Silvano Maria Tomasi

Silvano Maria Tomasi
Cardeal da Igreja Católica
Delegado Especial da Ordem Soberana e Militar de Malta
Arcebispo Tomasi na Conferência Diplomática da WIPO sobre o Tratado dos Cegos em Marrakech
Hierarquia
Papa Francisco
Superior-geral Pe. Leonir Chiarello, C.S.
Atividade eclesiástica
Congregação Congregação dos Missionários de São Carlos
Diocese Ordem Soberana e Militar de Malta
Serviço pastoral Delegado do Santo Padre
Nomeação 1 de novembro de 2020
Predecessor Giovanni Angelo Becciu
Mandato 2020 -
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 31 de maio de 1965
Nova Iorque
por Joseph Maria Pernicone
Ordenação episcopal 17 de agosto de 1996
Igreja de San Rocco de Casoni di Mussolente
por Dom Angelo Cardeal Sodano
Nomeado arcebispo 27 de junho de 1996
Brasão arquiepiscopal
Coat of arms of Silvano Maria Tomasi.svg
Cardinalato
Criação 28 de novembro de 2020
por Papa Francisco
Ordem Cardeal-diácono
Título São Nicolau no Cárcere
Brasão
Silvano Maria Tomasi (cardinal).svg
Lema CUM LIBERTATE JUSTITIA
Dados pessoais
Nascimento Casoni di Mussolente
12 de outubro de 1940 (80 anos)
Nacionalidade italiano
Habilitação académica Fordham University
Funções exercidas - Núncio Apostólico em Djibouti, na Etiópia e Eritreia
Títulos anteriores - Arcebispo-titular de Cercina
- Arcebispo-titular de Asolo
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Silvano Maria Tomasi, CS (Casoni di Mussolente, 12 de outubro de 1940) é um cardeal católico do serviço diplomático da Santa Sé. É o atual Delegado Especial do Santo Padre junto à Ordem Soberana e Militar de Malta.

BiografiaEditar

Ele nasceu em Casoni di Mussolente, Itália. Recebeu formação educacional na Itália e nos Estados Unidos onde estudou teologia e foi ordenado padre em 31 de maio de 1965 na Congregação dos Missionários de São Carlos pelo bispo-auxiliar de Nova Iorque, Joseph Maria Pernicone.[1][2] Ele conseguiu seu Ph.D. em sociologia pela Fordham University. Ele co-fundou o Center for Migration Studies, um think tank com sede em Nova Iorque, e escreveu um livro sobre o legado histórico das paróquias italianas da cidade.[1]

Foi Superior Provincial de sua Congregação religiosa. De 1983 a 1987, foi o primeiro Diretor do Escritório da Pastoral dos Migrantes e Refugiados (PCMR) da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (NCCB/USCC). De finais de 1989 até junho de 1996, foi Secretário do Pontifício Conselho para a Pastoral dos Migrantes e Itinerantes.[1]

Em 27 de junho de 1989, o Papa João Paulo II o nomeou Secretário do Pontifício Conselho para a Pastoral dos Migrantes e dos Povos Itinerantes. Foi nomeado núncio apostólico na Eritreia e Etiópia e delegado apostólico no Djibouti em 27 de junho de 1996, sendo consagrado como arcebispo-titular de Cercina em 17 de agosto de 1996, na Igreja de San Rocco de Casoni di Mussolente pelo cardeal Angelo Sodano, secretário de Estado, coadjuvado por Giovanni Cheli, presidente do Pontifício Conselho para a Pastoral dos Migrantes e Itinerantes e por Paolo Magnani, bispo de Treviso.[2]

Em 24 de novembro de 1999, é transferido para a sé titular de Asolo.[2] Torna-se núncio apostólico para Djibouti em 23 de dezembro de 2000.[3]

Em 10 de junho de 2003, foi nomeado Observador Permanente da Santa Sé junto ao Escritório das Nações Unidas e das Instituições Especializadas em Genebra e Observador Permanente junto à Organização Mundial do Comércio (OMC), cargo ocupado até 13 de fevereiro de 2016.[1]

Em 9 de abril de 2016, o Papa Francisco nomeou-o membro do antigo Pontifício Conselho Justiça e Paz, hoje Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral.[1]

Papel em GenebraEditar

Em 10 de junho de 2003, Tomasi foi nomeado Observador Permanente da Santa Sé junto às Nações Unidas em Genebra.[4]

Ele foi amplamente criticado em setembro de 2009, após um discurso em que elogiou o histórico da Igreja sobre abuso sexual de crianças em comparação com o de outras organizações, argumentando que "de todos os padres envolvidos nos abusos, 80 a 90% pertencem a essa minoria de orientação sexual que está envolvida sexualmente com meninos adolescentes entre 11 e 17 anos" e "Como a Igreja Católica está ocupada limpando sua própria casa, seria bom que outras instituições e autoridades, onde a maior parte dos abusos são relatados, pudessem fazer o mesmo e informar a mídia sobre isso".[5][6]

