Shabiha (Árabe: شبيحة šabbīḥa , pronunciado [ʃabˈbiːħa]; romanizado também como Shabeeha ou Shabbiha) foram grupos de homens armados que atuavam na Síria, a serviço do Partido Baath liderado pela família Assad.[2][3] A shabiha foi acusada pela oposição síria de massacrar civis, manifestantes e rebeldes durante a Guerra Civil Síria.[4][5] Grupos da oposição do país, governos estrangeiros e organizações de direitos humanos acusaram a milícia shabiha de ser uma ferramenta do regime sírio, trabalhando como mercenários, para caçar dissidentes políticos.[6]

Shabiha
الشبيحة
País Síria
Subordinação Coat of arms of Syria.svg Forças Armadas da Síria
Síria Partido Baath sírio
Criação Década de 1980
Extinção 2012 (presumido)
História
Guerras/batalhas Guerra Civil Síria
Comando
Comandante Namir al-Assad (lider da milícia)[1]
Zaino Berri (líder do grupo em Alepo) 

A shabiha foi acusada de cometer várias atrocidades, entre elas o massacre de Houla.[7]

Referências

  1. Dougherty, Jill (9 de agosto de 2012). «Al-Assad's inner circle, mostly family, like 'mafia'». CNN 
  2. "Syria unrest: Who are the shabiha". Página acessada em 12 de março de 2013.
  3. "Syria: Brutally violent shabiha militia member tells it like it is". Página acessada em 12 de março de 2013.
  4. «Houla eyewitness: 'They had no mercy'». BBC News. Consultado em 30 de maio de 2012 
  5. Holmes, Oliver. «Assad's Devious, Cruel Plan to Stay in Power By Dividing Syria—And Why It's Working». The New Republic. Consultado em 29 de maio de 2012 
  6. "Syrian Thugs Are Assad’s Tool in Protest Crackdown, Groups Say". BusinessWeek. Página acessada em 12 de março de 2013.
  7. Nebehay, Stephanie (29 de maio de 2012). «Most Houla victims killed in summary executions: U.N.». Reuters. Consultado em 29 de maio de 2012. Cópia arquivada em 12 de março de 2013 

Ligações externasEditar

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.