Sérgio Reis

cantor, compositor, ator, apresentador e político brasileiro
(Redirecionado de Sergio Reis)

Sérgio Reis, nome artístico de Sergio Bavini[1] (São Paulo, 23 de junho de 1940), é um cantor, compositor sertanejo, ator, apresentador televisivo e político ítalo-brasileiro [2] filiado ao Republicanos.[3]

Sérgio Reis
Sérgio Reis em 2005 na festa de lançamento da telenovela América
Nome completo Sérgio Bavini[1]
Nascimento 23 de junho de 1940 (82 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileiro
Estatura 1,93m
Ocupação cantor
Outras ocupações
Carreira musical
Período musical 1958 - presente
Gênero(s)
Gravadora(s)
Influências
Página oficial
sergioreis.com.br

Carreira artísticaEditar

Paulistano nascido no tradicional bairro de Santana, fez parte da Jovem Guarda na década de 1960, criando em 1967 a música "Coração de Papel". Gravou seu primeiro disco de música sertaneja com a música "Menino da Gaita", em 1972. Seguiu-se o sucesso de "Menino da Porteira", "Adeus Mariana", "Disco Voador", "Panela Velha", "Filho Adotivo", "Pinga ni Mim" e várias outras canções. Seu disco O Melhor de Sérgio Reis, lançado em 1981, vendeu mais de 1 milhão de cópias. O cantor optou por adotar o sobrenome de sua mãe, pois não achava o sobrenome de seu pai adequado para o ramo artístico.

Ainda no início de sua carreira, Sergio Reis protagonizou um acontecimento curioso: se apresentou completamente nu em uma show. Segundo o próprio cantor, em entrevista com Pedro Bial, "era uma festa fechada e quem tava lá não podia entrar com roupa. Tinha uns velhos com cueca samba canção tocando violão, com sapato preto e aquelas meias brancas. Eu tava nu. Tinha que entrar nu. Era uma festa com 20 mulheres lindas. Mas eu fui lá para cantar, não fui para sair com ninguém".[4]

No ano de 2002, Sérgio Reis prestou uma homenagem a Roberto Carlos, com o CD intitulado Nossas Canções, onde interpretou músicas gravadas por Roberto Carlos, de autoria deste em parceria com Erasmo Carlos e de outros compositores. No ano de 2003, Sérgio Reis gravou seu primeiro DVD, intitulado Sérgio Reis e Filhos - Violas e Violeiros, e como o próprio título diz, teve seus filhos como músicos na apresentação.[5]

Em 2010, para comemorar os mais de 40 anos de parceira, Sérgio Reis e Renato Teixeira lançaram o álbum (CD e DVD) ao vivo Amizade Sincera, que reuniu clássicos da música sertaneja. Em 3 de março de 2012, o cantor caiu de uma altura de aproximadamente dois metros durante apresentação em show na cidade de Três Marias, em Minas Gerais, e permaneceu internado para exames mais detalhados.[6]

No dia 20 de novembro de 2014, o cantor recebeu o Grammy Latino de Melhor Álbum de Música Sertaneja pelo álbum Questão de Tempo.[7] Em 2015, recebeu o Grammy Latino de Melhor Álbum de Música Sertaneja pelo CD/DVD Amizade Sincera II, em parceria com Renato Teixeira.[8]

DiscografiaEditar

  Nota: Para uma lista completa de álbuns lançados por Sérgio Reis, veja Discografia de Sérgio Reis.

Álbuns de estúdioEditar

FilmografiaEditar

Carreira como atorEditar

Como ator, trabalhou em algumas telenovelas, como Pantanal e A História de Ana Raio e Zé Trovão, na extinta TV Manchete, e Paraíso e O Rei do Gado, na Rede Globo. Seu último trabalho como ator foi na telenovela Bicho do Mato, na Rede Record.

Na telenovela O Rei do Gado, o personagem de Sérgio fazia uma dupla sertaneja com o personagem de Almir Sater, e a dupla era denominada "Pirilampo & Saracura", gravando, inclusive, canções para a trilha sonora.

TelevisãoEditar

 
Sérgio Reis em 2015

CinemaEditar

PolíticaEditar

Sérgio Reis
Deputado federal por São Paulo  
Período 1º de fevereiro de 2015
até 1º de fevereiro de 2019
Dados pessoais
Nome completo Sérgio Bavini
Nascimento 23 de junho de 1940
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileira
Partido PRTB (2005-2009)
PR (2009-2013)
Republicanos (2013-presente)

Em 2010, então filiado ao então Partido da República (PR), lançou-se candidato a deputado federal por Minas Gerais, mas desistiu da disputa.[13] Nas eleições de 2014, concorreu ao mesmo cargo, desta vez pelo Partido Republicano Brasileiro (PRB) e pelo estado de São Paulo,[14] elegendo-se com 45 330 votos.[15] Seu mandato de quatro anos teve início em 1 de fevereiro de 2015.

