Abrir menu principal

Wikipédia β

Sismo de Kermanshah de 2017

terremoto de 7.3 de magnitude
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção se refere ou tem relação com um desastre recente ou atualmente em curso.
A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (Editado pela última vez em 15 de novembro de 2017.)
FireIcon.svg

O sismo de Kermanshah de 2017 foi um sismo que ocorreu a 12 de novembro desse ano, às 21:18 (hora local), junto à fronteira Irão-Iraque, do lado iraquiano, na província do Curdistão.

Sismo de Kermanshah de 2017
Destruição causada pelo sismo em Sarpol-e Zahab, no Irão.
Mapa com a localização e intensidade do sismo..
Magnitude 7.3 Mw[1] MW
Tipo Cavalgamento[1]
Data 12 de Novembro de 2017 (2017-11-12)
Zonas atingidas Iraque, Irão
Vítimas 530 mortos[2]
8 100 feridos [3]

Índice

TremorEditar

O epicentro foi a cerca de 30 quilómetros a sul-sudoeste da cidade de Halabja, no Iraque, com uma magnitude de momento de 7.3,[1][4] e hipocentro a 25 quilómetros de profundidade.[5] Foi sentido no Iraque e Irão, e em locais tão distantes como os Emirados Árabes Unidos e Israel.[6] O sismo foi também sentido no Kuwait, com magnitudes variando de 4 a 5.[7] O sismo foi sentido nas capitais do Irão e do Iraque, Teerão e Bagdad, sem provocar danos.[8]

 
Edifício destruído na cidade de Sarpol-e Zahab

As zonas mais afectadas situam-se do lado iraniano, na privíncia de Kermanshah. Segundo a televisão do Irão, pelo menos oito aldeias fronteiriças foram devastadas. A electricidade foi cortada na área e muitas equipas de emergência dirigiram-se ao local.[8]. A má qualidade das construções na região poderá ter contribuído para agravar a devastação.[9] Os padrões de construção de uma série de apartamentos recém-construídos que colapsaram, ou foram gravemente danificados, foram seriamente quastionados. O vice-presidente iraniano, Eshaq Jahangiri, afirmou que muitos desses apartamentos foram construídos no âmbito de um programa de habitação a custos reduzidos promovido pelo anterior presidente, Mahmoud Ahmadinejad.[2]

Segundo a agência noticiosa Irna, o sismo causou danos em 7 grandes cidades e 1950 localidades da província de Kermanshah. As autoridades dizem que doze mil habitações foram completamente destruídas, e outras quinze mil danificadas.[2]

No lado iraquiano, os maiores danos foram na cidade de Darbandikhan, a 75 quilómetros a leste de Sulaimaniyah, na região semiautónoma do Curdistão, ficando feridas mais de 30 pessoas naquela cidade. O principal hospital do distrito foi gravemente danificado, forçando a transferência dos feridos para outras cidades.[8] Na cidade de Kirkuk habitações ficaram danificadas, forçando os habitantes a abandoná-las.[7]

VítimasEditar

 
Vítimas do terramoto em Sarpol-e Zahab.

Pelo menos 530 pessoas morreram, a maioria na província de Kermanshah, no lado iraniano da fronteira, onde foram registrados 430 vítimas fatais,[2] entre elas o comandante do exército iraniano.[10] Estima-se que o número de vítimas naquela província possa atingir as 580. 316 vítimas mortais ocorreram na cidade de Sarpol-e Zahab, a cerca de 16 quilómetros da fronteira com o Iraque. Outras 28 pessoas terão morrido na cidade de Qasr-e-Shirin, outra cidade de Kermanshah, conhecida como entreposto comercial entre o Irão e o Iraque.[2]

Este foi o terremoto mais mortífero ocorrido em 2017. O número de feridos passa de 7400 e ainda há 70 mil desabrigados.[9]

ReaçãoEditar

A 14 de novembro o Irão decretou luto nacional, e o presidente Hassan Rouhani viajou para Kermanshah, a região mais afectada. Os jornais do país romperam com a tradição, publicando as primeiras páginas em língua curda, demonstrando a sua solidariedade para com a população das áreas mais afectadas, de maioria curda.[2]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c «M 7.3 - 30km SW of Halabjah, Iraq». earthquake.usgs.gov. Consultado em 12 de novembro de 2017 
  2. a b c d e f Dehghan, Saeed Kamali. «Officials raise Iran-Iraq earthquake death toll to at least 530». the Guardian. Consultado em 14 de Novembro de 2017 
  3. http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2017/11/1935229-ma-qualidade-das-construcoes-agravou-terremoto-no-ira-dizem-moradores.shtml
  4. «Northern Iraq rocked by 7.2 magnitude earthquake». www.aljazeera.com. Consultado em 12 de novembro de 2017 
  5. RTP; RTP, Rádio e Televisão de Portugal - (24 Outubro 2017). «Sismo na fronteira do Irão e Iraque causa pelo menos 213 mortos». rtp.pt. Consultado em 13 de Novembro de 2017 
  6. «Earthquake of 7.2 magnitude hits Iraq». The National (em inglês). Consultado em 12 de novembro de 2017 
  7. a b Group, Global Media. «Terramoto - Sismo de magnitude 7,2 fez pelo menos 65 mortos no Irão e Iraque». DN. Consultado em 12 de Novembro de 2017 
  8. a b c «Expresso | Tragédia no Irão e Iraque: sismo faz pelo menos 65 mortos». Jornal Expresso. Consultado em 13 de Novembro de 2017 
  9. a b «Má qualidade das construções agravou terremoto no Irã, dizem moradores». Folha de S.Paulo. 13 Novembro 2017. Consultado em 14 de Novembro de 2017 
  10. «Terremoto na fronteira entre Irã e Iraque já é o que mais matou em 2017». BBC Brasil (em inglês). 13 de novembro de 2017 

Ligações externasEditar