Sinsariscum

Sinsariscum[1] (em acádio: Sinsharishkun in Akkadian.png; romaniz.: Sîn-šar-iškun , lit. "Sim estabeleceu o rei") foi o segundo filho de Assurbanípal e penúltimo rei da Assíria que reinou entre 626/623 a.C. até 612 a.C..

Sinsariscum
Rei da Assíria
Rei da Babilônia
Rei do Universo
Carta de Sinsariscum para Nabopolassar da Babilônia no Metropolitan Museum of Art.
Rei do Império Neoassírio
Reinado 626/623 a.C. - 612 a.C.
Predecessor Assuretililani/Sinsumulisir
Sucessor Assurubalite II
Rei da Babilônia
Reinado 626 a.C. - 620 a.C.
Predecessor Sinsumulisir
Sucessor Nabopolassar
Dinastia sargonida
Nome completo Sîn-šarru-iškun
Nascimento Século VII a.C.
Morte 612 a.C.
  Nínive
Pai Assurbanípal
Mãe Libalisarrate

Depois da morte do grande rei Assurbanípal em 627 a.C., seu filho Sinsariscum foi declarado rei, mas seu irmão Assuretelilani conseguiu ocupar o trono em Nínive, enquanto Sinsariscum ficou com suas tropas na região leste do país.[carece de fontes?]

ReinadoEditar

A disputa terminou com a morte deste último com Nipur, o que motivou que Sinsariscum abandonasse a Babilônia e fosse encaminhado a Nínive para ocupar o trono da Assíria, muito mais importante que o da Babilônia. Pouco depois, o caldeu Nabopolassar, cabeça do país do mar, com as mãos livres e aproveitando as dificuldades internas da Assíria, se lançou para atacar cidades Uruque e Nipur, deixando a Suméria e a Acádia livres.[2]

Mesmo em um ousado, a RAID poderia colocar cerco à própria Assur, a antiga capital assíria. A estes confrontos armados junta-se a presença das tropas dos medos, que, lideradas por Ciaxares, filho de Fraortes, avançaram sobre Arrafa, Nipur e por último Assur, a cidade que não aguentou.[2]

Nabopolassar, já entitulado rei da Babilônia e à luz desses acontecimentos, preferiu negociar com os medos e selou um tratado com Ciaxares, o qual foi reforçado com um casamento político entre seu filho Nabucodonosor II e Amitis, a neta do rei medo. Sinsariscum mal conseguia reagir a essas ações.[2]

Em 612 a.C., os medos, citas e caldeus sitiaram Nínive, cidade que, apesar de sua resistência inicial, foi finalmente tomada e saqueada, e Sinsariscum morreu durante a batalha. De acordo com a Crônica Babilônica, algumas tropas assírias conseguiram sobreviver e se reorganizarem por um oficial assírio (que assumiu o nome de Assurubalite II), não conseguindo fugir do país de Harã.[2]

Referências

  1. Reichert 1972, p. 26.
  2. a b c d «Biography of King of Asiria Sin-Shar-Ishkun (623-612 a.C.)». thebiography.us (em inglês). Consultado em 13 de novembro de 2020 

BibliografiaEditar

  • Reichert, Rolf (1972). História da Palestina: dos primórdios aos nossos dias. Barcelona: Herder