Abrir menu principal

Shenzhen

cidade-prefeitura em Guangdong, China
Shenzhen
Shenzhen-centreville.jpg
Localização
Shenzhen está localizado em: China
Shenzhen
Shenzhen está localizado em: Guangdong
Shenzhen
Mapa de Cantão
Coordenadas 22° 33' N 114° 06' E
País  China
Província Guangdong
Administração
Prefeito Chen Rugui
Características geográficas
Área total 2050
 • População urbana 12 905 000[1]
 • População metropolitana 23 300 000
english.sz.gov.cn

Shenzhen (em chinês: 深圳) é uma cidade importante na província chinesa de Guangdong; faz parte da megalópole do Delta do Rio das Pérolas, na fronteira com Hong Kong ao sul, Huizhou ao nordeste e Dongguan ao noroeste. Possui estatuto administrativo sub-provincial, com poderes ligeiramente inferiores aos de uma província.

A paisagem urbana de Shenzhen resulta de sua economia vibrante - possibilitada por um rápido investimento estrangeiro após a instituição da política de "reforma e abertura" em 1979.[2] A cidade é um importante centro de tecnologia global, apelidado pela mídia como o próximo Vale do Silício e o "Vale do Silício da China".[3] Foi uma das cidades que mais cresceu no mundo nas décadas de 1990 e 2000[4] e foi classificada em segundo lugar na lista "10 melhores cidades para visitar em 2019" pelo Lonely Planet.[5]

Shenzhen, que mais ou menos segue os limites administrativos do condado de Bao'an, tornou-se oficialmente uma cidade em 1979, com o nome da antiga cidade do condado, cuja estação ferroviária era a última parada na seção chinesa da ferrovia entre Cantão e Kowloon.[6] Em 1980, Shenzhen foi estabelecida como a primeira zona econômica especial da China.[7] A população registrada de Shenzhen em 2017 foi estimada em 12.905.000 de habitantes.[8] No entanto, a polícia e as autoridades locais estimam que a população real seja de cerca de 20 milhões, devido a grandes populações de residentes de curto prazo, como migrantes não registrados, residentes de meio período, passageiros, visitantes, assim como outros tipos de residentes temporários.[9][10]

Shenzhen abriga a Bolsa de Valores de Shenzhen e a sede de várias empresas multinacionais como JXD, Vanke, Hytera, CIMC, Shenzhen Airlines, Nepstar, Hasee, Tencent, ZTE, Huawei, DJI e BYD.[11] Shenzhen ocupa a 14ª posição no Índice Global de Centros Financeiros de 2019[12] e também possui um dos portos de contêineres mais movimentados do mundo.[13]

HistóriaEditar

Pré-históriaEditar

A evidência mais antiga de seres humanos na área em que Shenzhen foi estabelecida remonta durante o período neolítico médio.[14][15] Desde então, esta área tem visto atividade humana há mais de 6.700 anos, com os condados históricos de Shenzhen estabelecidos há 1.700 anos e as cidades históricas de Nantou (atualmente atual distrito de Nanshan) e Dapeng, que foi construída na área que agora é Shenzhen, estabelecida há mais de 600 anos.[16]

China imperialEditar

Em 214 aC, quando o imperador Qin Shi Huang unificou a China sob a Dinastia Qin, a área ficou sob a jurisdição do estabelecido condado de Nanhai, um dos três municípios estabelecidos em Lingnan e foi assimilada à cultura Zhongyuan.[17] Em 331, a administração da Dinastia Jin dividiu o condado de Nanhai em dois: o condado de Dongguan, no norte, e o condado de Bao'an, no sul, ambos sob a administração da prefeitura de Dongguan.[18]

Durante a Dinastia Song, Nantou e a área circundante tornaram-se um importante centro comercial de sal e especiarias no mar da China Meridional.[17][19] A área ficou conhecida por produzir pérolas durante a Dinastia Yuan. No início da Era Ming, os marinheiros chineses iam ao templo de Mazu em Chiwan (atual distrito de Nanshan) para orar enquanto iam a Nanyang. A Batalha de Tamão, quando os Ming venceram uma batalha naval contra invasores portugueses, estava localizada ao sul de Nantou.[20]

Século XXEditar

 
Shenzhen em 1982.

