Sérgio Lima

escritor brasileiro
(Redirecionado de Sergio Lima)
Disambig grey.svg Nota: Se procura por pelo quadrinista brasileiro, veja Sérgio Lima (quadrinista).

Sérgio Cláudio de Franceschi Lima (Pirassununga, 1939) é um poeta, artista plástico e pensador brasileiro.

Sérgio Lima
Master of Surrealism, or true savage.
Nascimento 1939 (81 anos)
Pirassununga,  Brasil
Prémios Prémio da Associação Paulista dos Críticos de Arte (1985)
Género literário Poesia

Obteve o título de Doutor em Letras, pela FFLCH-USP, na área de Literatura Brasileira, com a tese "Surrealismo - Polêmica de sua Recepção no Brasil Modernista".

ObraEditar

Como poeta, Sergio Lima distingue-se pela ligação direta com o surrealismo. Seu primeiro livro (Amore) foi mencionado pelo periódico francês La Brèche - Action Surréaliste, dirigido por André Breton, em fevereiro de 1965.

É considerado o maior especialista em surrealismo no Brasil, tendo escrito diversas obras de referência sobre o assunto. Desde os anos 60 mantém ativo o soi-disant Grupo Surrealista de São Paulo, formado em torno de si, com a participação de diversos nomes representativos da literatura e da arte brasileiras ao longo de quase cinco décadas de atuação. Do Grupo Surrealista de São Paulo fizeram parte, em algum momento: Leila Ferraz, Raul Fiker, Nelson Guimarães de Paula, Floriano Martins, Claudio Willer, Konrad Zeller, Marcus Salgado, Alex Januário, entre outros. Nos anos 70, integrou o importante Grupo Phases, liderado por Edouard Jaguer.

Estreou em 1960, com o texto "A planície verde", publicado no primeiro número da revista de cinema e literatura "Delírio", criada em companhia de Gustavo Dahl, Rudá de Andrade, Fernando Seplinski e Jean-Claude Bernardet.

Em 1967, organizou a XIII Exposição Internacional do Surrealismo, na FAAP, em São Paulo, com auxílio de Flávio de Carvalho, de que resultou o primeiro número da revista A Phala. O segundo número foi publicado em 2013, sob direção de Sérgio Lima, contendo as pranchas com as frottages de "Retorno ao selvagem", realizadas em 1957.

Como crítico e ensaísta, escreveu em vários periódicos brasileiros e estrangeiros: Status, Arte em São Paulo, Organon, Imaginário, Revista de Cultura e Mídia, Salamandra, Union Libre, Con-Texto etc.

Seus trabalhos estão incluídos em antologias e coletâneas, no Brasil e em outros países.

Ministrou inúmeros cursos e palestras e coordenou oficinas literárias em universidades, casas de cultura e outras instituições.

Principais obras publicadasEditar

  • Amore. São Paulo: Massao Ohno, 1963.
  • A Phala: Revista do Movimento Surrealista Internacional. São Paulo: Faap, 1967.
  • O corpo significa. São Paulo; Edart, 1976.
  • A festa deitada. São Paulo: Quíron, 1976.
  • Collage em nova superfície: Textos sobre a re-utilização dos resíduos (impressos) do registro fotográfico. São Paulo:.Massao Ohno:Parma: Raul di Pace, 1984.
  • A alta licenciosidade. São Paulo; Edição do Autor, 1985.
  • Aluvião Rei. Lisboa: &etc, 1992.
  • A Aventura Surrealista - Tomo I. Campinas: Unicamp: São Paulo: Unesp, 1995.
  • Poemas Tableaux. Vila Nova de Famalicão: Centro de Estudos do Surrealismo, 2007.
  • Retorno ao Selvagem. Vila Nova de Famalicão: Centro de Estudos do Surrealismo, 2007.
  • O Olhar Selvagem: O Cinema dos Surrealistas. São Paulo: Algol, 2008.
  • Cantos à Mulher Nocturna. Coimbra: Edições Debout sur l´oeuf, 2009.
  • A Aventura Surrealista - Tomo II. Sâo Paulo: Editora da USP, 2010.
  • Secrets in Red and Green (em parceria com o fotógrafo norte-americano Richard Misiano-Genovese). New York: La Belle Inutile, 2013.
  • A Phala 2: Revista do Movimento Surrealista. Sevilla: Publidisa, 2013.
  • O rasgo absoluto. Coimbra: Edições Debout sur l´oeuf, 2016.

Referências

Ligações externasEditar