Tomasi "incentivou a aprovação de um protocolo internacional que daria às crianças uma linha direta de comunicação com as autoridades locais e internacionais quando elas são vítimas de violência ou seus direitos são violados". Tomasi disse que a medida "se tornará um instrumento significativo do sistema de direitos humanos". O documento aumentaria as proteções previstas na Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança. Em 8 de junho de 2011, na Conferência Internacional do Trabalho da ONU, em Genebra, o arcebispo Tomasi pediu que todos os envolvidos no "sistema econômico florescente e mercurial" trabalhem para promover princípios fundamentais que garantam o respeito pelo bem comum e a proteção dos mais vulneráveis.[7]

Em 2014, o Comitê dos Direitos da Criança da ONU publicou um relatório[8] descrito como "uma acusação contundente do tratamento do Vaticano de casos de abuso sexual infantil envolvendo clérigos, divulgando um relatório que incluía críticas aos ensinamentos da igreja sobre homossexualidade, igualdade de gênero e aborto"[9] que foi visto como uma acusação pela Igreja Católica de lidar com casos de abuso sexual infantil envolvendo clérigos, indo além de como a igreja conseguiu acusações de abuso para incluir críticas a seus ensinamentos sobre homossexualidade, igualdade de gênero e aborto. O arcebispo Tomasi compareceu perante um comitê da ONU em Genebra. As autoridades do Vaticano disseram que ainda estudavam as descobertas, mas responderam com raiva ao que descreveram como recomendações ideologicamente tendenciosas. O frei Thomas Rosica, presidente da Salt + Light Television, disse que o relatório da ONU considerava erroneamente o catolicismo como uma única organização. Tomasi disse que suspeita que ONGs pelos direitos dos gays tenham influenciado o comitê e "reforçado uma linha ideológica" na ONU.[10]

Tomasi afirmou que, "por mais sofisticados que sejam os sistemas de armas autônomas, eles nunca podem cumprir a lei internacional de direitos humanos". "O envolvimento humano significativo é absolutamente essencial nas decisões que afetam a vida e a morte dos seres humanos", disse o arcebispo Tomasi, em reunião de 13 a 16 de maio, para discutir sistemas letais de armas autônomas, como drones. O arcebispo Tomasi disse que é essencial "reconhecer que os sistemas de armas autônomos nunca podem substituir a capacidade humana de raciocínio moral, inclusive no contexto da guerra". "O desenvolvimento de sistemas de armas autônomos acabará por levar a uma proliferação generalizada", disse ele, e "o desenvolvimento de sistemas complexos de armas autônomas que afastam o ator humano da tomada de decisões letais é míope e pode alterar irreversivelmente a natureza da guerra no país numa direção menos humana, levando a consequências que não podemos prever, mas que, de qualquer forma, aumentarão a desumanização da guerra".[11]

Em discurso à Rádio Vaticano em agosto de 2014, o arcebispo Tomasi comentou que "talvez seja necessária ação militar neste momento" no Iraque.[12] Ainda disse que "o que parece particularmente importante na carta do Santo Padre a Ban Ki-moon são as expressões que ele usa: a situação trágica obriga a comunidade internacional. Há um imperativo moral, por assim dizer, uma necessidade de agir". Ele acrescentou que a Carta da ONU observa que às vezes "o diálogo, as negociações, o fracasso e um grande número de pessoas se vêem em risco: em risco de genocídio, em risco de ter seus direitos humanos fundamentais, violados. Nesse caso, quando todos os outros meios são tentados, o artigo 42 da Carta das Nações Unidas torna-se possível justificativa para não apenas impor sanções de natureza econômica ao estado ou ao grupo ou à região que viola os direitos humanos básicos das pessoas, mas também para usar a força. Toda a força necessária para deter esse mal e essa tragédia."[13]

Em 2015, o arcebispo Tomasi disse que os jihadistas estavam cometendo "genocídio" e devem ser interrompidos. Ele disse: "O que é necessário é uma coalizão coordenada e bem pensada para fazer todo o possível para alcançar um acordo político sem violência. Mas se isso não for possível, será necessário o uso da força". Ele acrescentou: "Temos que parar esse tipo de genocídio. Caso contrário, estaremos gritando no futuro sobre por que não fizemos algo assim, por que permitimos que uma tragédia tão terrível acontecesse." [14][15]

Tomasi se aposentou após o anúncio da nomeação de seu sucessor em Genebra, o arcebispo Ivan Jurkovič, em 13 de fevereiro de 2016.[16][17]