Em maio de 1980, o Comitê Central do Partido Comunista Chinês designou Shenzhen como uma zona econômica especial (ZEE),[17] que foi promovida pelo então líder supremo Deng Xiaoping e criada para ser um campo experimental para a prática do capitalismo de mercado em uma comunidade guiada pelos ideais do "socialismo com características chinesas".[21][22][23]

Em 26 de agosto de 1980, o Comitê Permanente do Congresso Nacional do Povo (NPC) aprovou os "Regulamentos da Zona Econômica Especial de Guangdong".[24]

Sob esses regulamentos, a cidade atraiu uma grande quantidade de investimento estrangeiro e ajudou a popularizar e permitir o desenvolvimento rápido do conceito ZEE. Em março de 1981, Shenzhen foi promovida a uma cidade sub-provincial.[14][17]

GeografiaEditar

 
Vista aérea da cidade.
 
Vista da cidade a partir do Distrito de Nanshan.

Shenzhen está localizada no Delta do Rio das Pérolas, na fronteira com Hong Kong ao sul, Huizhou ao norte e nordeste, Dongguan ao norte e noroeste. Lingdingyang e Rio das Pérolas, a oeste, e Mirs Bay, a leste e aproximadamente 100 quilômetros a sudeste da capital da província de Guangzhou. Mais de 160 rios ou canais fluem através de Shenzhen. Existem 24 reservatórios dentro dos limites da cidade, com uma capacidade total de 525 milhões de toneladas.[25] Rios notáveis em Shenzhen incluem o rio Shenzhen, o rio Maozhou e o rio Longgang.[26]

ClimaEditar

Embora Shenzhen esteja situada a um grau ao sul do Trópico de Câncer, devido ao anticiclone siberiano, possui um clima subtropical quente, influenciado por monções e úmido (Köppen Cwa). Os invernos são amenos e relativamente secos, devido em parte à influência do mar da China Meridional, e a geada é muito rara; começa seco, mas fica progressivamente mais úmido e nublado. No entanto, a neblina é mais frequente no inverno e na primavera, com 106 dias por ano relatando alguma neblina. O início da primavera é a época mais nebulosa do ano e as chuvas começam a aumentar dramaticamente em abril; a estação chuvosa dura até o final de setembro e o início de outubro. A monção atinge seu pico de intensidade nos meses de verão, quando a cidade também experimenta condições muito úmidas e quentes, mas moderadas; existem apenas 2,4 dias de 35°C.[27] A região também é propensa a chuvas torrenciais, com 9,7 dias com 50 mm ou mais de chuva e 2,2 dias com pelo menos 100 mm.[27] A última parte do outono é seca. A precipitação média anual é de cerca de 1.970 mm, alguns dos quais são entregues em tufões que atingem o leste durante o verão e o início do outono. As temperaturas extremas variaram de 0,2ºC em 11 de fevereiro de 1957 a 38,7°C em 10 de julho de 1980.[28]

DemografiaEditar

 
Panorama do centro financeiro da cidade.

Shenzhen é a quinta cidade mais populosa da China, com uma população de 12.528.300 em 2017.[29] Com uma área total de 1.992 km²,[30] a cidade possui uma densidade populacional de 6.889 habitantes por quilômetro quadrado. A extensa área metropolitana da cidade foi estimada pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) como tendo, emn 2010, uma população de 23,3 milhões de pessoas.[31][32]

Shenzhen faz parte da região metropolitana do Delta do Rio das Pérolas (cobrindo cidades como Guangzhou, Dongguan, Foshan, Zhongshan, Zhuhai, Huizhou, Hong Kong e Macau), a maior área urbana do mundo de acordo com o Banco Mundial[33] e possui uma população de mais de 108,5 milhões, de acordo com o censo de 2015.[34]

Antes do estabelecimento de Shenzhen como uma ZEE em 1980, a área era composta principalmente pelo povos hakka e cantonês.[35] No entanto, desde que se tornou uma ZEE, Shenzhen tornou-se um centro para migrantes em busca de trabalho e oportunidades dentro da cidade.[36]

PolíticaEditar

GovernoEditar

 
Sede da prefeitura de Shenzhen.

A política de Shenzhen está estruturada em um sistema paralelo de governo-partido, em que o secretário do Comitê do Partido, oficialmente denominado Secretário do Comitê Municipal do Partido Comunista da China em Shenzhen (atualmente Wang Weizhong), supera o prefeito (atualmente Chen Rugui). O comitê permanente do partido atua como o principal órgão de formulação de políticas e é normalmente composto por 11 membros.[37]

Cidades-irmãsEditar

Shenzhen tem sido muito ativa no cultivo de relacionamentos entre cidades-irmãs. Em outubro de 1989, o prefeito de Shenzhen, Li Hao, e uma delegação viajaram para Houston para assistir à cerimônia de assinatura que estabelece um relacionamento de cidade-irmã entre Houston e Shenzhen..[38] Houston se tornou a primeira cidade-irmã de Shenzhen. Até 2015, Shenzhen estabeleceu uma relação com 25 cidades do mundo.

