Abrir menu principal

Wikipédia β

Setenta Discípulos

Iluminura dos Setenta Discípulos

Os Setenta Discípulos ou Setenta e Dois Discípulos, conhecidos na tradição cristã oriental como os Setenta Apóstolos, foram os primeiros seguidores de Jesus mencionados no Evangelho de Lucas[nota a]. De acordo com o evangelista Lucas, o único que os cita, Jesus os designou e enviou aos pares numa missão específica, detalhada no texto. Na tradição ocidental, estes são geralmente chamados de "discípulos"[1], enquanto que no cristianismo oriental eles são geralmente chamados de apóstolos[2].

Índice

TextoEditar

A passagem do Evangelho de Lucas, capítulo 10, é:

1. Depois disto o Senhor designou outros setenta, e enviou-os de dois em dois adiante de si a todas as cidades e lugares, aonde ele estava para ir.
2. Disse-lhes: A seara, na verdade, é grande, mas os trabalhadores são poucos; rogai, pois, ao Senhor da seara que envie trabalhadores para a sua seara.
3. Ide; eu vos envio como cordeiros no meio de lobos.
4. Não leveis bolsa, nem alforge, nem sandálias; e a ninguém saudeis pelo caminho.
5. Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: Paz seja nesta casa.
6. Se ali houver algum filho da paz, repousará sobre ele a vossa paz; e se não houver, ela tornará para vós.
7. Permanecei naquela mesma casa, comendo e bebendo o que vos oferecerem; pois digno é o trabalhador do seu salário. Não vos mudeis de casa em casa.
8. Em qualquer cidade em que entrardes, e vos receberem, comei o que vos oferecerem;
9. curai os enfermos que nela houver, e dizei: Está próximo a vós o reino de Deus.
10. Mas na cidade em que entrardes, e não vos receberem, saindo pelas suas ruas, dizei:
11. Até o pó que da vossa cidade se nos pegou aos pés, sacudimos contra vós; todavia sabei que está próximo o reino de Deus.
12. Digo-vos que naquele dia haverá menos rigor para Sodoma, do que para aquela cidade.
13. Ai de ti, Corazim! ai de ti, Betsaida! porque se em Tiro e em Sidom se tivessem operado os milagres que em vós se fizeram, há muito, sentadas em saco e em cinza, elas se teriam arrependido.
14. Contudo haverá menos rigor para Tiro e para Sidom no dia do juízo, do que para vós.
15. Tu, Cafarnaum, elevar-te-ás, porventura, até o céu? descerás até o Hades.
16. Quem vos ouve, a mim me ouve; quem vos rejeita, a mim me rejeita; e quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou.
17. Voltaram os setenta cheios de alegria, dizendo: Senhor, até os demônios se nos submetem em teu nome.
18. Respondeu-lhes Jesus: Eu via a Satanás cair do céu como relâmpago.
19. Eis aí vos dei autoridade para pisardes serpentes e escorpiões, e sobre todo o poder do inimigo, e nada de modo algum vos fará mal.
20. Mas não vos regozijeis em que os espíritos se vos submetem, antes regozijai-vos em que os vossos nomes estão escritos no céu.

 

AnáliseEditar

Esta é única vez que este grupo é mencionado na Bíblia. O número é "setenta" nos manuscritos com o texto-tipo Alexandrino (como o Codex Sinaiticus) e com o texto-tipo Cesariano, mas "setenta e dois" na maior parte dos outros textos alexandrinos e com o texto-tipo Ocidental. A origem do número pode estar nas setenta nações do Gênesis ou nas muitas outras citações ao número na Bíblia, ou nos setenta e dois tradutores da Septuaginta na Carta de Aristeas[4]. Ao traduzir a Vulgata, São Jerônimo escolheu "setenta e dois".

