo Garay 1940–1941
  Mickey Slade 1941–1943
  Américo González 1943–1948
  Rodolfo Orlandini 1949–1951
  Marcelo Estrada 1953
  Carbilio Tomasino 1954–1959
  Emilio Guardado 1959–1960
  Conrado Miranda 1961
  Luis Comitante 1963
  Hernán Carrasco Vivanco 1965–1967
  Rigoberto Guzmán 1968
  Gregorio Bundio 1968–1970
  Hernán Carrasco Vivanco 1970
  Conrado Miranda 1971
  Hector Alfredo D'Angelo 1972
  Jorge Tupinambá 1973
  Mauricio Rodríguez 1973–1974
  Conrado Miranda 1975
  Marcelo Estrada 1975–1976
  Raúl Alfredo Magaña 1976
  Aurélio Pinto Beltrão 1976
  Juan Ricardo Faccio 1977
  Julio Contreras 1977
  Ricardo Tomasino 1978
  Raúl Alfredo Magaña 1979
  Salvador Mariona 1979
  Mauricio Rodríguez 1979–1982
  Armando Palma 1983
  Raúl Alfredo Magaña 1984
  Juan Quarterone 1984–1985
  Paulo Roberto Cabrera 1986
  Raúl Alfredo Magaña 1987
  Milovan Đorić 1988
  Miroslav Vukašinović 1988–1989
  Conrado Miranda 1989
  Kiril Dojčinovski 1989
  Óscar Benítez 1991
  Jorge Aude 1991
  Aníbal Ruiz 1992
  Jorge Vieira 1993
  Néstor Matamala 1993
  Ricardo Tenorio 1993
  Kiril Dojčinovski 1994
  José Omar Pastoriza 1995–1996
  Armando Palma 1996
  Milovan Đorić 1997
  Kiril Dojčinovski 1998
  Julio Escobar 1998
  Marinho Peres 1999
  Ricardo Tenorio 1999
  Óscar Benítez 1999-2000
  Carlos Recinos 2000–2002
  Juan Ramón Paredes 2002–2004
  Armando Palma 2004
  Carlos Cavagnaro 2005
  Miguel Aguilar 2005–2006
  Carlos de los Cobos 2006–2009
  José Luis Rugamas 2010–2011
  Rubén Israel 2011–2012
  Juan de Dios Castillo 2012
  Agustín Castillo 2012–2013
  Mauricio Alfaro 2014
  Albert Roca 2014–2015
  Jorge Rodríguez 2015
  Ramón Maradiaga 2015–2016
  Eduardo Lara 2016–2017
  Carlos de los Cobos 2018-

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c FIFA.com (novembro de 2015). «Ranking Mundial da FIFA/Coca-Cola». Consultado em 11 de novembro de 2015