SubdivisõesEditar

Divisões administrativas de Shenzhen

EconomiaEditar

Shenzhen foi a primeira das zonas econômicas especiais (ZEE) a ser estabelecida pelo líder supremo Deng Xiaoping.[40][41] Como uma ZEE, Shenzhen recebe o privilégio de adotar políticas de capitalismo de mercado sob o disfarce de "socialismo com características chinesas", diferentemente de outras cidades da China continental, que se baseiam em uma economia planejada.[42]

Em 2017, Shenzhen possui um PIB nominal de 2,42 trilhões de RMB (HK$ 2,87 trilhões), que recentemente superou o PIB da vizinha Hong Kong, de HK$ 2,85 trilhões, e o PIB de Guangzhou, de 1,98 trilhão de RMB,[43][44] sendo que a produção econômica de Shenzhen é a terceira maior cidade do país,[45] atrás apenas de Xangai e Pequim.[46] Além disso, o crescimento médio do PIB de 8,8% entre 2016 e 2017 superou o de Hong Kong e Singapura, com 3,7% e 2,5%, respectivamente.[47] Com uma capitalização de mercado de US$ 2,5 trilhões em 30 de novembro de 2018, a Bolsa de Valores de Shenzhen (SZSE) é a 8ª maior bolsa do mundo.[48]

A indústria local é descrita pelo Escritório Municipal de Estatísticas como sendo sustentada por suas indústrias em quatro pilares: alta tecnologia, finanças, logística e cultura.[49] Shenzhen é conhecida principalmente por sua indústria de alta tecnologia, que possuía um valor de 585,491 bilhões de RMB (US$ 82,9 bilhões) em 2015, um aumento de 13% em relação ao ano passado.[49] Do PIB nominal de 1.750.299 bilhões de RMB em 2015, o setor de alta tecnologia representa 33,4%. Shenzhen é o lar de várias empresas de tecnologia de destaque, como a empresa de telecomunicações e eletrônica Huawei.[50] Como resultado, Shenzhen é apelidada pelos meios de comunicação como "Vale do Silício da China"[51][52] ou "Vale do Silício do Hardware" do mundo.[53][54]

Centro financeiro de Shenzhen à noite.

InfraestruturaEditar

TransportesEditar

Shenzhen é o segundo maior centro de transporte em Guangdong e no sul da China, atrás da capital da província, Guangzhou.[55] Devido à sua proximidade a Hong Kong, Shenzhen possui o maior número de portas de entrada e saída, o maior número de funcionários de entrada e saída e o maior volume de tráfego na China.[56]

Em relação ao transporte aéreo, Shenzhen é servido por seu próprio Aeroporto Internacional de Shenzhen Bao'an e pelo Aeroporto Internacional de Hong Kong (HKIA). Localizado a 35 quilômetros do centro da cidade, o Aeroporto Internacional de Shenzhen Bao'an serve como o principal hub das companhias aéreas de passageiros Shenzhen Airlines[57] e Donghai Airlines[58] e o principal hub das companhias aéreas de carga Jade Cargo International,[59] SF Airlines,[60] e UPS Airlines.[61] O aeroporto movimentou 49.348.950 passageiros, 355.907 aeronaves e 1.218.502,2 cargas em 2018, tornando-o o quinto mais movimentado da China em termos de tráfego de passageiros e o quarto aeroporto mais movimentado do país em termos de tráfego de aeronaves e cargas.[62] Os passageiros também podem pegar balsas o Aeroporto Internacional de Hong Kong.[63] Também existem serviços de ônibus que conectam Shenzhen ao HKIA.[64]

Shenzhen desenvolveu um extenso sistema de transporte público, cobrindo metrô, ônibus e táxis,[65] a maioria dos quais pode ser acessada usando um cartão Shenzhen Tong ou códigos QR gerados pelos mini programas WeChat.[66][67][68] O metrô de Shenzhen tem oito linhas, 205 estações e 292,6 quilômetros de trilhos operando em 8 linhas, tornando-o o 7º sistema de metrô mais longo da China.[69][70][71] A média diária de passageiros no metrô em 2016 é de 3,54 milhões de passageiros, o que representa um terço dos usuários de transporte público na cidade.[72] O metrô também opera um sistema de bondes no distrito de Longhua.[73]

