Shemitá

Shemitá (hebraico): שמיטה, literalmente "libertação"), também chamado de Ano Sabático ou shǝvi'it (שביעית, em tradução literal "sétimo"), ou "sábado da terra", é o sétimo ano do ciclo de sete anos da agricultura ordenado pela Torá para o povo de Israel[1].

Durante o shemitá , a terra fica em pousio e todas as atividades agrícolas, incluindo arar, plantar, podar e colher, são proibidas pela halacá (lei judaica). Outras técnicas de cultivo (como regar, fertilizar, capinar, pulverizar, aparar e cortar a relva) podem ser realizadas apenas como medida preventiva, não para melhorar o crescimento de árvores ou outras plantas. Além disso, quaisquer frutas ou ervas que crescem por conta própria e onde nenhuma vigilância é mantida sobre elas são consideradas hefker (sem dono) e podem ser colhidas por qualquer pessoa[2].  Uma variedade de leis também se aplica à venda, consumo e descarte de produtos shemitá. Todas as dívidas, exceto as de estrangeiros, deveriam ser perdoadas.[3]

O capítulo 25 do livro de Levítico promete colheitas abundantes para aqueles que observam o shemitá e descreve sua observância como um teste de fé religiosa. Há pouco conhecimento da observância deste ano na história bíblica e parece ter sido muito negligenciado.[4]

Assim como o sábado é o descanso semanal das pessoas e dos animais, a terra também tem o seu sábado:[5] seis anos são para a semeadura,[6] mas o sétimo ano é de descanso.[7]

Neste sétimo ano, é proibido semear o campo, podar a vinha,[7] segar o que nascer da seara e colher as uvas da vinha não podada.[8]

Apenas o produto do descanso da terra servirá como alimento,[9] inclusive o gado e os animais da terra.[10]

Após sete períodos de sete anos,[11] o quinquagésimo ano é santificado - este é o ano do jubileu.[12]

Antigo IsraelEditar

Antigos anos de descaso no Oriente MédioEditar

Ainda é muito discutido entre os estudiosos do Antigo Oriente Médio se há ou não evidências claras de um ciclo de sete anos nos textos ugaríticos.[13]  Também é debatido como o sétimo ano bíblico de pousio se encaixaria, por exemplo, a prática assíria de um ciclo de quatro anos e rotação de culturas , e se um ano em sete era um ano extra de pousio. Jehuda Felix sugere[14]  que a terra pode ter sido cultivada apenas 3 em sete anos.[15]  Borowski (1987) considera o ano de pousio como um ano em sete.[16]

Referências BíblicasEditar

O ano sabático (shemitá) é mencionado várias vezes no texto da Bíblia Hebraica pelo nome ou pelo padrão de seis anos de atividade e um de descanso:

  • Livro de Êxodo: “Plantem e colham os produtos da terra por seis anos, mas, no sétimo ano, deixem que ela se renove e descanse sem cultivo. Permitam que os pobres do povo colham o que crescer espontaneamente durante esse ano. Deixem o resto para servir de alimento aos animais selvagens. Façam o mesmo com os vinhedos e os olivais. [17]
  • Livro de Levítico: Quando Moisés estava no monte Sinai, o Senhor lhe disse: “Dê as seguintes instruções ao povo de Israel. Quando entrarem na terra que eu lhes dou, a terra deverá observar um sábado para o Senhor a cada sete anos. Durante seis anos, vocês semearão os campos, podarão os vinhedos e farão a colheita, mas no sétimo ano a terra terá um ano sabático de descanso absoluto. É o sábado do Senhor. Durante esse ano, não semeiem os campos nem façam a poda dos vinhedos. Não ceifem o que crescer espontaneamente nem colham as uvas dos vinhedos não podados. A terra terá um ano de descanso absoluto. Comam o que a terra produzir espontaneamente durante seu descanso. Isso se aplica a vocês, a seus filhos, a seus servos e servas, e também aos trabalhadores contratados e aos residentes temporários que vivem em seu meio. Seus rebanhos e todos os animais selvagens de sua terra também poderão comer o que a terra produzir.” [18] Talvez vocês perguntem: ‘O que comeremos no sétimo ano, uma vez que não temos permissão de semear nem de colher nesse ano?’. Podem ter certeza de que no sexto ano eu lhes enviarei a minha bênção, de modo que a terra produzirá o suficiente para três anos. No oitavo ano, quando semearem seus campos, ainda estarão comendo da colheita farta do sexto ano. De fato, ainda estarão comendo dessa colheita quando fizerem a nova colheita no nono ano.”[18]
  • Livro de Deuteronômio: “Ao final de cada sete anos, cancelem as dívidas de todos a quem vocês tiverem feito um empréstimo. O cancelamento será efetuado da seguinte forma: todos cancelarão os empréstimos que fizeram a irmãos israelitas. Ninguém exigirá pagamento do seu próximo ou de seus parentes, pois chegou o tempo do Senhor para liberá-los das dívidas. Essa liberação se aplica somente aos irmãos israelitas, e não aos estrangeiros que vivem entre vocês. “Não deverá haver pobres entre vocês, pois o Senhor, seu Deus, os abençoará grandemente na terra que lhes dá como herança. Receberão essa bênção se tiverem o cuidado de obedecer ao Senhor, seu Deus, e cumprir todos estes mandamentos que hoje lhes dou. O Senhor, seu Deus, os abençoará conforme prometeu. Vocês emprestarão dinheiro a muitas nações, mas jamais precisarão tomar emprestado. Governarão muitas nações, mas não serão governados por nação alguma. [19] Depois, Moisés lhes deu a seguinte ordem: “Ao final de cada sete anos, no ano do cancelamento das dívidas, durante a Festa das Cabanas, leiam este Livro da Lei para todo o povo de Israel, quando estiverem reunidos diante do Senhor, seu Deus, no lugar que ele escolher. Convoquem todos: homens, mulheres, crianças e os estrangeiros que vivem em suas cidades, para que ouçam este Livro da Lei e aprendam a temer o Senhor, seu Deus, e a obedecer fielmente a todos os termos desta lei. Façam isso para que seus filhos, que não conhecem estas instruções, as ouçam e aprendam a temer o Senhor, seu Deus. Façam isso enquanto viverem na terra da qual tomarão posse ao atravessar o Jordão”.[20]
  • Livro de Jeremias: “Assim diz o Senhor, o Deus de Israel: Fiz uma aliança com seus antepassados muito tempo atrás, quando os livrei da escravidão no Egito. Disse-lhes que todo escravo hebreu deveria ser liberto depois de servir durante seis anos. Contudo, seus antepassados não me deram ouvidos nem me obedeceram.[21]
  • Livro de Neemias: “Também prometemos que, se os habitantes desta terra trouxerem mercadorias ou cereais para vender no sábado ou em qualquer outro dia santo, não compraremos deles. A cada sete anos, deixaremos a terra descansar e cancelaremos todas as dívidas.[22]
  • Livro das Crônicas: Os poucos habitantes que sobreviveram foram levados para o exílio na Babilônia e se tornaram servos do rei e de seus filhos, até que o reino da Pérsia conquistou o poder. Cumpriu-se, desse modo, a mensagem do Senhor transmitida por Jeremias. A terra finalmente desfrutou seu descanso sabático e permaneceu desolada até que se completaram os setenta anos, conforme o profeta havia anunciado.[23]
  • Livro de Reis: ntão Isaías disse a Ezequias: “Esta é a prova de que minhas palavras são verdadeiras: “Neste ano vocês comerão somente o que crescer por si, e, no ano seguinte, o que brotar disso. Mas, no terceiro ano, semeiem e colham, cuidem de suas videiras e comam de seus frutos.[24]

