Sidi al-Mandri II

(Redirecionado de Sidi Al-Mandri II)
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Almendarim.

Sidi Al-Mandri II, Mohamed el Mandari, Almenderim, Almendarim ou Almandarim (c. 1460 - c. 1537, Tetuão?) Alcaide de Tetuão e de Targa, figura da luta muçulmana contra as instalações dos cristãos em Marrocos.

Almendarim era neto (ou sobrinho segundo outras fontes) do arquitecto, refundador, e alcaide da mesma vila de Tetuão Abou Hassan ben ali el Mandari.

O nome de Almendarim refere-se nas crónicas portuguesas, a este alcaide, mas também a seu avô ou tio.

Inimigo dos portuguesesEditar

A maioria das crónicas portuguesas que falam de Marrocos durante essa época falam muito deste "famoso" alcaide, que confundem com seu avô, a maior parte do tempo associado ao alcaide de Xexuão, Barraxe, como se pode vêr nos artigos sobre os capitães ou governadores de Arzila, de Tânger, de Azamor, etc.

CasamentoEditar

Em 1510, Sidi Al-Mandri II casa-se com a filha de Mulei Ali Ibn Rachid (Cide Alé Barraxe), Sayda el Hora. Certos autores pensam que esta última reinou com seu marido sobre Tetuão. Quando Almendarim morre, em 1537, a sua mulher sucede-lhe.

Estes alcaides, ao contrário do Rei de Fez Mulei Xeque que tinha feito pazes com os portugueses, eram os maiores inimigos destes últimos, até que Mulei Mafamede sucede a seu pai, em 1504. A partir de então é como aliados muçulmanos que combatem os cristãos.

FontesEditar

  • Anais de Arzila, crónica inédita do século XVI, por Bernardo Rodrigues, Tomo I (1508-1525). Academia das sciências de Lisboa. Coimbra - Imprensa da Universidade-1915;
  • David Lopes: História de Arzila. Coimbra, imprensa da universidade, 1924-1925
  • Pedro de Mariz : Diálogos de Vária História. Em coimbra, Na Officina de António de Mariz. MDLXXXXVIII (1598)
  • Abdelkader el-Afiya: Amirat al-Jabal, Al-Hurra bent Ali ibn Rachid – Imprimerie Annour – Tétouan, 1989


Precedido por
Sidi Al-Mandri
Alcaide de Tetuão
1494-1537?
Sucedido por
Sayda el Hora