Contudo, o Evangelho de Lucas não está só entre os evangelhos sinóticos ao conter episódios onde Jesus envia seus seguidores em missões. A primeira ocasião, em Lucas 9:1-6, está intimamente relacionada à "Comissão Menor" do Evangelho de Marcos[nota b], que conta o envio dos doze apóstolos ao invés de setenta, ainda que com muitas similaridades. Os paralelos[nota c] sugerem uma origem comum, possivelmente no proposto Documento Q. Lucas também menciona a "Grande Comissão" para "todas as nações" em Lucas 24:44-49, mas em menos detalhes que o relato de Marcos.

FestasEditar

A festa comemorando os Setenta é conhecida como a "Synaxis dos Setenta Apóstolos" na Igreja Ortodoxa e é celebrada em 4 de janeiro. Cada um dos Setenta tem ainda uma comemoração individual espalhada por todo o ano litúrgico.

Sinaxe dos setenta apóstolosEditar

A tradição da Igreja Ortodoxa ao providenciar o nome dos Setenta cujos "nomes estão escritos no céu"[nota d], está associada com Doroteu de Tiro, um bispo do final do século III d.C., desconhecido exceto por sua contribuição neste contexto e a quem foi atribuído um relato sobre os Setenta, e cuja versão sobrevivente é do século VIII d.C. Os seus nomes aparecem em diversas listas, como na Chronicon Paschale e no tratado de Pseudo-Doroteu, publicado em Migne, P.G., XCII, 521-524; 543-545; 1061-1065.

Já a Igreja Católica considera estas listas, escritas piedosamente, mas tendo "importância secundária" para a fé[5].

Eusébio de Cesareia afirmou categoricamente que no seu tempo não existia uma lista como esta e mencionou entre os discípulos apenas Barnabé, Sóstenes, Cefas, Matias, Tadeu e Tiago, irmão de Jesus[6].

Muitos destes nomes incluídos entre os Setenta são facilmente reconhecidos por suas próprias realizações, mas há ligeiras diferenças entre as várias listas.

Matias, o apóstolo que substituiu Judas Iscariotes como um dos Doze, é também frequentemente listado entre os Setenta, uma vez que João Marcos é geralmente entendido como sendo Marcos, o Evangelista[8].

Manuscritos do Novo TestamentoEditar

 
Ícone dos Setenta Apóstolos.

Estes são os manuscritos do Novo Testamento que listam os Setenta:

NotasEditar

[nota a] ^ Lucas 10:1-24
[nota b] ^ Marcos 6:6-13
[nota c] ^ Veja também Mateus 9:35, Mateus 10:1 e Mateus 10:5-42
[nota d] ^ Lucas 10:20

Referências

  1.   "Disciple" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês)., uma publicação agora em domínio público: "Os discípulos, neste contexto, não são as multidões de crentes que se aglomeravam à volta de Cristo, mas um grupo menor de Seus seguidores. Eles são geralmente identificados como sendo setenta e dois (setenta de acordo com o texto em grego, embora diversos manuscritos gregos mencionem também setenta e dois, como faz a Vulgata). Os seus nomes aparecem em diversas listas, como na Crônica Pascoal e no tratado de Pseudo-Doroteu, publicado em Migne, P.G., XCII, 521-524; 543-545; 1061-1065., mas elas são, em geral, inúteis".
  2. «Synaxis of the Seventy Apostles» (em inglês). Orthodox Church in America. Consultado em 15 de maio de 2011 
  3. Segundo a Tradução Brasileira da Bíblia
  4. METZGER, Bruce. Textual Commentary on the Greek NT (em inglês). [S.l.: s.n.] 
  5.   "Apostle" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês)., uma publicação agora em domínio público
  6. «12». História Eclesiástica. The Disciples of our Saviour. (em inglês). I. [S.l.: s.n.]  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  7. «The Book of the Bee, Chapter XLIX, The Names of the Apostles in Order». 1886. Consultado em 21 de fevereiro de 2008 
  8.   "St. Matthias" na edição de 1913 da Enciclopédia Católica (em inglês)., uma publicação agora em domínio público

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Setenta Discípulos