Abrir menu principal
Detalhe da técnica de sfumato no rosto de Mona Lisa: retirar as pinceladas aparentes de uma pintura usando verniz de madeira, que corrói a tinta, deixando um gradiente perfeito no local. É praticamente impossível perceber pinceladas nas obras de Leonardo da Vinci.

O sfumato é uma técnica artística usada para gerar suaves gradientes entre as tonalidades, é comumente aplicado em desenhos ou pinturas.[1] Sfumato vem do italiano "sfumare", que significa "de tom baixo" ou "evaporar como fumaça".

Em materiais de fricção como grafite, pastel seco ou carvão, o sfumato pode ser realizado esfregando-se o dedo no suporte pictórico, para que os riscos desapareçam e fique apenas o degradê.[2]

Outro recurso é usar o esfuminho, um tipo de lápis com algodão na ponta, que substitui o dedo a fim de evitar a interferência da oleosidade da pele.[2]

Técnicas renascentistasEditar

O artista mais proeminente do sfumato foi Leonardo da Vinci, e seu famoso quadro 'Mona Lisa' apresenta essa técnica. Leonardo da Vinci descreveu o sfumato como: "sem linhas ou fronteiras, na forma de fumaça ou para além do plano de foco".[3] Nessa pintura é difícil perceber as pinceladas e as variações de tons na passagem da luz para a sombra.

O sfumato era um dos quatro modos canônicos de pintura do Renascimento, sendo os outros três:

O sfumato não era apenas uma técnica, mas um recurso que não "endurecia" os contornos e consequentemente "amenizava" a expressão humana.[1]

Além de Leonardo, outros profissionais de destaque do sfumato foram: Correggio, Rafael Sanzio e Giorgione. Entre os alunos e seguidores de Leonardo, os que tentaram a sorte no sfumato foram: Bernardino Luini e Funisi.[5]

Leonardo, descontente com a secagem rápida do afresco, experimentou adicionar cera de abelha ao pigmento para facilitar a aplicação do sfumato nos personagens, experiência essa que comprometeu a durabilidade de A última ceia, a qual começou a deteriorar-se com o artista ainda vivo.[6]

Referências

  1. a b Andrew Graham-Dixon (2012). Arte, o guia visual definitivo. [S.l.]: Publifolha. 612 páginas. p.113 
  2. a b Sanmiguel, David (2005). Guia Completo para o Artista. [S.l.]: Editorial Estampa. 255 páginas. p. 15 
  3. Earls, Irene (1987). Renaissance Art: A Topical Dictionary. [S.l.]: Greenwood Press. 263 páginas. ISBN 0-313-24658-0 
  4. Hall, Marcia (1994). Color and Meaning: Practice and Theory in Renaissance Painting. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-45733-0 
  5. «Sfumato». Art Painting Artist 
  6. Fernanda Valadares, A Técnica de Pintura Encáustica Arquivado em 15 de outubro de 2014, no Wayback Machine., acessado em 09 de outubro de 2014.

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre arte ou história da arte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.