Ver tambémEditar

  • Shabat - o sábado semanal, também com o sentido de descanso
  • Jubileu (Torá) - o ano seguinte a um ciclo de sete shemitás.

Referências

  1. Este artigo incorpora texto do Dicionário Bíblico de Easton (1897), uma publicação agora em domínio público. Ano sabático - a cada sete anos, durante o qual a terra, de acordo com a lei de Moisés, tinha que permanecer sem cultivo (Lv 25: 2-7; comp. Ex. 23:10, 11, 12; Lv 26: 34, 35).
  2. Mishná Shevi'it 9:1
  3. Dt 15:1-11
  4. Do Dicionário Bíblico de Easton (1897)
  5. Levítico 25:2
  6. Levítico 25:3
  7. a b Levítico 25:4
  8. Levítico 25:5
  9. Levítico 25:6
  10. Levítico 25:7
  11. Levítico 25:8
  12. Levítico 25:10
  13. Tony W. Cartledge (1992). Votos na Bíblia Hebraica e no antigo Oriente Médio . p. 304.- "455. 3. Cf. CH Gordon (1982)."O Sábado Bíblico, sua Origem e Observância no Antigo Oriente Médio". Judaísmo. 31:12-16.; CH Gordon (1953). "Ciclo sabático ou padrão sazonal? Reflexões sobre um novo livro". Orientalia. 22 (1):79–81. JSTOR 43079363 (Em inglês)., que se baseia principalmente em ugarítico ...
  14. "Jehuda Felix". Enciclopédia Judaica. 1972.
  15. DL Baker (2009). Punhos cerrados ou mãos abertas?: Riqueza e pobreza na lei do Antigo Testamento. p. 224. "Antigo Oriente Médio Nenhuma das leis do antigo Oriente Médio legisla por um ano sabático, nem qualquer outro pousio regular da terra, embora saibamos que o pousio era uma prática comum desde os primeiros tempos." "Existem numerosas referências a ... Feliks (1972: 375) acredita que o ano sabático foi um ano extra de pousio, então o fazendeiro plantou um determinado campo apenas três vezes em sete anos." "Hopkins (1985: 191–95, 200–202) sugere que o fazendeiro teria plantado todos os seus campos em" ...
  16. Baker "Em seu estudo detalhado da agricultura na Idade do Ferro de Israel, Borowski (1987: 143–45) não faz referência ao pousio bienal e aparentemente não tem conhecimento da pesquisa citada acima que defende isso. Ele assume que o período sabático..."
  17. Êxodo 23:10-11
  18. a b Levítico 25:1-7; 20-22
  19. «Bible Gateway passage: Deuteronômio 15:1-6 - Nova Versão Transformadora». Bible Gateway (em inglês). Consultado em 7 de setembro de 2021 
  20. «Bible Gateway passage: Deuteronômio 31:10-13 - Nova Versão Transformadora». Bible Gateway (em inglês). Consultado em 7 de setembro de 2021 
  21. «Bible Gateway passage: Jeremias 34:13-14 - Nova Versão Transformadora». Bible Gateway (em inglês). Consultado em 7 de setembro de 2021 
  22. «Bible Gateway passage: Neemias 10:31 - Nova Versão Transformadora». Bible Gateway (em inglês). Consultado em 7 de setembro de 2021 
  23. «Bible Gateway passage: 2 Crônicas 36:20-21 - Nova Versão Transformadora». Bible Gateway (em inglês). Consultado em 7 de setembro de 2021 
  24. «Bible Gateway passage: 2 Reis 19:29 - Nova Versão Transformadora». Bible Gateway (em inglês). Consultado em 7 de setembro de 2021 
  Este artigo sobre judaísmo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.