Serra de Montejunto

serra e área protegida no centro de Portugal continental

A Serra de Montejunto é uma serra de Portugal integrante do Sistema Montejunto-Estrela e localizada nos municípios de Alenquer e Cadaval. É o miradouro natural mais alto da Estremadura, elevando-se a 666 m de altitude, tendo 534 metros de proeminência topográfica e 53.41 km de isolamento.[1] Esta estrutura geológica, com 15 km de comprimento e 7 km de largura, é rica em algares, grutas, lagoas residuais, necrópoles e fósseis pré-históricos.

Serra de Montejunto
—  acidente geográfico  —
Serra de Montejunto
Localização
Localização em mapa dinâmico.
Coordenadas 39° 10' 30" N 9° 3' O
País(es)
  • Portugal
Localização Portugal Portugal
Características gerais
Tipo
Cordilheira Sistema Montejunto-Estrela
Dimensões
Altitude 667 m (2185 pés)
Proeminência 534 m
Isolamento 53,41 km
Área
  • 48,973999 quilómetro quadrado
  • 4 897 399 hectare
  • 4 897,3999 hectare

Vista no topo da Serra do Montejunto, ao pôr do sol

CaracterizaçãoEditar

 
Serra de Montejunto

A serra de Montejunto está englobada no Maciço Calcário Estremenho. Estes calcários apresentam formações cársicas características originadas pela erosão. As escarpas que caracterizam a paisagem são os biótipos mais importantes da serra.

Para além de um carvalhal reliquial e de endemismos próprios dos calcários do Centro de Portugal, existem taxa endémicos ou raros em Portugal que aqui se encontram localizados, havendo outros que, na sua limitada distribuição geográfica, têm aqui uma boa representação.

FaunaEditar

Em termos faunísticos, em particular no que diz respeito aos quirópteros, trata-se de uma zona de grande importância, não só de hibernação como também de reprodução. Este sítio é constituído essencialmente por um abrigo muito importante na época de criação para uma colónia de morcegos-rato-grande (Myotis myotis), assim como do morcego-de-peluche (Miniopterus schreibersi).[2]

FloraEditar

LocalizaçãoEditar

Situa-se no norte do distrito de Lisboa, entre os concelhos do Cadaval, a norte, e Alenquer, a sul. Apenas 65 km a separam de Lisboa, distância que facilmente se percorre utilizando as auto-estradas A1, usando a saída de Aveiras de Cima, ou a A8, saídas de Campelos ou de Bombarral, em direcção ao Cadaval.

PatrimónioEditar

Em Montejunto existem as ruínas de dois conventos: um mais antigo dominicano, do século XII, e outro que não chegou a ser concluído.

Real Fábrica do GeloEditar

 Ver artigo principal: Real Fábrica do Gelo

No topo da serra, 600 metros acima do nível do mar, virada a norte, numa zona fria e húmida ergueu-se a Real Fábrica do Gelo. Durante cerca de 120 anos dali saiam blocos de gelo que refrescavam a corte e, mais tarde, os cafés mais chiques de Lisboa. Em 1850, com a invenção do frigorífico, entrou em declínio.

Era um sítio de trabalho duro, entre finais de setembro e fevereiro. Durante as frias noites do alto de Montejunto, os neveiros retiravam o gelo dos tanques, transportavam-no às costas em pesadas cestas e acondicionavam-no nos silos de armazenamento. Ali ficariam até junho, altura em que os blocos de gelo seguiam serra abaixo, até à Vala do Carregado, para seguirem durante a noite, pelo rio Tejo, até Lisboa.

Funcionou até à invenção do frigorífico, nos finais do século XIX, altura em que ficou entregue ao mato e ao abandono.

Em 1997, foi classificada como Monumento Nacional.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Peakbagger.com. «Montejunto, Portugal». Consultado em 16 de abril de 2018 
  2. 1ª Revisão do Plano Director Municipal de Alenquer, Volume 1, pág. 12.
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre o Serra de Montejunto

Ligações externasEditar