Semundo, o Sábio

Semundo, o Sábio (em latim: Semundus; em nórdico antigo: Sæmundr fróði; 1056-1133) ou Semundo Filho Sigfo (em nórdico antigo: Sæmundr Sigfússon), foi um padre, estudioso e poeta islandês. Semundo estudou em Paris e fundou, na Islândia, uma escola que durou por muito tempo, chamada Oddi. Ele era membro do clã dos Oddaverjar e teve um filho chamado Loftur Sæmundsson

Semundo, o Sábio
Nascimento 1056
Oddi
Morte 22 de maio de 1133
Cidadania Islândia
Filho(s) Loftur Sæmundsson, Eyjólfur Sæmundsson
Ocupação escritor, sacerdote, historiador
Obras destacadas Codex Regius
Religião Igreja Católica

Semundo escreveu uma obra, provavelmente em Latim, sobre a história de reis noruegueses, por volta do ano 1120. O trabalho está perdido, hoje, mas serviu de referência a muitos autores antigos, incluindo Esnorro Esturleu. O poema Nóregs konungatal resume o trabalho de Semundo.

A ele foi atribuída a autoria da Edda Poética, embora ele provavelmente tenha feito simplesmente uma recompilação dos escritos. Mas hoje os estudiosos rejeitam a ideia de que ele possa ter feito a Edda Poética, e até a ideia de seu papel como editor na compilação. A hipótese de que a Edda fosse de autoria de Semundo nasceu quando o bispo de Skálholt, Brynjólfur Sveinsson encontrou um manuscrito (o Códex Régio) que continha a Edda Poética. Em uma carta para um amigo, Brynjólfur mencionava um «grande corpo de sabedoria humana que Semundo, o sábio coletou».

No folclore islandês, Semundo é um personagem que vive mais que o normal e engana o diabo repetidamente.