Sinais (filme)

filme de 2002 dirigido por M. Night Shyamalan
Disambig grey.svg Nota: "Signs - Sinais" redireciona para este artigo. Para a canção, veja Signs (canção de Claudia Leitte).

Signs (bra: Sinais[2][3]; prt: Sinais[4], ou Signs - Sinais[5][6]) é um filme estadunidense de 2002, dos gêneros drama, ficção científica e suspense, escrito e dirigido por M. Night Shyamalan.[3][6]

Sinais
Signs
Cartaz do filme
 Estados Unidos
2002 •  cor •  107[1] min 
Direção M. Night Shyamalan
Produção
Roteiro M. Night Shyamalan
Elenco
Gênero
Música James Newton Howard
Cinematografia Tak Fujimoto
Edição Barbara Tulliver
Companhia(s) produtora(s) Touchstone Pictures
Blinding Edge Pictures
The Kennedy/Marshall Company
Distribuição Buena Vista Pictures
Idioma inglês
Orçamento US$ 72 milhões[1]
Receita US$ 408.247.917[1]

A história centra-se em um ex-pastor episcopal chamado Graham Hess, que descobre uma série de círculos em seu milharal. Hess lentamente torna-se convencido de que os fenômenos são o resultado de vida extraterrestre. É estrelado por Mel Gibson, Joaquin Phoenix, Rory Culkin e Abigail Breslin. Signs explora a fé, parentesco e extraterrestres.[7]

Considerando seus US$ 72 milhões para os custos do orçamento, o filme foi considerado um forte sucesso financeiro após a sua exibição nos cinemas, e foi, em geral recebido com resenhas mistas a positivas de críticas antes de sua exibição inicial nos cinemas, com os críticos elogiando sua atmosfera e história, mas criticando o seu roteiro e performances.[8]

SinopseEditar

 
Círculos desenhados em uma plantação

O filme conta a história de uma família que mora em uma fazenda de milho do interior dos Estados Unidos (mais precisamente na Pensilvânia) e que tenta se proteger de uma invasão alienígena. O pai, Graham Hess (Mel Gibson), é um pastor episcopal que perdeu sua fé e abandonou o ministério após sua esposa morrer atropelada por um motorista adormecido ao volante (interpretado pelo próprio diretor do filme, M. Night Shyamalan). Ele mora com seu irmão Merril (Joaquin Phoenix), ex-jogador da liga amadora de beisebol; e seus filhos Morgan (Rory Culkin), que sofre de asma; e Bo (Abigail Breslin), que espalha copos d'água pela casa por nunca bebê-los até o fim.


ElencoEditar

  • Mel Gibson .... Graham Hess, um ex-pastor episcopal, irmão mais velho de Merrill e pai de Morgan e Bo.
  • Joaquin Phoenix .... Merrill Hess, irmão mais novo de Graham e tio de Morgan e Bo, que vive com eles. Ele é um ex-jogador de beisebol da liga amadora.
  • Rory Culkin .... Morgan Hess, filho de Graham Hess, o irmão mais velho de sua irmã Bo, e sobrinho de Merrill.
  • Abigail Breslin .... Bo Hess, filha de Graham Hess, irmã mais nova de Morgan, e sobrinha de Merrill. A caçula da família Hess.
  • Cherry Jones .... Oficial Paski
  • M. Night Shyamalan .... Ray Reddy, o homem responsável pela morte de Colleen, para o qual ele se sente profundamente arrependido.
  • Patricia Kalember .... Collen Hess, a falecida esposa de Graham, mãe de Morgan e Bo e cunhada de Merrill. Ela é vista apenas nos flashbacks de Graham.
  • Ted Sutton .... SFC Cunningham, um recrutador do Exército.
  • Merritt Wever .... Tracey Abernathy, uma assistente farmacêutica.
  • Lanny Flaherty .... Sr. Nathan
  • Marion McCorry .... Sra. Nathan
  • Michael Showalter .... Lionel Prichard

ProduçãoEditar

O diretor M. Night Shyamalan escreveu o roteiro de Signs pensando numa pessoa mais velha para protagonizá-lo. Após a contratação de Mel Gibson, acabou refazendo o roteiro para adequá-lo à idade do ator.[9] Inicialmente, seria o ator Mark Ruffalo quem interpretaria o personagem Merrill Hess, mas problemas de saúde o impediram e o papel ficou com Joaquin Phoenix.[9] Antes do início das filmagens, vários campos de milho foram plantados em épocas distintas, para que no filme pudessem ser utilizados na intenção de passar a impressão de que ocorreram mudanças de estações no decorrer da história.[9] Este é o filme de estreia de Abigail Breslin.[9]

Trilha sonoraEditar

 Ver artigo principal: Signs (trilha sonora)