Em agosto de 2019, o sistema de ônibus da cidade abrange mais de 900 linhas,[74] com um total de mais de 16.000 veículos elétricos, a maior frota do mundo.[75] O sistema é operado por várias empresas.[76] Existem dois tipos de táxis que servem Shenzhen e ambos podem ser distinguidos por sua cor: táxis de combustível são vermelhos e verdes[77] e táxis elétricos são azuis.[78] Em novembro de 2019, 99% dos táxis da cidade já eram elétricos.[79]

EducaçãoEditar

Antes da década de 1980, o sistema educacional de Shenzhen se baseava principalmente no ensino médio primário, sem residentes admitidos em uma universidade.[80]

Em meados da década de 1980, quando o ensino médio se tornou popular, houve uma necessidade de instituições de ensino superior na cidade.[80] Inaugurada em 1983, a Escola Normal de Shenzhen, posteriormente transferida para a Faculdade Normal de Shenzhen, treinou estudantes para se tornarem professores da escola primária. Aprovada pelo Conselho de Estado no mesmo ano, a Universidade de Shenzhen tornou-se a primeira instituição de ensino superior abrangente em tempo integral da cidade.[81][82]

Em 1999, o Governo Municipal de Shenzhen criou o Parque Universitário Virtual no Parque de Ciência e Tecnologia, onde professores das principais universidades da China ensinavam estudantes de pós-graduação.[83] Mais universidades seriam estabelecidas desde então, como a Universidade de Ciência e Tecnologia do Sul da China em 2011[84] e o Instituto de Tecnologia de Shenzhen em 2018. [226] Outras universidades estabeleceriam seus campi na cidade, como a Universidade Chinesa de Hong Kong, o Instituto de Tecnologia Harbin e a Universidade Estatal de Moscou.[85]

A educação obrigatória de 9 anos em Shenzhen é gratuita.[86][87] Escolas secundárias, como a Escola Secundária de Shenzhen, a Escola Experimental de Shenzhen, a Escola de Línguas Estrangeiras de Shenzhen e a Escola Secundária de Shenzhen, todas com uma taxa on-line de mais de 90%, são apelidadas de "quatro escolas famosas".[88] Em 2015, Shenzhen possuía 12 instituições de ensino superior, 335 escolas secundárias gerais, 334 escolas primárias e 1.489 pré-escolas.[89] Apesar do número de universidades e escolas da cidade, o sistema educacional de Shenzhen falha em acompanhar o rápido desenvolvimento da metrópole.[90]

CulturaEditar

 
Grande Teatro de Shenzhen

Mais de 170 festivais e feiras diferentes são realizados anualmente em Shenzhen, incluindo o Festival Cultural Internacional de Shenzhen, o Festival de Música de Praia, a Festival Internacional da Cerveja e o Carnaval.[91] A cidade possui mais de 630 bibliotecas e livrarias, com a Biblioteca de Shenzhen, a Cidade do Livro de Shenzhen, a Biblioteca Técnico-Científica de Shenzhen, a Biblioteca da Universidade de Shenzhen, a Biblioteca Infantil de Shenzhen e a Biblioteca do Distrito de Luohu entre as maiores.[92][93][94][95] Instalações culturais como o Centro Cultural de Shenzhen, o Centro de Convenções e Exposições de Shenzhen e o Palácio da Criança de Shenzhen estão localizados no distrito de Futian, considerado o centro cultural da cidade. O Overseas Chinese Town é um conjunto de parques temáticos culturais centralizados principalmente no distrito de Nanshan. A vila de Dafen, no distrito de Longgang, é famosa como uma polo de arte, principalmente pela produção de réplicas de obras-primas e terceirização da criação de arte original.[93][96][97][98] A Orquestra Sinfônica de Shenzhen (深圳交响乐团), fundada em 1982, é uma orquestra notável que se apresenta no Grande Teatro de Shenzhen.[99] Devido aos investimentos feitos por Hong Kong na década de 1980, Shenzhen é hoje o maior centro da China para a produção de desenhos animados, animação e software de jogos de computador.[100]

EsportesEditar

Em janeiro de 2013, a cidade de Shenzhen realizou um torneio WTA International de tênis. E a chinesa Na Li (Li Na) conquistou o título em 2013. Já em 2014, a Associação de Tenistas Profissionais anunciou uma alteração para o calendário masculino do circuito mundial de tênis. O ATP 250 de Bangkok na Tailândia, deu lugar para o ATP 250 de Shenzhen, e o torneio abriu a turnê asiática no ano de 2014, entre 22 e 28 de setembro, poucas semanas depois do fim do Grand Slam do US Open.

