Sidônia da Saxônia

Sidônia da Saxônia (Mísnia, 8 de março de 1518 – Weissenfels, 4 de janeiro de 1575) foi uma princesa da Casa de Wettin e, pelo casamento, Duquesa de Brunsvique-Luneburgo e Princesa de Calembergue-Gotinga.

Sidônia da Saxônia
Duquesa de Brunsvique-Luneburgo
Princesa de Calembergue-Gotinga
Tinta a óleo, de Lucas Cranach, o Velho
Duquesa de Brunsvique-Luneburgo
Período 1545–1573
 
Nascimento 8 de março de 1518 (504 anos)
  Mísnia, Saxônia, Alemanha
Morte 4 de janeiro de 1575 (56 anos)
  Weissenfels, Burgenlandkreis, Saxônia-Anhalt, Alemanha
Sepultado em Catedral de Santa Maria
Cônjuge Érico II, Duque de Brunsvique-Luneburgo
Casa Casa de Wettin
Pai Henrique IV da Saxônia
Mãe Catarina de Mecklemburgo
Religião Luterana

VidaEditar

FamíliaEditar

Sidônia era filha do Duque Henrique IV da Saxônia (1473-1541) e sua esposa Catarina (1487-1561), filha do Duque Magnus II de Mecklemburgo. Era irmã do Eleitor Maurício da Saxônia, Augusto, Sibila da Saxônia (Duquesa de Saxe-Lauemburgo, a partir de 1540, por casamento) e Emília da Saxônia (Margravina de Brandemburgo-Ansbach, a partir de 1533, por casamento).

CasamentoEditar

Sidônia casou-se, em 17 de maio de 1545, com o Duque Érico II de Brunsvique-Luneburgo (1528-1584), que era dez anos mais jovem que ela. A cerimônia de casamento foi realizada em Hann. Münden sem a habitual pompa e circunstância.

Inicialmente, eles se gostaram. Érico tinha sido noivo de Inês de Hesse. Quando o casamento foi negociado na corte de Kassel, no entanto, ele já havia conhecido Sidônia. Ele gostou dela, e rompeu o noivado com Inês, para casar-se com Sidônia. O Landegrave Filipe de Hesse predisse: "Todos os tipos de coisas vão acontecer dentro deste casamento, depois que o mês dos beijos terminar."[1]

Dois anos após o casamento, em 1547, o Duque Érico começou seu governo, e reconverteu-se à fé católica, após a Reforma ter sido introduzida em seu Ducado, em 1542. Apesar das rogatibas de seu marido, Sidônia manteve sua fé luterana. Eles tiveram problemas financeiros, o casamento permaneceu sem filhos e, logo, o seu relacionamento tomou um rumo muito infeliz.

Os confrontos culminaram na sua suspeita de que seu marido queria envenená-la. Um mercador genovês entrou em contato com o irmão de Sidônia, Augusto, no ano de 1555, e informou-lhe que o Duque Érico tinha lhe encomendado o veneno, sob o fundamento de que "Érico era um cristão e sua esposa seria Luterana, era melhor que uma mulher fosse destruída do que 20.000 pessoas."[2] Érico voltou para uma moça com quem passou a viver no Castelo de Calenberg, a partir de 1563. Sidônia teve o acesso ao castelo recusado, que também foi baseado no fundamento de que ela tinha ameaçado: "se ela vier à minha casa, eu corto fora o nariz da vadia, e lhe furo um olho."[3]

Acusações de feitiçariaEditar

Sidônia esteve, de 1564 em diante, praticamente em prisão domiciliar e ela protestou vigorosamente ao seu irmão e ao Imperador, que enviou conselhos que tentaram, sem sucesso, compromisso com o Duque Érico. Em 1564, Érico ficou muito doente e suspeitou que foi envenenado. Quatro mulheres suspeitas de bruxaria foram queimadas como bruxas, em Neustadt am Rübenberge. Em 1570, a mediação do Imperador, o Eleitor da Saxônia e Duque Júlio de Brunsvique-Volfembutel, resultou em uma solução de litígios entre Sidônia e seu marido, na qual Sodônia receberia o Castelo de Calemberga. Érico, no entanto, não cumpriu o acordo.

Em 30 de março de 1572, o Duque Érico reuniu alguns dos seus conselheiros, nobres e deputados das cidades de Hanôver e Hamelin, no Castelo de Landestrost, em Neustadt. Ele acusou Sidônia de feitiçaria e de atentado contra sua vida. Ele apresentou provas obtidas mediante tortura das quatro mulheres que ele tinha executado por bruxaria. Sidônia dirigiu-se ao Imperador Maximiliano II e pediu uma revisão. Ela secretamente deixou Calenberg e viajou para Viena. O imperador Maximiliano, então, decretou que a investigação deveria ser realizada na corte imperial. No entanto, ele remeteu o caso para os Duques Júlio de Brunsvique-Volfembutel e Guilherme, O Jovem.