Todas as músicas compostas por James Newton Howard.[10]

Signs: Original Score
SignsOST.jpg
Trilha sonora de James Newton Howard
Lançamento 30 de julho de 2002
Duração 45:29
Gravadora(s) Hollywood
Produção James Newton Howard

Lista de faixasEditar

Título Duração
1. "Main Titles"   1:45
2. "First Crop Circles"   3:15
3. "Roof Intruder"   2:20
4. "Brazilian Video"   1:56
5. "In the Cornfield"   5:40
6. "Baby Monitor"   1:07
7. "Recruiting Office"   2:07
8. "Throwing a Stone"   5:47
9. "Boarding Up the House"   3:00
10. "Into the Basement"   5:23
11. "Asthma Attack"   3:42
12. "The Hand of Fate (Parte 1)"   5:32
13. "The Hand of Fate (Parte 2)"   3:47

RecepçãoEditar

Resposta da críticaEditar

Signs tem recepção favorável por parte da crítica especializada. Com tomatometer de 74% em base de 226 críticas, o Rotten Tomatoes publicou um consenso: “Com Sinais, Shyamalan prova mais uma vez um especialista em construção de suspense e dando audiência calafrios”. Tem 67% de aprovação por parte da audiência, usada para calcular a recepção do público a partir de votos dos usuários do site.[11] No Metacritic, que atribui uma avaliação normalizada em 100 a partir de comentários críticos convencionais, o filme marcou um 59, baseado em 36 avaliações, indicando "críticas mistas ou médias".[12]

Roger Ebert deu ao filme quatro estrelas, escrevendo "Sinais de M. Night Shyamalan é o trabalho de um cineasta, capaz de armar-se de apreensão do nada. Quando acabou, não pensamos sobre o quão pouco foi decidido, mas o muito que se tem experimentado ... No final do filme, eu tinha que sorrir, reconhecendo como Shyamalan tem escavado uma recompensa. Ele sabe, como qualquer sentido, que os pagamentos estavam entediados".[13] Nell Minow do Common Sense Media deu ao filme quatro de cinco estrelas; ela muito elogiado o elenco e direção de Shyamalan, dizendo que sua única falha foi não deixar nada para a imaginação do público.[14]

Mike LaSalle do San Francisco Chronicle deu ao filme uma estrela de quatro, sentindo que o filme tinha "poucos pensamentos e nenhuma emoção".[15] Todd McCarthy da revista Variety criticou o filme por sua falta de originalidade, escrevendo "Depois do extenuado Unbreakable e agora o escasso Signs, é justo especular se a persistência de Shyamalan em replicar a fórmula de outro mundo de The Sixth Sense pode não ser um exercício fútil e auto-destrutivo".[16]

Referências

  1. a b c «Signs (2002)». Box Office Mojo. Consultado em 1 de fevereiro de 2011 
  2. «Sinais». Brasil: AdoroCinema. Consultado em 22 de dezembro de 2019 
  3. a b «Sinais». Brasil: CinePlayers. Consultado em 22 de dezembro de 2019 
  4. «Sinais». Portugal: DVDPT. Consultado em 22 de dezembro de 2019 
  5. «Signs - Sinais». Portugal: SapoMag. Consultado em 22 de dezembro de 2019 
  6. a b «Signs - Sinais». Portugal: CineCartaz. Consultado em 22 de dezembro de 2019 
  7. Shyamalan, M. Night (Director). (2002). Signs [Motion picture]. United States: Touchstone Pictures.
  8. «Signs - Movie Reviews». Rotten Tomatoes. Consultado em 15 de novembro de 2012 
  9. a b c d «Signs». AdoroCinema. Consultado em 14 de novembro de 2014 
  10. 10 of the Most Underrated Horror Scores!. Bloody-Disgusting.com. Retrieved 2011-02-21.
  11. «Signs» (em inglês). Rotten Tomatoes. Consultado em 7 de abril de 2014 
  12. «Signs Reviews, Ratings, Credits». Metacritic. CNET Networks, Inc. Consultado em 5 de maio de 2010 
  13. «Signs :: rogerebert.com :: Reviews». Chicago Sun-Times. 2 de agosto de 2002. Consultado em 21 de fevereiro de 2011 
  14. «Signs - Movie Review». Commonsensemedia.org. 18 de maio de 2003. Consultado em 15 de novembro de 2012 
  15. Lasalle, Mick (2 de agosto de 2002). «'Signs' of distress / Shyamalan's puzzling plot circles go flat quickly». The San Francisco Chronicle 
  16. McCarthy, Todd (29 de julho de 2002). «Signs Movie Review». Variety. Consultado em 21 de fevereiro de 2011 
  Este artigo sobre um filme estadunidense é um esboço relacionado ao Projeto Entretenimento. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.