Naqueles anos, conciliou sua carreira musical com a atuação parlamentar. Na Câmara dos Deputados, ele priorizou aos projetos e discussões voltadas a área da saúde e da previdência social, em especial, as demandas das pessoas da terceira idade ou aposentados.[16] No terceiro ano de seu mandato, foi o deputado que mais recebeu dinheiro em emendas parlamentares, totalizando R$ 8 406 533,39 pagos a ele.[17] Durante sua passagem como deputado, Sérgio Reis usou o microfone poucas vezes e nenhum projeto seu foi aprovado. Foi nessa época que conheceu Jair Bolsonaro.[18]

Em 17 de abril de 2016, Sérgio Reis votou pela autorização do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, na ocasião da votação no plenário da Câmara dos Deputados. Esta sessão perdurou por mais de nove horas e contou com ampla cobertura em tempo real dos principais veículos de comunicação do Brasil.[19][20] Em agosto de 2017, votou a favor do processo em que se pedia abertura de investigação do presidente Michel Temer.[20][21] Com problemas de saúde em 2018, não se candidatou à reeleição.[22] Sua esposa se candidatou em seu lugar, mas não foi eleita, tendo apenas 4 392 votos.[23]

  Vídeos externos
  Sérgio Reis ameaça invadir o STF caso os ministros não renunciem

Após a eleição de Jair Bolsonaro à presidência da República, Sergio Reis se tornou publicamente apoiador do governo Bolsonaro. Em 15 de agosto de 2021 lançou uma mobilização para "parar o Brasil", convocando uma greve geral de caminhoneiros para o dia 7 de setembro, exigindo o voto impresso e impeachment dos ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso. "Nós vamos parar 72 horas. Se não fizer nada, nas próximas 72 horas, ninguém anda no País, não vai ter nem caminhão para trazer feijão para vocês aqui dentro", disse Reis em uma reunião, em Brasília, com representantes do agronegócio, sentado ao lado do presidente da Aprosoja, Antonio Galvan. No encontro, apareceu também o seu amigo e cantor Eduardo Araújo.[24] "Nada vai ser igual, nunca foi igual ao que vai acontecer em 7, 8, 9 e 10 de setembro, e se eles não obedecerem nosso pedido, eles vão ver como a cobra vai fumar, e ai do caminhoneiro que furar esse bloqueio", ameaçou Reis.[25] Líderes da categoria usaram as redes sociais para se manifestar. Wallace Landim, presidente da Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava), alerta que estão tentando usar a categoria como massa de manobra para pautas políticas que não são as deles. "Não nos envolvemos com política, nem a favor de governo ou contra governo, nem a favor do STF ou contra o STF", disse Landim.[26] Além disso, foi vazado um áudio onde Sérgio Reis ameaça invadir o STF caso os ministros não renunciem.[27]

Sérgio Reis passou a ser investigado pelo Departamento de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado da Polícia Civil do Distrito Federal[28] e por operação da Polícia Federal aprovada por Alexandre de Moraes.[29] Ele e outros envolvidos com os protestos de 7 de setembro, como Zé Trovão, sofreram mandatos de busca e apreensão e foram proibidos de chegar a 1 km da Praça dos Três Poderes.[30]

Após a repercussão das declarações, e a pressão do STF o cantor apresentou um quadro de glicemia elevada, passou mal e disse estar com depressão.[31] Ele gravou vídeo dizendo que tinha mandado o áudio como uma brincadeira para seu amigo, e que ele circulou sem a sua autorização. Porém, continuou defendendo os protestos e disse que não tinha medo de ser preso.[32]