Em 17 de dezembro de 1573, o caso foi apresentado em Halberstadt, para a corte e um grande público. Todas as testemunhas retrataram seus depoimentos contra Sidônia e, em 1 de janeiro de 1574, a Duquesa foi absolvida de todas as acusações.

O Mosteiro de WeissenfelsEditar

De Viena, Sidônia viajou para Dresda, em outubro de 1572, até seu irmão e a esposa dele. Ao invés do Castelo de Calenberg e a prata que o Duque Érico tinha retido dela, ela recebeu, depois de vários acordos, uma indenização e uma pensão vitalícia. O Eleitor Augusto deu a ela o Mosteiro das Clarissas, em Weissenfels, com todos os rendimentos e juros. Sidônia viveu lá até sua morte, em 1575.

Devido à resistência de Sidônia, o Duque Júlio de Brunsvique não teve êxito em resolver amigavelmente a acusação de Érico contra Sidônia. Em 1573, Sidônia escreveu ao Duque Júlio: O Duque Érico está dificultando, porque ele vomitou as acusações, tirando, como falamos, não as roupas, mas a honra, que é o maior e mais precioso tesouro que uma mulher pobre possui neste mundo.[4]

De acordo com a sua vontade, Sidônia foi enterrada na Catedral de Santa Maria, em Freiberga. Ela deixou importantes somas de dinheiro para seus negociadores do julgamento de Halberstadt.

AscendênciaEditar

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
16. Frederico I, Eleitor da Saxônia
 
 
 
 
 
 
 
8. Frederico II, Eleitor da Saxônia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
17. Catarina de Brunsvique-Luneburgo
 
 
 
 
 
 
 
4. Alberto III, Duque da Saxônia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
18. Ernesto, Duque da Áustria
 
 
 
 
 
 
 
9. Margarida da Áustria, Eleitora da Saxônia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
19. Cimburga da Mazóvia
 
 
 
 
 
 
 
2. Henrique IV, Duque da Saxônia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
20. Vítor de Kunštát e Poděbrady
 
 
 
 
 
 
 
10. Rei Jorge de Poděbrady
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
21. Ana de Wartenberg
 
 
 
 
 
 
 
5. Sidônia de Poděbrady
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
22. Lord Smil de Sternberg
 
 
 
 
 
 
 
11. Cunegunda de Sternberg
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
23. Bárbara de Pardubice
 
 
 
 
 
 
 
1. Sidônia da Saxônia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
24. João IV, Duque de Mecklemburgo
 
 
 
 
 
 
 
12. Henrique IV, Duque de Mecklemburgo
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
25. Catarina de Saxe-Lauemburgo, Duquesa de Mecklemburgo
 
 
 
 
 
 
 
6. Magno II, Duque de Mecklemburgo
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
26. Frederico I de Brandemburgo
 
 
 
 
 
 
 
13. Princesa Doroteia de Brandemburgo
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
27. Isabel da Baviera, Eleitora de Brandemburgo
 
 
 
 
 
 
 
3. Catarina de Mecklemburgo
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
28. Vartislau IX, Duque da Pomerânia
 
 
 
 
 
 
 
14. Érico II, Duque da Pomerânia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
29. Sofia de Saxe-Lauemburgo-Ratzeburg
 
 
 
 
 
 
 
7. Sofia da Pomerânia
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
30. Bogislau IX, Duque da Pomerânia
 
 
 
 
 
 
 
15. Sofia da Pomerânia-Słupsk
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
31. Maria da Mazóvia
 
 
 
 
 
 

Referências

  • Martin Schemel: Um Cristão sermão fúnebre, para o corpo de sua Alteza a Princesa e Senhora Sidonie, nascido Duquesa da Saxônia, e a Princesa de Brunswick e Lüneburg, dada na Catedral de Freiburg por Martin Schemel, o reverendo em Weißenfels etc., Schwertel, 1575.
  • Helga-Maria Kuhn: ... isso me serve muito bem aqui. Os anos finais da Duquesa Sidonie 1573-1575 em Weißenfels, em: Astrid Fick (ed.): As Irmãs Pobres do Mosteiro em Weißenfels. Para sua 700 anos de história, Weißenfels, 2001, pp. 39-41.
  • Joachim Lehr: caça às bruxas em Hanôver-Calenberg e Calenberg-Göttingen, Lehrte 2005, ISBN 978-3-9803642-5-6.
  • Andrea Lilienthal: A Princesa e o poder. Guelph duquesas, no Século 16. Elizabeth, Sidonie, Sophie., Fontes e descrições da história da Baixa Saxónia, Volume 127, Hahnsche Livraria, em Hanôver, 2007.
  • Inge Mager: Elizabeth de Brandenburg - Sidonie da Saxônia. Duas mulheres destino no contexto da Reforma do Calenberg-Göttingen, em: 450 anos de Reforma, na Calenberg território, Laatzen, 1992, pp. 23-32.

Links externosEditar