Em 25 de outubro de 2020, o Papa Francisco anunciou que o criaria cardeal no consistório programado para 28 de novembro de 2020.[1] Em 1 de novembro, foi nomeado pelo Papa como seu Delegado Especial junto à Ordem Soberana e Militar de Malta, em lugar de Giovanni Angelo Becciu.[18] Recebeu o barrete vermelho e o título de cardeal-diácono de São Nicolau no Cárcere.[19]

Referências

  1. a b c d e f «Annuncio di Concistoro il 28 novembre per la creazione di nuovi Cardinali, 25.10.2020» (em italiano). Sala de Imprensa da Santa Sé 
  2. a b c Catholic Hierarchy
  3. «NOMINA DEL NUNZIO APOSTOLICO IN GIBUTI» (Nota de imprensa) (em italiano) 
  4. «NOMINA DELL'OSSERVATORE PERMANENTE DELLA SANTA SEDE PRESSO L'UFFICIO DELLE NAZIONI UNITE ED ISTITUZIONI SPECIALIZZATE A GINEVRA ED OSSERVATORE PERMANENTE PRESSO L'ORGANIZZAZIONE MONDIALE DEL COMMERCIO (O.M.C.)» (Nota de imprensa) (em italiano) 
  5. Butt, Riazat (28 de setembro de 2009). «Sex abuse rife in other religions, says Vatican». The Guardian (em inglês) 
  6. Rothkopf, David (1 de outubro de 2009). «Foreign Policy: The Vatican And Child Abuse». NPR (em inglês) 
  7. http://www.catholicnews.com/data/stories/cns/1102337.htm[ligação inativa]
  8. «Concluding observations on the second periodic report of the Holy See» (PDF) (em inglês) 
  9. Faiola, Anthony; Boorstein, Michelle (5 de fevereiro de 2014). «U.N. panel blasts Vatican handling of clergy sex abuse, church teachings on gays, abortion». Washington Post (em inglês). Consultado em 26 de novembro de 2015 
  10. «Vatican envoy rejects UN panel's critical verdict on clerical abuse scandal». The Guardian (UK) (em inglês). 5 de fevereiro de 2014. Consultado em 26 de novembro de 2015 
  11. Wooden, Cindy (15 de maio de 2014). «Vatican official voices opposition to automated weapons systems». Catholic Herald (em inglês) 
  12. «Iraq: Abp Tomasi on Pope's appeal to UN's Ban Ki-moon» (em inglês) 
  13. «Vatican diplomacy focuses on humanitarian intervention in Iraq» (em inglês) 
  14. «Islamic State: Vatican backs using military force». BBC News (em inglês). 15 de março de 2015 
  15. Allen Jr., John L. (13 de março de 2015). «Vatican backs military force to stop ISIS 'genocide'». Crux 
  16. Harris, Elise (15 de fevereiro de 2016). «Pope Francis Names New Permanent Observer to the UN in Geneva». National Catholic Register. Consultado em 19 de julho de 2019 
  17. «Nomina dell'Osservatore Permanente della Santa Sede presso l'Ufficio delle Nazioni Unite ed Istituzioni Specializzate a Ginevra e Osservatore Permanente presso l'Organizzazione Mondiale del Commercio» (em italiano). Sala de Imprensa da Santa Sé 
  18. «Lettera Pontificia al Cardinale eletto Silvano Maria Tomasi per la nomina a Delegato Speciale presso il Sovrano Militare Ordine di Malta, 01.11.2020» (em italiano). Sala de Imprensa da Santa Sé 
  19. «Assegnazione dei Titoli e delle Diaconie ai nuovi Cardinali» (em italiano). Sala de Imprensa da Santa Sé 

Ligações externasEditar


Precedido por
Marin Srakić
 
Arcebispo-titular de Cercina

19961999
Sucedido por
Angelo Mottola
Precedido por:
Patrick Coveney
 
Núncio Apostólico na Etiópia

Sucedido por:
Ramiro Moliner Inglés
 
Núncio Apostólico no Djibouti

19962003
Precedido por
Patrick Coveney
 
Núncio Apostólico na Eritreia

19962003
Sucedido por
Dominique François Joseph Mamberti
Precedido por
Carlo Fanton
 
Arcebispo-titular de Asolo

19992020
Sucedido por
sede vacante
Precedido por
Diarmuid Martin
 
Observador Permanente da Santa Sé
junto às Nações Unidas em Genebra

20032016
Sucedido por
Ivan Jurkovič
Precedido por
Giovanni Angelo Becciu
 
Delegado Especial junto à
Ordem Soberana e Militar de Malta

2020
Sucedido por
incumbente
Precedido por
Zenon Grocholewski
 
Cardeal-diácono de
São Nicolau no Cárcere

2020
Sucedido por
incumbente