Ele prestou depoimento para a Polícia Federal no dia 25 de agosto, e foi internado no mesmo dia no hospital Albert Einstein por estar com prostatite.[33][34] Nele, repetiu o que disse no vídeo e lamentou o vazamento do áudio.[35]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b «Deputado Sérgio Reis». Portal da Câmara dos Deputados. Consultado em 21 de junho de 2022 
  2. «Como Sérgio Reis foi do 'Menino da Porteira' a bolsonarista investigado por possíveis crimes». BBC News Brasil. Consultado em 21 de junho de 2022 
  3. «Sérgio Reis - Biografia». Consultado em 21 de junho de 2022. Arquivado do original em 2 de maio de 2016 
  4. «Sérgio Reis lembra o dia em que cantou pelado em um bordel». G1. Globo. 15 de novembro de 2018. Consultado em 21 de junho de 2022 
  5. «Pinga Ni Mim 80 – Pinga Ni Mim». Consultado em 21 de junho de 2022 
  6. Perda súbita de consciência causou queda de Sérgio Reis, Folha.
  7. «Paco de Lucía vence Grammy Latino de melhor álbum do ano». G1. Brasil: Globo. 21 de novembro de 2014. Consultado em 21 de novembro de 2014 
  8. «Ganhadores - Anos Anteriores». Grammy Latino. Consultado em 26 de abril de 2020 
  9. «'Pantanal': Último capítulo terá participações de atores da primeira versão; veja quem». Gshow. 8 de setembro de 2022. Consultado em 8 de setembro de 2022 
  10. «O Menino da Porteira». Adorocinema.com. Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  11. «Mágoa de Boiadeiro». Adorocinema.com. Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  12. «O Filho Adotivo». Adorocinema.com. Consultado em 6 de janeiro de 2017 
  13. «Sérgio Reis desiste de candidatura para eleições 2010». UOL. 2 de agosto de 2010 
  14. «Candidato à Câmara, Sérgio Reis avisa: "Não preciso do dinheiro da política nem fazer falcatrua"». R7. 29 de junho de 2014 
  15. «Sergio Reis estreia na política com ajuda de Russomanno». Yahoo! Notícias. 7 de outubro de 2014 
  16. «Eleito deputado, Sérgio Reis quer atuar na saúde e continuar carreira». Eleições 2014 em São Paulo. 6 de outubro de 2014 
  17. UOL. «Sergio Reis é o deputado que mais recebeu emendas parlamentares este ano» 
  18. João de Mari (20 de agosto de 2021). «Como Sérgio Reis foi de astro sertanejo a investigado pela PF». CNN Brasil. Consultado em 7 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2022 
  19. Brunet, Daniel. «Sérgio Reis, deputado e sertanejo, explica voto pelo impeachment | Ancelmo - O Globo». Ancelmo - O Globo. Consultado em 28 de maio de 2017 
  20. a b G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  21. Carta Capital (3 de agosto de 2017). «Como votou cada deputado sobre a denúncia contra Temer». Consultado em 18 de setembro de 2017 
  22. www.osul.com.br (25 de agosto de 2018). «O cantor e deputado federal Sérgio Reis voltou a ser internado em São Paulo». Consultado em 15 de novembro de 2018 
  23. www.eleicoesepolitica.net. «~ÂNGELA REIS - 1020 - SUPLENTE». Consultado em 15 de novembro de 2018 
  24. «Eduardo Araújo: quem é o cantor da Jovem Guarda alvo da PF com Sérgio Reis». www.uol.com.br. Consultado em 29 de agosto de 2021 
  25. «Sergio Reis convoca greve de caminhoneiros; categoria nega». Terra 
  26. «Líderes dos caminhoneiros dizem desconhecer manifestação de Sérgio Reis e negam apoio». Gazeta do Povo 
  27. «Em áudio, Sérgio Reis incita invasão ao Supremo: 'Nós vamos invadir, quebrar tudo e tirar os caras na marra'». G1. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  28. «Sérgio Reis será investigado por ameaça após convocar protesto contra o STF». CNN Brasil. 17 de agosto de 2021. Consultado em 7 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2022 
  29. Murillo Ferrari, Vianey Bentes, Teo Cury, Isabelle Saleme, Iuri Corsini e Thayana Araújo (20 de agosto de 2021). «Sérgio Reis e Otoni de Paula são alvo de operação da PF autorizada por Moraes». CNN Brasil. Consultado em 7 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2022 
  30. Rafaela Lara e Teo Cury (20 de agosto de 2021). «Moraes proíbe Sérgio Reis e outros de se aproximarem da Praça dos Três Poderes». CNN Brasil. Consultado em 7 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2022 
  31. Correio Brasiliense. «Após ataque ao STF, Sérgio Reis está com depressão» 
  32. «Sérgio Reis se diz arrependido por ameaças ao STF: 'Era tudo brincadeira'». Correio Braziliense. 19 de agosto de 2021. Consultado em 7 de novembro de 2022 
  33. Carolina Figueiredo (25 de agosto de 2021). «Sérgio Reis é internado em hospital de São Paulo para tratar infecção». CNN Brasil. Consultado em 7 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2022 
  34. «Infecção na próstata: Médico explica o que é a doença de Sérgio Reis». CNN Brasil. 27 de agosto de 2021. Consultado em 7 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2022 
  35. «Em depoimento à PF, Sérgio Reis baixa o tom contra o STF, diz jornal». Uol. 26 de agosto de 2021. Consultado em 7 de novembro de 2022. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2022 

Ligações externasEditar