Seleuco V Filómetor

Seleuco V Filómetor (? — 125 a.C.) foi um pretendente ao reino do Império Selêucida, por um breve tempo.

Seleuco V Filómetor
Pseudônimo(s) Seleucus
Nascimento século II a.C.
Morte 125 a.C.
Cidadania Império Selêucida
Progenitores
Irmão(s) Antíoco VI Teos Epifânio, Antíoco IX de Cízico, Antíoco VIII Filómetor
Ocupação soberano

FamíliaEditar

Demétrio II Nicátor e Cleópatra Teia tiveram dois filhos, Seleuco V e Antíoco Gripo.[1] Demétrio II era filho de Demétrio I Sóter.[2][3] Cleópatra Teia, filha de Ptolemeu VI Filómetor, havia sido casada com Alexandre Balas,[4] e, depois de Demétrio, casou-se com seu irmão Antíoco VII Sideta, com quem teve um filho, Antíoco IX de Cízico.[1] Na Batalha de Antioquia (145 a.C.), no quarto ano da 158a olimpíada, morreram Alexandre Balas e Ptolemeu VI Filómetor, mas Demétrio II Nicátor sobreviveu.[2]

Breve reinadoEditar

Demétrio II, durante seu cativeiro de dez anos entre os partas,[5] havia se casado com Rodogina, e foi morto por Cleópatra Teia.[1] De acordo com outra versão, Ptolemeu Fiscão instalou Alexandre Zabinas como rei da Síria; Demétrio foi derrotado em uma batalha perto de Damasco, tentou fugir para Tiro, que recusou sua entrada, e foi morto ao tentar escapar de barco, no primeiro ano da 164a olimpíada.[5]

Após Alexandre Zabinas haver derrotado Demétrio e se tornado rei da Síria, Seleuco colocou o diadema real, sem a permissão de sua mãe, e ela o assassinou.[6] Seleuco V tornou-se rei, mas foi assassinado por sua própria mãe com uma flexa, porque ela temia que ele vingasse o pai, ou porque ela havia se tornado louca e passou a odiar todo mundo.[7]

SucessãoEditar

Seu sucessor foi seu irmão Antíoco VIII Filómetor (também conhecido como Antíoco Gripo).[7] Antíoco VIII Filómetor foi indicado por sua mãe para tornar-se rei da Síria.[6] Alexandre Zabinas, que havia se tornado rei com apoio de Ptolemeu VIII Evérgeta II, passou a desrespeitar Ptolemeu e este, casando sua filha Trifena com Antíoco VIII Gripo, ajudou Gripo a conquistar o trono da Síria.[8]

Cleópatra Teia tentou matar Antíoco VIII dando uma bebida envenenada, mas Antíoco forçou-a a beber e morrer do próprio veneno.[7][8]

Referências

  1. a b c Apiano, História Romana, As Guerras Sírias, 68 [em linha]
  2. a b Eusébio de Cesareia, Crônica, 96, Os reis da Ásia Menor após a morte de Alexandre, o Grande
  3. Apiano, História Romana, As Guerras Sírias, 67 [em linha]
  4. Bar Hebreu, Cronografia, Livro VII, O primeiro reino dos gregos, Aqui começa a sétima série, que passa dos reis dos persas até os gregos pagãos
  5. a b Eusébio de Cesareia, Crônica, 97, Os reis da Ásia Menor após a morte de Alexandre, o Grande
  6. a b Justino, Epítome das Histórias de Pompeu Trogo, 39.1 [em linha]
  7. a b c Apiano, História Romana, As Guerras Sírias, 69 [em linha]
  8. a b Justino, Epítome das Histórias de Pompeu Trogo, 39.2 [em linha]

Árvore genealógica baseada no texto, e nos artigos dos outros personagens. Linhas pontilhadas indicam paternidade questionada pelos autores antigos:

Antíoco III Magno
Seleuco IV Filopátor
Antíoco IV Epifânio
Ptolemeu VI Filómetor
Demétrio I Sóter
Antíoco V Eupátor
Alexandre Balas
Cleópatra Teia
Demétrio II Nicátor
Antíoco VII Sideta
Seleuco V Filómetor
Antíoco VIII Filómetor
Antíoco IX de Cízico
Antíoco VI
Alexandre Zabinas