O evento foi sediado no complexo Shenzhen Longgang Sports Center, em uma estrutura com mais de 20 quadras de tênis. A transferência significou que, pela primeira vez, a China foi sede de um evento 250 (ATP de Shenzhen), um 500 (ATP de Pequim) e um 1000 (Shanghai Masters) nas três semanas durante a temporada pela Ásia em 2014. "A China tem sido há muito tempo um mercado em expansão para o tênis profissional masculino e estamos felizes por fortalecer nossa presença na região através da inclusão de Shenzhen. As oportunidades de crescimento na China continuam a crescer e esperamos fazer um grande evento em 2014. Queria também agradecer a todos que apoiaram o torneio de Bangkok nos últimos 11 anos", afirmou Alison Lee, vice-presidente da Associação de Tenistas Profissionais.

Panorama da cidade.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Cox, W (2018). Demographia World Urban Areas. 14th Annual Edition (PDF). St. Louis: Demographia. 22 páginas. Consultado em 15 de junho de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 3 de maio de 2018 
  2. «Shenzhen Continues to lead China's reform and opening-up». Consultado em 9 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 9 de julho de 2018 
  3. The rise of China's 'Silicon Valley' - CNN Video, consultado em 1 de dezembro de 2018, cópia arquivada em 2 de dezembro de 2018 
  4. «Shenzhen». U.S. Commercial Service. 2007. Consultado em 28 de fevereiro de 2008. Cópia arquivada em 12 de abril de 2015 
  5. «Lonely Planet names Shenzhen as a top city to visit in 2019». Cópia arquivada em 23 de outubro de 2018 
  6. «Archived copy» 昔日边陲小镇深圳的历史渊源. Consultado em 14 de outubro de 2018. Cópia arquivada em 15 de outubro de 2018 
  7. Fish, Isaac Stone (25 de setembro de 2010). «A New Shenzhen». Newsweek. Consultado em 29 de abril de 2014. Cópia arquivada em 29 de abril de 2014 
  8. «Archived copy» 2017年深圳经济有质量稳定发展 [In 2017, Shenzhen economy will have stable quality and development] (em chinês). Consultado em 23 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2018 
  9. Li, Zhu (李注). «Archived copy» 深圳将提高户籍人口比例 今年有望新增38万_深圳新闻_南方网. sz.Southcn.com. Consultado em 18 de abril de 2017. Cópia arquivada em 18 de abril de 2017 
  10. «Archived copy» 深圳大幅放宽落户政策 一年户籍人口增幅有望超过10%. finance.Sina.com.cn. Consultado em 18 de abril de 2017. Cópia arquivada em 18 de abril de 2017 
  11. «Inside Shenzhen: China's Silicon Valley». The Guardian. Consultado em 25 de maio de 2015. Cópia arquivada em 30 de abril de 2015 
  12. «The Global Financial Centres Index 19». Long Finance. Março de 2016. Consultado em 11 de abril de 2016. Cópia arquivada em 8 de abril de 2016 
  13. «The JOC Top 50 World Container Ports». Consultado em 25 de maio de 2015. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2015 
  14. a b 深圳概貌. Shenzhen People's Government. 12 de julho de 2011. Consultado em 25 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2011 
  15. «Archived copy» 深圳的前身并不是“小渔村”. Consultado em 17 de outubro de 2018. Cópia arquivada em 17 de outubro de 2018 
  16. 深圳市政府 (26 de agosto de 2016). «深圳概貌». 深圳政府在线. Consultado em 25 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 2 de março de 2017 
  17. a b c d «Archived copy» 深圳历史沿革. China Central Television. 7 de agosto de 2003. Consultado em 25 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 2 de junho de 2013 
  18. Brief History of Shenzhen Arquivado em 16 de abril de 2008 no Wayback Machine., Shenzhen Government official website.
  19. Rule, Ted and Karen, “Shenzhen, the Book”, Hong Kong 2014
  20. Wills 2011, p. 28.
  21. Stoltenberg, Clyde D. (1984). «China's Special Economic Zones: Their Development and Prospects». Asian Survey. 24 (6): 637–654. ISSN 0004-4687. JSTOR 2644396. doi:10.2307/2644396 
  22. Holmes, Frank (21 de abril de 2017). «China's New Special Economic Zone Evokes Memories Of Shenzhen». Forbes (em inglês). Consultado em 22 de março de 2019. Cópia arquivada em 22 de março de 2019 
