Sirém (em grego: Σειρέμ ou Σιρήν; romaniz.: Seirém ou Sirén) ou Xirim (em persa: شیرین; romaniz.: Šīrīn) foi uma dama do Império Sassânida do fim do século VI e começo do VII. Segundo Sebeos, era nativa do Cuzestão e quiçá era arameia. Teofilacto Simocata a chama de grega, mas é possível que seja um erro. As fontes concordam que era cristã. Se sabe que casou em data incerta com o Cosroes II (r. 590–628) e foi consagrada rainha (bambišn) em 592.[1] Ela era a esposa favorita de Cosroes e o filho deles, Merdasas, foi escolhido como herdeiro.[2][3] Talvez era mãe de outro filho, Saliar,[4] mas Maria Brosius o coloca só como filho adotivo.[5] De todo modo, foi morta em 628 com seus filhos e enteados após o golpe de Estado liderado por Siroes, um dos filhos de Cosroes com uma segunda esposa, Maria.[6][7]

Sirém
Cosroes avista Sirém se banhando em uma piscina segundo um manuscrito do poema Cosroes e Sirém de Nezami
Bambišn do Império Sassânida
com Maria e Gordia
Reinado 592-628
Antecessor(a) Incerto
Sucessor(a) Borana
 
Cônjuge Cosroes II
Descendência
Dinastia sassânida
Nascimento Desconhecido
Morte 628
  Ctesifonte
Religião Cristianismo

Referências

BibliografiaEditar

  • Howard-Johnston, James (2010). «Ḵosrow II». Enciclopédia Irânica. Nova Iorque: Imprensa da Universidade de Colúmbia 
  • Justi, Ferdinand (1895). Iranisches Namenbuch. Marburgo: N. G. Elwertsche Verlagsbuchhandlung 
  • Martindale, John R.; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1992). «Shirin». The Prosopography of the Later Roman Empire - Volume III, AD 527–641. Cambrígia e Nova Iorque: Imprensa da Universidade de Cambrígia. ISBN 0-521-20160-8 
  • Teófanes, o Confessor (1997). The Chronicle of Theophanes Confessor - Byzantine and Near Easter History AD 284-813. Traduzido por Mango, Cyril; Scott, Roger. Oxônia: Imprensa Clarendon