Sionismo cristão

Sionismo cristão é uma crença difundida entre alguns cristãos, notadamente evangélicos pentecostais[1] e neopentecostais,[2] de que o retorno dos judeus à Terra Santa, o estabelecimento do Estado de Israel, em 1948, e a expulsão dos "gentios" de Jerusalém - sob ocupação israelense desde 1967 -, estão de acordo com a profecia bíblica.[3] O sionismo cristão sobrepõe-se mas é distinto do movimento do século XIX pelo retorno dos judeus à Terra Santa, que teve adeptos motivados tanto por convicções religiosas como políticas. O conceito de sionismo cristão popularizou-se em meados do século XX, substituindo o termo restauracionismo.[4]

Alguns cristãos sionistas acreditam que o ajuntamento dos judeus em Israel é uma precondição para a Segunda vinda de Jesus. Tal crença é principalmente, embora não exclusivamente, associada com o Dispensacionalismo cristão. A ideia de que os cristãos devem apoiar ativamente o retorno dos judeus à Terra de Israel, paralelamente à ideia de que os judeus deveriam ser encorajados a se tornarem cristãos, como um meio de cumprir a profecia bíblica, tem sido comum nos círculos protestantes desde a Reforma.[5][6][7]

Tal como os sionistas judeus, muitos cristãos sionistas acreditam que o povo de Israel é o povo escolhido de Deus, juntamente com os cristãos e gentios "enxertados" [ Romanos 11, 17-24].

Entre os que advogaram ou profetizaram a retomada da terra de Israel pelos judeus estiveram John Milton, Locke, Newton, Priestley, Fichte e Robert Browning, além do caso mais conhecido de George Eliot. Entre os políticos podem ser citados Lord Shaftesbury, Palmerston, Milner e Lloyd George. Na tradição iluminista, recorde-se o chamado de Napoleão aos judeus para a reconquista de seu patrimônio durante a campanha síria de 1799. Entre as elites políticas e burocráticas europeias, o sionismo cristão foi quase sempre compatível com o antissemitismo, já que ambos eram favoráveis à saída dos judeus da Europa.[8]

Proponentes notáveisEditar

Ver TambémEditar

ReferênciasEditar

  1. Nederveen Pieterse, J. (1991). The History of a Metaphor: Christian Zionism and the Politics of Apocalypse. Archives de Sciences Sociales des Religions, 36(75), 75-103.
  2. a b “Se eu fosse presidente, reconheceria Jerusalém como capital de Israel”, afirma Jair Bolsonaro. Notícias Gospel +, 12 de dezembro de 2017.
  3. a b Judeus reclamam do uso de símbolos por Bolsonaro. Correio Braziliense, 25 de agosto de 2019.
  4. Christian Zionism - What is it? Is it biblical? Is it dangerous? Does it matter? Por David R. Reagan.
  5. Oren, Michael, Power, Faith and Fantasy: America in the Middle East: 1776 to the Present, W.W. Norton, 2007
  6. Boyer, Paul S., When Time Shall Be No More: Prophecy Belief in Modern American Culture, Cambridge, MA: Harvard University Press, 1992.
  7. Berlet, Chip, and Nikhil Aziz. “Culture, Religion, Apocalypse, and Middle East Foreign Policy,” IRC Right Web, Silver City, NM: Interhemispheric Resource Center, 2003, online Arquivado em 14 de junho de 2011, no Wayback Machine.
  8. Perry Anderson. Em Disparada Rumo a Belém. Novos Estudos Cebrap, ed. 62.
  9. a b c d e f Brog, David, Standing with Israel, FrontLine, 2006.
  10. David Pawson, Defending Christian Zionism. Terra Nova Publications, 2008, ISBN 9781901949629
  11. Audio: Reverend Manning Talks About American Black-Jewish Relations

BibliografiaEditar

  • James Alton Croker III. Peace on G-d's terms: The ideological project of Christian Zionism (2008). Master's Theses and Capstones, 72. University of New Hampshire.
  • Paul Richard Wilkinson. For Zion's Sake: Christian Zionism and the Role of John Nelson Darby ISBN 978-1-84227-569-6, Paternoster Press, Authentic, Carlisle 2008.
  • Zev Chafets. "A Match Made in Heaven: American Jews, Christian Zionists, and One Man's Exploration of the Weird and Wonderful Judeo-Evangelical Alliance" 2007 HarperCollins
  • Victoria Clark. "Allies for Armageddon: The Rise of Christian Zionism" 2007
  • Donald M. Lewis "The Origins of Christian Zionism: Lord Shaftesbury and Evangelical Support for a Jewish Homeland" Cambridge University Press. 2009. ISBN 978-0-521-51518-4
  • Rammy Haija. The Armageddon Lobby: Dispensationalist Christian Zionism and the Shaping of US Policy Towards Israel-Palestine. Holy Land Studies 5(1):75-95. 2006. The Armageddon Lobby
  • Irvine Anderson. Biblical interpretation and Middle East policy: the promised land, America, and Israel, 1917-2002. University Press of Florida. 2005. ISBN 0-8130-2798-5.
  • Tony Campolo. The Ideological Roots of Christian Zionism. Tikkun, janeiro-fevereiro de 2005.
  • Stephen Sizer. Christian Zionism: Road map to Armageddon? InterVarsity Press. 2004. ISBN 0-8308-5368-5. Review
  • Gershom Gorenberg. The End of Days: Fundamentalism and the Struggle for the Temple Mount. Oxford University Press. 2002. ISBN 0-19-515205-0
  • Paul Charles Merkley. The Politics of Christian Zionism 1891–1948. Frank Cass. 1998. ISBN 0-7146-4850-7
  • Lawrence Jeffrey Epstein. Zion’s call: Christian contributions to the origins and development of Israel. University Press of America. 1984.
  • Michael Oren. Power, Faith and Fantasy. New York, 2007.
  • Barbara W. Tuchman. Bible and Sword.New York, 1956.
  • David Pawson. "Defending Christian Zionism" Terra Nova Publications, 2008. ISBN 978-1-901949-62-9