  23. «The spirit of enterprise fades: Capitalism in China». The Economist. 394 (8666): 61. 23 de janeiro de 2010. Consultado em 28 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2010 
  24. «深圳经济特区». 广东省情网. 5 de maio de 2011. Cópia arquivada em 7 de setembro de 2017 
  25. 市情概貌. Consultado em 9 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 20 de setembro de 2016 
  26. «Archived copy» 深圳310条河流 173条黑脏臭 径流小是先天的硬伤. Consultado em 9 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 27 de fevereiro de 2017 
  27. a b [气候统计] 深圳市气候资料(来源:深圳市气象局) (em chinês). Shenzhen Meteorological Bureau. Consultado em 14 de maio de 2015. Cópia arquivada em 3 de julho de 2015 
  28. «Extreme Temperatures Around the World». Consultado em 4 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada em 4 de agosto de 2014 
  29. 2017年深圳经济有质量稳定发展 [In 2017, Shenzhen economy will have stable quality and development] (em Chinese). Consultado em 23 de fevereiro de 2018. Cópia arquivada em 23 de fevereiro de 2018 
  30. «Shenzhen General Info». Shenzhen Government Online. Consultado em 3 de julho de 2018. Cópia arquivada em 25 de maio de 2017 
  31. OECD Urban Policy Reviews: China 2015, OECD READ edition. OECD iLibrary. Col: OECD Urban Policy Reviews (em inglês). [S.l.]: OECD. 18 de abril de 2015. p. 37. ISBN 9789264230033. ISSN 2306-9341. doi:10.1787/9789264230040-en. Consultado em 8 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 27 de março de 2017 Linked from the OECD here Arquivado em 9 de dezembro de 2017 no Wayback Machine.
  32. CNBC.com, Justina Crabtree; special to (20 de setembro de 2016). «A tale of megacities: China's largest metropolises». CNBC. Consultado em 8 de dezembro de 2017. Cópia arquivada em 9 de dezembro de 2017. slide 2 
  33. Mead, Nick Van (28 de janeiro de 2015). «China's Pearl River Delta overtakes Tokyo as world's largest megacity». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 21 de agosto de 2019 
  34. Fuller, Ed. «China's Crown Jewel: The Pearl River Delta». Forbes (em inglês). Consultado em 21 de agosto de 2019 
  35. «深圳客家文化的历史追问». 深圳新闻网. 22 de junho de 2003. Consultado em 25 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 6 de junho de 2012 
  36. Sala, Ilaria Maria (10 de maio de 2016). «Story of cities #39: Shenzhen – from rural village to the world's largest megalopolis». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 21 de agosto de 2019 
  37. Martin, Michael. «Understanding China's Political System» (PDF). Congressional Research Service. Consultado em 13 de setembro de 2011. Cópia arquivada (PDF) em 8 de janeiro de 2012 
  38. «HSSCA». HSSCA (em inglês). Consultado em 2 de junho de 2017. Cópia arquivada em 17 de setembro de 2017 
  39. Nürnberg International - Informationen zu den Auslandsbeziehungen der Stadt Nürnberg
  40. Wei Ge (1999). «Chapter 4: The Performance of Special Economic Zones». Special Economic Zones and the Economic Transition in China. [S.l.]: World Scientific Publishing Co Pte Ltd. pp. 67–108. ISBN 978-9810237905 
  41. Fish, Isaac Stone (25 de setembro de 2010). «A New Shenzhen». Newsweek. Consultado em 29 de abril de 2014. Cópia arquivada em 29 de abril de 2014 
  42. «Special economic zone (SEZ) - Chinese economics». Encyclopedia Britannica 
  43. «Hong Kong economy surpassed by neighbour Shenzhen for first time». South China Morning Post (em inglês). 27 de fevereiro de 2019. Consultado em 5 de agosto de 2019 
  44. «Shenzhen named biggest economy in China's Guangdong province». South China Morning Post (em inglês). 6 de dezembro de 2017. Consultado em 9 de agosto de 2019 
  45. "Download WEO Data: April 2019 Edition" (Press release). Fundo Monetário Internacional. 9 de abril de 2019. Acessaod em 8 de maio de 2019.
  46. "China NBS national data" (Press release). National Bureau of Statistics of China. 1 de abril de 2019
  47. «Shenzhen economic expansion dwarfs growth in Hong Kong and Singapore». South China Morning Post (em inglês). 15 de janeiro de 2018. Consultado em 9 de agosto de 2019 
  48. «Statistics | The World Federation of Exchanges». www.world-exchanges.org. Consultado em 9 de agosto de 2019 
  49. a b «2015年深圳国民经济和社会发展统计公报». 深圳市统计局. Consultado em 3 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 28 de julho de 2017 
  50. «A rare look insider Huawei, China's tech giant». CNN. 21 de maio de 2019. Consultado em 22 de maio de 2019. Cópia arquivada em 22 de maio de 2019 
  51. CNN, Matt Rivers. «Inside China's Silicon Valley: From copycats to innovation». CNN. Consultado em 9 de agosto de 2019 
  52. Whitwell, Tom (13 de junho de 2014). «Inside Shenzhen: China's Silicon Valley». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 9 de agosto de 2019 
  53. Reynolds, Matt (7 de junho de 2016). «Inside Shenzhen: The Silicon Valley of hardware». Wired UK. ISSN 1357-0978. Consultado em 19 de agosto de 2019 
  54. «This Chinese City Is Becoming The Silicon Valley Of Hardware». HuffPost Canada (em inglês). 6 de novembro de 2014. Consultado em 20 de agosto de 2019 
  55. 深圳市政府新闻办 (12 de julho de 2011). «广东省交通概况(组图)». 玩家旅游网. Consultado em 22 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 16 de abril de 2012 
  56. 深圳市政府新闻办 (20 de julho de 2007). «口岸运输». 深圳政府在线. Consultado em 22 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 4 de novembro de 2011 
  57. "Contact Us Arquivado em 24 de setembro de 2015 no Wayback Machine.." Shenzhen Airlines. Acessado em 9 de setembro de 2009.
  58. «Archived copy» 联系我们. Shenzhen Donghai Airlines. Consultado em 24 de fevereiro de 2014. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2013. Address:Shenzhen Bao’an International Airport, Shenzhen Airlines. Post code:518128" – Chinese address: "地址:深圳市宝安区宝安国际机场航站四路3009号东海航空基地 邮政编码:518128 
  59. "Contact Us Arquivado em 11 de abril de 2009 no Wayback Machine.." Jade Cargo International. Acessado em 11 de julho de 2010.
  60. "Contact Us Arquivado em 7 de outubro de 2014 no Wayback Machine.." SF Airlines. Acessado em 24 de fevereiro de 2014. "SF Airlines Co., Ltd. Address: No.1 Freight Depot, International Shipping Center of Bao'an International Airport, Shenzhen, Guangdong Province, 518128, P.R.C." – Chinese address Arquivado em 1 de julho de 2014 no Wayback Machine.: "地 址:中国广东省深圳市宝安国际机场国际货运中心1号货站 邮 编:518128"
  61. «UPS Launches Shenzhen Flights». Ups.com. 8 de fevereiro de 2010. Cópia arquivada em 24 de julho de 2011 
  62. 2018年民航机场生产统计公报 (em chinês). Civil Aviation Administration of China. 5 de março de 2019. Consultado em 12 de março de 2019 
  63. "Ferry Transfer Arquivado em 8 de maio de 2018 no Wayback Machine.." Hong Kong International Airport. Acessado em 8 de maio de 2018.
  64. "Mainland Coaches Arquivado em 8 de maio de 2018 no Wayback Machine.." Hong Kong International Airport. Acessado em 8 de maio de 2018.
  65. 深圳市交通运输委员会; 深圳市城市交通规划设计研究中心. 《2016年深圳市综合交通年度评估报告》 (PDF) (em chinês). [S.l.: s.n.] 24 páginas. Consultado em 16 de janeiro de 2017. Cópia arquivada (PDF) em 16 de setembro de 2017 
  66. 康岩慧、吴燕云 (4 de dezembro de 2010). «无人售票公交车». 搜狐新闻. Consultado em 22 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 27 de maio de 2015 
  67. «Shenzhen Metro Now Supports QR Code Payment, Here's How it Works». That's Online (em inglês). Consultado em 25 de março de 2019. Cópia arquivada em 25 de março de 2019 
  68. «How to Pay Bus Fare with Your Phone in Shenzhen». That's Online (em inglês). Consultado em 25 de março de 2019. Cópia arquivada em 25 de março de 2019 
  69. «Shenzhen to Open 3 New Metro Lines by 2020». That's Online (em inglês). Consultado em 1 de novembro de 2019 
  70. «约起!深圳地铁5号线二期9月28日开通_深圳新闻网». www.sznews.com. Consultado em 1 de novembro de 2019 
  71. «ExploreShenzhen | Shenzhen Metro map | ExploreShenzhen». shenzhen.exploremetro.com. Consultado em 1 de novembro de 2019 
  72. 深圳市交通运输委员会 (6 de fevereiro de 2017). «2016年交通运输运营指标统计年报». Cópia arquivada em 11 de fevereiro de 2017 
  73. «龙华有轨电车正式开通(图) - 出行提醒 - 深圳市交通运输局(深圳市港务管理局)». www.sz.gov.cn. Consultado em 2 de novembro de 2019 
  74. «深圳市公交线路、站点一览表(2019年9月) - 公交服务 - 深圳市交通运输局(深圳市港务管理局)». jtys.sz.gov.cn. Consultado em 1 de novembro de 2019 
  75. Coren, Michael J. «One city in China has more electric buses than all of America's biggest cities have buses». Quartz (em inglês). Consultado em 1 de novembro de 2019 
  76. «Archived copy» 广东省深圳市人民政府关于印发《深圳市公交行业特许经营改革工作方案》的通知. www.chinalawedu.com. Consultado em 8 de junho de 2018. Cópia arquivada em 30 de março de 2019 
  77. «Archived copy» 深圳"红绿的"5日起统一收费(图)--部门动态. www.sz.gov.cn (em chinês). Consultado em 8 de junho de 2018. Cópia arquivada em 12 de junho de 2018 
  78. «How to Get to and from the Airport from Shenzhen». That's Online (em inglês). Consultado em 1 de novembro de 2019 
  79. PST, Adnan Farooqui on 01/06/2019 08:15. «Shenzhen's Taxi Fleet Goes Fully Electric As Well». Ubergizmo. Consultado em 7 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 8 de janeiro de 2019 
  80. a b Xiao, Jin (Janeiro de 1998). «Education Expansion in Shenzhen, China: Its Interface with Economic Development». International Journal of Educational Development. 18: 3–19 – via Science Direct 
  81. «深圳大学——特区大学、窗口大学、实验大学». 深圳大学. Consultado em 25 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2011 
  82. «Archived copy» 深圳大学. www.szu.edu.cn. Consultado em 13 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2018 
  83. 吴俊 (9 de junho de 2007). «深圳虚拟大学园吸引境内外48所名校入驻». 人民网. Consultado em 25 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 22 de setembro de 2011 
  84. 深圳新闻网 (18 de janeiro de 2010). «深圳市教育事业概况». 腾讯新闻. Consultado em 25 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 18 de setembro de 2010 
  85. «深圳又批一所中外合作办学高校:深圳北理莫斯科大学». 羊城晚报. 16 de setembro de 2015. Consultado em 25 de outubro de 2015. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2017 
  86. «深圳义务教育将免课本费杂费 34万外来学生受益». 深圳新闻网. 1 de setembro de 2008. Consultado em 25 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 6 de setembro de 2017 
  87. 胡谋 (25 de fevereiro de 2010). «深圳全面取消义务教育"借读费"». 人民网教育专栏. Consultado em 25 de outubro de 2011. Cópia arquivada em 28 de fevereiro de 2010 
  88. «深圳四大名校学位房单价最高逼近十万,家长称"咬牙也要买"». 羊城晚报. 30 de junho de 2016. Consultado em 24 de outubro de 2016. Cópia arquivada em 1 de julho de 2016 
  89. «2015年深圳国民经济和社会发展统计公报». 深圳市统计局. Consultado em 3 de agosto de 2017. Cópia arquivada em 28 de julho de 2017 
  90. «South China city eyes top teachers with offer of US$39,500 a year». South China Morning Post (em inglês). 20 de setembro de 2019. Consultado em 22 de setembro de 2019 
  91. «WebCite query result». www.webcitation.org. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2013 
  92. «WebCite query result». www.webcitation.org. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 25 de junho de 2012 
  93. a b «WebCite query result». www.webcitation.org. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 12 de setembro de 2011 
  94. «WebCite query result». www.webcitation.org. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 3 de abril de 2012 
  95. 图书馆之城简介 - 关于图书馆之城 - 图书馆之城 - 全国文化信息资源共享工程深圳中心. 21 de agosto de 2017. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 21 de agosto de 2017 
  96. report, Evan Osnos, Tribune foreign correspondent; Lu Jingxian contributed to this. «Chinese village paints by incredible numbers». chicagotribune.com (em inglês). Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2018 
  97. Fallows, James (19 de dezembro de 2007). «Workshop of the world, fine arts division». The Atlantic (em inglês). Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2018 
  98. «Demand grows for Chinese fake art | China News | Al Jazeera». www.aljazeera.com. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 15 de dezembro de 2018 
  99. «WebCite query result». www.webcitation.org. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 25 de maio de 2012 
  100. «WebCite query result». www.webcitation.org. Consultado em 12 de dezembro de 2018. Cópia arquivada em 28 de dezembro de 2013 

Ligações externasEditar